PplWare Mobile

Critical desenvolve software para helicópteros Apache…


Autor: Vítor M.


  1. Pedro Pinto says:

    Portugal está de parabéns; a Critical, como sempre, na linha da frente.

    (Onde está Structural Healt Monitoring deve ler-se Structural Health Monitoring)

  2. Bah says:

    Isso e pagar 600€ aos engenheiros que trabalham em Portugal!

  3. roliveira says:

    É bom ver no pplware o reconhecimento de uma empresa tecnológica sediada em Coimbra. 🙂 A critical é só uma referência em desenvolver software tolerante a falhas para sistemas críticos (sim é redundante eu sei 🙂 ) . Há projectos a decorrer na agência espacial europeia que só vão para a frente com a luz verde de engenheiros desta empresa.

    É caso para dizer, o que é nacional é bom 🙂

  4. O Comédias says:

    Ena! É assim mesmo! Viva o povo tuga!

    Mas só há uma coisa que me incomoda. Com este software português os rockets não sairão pela traseira do apache em vez da frente?! 🙂

    • rv says:

      deves ter percebido mal…

      mas a aplicação deles não irá controlar nem disparar os misseis dos helicópteros. irá sim fazer a gestão da frota. e prever os ciclos que cada um das aeronaves faz antes de ir para a manutenção.

      para disparar e afins, estão lá os sistemas integrados nas aeronaves.

  5. QuimC says:

    Tanto a Critical Software como a Edisof são empresas de vanguarda em desenvolvimento de software de gestão e controlo de armas para diversos países no ãmbito da união europeia e mesmo OTAN, e só se admira quem desconheçe… No ambito do estado português destacam-se principalmente nesse campo nos mais modernos equipamentos adquiridos ao serviço das forças armadas. É Apenas uma afirmação sem qualquer hipotese de discussão ou de prova pelo simples facto de serem matérias normalmente reservadas ou outros graus de segurança mais elevados dentro dos Estado que requisitam os seus serviços e sujeitos a confidencialidade contratual.

  6. M.Manuelito says:

    Fico contente e a Critical é uma empresa portuguesa muito bem cotada, portanto o que é português é cada vez melhor e é pela qualidade que nos iremos conseguir afirmar no mundo, penso eu de que 🙂

    • roliveira says:

      Achas? Nada disso, só nos vamos afirmar trabalhando cada vez mais, termos menos dias de férias e recebendo cada vez menos.
      Há que trabalhar muito para tentar fazer concorrência à china.

      😀

  7. zbenta says:

    Polémicas de salários à parte, creio que a Critical está de parabéns.
    Força Portugal mostra que o que fazes, fazes bem.

  8. ze nagas says:

    A Critical personifica o que se pretende neste momento em Portugal, trabalhar muito e bem ( e para isso e claro nao se pode ter vida para alem do trabalho ) e receber pouco ou nada para os patrões poderem ter uma vida de verdadeiros lordes 😉

  9. Vítor M. says:

    É uma empresa de referência. Parabéns à Critical e aos seus criativos.

    • mario lopes says:

      Seria uma empresa de refencia se trata-se as pessoas com dignidade,e paga-se bem no fundo é mais uma empresa que ganha rios de dinheiro e paga mal continua-se a ter a cultura da empresa ter muitos lucros mas explora-se os empregados seja com ou sem formação.
      Por isso Portugal nesta situação e para se prosperar tem de se sair de Portugal, já trabalhei numa empresa de TI americana e tinha um cultura totalmente oposta a Portuguesa a diferença da noite para o dia.Em Portugal cada vez mais se cultiva a cultura da escravatura.

    • LOL says:

      Criativa é esta resposta. A empresa em causa carrega para montar bits e bytes.

  10. Filipe Rodrigues says:

    Para mim a melhor arma de voo com tripulante.
    Parabéns à Critical, sim senhora…

    • Filipe Tavares says:

      A melhor arma de voo com tripulante?! Lol… Se me disseres que é a melhor nas suas funções ai sim. Agora melhor arma de fogo.. Apresento-te o Eurofighter Typhoon e Lockheed f-22.

        • @lmx says:

          Boas…
          o melhor avião de combate é sem sobra de duvidas russo!!!
          ẽstima-se que nos próximos 10-15 anos a américa não tera avião para rivalizar com uma “nova” especie de MIG/Sukhoi aquilo até mete medo…não é ao acaso que um grande incendio o ano passado destrui muitas instalações militares onde estavam equipamentos destes em teste e que fez o Medvedev passar-se ao ponto de dimitir toda a estructura militar de chefias de topo…os Américas estão de volta no jogo da caça ao rato, mas desta vez não teem hipotse!!

          cmps

      • David Carvalho says:

        O F-22… que tem problemas no fornecimento de oxigénio ao piloto, deixa-o inconsciente e depois o avião aterra de uma forma esquisita. Com chamas e tal….

