Condenado por descarregar 30 canções da Internet


Destaques PPLWARE

89 Respostas

  1. André says:

    olá,

    eu não concordo com o usar e abusar de forma perniciosa e abusiva o trabalho dos outros, principalmente artista que acompanho e admiro através de um ou outro trabalho.

    eu também uso P2P, não vou ser hipócrita…mas a desculpa dos elevados preços é uma verdade incontornavel! eu não pago para as ouvir desde o carro ou mp3 player e telemóvel…mas depois pago 50€ para ir ao concerto que de outro modo não iria porque não conheceria o artista e reportório. mudem o modelo de negocio…que esta caduco e já fica mal…poderia-se evitar este clima de mau estar e guerra constante.sigam o exemplo dos Coldplay…deixem-se de presseguições!!!

    subscrevo-me

    • Nuno says:

      Quando vais ao concerto as receitas de bilheteira não contribuem grandemente para a editora e para a cadeia de distribuição de CDs. Não penses que a tua contribuição de EUR50 para ires ao concerto compensa e justifica não pagares pelos CDs, porque são interesses completamente diferentes os dos artistas e os das editoras.

      Isto não tem nada que ver com uma distribuição justa do dinheiro relacionado com a obra do artista, tem a ver com contratos estabelecidos num tempo em que era crucial para o artista ter um espaço assegurado nas prateleiras das lojas.
      A única forma de mudar o estado das coisas não é arriscando multas e prisão copiando MP3 alheios na net, o que o consumidor tem que fazer é responder à RIAA e outras associações de editoras e distribuidores nos mesmos termos hostis que essas companhias tem praticado contra os consumidores. visitem http://www.riaaradar.com para evitar contribuir para a riqueza do inimigo e sirvam-se apenas de música distribuida sem influência dessa corja.

      • Ecchin says:

        “Quando vais ao concerto as receitas de bilheteira não contribuem grandemente para a editora e para a cadeia de distribuição de CDs.”

        Exactamente. Quem canta e toca a música são os artistas. Porque razão vou pagar 20 euros ou mais por um CD cujos lucros vão para a editora quase na totalidade? A maioria dos músicos só ganham dinheiro com concertos e tournées porque após o lançamento do disco, o grupo está em dívida com a editora porque tem de pagar a produção do disco, uns videoclips, promoção, etc, etc. Só os artistas mais famosos ganham realmente uma quantia substancial com a venda de CDs.

  2. OmeuNOME says:

    isto é a perseguição dos ricos aos pobres, porque lhes parece estarem a ficar menos ricos, ou então não vêem a sua fortuna aumentar tanto como era habitual.

    vemos diariamente os artistas ricos, o que quer dizer que as editoras deles ainda estão mais, e ainda se queixam…

    se por fazer download de músicas lhes tivesse a tirar fortuna, a muitos gananciosos eu era o primeiro a fazer download de tudo que pudesse 😀

  3. IceCube says:

    16.000 euros por canção !? Mas afinal quem é que roubou a quem !?

    Eu faço download sem qualquer remorso, nem pelos autores e muito menos pelas editoras.

    Quem não percebeu o que acabei de dizer ou não concorda, recomendo ver todos os episódios do MTV Cribs!

    • Toni Almeida says:

      O que tu fazes é muito mau pah!

      Já vi alguns episódios de MTV Cribs e a verdade é que muitos cantores ficam-se por uma mansões de luxo com 5 andares, 20 quartos e campos de futebol lá dentro, mas se não fosse o P2P eram capazes de ter palácios com 10 andares, com campos de golf e piscinas olímpicas lá dentro!

      Para não falar no meio de transporte … há muitos que nem conseguem comprar um jacto privado para cada elemento do grupo … ficam-se por um jacto pro grupo todo, e uns quantos Rolls-Royce e alguns Bugattis Veyron para cada um…

      • keops says:

        De facto, desse ponto de vista nunca mais vou sacar músicas agora que percebi o mal que tenho feito… 😛

      • canelas says:

        Pois eu não tenho pena deles. Tenho pena sim, dakelas pessoas que passam fome e frio e que vivem na rua.

      • Nuno says:

        Olha se os artistas tem carros Bugatti e motas Sucati e porque fazem espectaculos ao vivo nao e porque vendem CDs. Se eles vivessem dos CDs o Michael Jackson nao tinha dado cabo do resto da saude dele a tentar desesperadamente fazer 20 concertos num so mes para pagar as dividas. Repito: quem nao faz espectaculos ao vivo nao tem nada para mostrar no MTV cribs.
        Se achas que copiar MP3s ataca os excessos dos artistas estas enganado, o que fazes e atacar os lucros das editoras, que nao tem problema nenhum em mandar os seus empregados (advogados, nenhum artista) atras de ti.

        • Sam says:

          Mas… Micheal Jackson?? lol tas a defender um gajo que tem milhões e tem de fazer 20 concertos para pagar as dividas dele?
          Se ele tem dividas é porque não soube gerir a a sua fortuna! ele que tivesse vendido a neverland ranch ou a sua luva de diamantes (que provavelmente tem mais do que uma) ou qq coisa e conseguia pagar as suas dividas, sobrava-lhe, e com os 20 concertos até lucrava!
          Acho ridiculo defender um milionário que tenha dividas (já agora vamos defender o madoff, ou os “senhores” do bpn e do bpp)… porque realmente quem temos de defender são aquelas pessoas que têm de ter dois empregos para pagar as suas dividas e lutarem para sobreviver.

    • R says:

      Estás a falar de uma minoria… Umas poucas centenas de artistas (com mérito ou não), apaparicados pelo MTV (e mais alguns) que fazem produtos para as massas e para arrecadar milhões através de Marketing e modas. Mas há por aí uns milhares (se não milhões) de artistas extremamente talentosos e virtuosos nos vários estilos de música (se é que estamos a falar só de música) que lutam muuuiiito para mostrar a sua arte. E esses sim, merecem ser reconhecidos de uma forma mais justa e compensatória, para conseguirem continuar a produzir arte boa.
      Verdade é que gosto de centenas de artistas e não compro música de todos (porque não tenho capacidade monetária para isso), mas faço questão de comprar CD’s de artistas que acho que merecem de alguma forma, para incentivar a continuidade do seu trabalho.
      Novas formas hão de ser encontradas, naturamlmente. É a lei do mais forte. E na minha opinião, as editoras já são “leõs velhos”…
      Supostamente, os “Radiohead” ganharam mais dinheiro no álbum que venderam através da internet do que algumas vez ganharam com os álbuns que lançaram através das editoras. Isto parece-me, de alguma forma, muito mais justo para os artistas.

      • RSousa says:

        Tens toda a razão no que dizes, por isso é que no artigo fala que o modelo de negócio já está ultrapassado.. e os artistas/editoras têm de se actualizar.

        Nos tempos de hoje, os artistas realmente talentosos não precisam de editoras para os dar a conhecer, há a internet, há muitas redes sociais por aí foram, e aí sim, se forem bons ficam conhecidos, e há um passa-a-palavra que os torna ainda mais populares, e aí chegam a um nível em que podem muito bem receber dinheiro a partir de concertos.

        Claro que com isto não quero dizer que seja legal descarregar músicas, mas só não é legal (para todas as músicas) porque há contratos que foram feitos no momento em que as músicas foram lançadas.. Porque vê-se cada vez mais os grandes artistas a disponibilizarem as músicas por eles próprios, e esse parece-me ser o caminho a seguir

  4. BlinZK says:

    Se não arranjam rapidamente uma solução que agrade a todas as partes, qualquer dia tem que processar praí 90% dos utilizadores de internet!!

    • IceCube says:

      Sim que os outros 10% devem ser mais escorregadios que os políticos portugueses à justiça …

    • Sam says:

      concordo plenamente! fazer exemplo de um gajo de 25 anos que sacou musicas da net e agora tem de pagar milhares de dólares de indemnização… isso sim é crime! isto tendo em conta que há milionários… que fazem falcatruas de milhões e continuam impunes.

  5. Manuel José says:

    Eu como programador e estudante de um curso de informática sou contra a pirataria. Apenas uso para experimentar jogos, se gostar compro. Os preços são caros, é verdade, mas nesse caso, não se usa. Eu também gostava de ter um porche e não tenho e não vou roubar só porque é caro. Vejo muita gente a dizer que o dinheiro não dá, mas acabam por gastar mais dinheiro em tabaco (no fim do ano quase já dá para comprar um carro) por exemplo. Além disso, para quê sacar o photoshop, se em 90% dos casos o GIMP, que até é utilizado por alguns profissionais, serve? Para quê sacar o Microsoft Office, se o OpenOffice serve perfeitamente para escrever um texto, e ainda tem algumas vantagens, como por exemplo conseguir abrir ficheiros corrompidos? Dá muito trabalho fazer um software e muitos custos, acreditem.