  11. tb says:

    se paga bem ou mal sinceramente ñ sei…

    a única coisa que digo é não se VENDAM.

  12. Nuno says:

    Se me pagassem os meses que me devem parecia-me motivo de noticia. É óptimo ser reconhecido com a exploração dos funcionários, muitos deles que se aguentam por falta de alternativas. Caso para dizer que mais uma empresa que devia ser acusada está a ser publicitada… Força povinho!!!

  13. darth says:

    OHHH! voces sao uns alarmistas!!! como é que o patrão da Critical vai enriquecer e fazer boa vida, se for a pagar um salário justo?! o homem tem de fazer pela vida… mesmo uns bétinhos 😛

  14. Ex-Crítico says:

    No meu caso já trabalhei alguns anos na Critical Software e só tenho a dizer bem da empresa… excelente ambiente, excelentes programadores e um processo de qualidade de elevadíssima qualidade não estivessemos a falar de uma empresa CMMI-5 (primeira empresa portuguesa a obter esta certificação!). A outra face da moeda é de facto a pior e mais vergonhosa… os salários… não é possível pagar cerca de 8xx euros a um recém-licensiado ou mesmo a uma pessoa com um par (ou mais) de anos de experiência. A critical vive de estagiários a quem oferece uma bolsa apelativa de 600/700 euros e sejamos sinceros é extremamente bom para um estagiário e que os move de seguida a continuar na empresa por pouco mais dinheiro.

    Acredito que a critical esteja talvez ao mesmo nível em termos de salários para progamadores Senior, comparativamente com outras empresas de Coimbra/Aveiro, no entanto volto a frizar o quanto vergonhoso são os salários para os Junior Engineers.

  15. John says:

    Muitos meninos saem da faculdade e pensam que por terem um curso superior têm direito a receber logo 1000 euros para cima.

    São Juniores no mercado de trabalho, têm de começar por baixo, mostrar serviço, competências, disponibilidade, têm de se afirmar como uma mais valia para a empresa.

    Ou acham que um patrão, ainda para mais hoje em dia, vai apostar num júnior que acabou de chegar e encher-lhe os bolsos?

    Por outro lado há empresas que se aproveitam claramente dos estagiários em particular e empregados no geral.
    Nestas têm duas alternativas, ou procuram outra empresa, ou então entram, sacrificam-se durante uns tempos, ganham currículo e saem depois para uma proposta melhor.

    Agora uma coisa é certa, não se acomodem, alarguem os horizontes, não existe só emprego na critical, em inicio de carreira há que fazer sacrifícios (sair do país, da cidade, aguentar uns tempos em empresas “piores”, etc…).

    Sem esforço e entrega não aparece nada.

    • Ex-Crítico says:

      “Muitos meninos saem da faculdade e pensam que por terem um curso superior têm direito a receber logo 1000 euros para cima.”

      Achas mesmo que não é compreensível haver essa expectativa? Será tão irreal uma pessoa com um curso superior em Eng. Informática esperar receber bem mais que uma pessoa com um curso das novas oportunidades?

      Como tu disseste bem, há que alargar os horizontes, quem é formado nesta àrea e quer começar uma carreira ambiciosa com uma boa margem de progressão salarial, tem que esquecer tudo o que não seja Lisboa/Porto e digo mais tem que ser esquecer obrigatóriamente Portugal.

      • roliveira says:

        Ora bem, nem mais. E até podes ir mais longe, há pessoas em supermercados que não tem curso e se calhar recebem mais ou os mesmos 600 euros. Infelizmente, é próprio de muitas empresas que estão sediadas em cidades com universidades que formam mão de obra para elas, se “aproveitarem” desse facto.

        O grande problema do nosso pais no geral, é não dar o devido valor a quem o pode levar para a frente e é considerado mão de obra altamente qualificada.

        No entanto concordo num ponto com o John, há alternativas (outras empresas) e ninguém é obrigado a trabalhar numa só empresa.

      • John says:

        O que sei, não é o que acho, é que existem muito poucos que merecem essa remuneração sendo acabados de sair da faculdade.

        Não têm maturidade profissional nem cabalidade para começar acima de 1000 €.

        Sim, não quero afugentar ninguém, mas na minha opinião, o futuro de quem está a terminar licenciatura agora está lá fora. Lamentavelmente.

      • Am'erico says:

        Efectivamente, qualquer recem formado aspira a ter melhor remuneração no desempenho da sua profissão. No caso especifico da CS, vale a pena saber (para os ex-CS) se existe evolução da remuneração com o decorrer do tempo (experiência) e se existe avaliação anual/semestral/por projecto, etc, que condicione essa evolução na remuneração.
        Para quem chega agora ou recentemente ao mercado de trabalho, saiba que é assim que funciona (e sempre funcionou): primeiro tem de dar provas que sabe da matéria (curso) e com os resultados (tempo) vem a retribuição. Pequeno à parte: com a proliferação de “cursitos” as empresas têm toda a razão em duvidar dos conhecimentos que muitos “formados” atestam ter.
        Bom 2012!