    • Manuel José says:

      No que diz respeito ao tema deste post, devo concordar que a multa foi exagerada e também concordo que os cantores ganham dinheiro é nos concertos, porque nos discos a maior fatia vai para a editora que publicou.

    • Demon says:

      “Apenas uso para experimentar jogos, se gostar compro”

      LOL

      não precisas de sacar um jogo completo para saberes se gostas dele ou não. É para isso que servem os demos, vídeos no youtube, reviews nos sites da especialidade, etc.

      • Manuel José says:

        É verdade, mas as demos e reviews por vezes enganam. Por vezes nem existem demos, e as que existem não possibilitam experimentar o que tem o jogo de melhor. Quanto ás reviews, é uma questão de gostos.

        • IceCube says:

          Foi precisamente o que este jovem fez.

          Tirou as musicas para verificar se realmente eram boas, mas esqueceu-se de as apagar imediatamente do disco quando viu que eram musicas de ouvir e deitar fora com batidas e letras dos anos 80!

          Por isso vai pagar 16.000 € por cada musica!

          • Manuel José says:

            Pois, isso é xato. Os jogos por exemplo podiam ter todas as funcionalidades, mas por tempo limitado, tipo os programas shareware. Assim, não era preciso fazer pirataria para experimentar. É que gastar 50 euros num jogo só porque se gostou da demo, para depois chegar à conclusão que afinal o jogo não presta, não é fácil. E falo por experiência própria. Quanto às músicas, se ele queria experimentar de forma legal podia usar o youtube. Acredito que não tenha pensado nisso.

      • Nuno says:

        Ou entao vais a loja experimentar se o jogo. O pior e que isso so sucede se o jogo estiver a ser promovido pela respectiva editora, ie: para haver uma consola com o jogo x a ocupar espaco na Worten, e preciso que alguem pague ao Belmiro para ocupar aquele espaco com aquele produto e nenhum outro.

    • IceCube says:

      Sabes qual é o software que mais dinheiro dá à Microsoft ? O Office que é simultaneamente o software mais pirateado da história. estranho !? Não!

      Muito simples, o facto de ser o mais pirateado torna-o o mais conhecido, logo o mais utilizado, logo as licenças vendidas em ambiente empresarial são suficientes para gerar e muito retorno à Microsoft!

      Se a Microsoft criar um mecanismo 100% anti-pirataria para o Office e Windows (os dois produtos de maior retorno), não vai ter um trimestre com prejuízos, simplesmente FECHA AS PORTAS!

      • curioso says:

        Finalmente alguem que diz o obvio, é exactamente isso.

        Na verdade é particularmente facil criar umas proteções contra pirataria bem melhores que as usadas pelo windows/office, mas isso é suicidio.

        O mesmo se passa com muitos outros softwares, se querem ser conhecidos e ter uma boa percentagem e utilizadores têm que quase por o software a jeito de ser pirateado, senão não consseguem.

      • JPedrosa says:

        Ora viva,
        por acaso ja disse isto várias vezes e inclusivamente algumas delas aqui no PPLWARE.

        é a pirataria que divulga muitos produtos, sejam software ou musica/filmes.
        Quer queiram quer não, é a realidade.

        A M$, se tirasse as copias ilegais do Windows, para onde ia a sua quota de mercado? E com isso quantas empresas arrastava? E o Office como muito bem foi dito, lá se ia a predominância, porque uma vez o OpenOffice ou outro qualquer ganhando nome, até nas empresas entrava.

        Mas vamos falar de musica que é o tema de conversa.

        As editoras, estão ainda modeladas para um esquema de financiamento antiquado, mas não é antiquado porque eles não têm capacidade de evoluir, é antiquado porque é o modelo que lhes dá mais dinheiro.

        Eu espero pacientemente que nasça uma geração de músicos que tenham a capacidade de serem mundialmente conhecidos apenas graças ao seu site. E que com isso, tenham capacidade financeira para custear a produção dos seus CD’s. Assim esta corja de inúteis ia ficar a ganhar dinheiro daquilo que sabe fazer … NADA.

        Havendo dinheiro para o 1º CD, uma banda qualquer que seja ela, vive bem sem as editoras. Aliás, inteligentes seriam os músicos se criassem eles próprios uma editora (não sei se já existe) para garantir apenas condições de gravação para novas bandas. Depois a promoção, façam as bandas, online, concertos, etc. O Youtube é muito mais poderoso que anuncios de 30s em qualquer canal.

        Eu penso que isto só “ganha caminho” quando forem os próprios músicos a virar as costas as estes tipos.

        Seria bonito, fazerem um inquérito anónimo em concertos, só para perguntarem se quem lá está, teve conhecimento por uma cópia legal ou ilegal. Não sei se alguém da industria por aqui anda, mas fica o repto. Da mesma forma que na compra de um CD, se pudesse dizer se se está a comprar após um download ilegal. secalhar muita gente ia ficar surpreendida.

      • Nuno A. says:

        Não esquecendo também o Nero!!! Que um serial só chega!!!

      • Frigo says:

        no outro dia estava a discutir isso no twitter, quase que me batiam por dizer isso. lol

    • Gonçalo says:

      Como programador e estudante de engenharia informatica (eu tambem sou) devias saber que o software livre vai-se impor (pelo menos assim espero), e tambem devias saber que a maioria dos programadores ou trabalhadores da area não trabalham para empresas como a MS, mas sim para empresas que constroem software “á medida” das necessidades do cliente e esse não faz sentido ser pirateado.
      Editoras -> sangueSugas que vivem á custa do talento de outros e nem se esforçam para mudar o modelo so seu negocio.

    • Sam says:

      essa analogia do porche está um pouco errada. porque se eu for sacar um torrent não estou a roubar nada a ninguém, tou simplesmente a usar uma coisa quem alguém decidiu partilhar.
      por isso a analogia seria mais do genero… “o meu amigo que trabalha na porche disse-me que podia levar um porche para ir passar umas ferias… e uns dias depois sou perseguido pelas autoridades e sou preso por roubo porque o gerente do stand reparou que faltava um porche.”

      a lei devia punir quem partilha e não quem faz uso dakilo que os outros fornecem.

  6. Pedro says:

    “477.500 euros” como eles sabem inventar quando tem oportunidade também.
    Eles tem muito que suar contra a pirataria, ainda por cima agora so existem comunidades privadas, e já existe Download anonimo, mas que continuem.
    Não sou a favor da pirataria, mas tambem não sou a favor que nos roubem com preços altos.

  7. c0demaster says:

    Sim, de facto basta ver um qualquer episódio do MTV Cribs para ver como o “download ilegal” de música da net afectou em muito aqueles senhores… agora só podem ter um Veyron em vez de dois, é triste.

    Os bons grupos musicais são grupos de entretenimento, o objectivo deles e o seu habitat natural são os palcos, aí é onde realmente podem ser ouvidas as suas músicas, eles vendem é um espectáculo, os cds de música são no fundo publicidade para esse espectáculo, e obviamente ninguém tem de pagar por publicidade.

    Agora, considero completamente diferente o download de música de o download de software, o software pago tem de ser pago, quem quer usar paga, senão tem muitas alternativas grátis.

  8. José Xavier says:

    Só não percebi é porque é que ele necessitou de mais de três software p2p para sacar 30 canções e coitado dele que desde 1999 até 2009 sacou 30 canções o que dá 3canções por ano e depois tem uma multa destas :p

  9. afar says:

    Notícia com mais detalhes:

    http://tek.sapo.pt/noticias/internet/estudante_em_tribunal_por_partilhar_musica_no_1009329.html

    Ele não só descarregou trinta músicas mas foram estas trinta que as editoras conseguiram comprovar.

  10. Pedro Coelho says:

    Boas

    Há um grupo, penso que são os 9 inch nail, que estava ligado a uma editora, da qual só recebia uns meros 10% dos direitos (10%!!!!), os ditribuidores e retalhistas (quem vende ao público) varia entre 30% a 40%, e o resto é para a editora os promover.
    No entanto houve um album em que eles pretenderam beneficiar os fans com umas músicas gratuítas no seu site, mas a editora não os deixou.
    O que fizeram então? Acabram o contracto com a sua editora e o album seguinte foi colocado no site deles de graça, todas as músicas.
    Para ganhar dinheiro, fizeram concertos, sem intermediários, lançaram um CD especial com as mesmas músicas que tinham na Internet e mais duas faixas de bónus que não estavam na Internet e um DVD com as mesmas músicas, um concerto ao vivo, uns comentários e outros bónus, mas de edição limitada (venderam todos os exemplares em tempo record), também comercializaram no site T-Shirts, Posters e outros objectos.
    Conclusão, foi o album que mais receitas gerou e é um exemplo de como as editoras poderiam ganhar na mesma dinheiro com as músicas de borla!!!!
    Actualmente há estudos de mercado e estudos nas Universidades e escolas de Economia sobre o modelo criado por eles como o caminho a seguir no futuro, já que os modelos actuais das editoras já começam também a não satisfazer os autores e elas sem os autores não fazem nada, deixam de existir.
    É que eu crio uma música, depois em cada 1000 euros que a minha música gera eu recebo 100 euros e a editora entre 500 e 600 euros, mais 5 a 6 vezes mais que eu, o seu criador/autor? Não haja dúvida que os direitos de autor beneficiam os autores… (ironia)