    • Rodrigo S. says:

      ATENÃO: Mesmo os não acabados de sair da faculdade recebem salários míseros para o trabalho que desempenham! Eles são capacitados, experientes, empenhados e explorados.

  16. Arlindo says:

    Instalem “falhas” ocultas no sistema. Peçam um aumento! Se forem despedidos… Podem sempre cobrar caro pela correcção dos erros nos programas, ou percam semanas a dar com eles. Façam o que for mais barato. muahahahah lol
    Agora fora de brincadeira. É assim que está TODO o mercado de trabalho. Só os funcionários públicos estão livres destas tramóias e mesmo em tempo de crise, continuam a ser privilegiados. Direitos no privado, são poucos e quando existem “não se aplicam”. A oferta é maior que a procura e cada vez mais se pode despedir apenas porque lhe apetece.
    Acabam com os feriados para tirar privilégios ao sector publico. Na realidade o que acontece? Para os do sector publico fica na mesma. vão lá, trabalhem muito ou pouco, o patrão não os despede e ao fim do mês é garantido.
    No privado, acabaram com os feriados e o que acontece? O pobre coitado que nesses feriados tinha que trabalhar, ganhava um extra em horas que para muita boa gente no final do mês, faz a diferença. Este ano vai trabalhar à mesma, faz as horas, mas ganha menos. Quem se lixa, é sempre o mexilhão.

    • mario lopes says:

      “Arlindo é verdade o mercado de trabalho está todo assim” talvez por isso e após umas decadas de trabalho a conclusão a que chego é evitar a todo o custo profissões onde se fique dependente de entidade patronal.
      Porque é um risco altissimo, a meio do percurso pode-se ficar numa situação explosiva seja por despedimento ou por pressões e com encargos financeiros, pode-se perder tudo.

  17. Daniel says:

    Parabéns à Critical Software.

    É uma das muitas empresas de sucesso made in IPN (Instituto Pedro Nunes), em Coimbra

  18. Carlos says:

    Só para que fique esclarecido a estes INVEJOSOS que falam mal da Critical, eu fui colaborador da Critical em 2008 e ganhava 1200€… Estava a acabar de sair da faculdade….
    Nunca tive problemas com horários… Nunca trabalhei mais do que o necessário e para além do mais ainda ganhava um subsídio de isenção de horário…. Para além disso até me davam ajudas de custo no transporte…
    Enfim… Um empresa EXEMPLAR….
    Estes senhores falam com inveja de talvez nunca terem tido oportunidade de lá trabalhar…. Não é para todos, felizmente….
    PARABÉNS CRITICAL… Parabéns Gonçalo Quadros, Parabéns Diamantino Costa… Parabéns a todos!

  19. ex-critical says:

    É triste que em todas as noticias sobre a critical os comentários acabam por ser sp os mesmos: baixos salários e exploração das horas de trabalho dos empregados…

  20. Muttley says:

    A todos os que por aqui vêm destilar raiva perante os alegados baixos salários na Critical (muitos sem conhecimento de causa), tenho a dizer uma coisa: criem a vossa própria empresa e paguem 5000 € líquidos as vossos colaboradores, mais carro de empresa, telemóvel, etc.
    Depois de fazerem isso terão legitimidade para reclamar das políticas salariais das outras empresas.

  21. ex-csw mil quinhentos e troca o passo says:

    E assim se cala o Zé Povinho… Do 8 para o 80!!!

    Segue mais um com conhecimento de causa:
    Pouco tempo depois de eu ter entrado, tivemos reunião geral: ouvi do próprio CEO que a CSW conseguia ser competitiva nos mercados internacionais devido ao custo da mão-de-obra. Assim, a sangue frio, fiquei a perceber o meu presente e o meu mais que provável futuro.
    Acho que a minha experiência é idêntica à da maioria.

    Depois, há as excepções (que também as há) a um incrível fosso de distância… há o 8 e há o 80 (provavelmente na proporção inversa).
    Era um factor que não me motivava.

    É a jogada habitual: pagar mal à maioria (quem quiser sair, ok, substitui-se), pagar bem a umas quantas peças (estratégicas).
    A CSW não é (nem pretende ser) nenhuma Semco!

  22. J Pedro says:

    Pelo que aqui foi dito já se percebeu que a critical paga mal e não se recomenda a quem quiser ser justamente recompensado.

    Houve alguem que disse valer apenas para criar curriculo. Aos ex-critical: até que ponto a passagem da empresa contribuiu ou não para o seu sucesso profissional ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.