    Fiquem bem
    A. Pedro Coelho

  11. Felipe Rei says:

    Bom mesmo será quando começarem a condenar os próprios cantores, produtores, editores, donos de indústria fonográficas, atores e diretores de cinema que também usam e abusam da “arte” do download.
    Ou será que nenhum deles o faz???
    Será que os filhos do Spielberg nunca baixaram um filmezinho ou um CD???

  12. José Gaspar says:

    Nunca vendi um CD ou DVD a ninguem. Sou mais dado a oferecer (O que tambem é partilhar).

    Só saco coisas da net para meu próprio consumo.

    Mse esse moço foi condenado a pagar esses dolares todos por 30 musicas então eu e quase toda a gente merece pena perpétua.

    Ganda vergonha. Esse juiz tava comprado pelas editoras.

    • luis says:

      Realmente que vergonha onde é que já se viu uma coisa dessas??? já não basta a crise actual…enfim….mas esses senhores esquecem-se que a “pirataria” feliz ou infelizmente é que alimenta a Internet. Não uso P2P, no entanto considero um exagero…enfim…é por estas e por outras que cada vez mais existe miséria neste mundo.

  13. kekes says:

    Isto e so um inicio que eu creio que vai elevar o P2P a outro nivel, ai pois é, isto de eles começarem a cargar nestas pessoas, vai fazer com uqe se criem novos mecanismos para contornar a cena, e o anonimato na internet vai ser o proximo passo, que eu ansiosamente aguardo, e contribuirei como poder para que tal se suceda, pois nao tem logica nenhum pagar fortunas por um CD, mesmo quando descarregado online, fica caro, quando não se quase gastos nenhum na reprodução de CD’s. Acredito que se os CD’s fossem mais baratos mais gente compraria e mais lucro teriam, só que eles não querem, principalmente agora dar o braço a torcer, mas isso só vai fazer com que eles fiquem mais vulneráveis, estando só a ficar as grandes distribuidoras que continuam a explorar os pobres (neste caso os artistas) para terem enormes lucros, assim como os retalhistas com margens enormes. Se reduzissem a sua margem para metade, venderiam 4 vezes mais CD’s, quem não quer o original? Os livros saem para pdf’s, mas as pessoas preferem comprar, porque? Porque os preços não são tão inflacionados para o material que é usado.

    Eles com, estas acções so vão fazer o oposto, aumentar as formas de combate contra as editoras.

    • Manuel José says:

      Concordo que os preços deviam ser mais baixos e que pelo menos 55% do dinheiro (para não dizer 90%) devia ser para o autor e não para a editora.

  14. Nuno A. says:

    Isto é tudo muito bonito mas na venda de CDs e tal as editoras só se protegem a elas mesmas. De um CD que custa 10 euros, apenas 2% vai para o autor / grupo, ou seja, de 10 euros apenas 20 cêntimos vão para o autor, o que significa que o verdadeiro lucro é gerado principalmente pelos espectáculos. Claro está que se venderem milhões de CDs também conseguem grandes lucros. Na minha perspectiva o P2P surge como uma forma barata de publicidade, em que muitos autores não teriam o sucesso que têm hoje se não fosse o P2P. Lembram-se do que a Joss Stone disse? https://pplware.sapo.pt/2008/06/26/joss-stone-e-a-favor-da-pirataria-de-musica/

    E para não dizerem que estou a defender-me, eu só gosto de Música clássica e canto gregoriano, e quanto à primeira (os autores) já morreram há mais de 200 anos…

  15. keops says:

    Isto faz-me lembrar aquela teoria que as editoras pagam a estas pessoas para em tribunal admitirem que fizeram download e são muito culpadas e merecem ser castigadas, para servir de exemplo e meter medo a todos nós que cá andamos.

    E no mundo corrupto que vivemos não me admiraria nada se isso não fosse verdade…

  16. Pedro says:

    Há coisas irreais meus caros…

  17. A friend says:

    @offtopic

    Atenção para quem tava preocupado com a vulnerabilidade que afecta o Iphone, Andoid, Windows Mobile…

    A Apple já lançou a actualização para o iPhone
    http://gizmodo.com/5327410/iphone-firmware-301-is-out-fixes-sms-vulnerability

    Info sobre a Vulnerabilidade em:
    http://mashable.com/2009/07/30/iphone-hack/

  18. mr botha says:

    Mas afinal quem é que faz os downloads? Somos todos.

    Roubar um carro ou fazer download de um filme é igual, vou ver se faz um download de um carro.

    Isto é para meter medo? Se começar a prender vamos todos presos, policias, políticos, engenheiros, etc.

  19. canelas says:

    Não compro filmes. Alugo no videoclube e recomendo que outros façam o mm. Assim as editoras já não podem dizer que a pirataria faz isto e akilo. As músicas saco as k kero. No carro apenas oiço radio (Antena3, Comercial e RFm sobretudo). Recuso pagar + de 15 € por um cd de música. As editoras que deixem de ostentar luxos que não podem pagar!!!

  20. canelas says:

    E só peço uma coisa à Al-Qaeda: bombardeiem a sede da RIAA e da MPAA. Já metem nojo.

  21. Ribeiro says:

    Penso que se as musicas , filmes , jogos , etc fossem a um preço mais acessível a toda a gente ,(pagar de 15 – 80 euros ) por um cd/dvd acho um abuso para pessoas que na nossa sociedade ganham o ordenado mínimo nacional, e pouco ou nada chega ao fim do mês depois de pagar as despesas todas ! essas pessoas ficam então sem direito de ouvir boa musica, ver um filme ? afirmo ate que se os preços fossem mais baixos iria acabar com grande parte da pirataria , porque ninguém se iria dar ao trabalho de secar um cd pirata , quando tivesse um original por 4 ou 5 euros!

  22. Frigo says:

    Só espero ver daqui a uns anos estes gajos da RIAA, e por cá senhores como o Tozé Brito como mendigos na rua. Que ainda lá vou e cuspo-lhes para cima.
    Preocupam-se tanto com os artistas como eu com a produção de batata no Butão.
    A preocupação deles é deixarem de encher os bolsos enquanto estão sentadinhos em casa “a proteger os direitos dos artistas”.

    Curioso que sempre que ouço coisas sobre plágios e afins, são sempre os artistas lesados a terem de se proteger…ou sou eu que percebo mal.

    Mas não se preocupem, com as últimas brincadeiras destes anormais já conseguiram fazer aparecer algumas VPN privadas e seguras para sacar….agora é uma questão de se massificarem.

    cá estarei para ver estes FDPs a lixarem-se.

  23. J.C says:

    O problema é que os artistas nao controlam o seu proprio trabalho. Prostituem-se com as editoras, porque as mesmas forma uma máfia de tal ordem onde caso não recorras a elas não tens hipoteses de vingar no mercado.

    Aos poucos começam-se a ver artistas que vingam por si só na net. Infelizmente ainda são muito poucos.

    Enquanto as pessoas não se revoltarem contra as editoras e fizerem um bopicote a nivel mundial para deixar de comprar musicas em suporte fisico e nos seus sites… os abusos como este continuaram a acontecer.

    Comko é possivel que um puto de 25 anos em inicio de vida possa ser multado desta maneira?

    A falta de liberdade do outro lado do oceano rivaliza com a monitorização que a china faz da sua rede.

    A RIAA só existe porque ainda ha quem compre alguma coisa.

    Por mim contento-me a ouvir radio na net e no carro.

    Já nao compro um CD à mais de 1 ano. Os ultimos ofereceram-mos.

    Tb nao sou apologista de fazer DL e de andar a distribuir. Ouço a musica que me deixam ouvir desde que não pague nada com isso. Apanho com um pouco de publicidade na radio. Paciencia.

  24. Wilson Silva says:

    Faço descargas de todo o tipo de ficheiros mas não acho que por os artistas já serem ricos ou não, que eu não deva pagar para obter o fruto do seu trabalho. Apenas não pago porque não tenho meios para isso. Mas assim que tiver condições compro tudo o que saquei.

    Quando vamos a uma loja comprar comida pagamos e calamos-nos. As pessoas que a fizeram merecem ser recompensadas pelo seu trabalho. Da mesma maneira que os artistas/programadores/etc merecem a nossa contribuição sendo ou não ricos.

    • Sam says:

      Não me leves a mal… mas “Mas assim que tiver condições compro tudo o que saquei. ” pergunto eu.. tudo o que sacaste até hoje vale quanto? 🙂

      Quem saca é porque não tem intenção em pagar… e só vai pagar pelo respectivo meio fisico (dvd, cd, etc..) se gostar muito.

      Agora estares a pagar tudo o que sacaste… é obvio que não vais fazer isso 🙂 este mundo não foi feito para sermos santinhos.

  25. N. P. says:

    Já agora!
    Acabei de descarregar o último Cd dos Moby, muito fixe 🙂

    Ai que vou ser preso… lolll

  26. omgwtfbbq says:

    Só para esclarecer os que estão a dizer que roubar porsches ou outros carros é a mesma coisa:
    http://nynerd.com/wp-content/uploads/2008/06/piracy-is-not-theft.gif
    e ainda:
    http://www.maxconsole.net/content_img/pirnotheft.jpg

    Quanto à notícia, uma das principais razões da pirataria existir é a facilidade e comodidade para arranjar os álbuns de música. Acabando com isso, iria traduzir para uma redução da cultura musical das pessoas, e isso não iria beneficiar ninguém.

  27. dasilva says:

    Eu sou músico, há pouco tempo fui a concerto de música num teatro, pode-se dizer que era um concerto de música mais erudita. O apresentador, perguntou ao director do teatro que estava na plateia, se todos os direitos de autor tinham sido pagos ,bem como os impostos para que o concerto fosse feito, mesmo sendo um concerto de entrada livre. A resposta foi afirmativa, estava tudo pago. Depois perguntou-lhe se o autor das obras ia receber parte do dinheiro. A resposta foi óbvia “não sei”… claro que o autor ou autores das obras nem sequer sonham que foi realizado um concerto com obras suas, mas os impostos foram pagos… e agora quem é que anda a roubar?
    além disso já conheci bons que não conheceria se não fosse esta maravilha da internet.

  28. sergio says:

    lol vou dizer isto que esteja a dizer a maior estupidez do mundo…

    quem garante que isto não é um modo de propaganda??

    aposto que uma pequena minoria ao ver esta noticia tem medo e deixade fazer downloads! se a propaganda é eficaz maior é a adesão!

    existem milhoes de pessoas a fazerm downloads e vai logo sacrificar 1 pobre coitado que fez down de 30 musicas.. ridiculo e incredível…

  29. Emannxx says:

    Nisto tudo, fico pensar, o que é feito da privacidade?
    Onde é que está uma prova em como o download não foi apagado do disco? (dizem que o rapaz partilhou, onde está a prova?)

    E já agora, se por acaso o rapaz só tivesse “sacado” a musica para si, teria que pagar 16000€ por ela? É que pronto… em todo o lado uma musica não custa mais que 4€… (cambada de ladrões… ricos de m**** com medo de perder a fortuna…)

    Enquanto não tomarem as medidas certas isto não ata nem desata…

    Espero que o rapaz recorra a algo para processar por invasão de privacidade… (que eu saiba, tenho todo o direito de estar a visitar o pplware sem que ninguem saiba, ninguem tem o direito de andar a vasculhar o que eu faço ou deixo de fazer no meu computador…)

    Enfim… são burros que nem uma porta!

  30. Alain says:

    Adorei o desfecho do último parágrafo, concordo plenamente com vocês.

  31. HMF says:

    Cada CD ou DVD virgem já paga direitos de autor.

    Muito pouca gente sabe que quando compra um simples DVD-RW está a pagar, embutido no preço, uma taxa de 30 cêntimos para beneficiar “os autores, os artistas intérpretes ou executantes, os editores e os produtores fonográficos e videográficos”.

    É isto que está na lei 50/2004, de 24 de Agosto, que transpõe para a ordem jurídica nacional uma directiva europeia que dispõe sobre os direitos de autor na Sociedade de Informação.

    A lógica desta taxa, que abrange todos os suportes materiais virgens, digitais ou analógicos (CDs graváveis, DVDs graváveis e cassetes, minidiscs), visa atribuir uma remuneração equitativa aos titulares de direitos de autor e de direitos conexos (músicos intérpretes que não sejam autores, por exemplo). Esta remuneração compensa um direito que assiste a qualquer consumidor: o de fazer uma cópia para uso privado e sem fins comerciais de um produto que adquira. Este direito está regulamentado na lei que citámos acima, e que actualiza o Código dos Direitos de Autor.

    Poucas pessoas o conhecem, mas é importante que se saiba que fazer, por exemplo, uma cópia de um CD que se adquiriu legalmente para se ter e ouvir no carro é um direito do consumidor. A remuneração aos detentores dos direitos de autor, devida por esta cópia, já foi paga ao comprar o CD virgem. Aliás, foi paga mesmo que o CD virgem sirva para qualquer outro fim.

    IGAC deveria fornecer cópia sem DRM
    Acontece que muitas vezes o dono do CD não consegue fazer a cópia porque este tem um DRM anticópia. Nestes casos, o consumidor tem o direito de ir ao IGAC pedir uma cópia do CD sem a protecção, para assegurar o seu direito à fazer uma cópia. O fabricante, pela lei, tem de ter depositado no IGAC um CD sem protecção, e é a partir dele que deve ficar garantido o direito à cópia privada.

    Como este direito não é divulgado, não há notícia de consumidor que tenha ido ao IGAC com este propósito. O que na prática acontece é que, das duas uma: ou o dono do CD desiste de fazer a cópia, levando o original para o carro e correndo o risco de ser roubado, ou recorre a um dos muitos programas que se encontram na Internet para fazer cópia, neutralizando o DRM.

    Quem opta por esta segunda opção, porém, é passível de ser condenado a uma pena de prisão de até 1 ano ou multa de 100 dias. Pior: quem tentar fazer a cópia, mesmo não conseguindo, pode sofrer multa de 25 dias. E quem fabricar, ou tiver em sua posse ou publicitar produtos ou componentes que visem neutralizar os DRMs pode sofrer pena de até seis meses ou multa de até 20 dias.

    Mas e se a pessoa for ao IGAC e este não tiver cópia de coisa alguma? Neste caso de conflito de interesses entre o consumidor e o detentor dos direitos de autor, a lei prevê o recurso a uma Comissão de mediação e Arbitragem, já criada por lei de 2001. Não há notícia de que jamais tenha sido nomeada.

    A lei e a nova realidade digital
    Quando esta lei foi feita, o mercado da música digital era ainda incipiente, o Ipod era uma curiosidade e a loja do Itunes ainda não vendia para Portugal. Na altura, pensava-se sobretudo na cópia de CDs e DVDs. Hoje, esta lei ganha uma nova importância com a amplitude que obteve a venda de leitores de MP3 e de músicas em lojas virtuais. Porque a lei também se aplica aos ficheiros de música digital. Isto é: não se pode, em circunstância nenhuma, neutralizar um DRM. Acontece que muitos destes DRM não impedem a cópia privada – todos permitem um número limitado de cópias dos ficheiros musicais para outros computadores, para CDs áudio ou para leitores de MP3. Mas fazem pior: impedem, por exemplo, que o dono de uma música comprada legalmente numa loja musical que não o Itunes ouça a música no seu Ipod. Isto é, o consumidor é impedido de usufruir do produto que comprou. O mesmo acontece a quem compra uma música no Itunes e a quer ouvir num outro leitor que não seja o Ipod: não consegue. Segundo a lei, o consumidor deveria ir, neste caso, ao IGAC e pedir uma cópia do ficheiro sem DRM. Mas é óbvio que o IGAC não tem cópia de todo o acervo do Itunes sem DRMs para fornecer ao consumidor, como seria o seu direito. É por isso que vai ser muito interessante ver o que acontece ao programa criado pelo famoso norueguês “DVD Jon” que contorna o DRM da Apple e permite que se toque no Ipod músicas compradas em outras lojas digitais. Talvez a aberração jurídica criada demonstre a sua total inutilidade.

    Fonte: esquerda.net

  32. Canelas says:

    Não me recordo, mas há uns anos ouvi dizer que programas como o kazaa e o emule ajudavam a publicitar os artistas menos conhecidos. E é verdade. Se não fosse o kazaa e outros, km hj conhecia o Fernando Rocha.

  33. Sam says:

    Eu saco de tudo o que quiser, não estou preocupado se é legal ou ilegal. Mas… sou apologista que mesmo após sacar… compro aquilo que vale a pena.

    Sou fã incondicional da série Lost e Heroes e mal sai um episódio nos EUA, no dia seguinte já estou a saca-lo.
    O lost sei que acaba para o próximo ano com a sua 6ª série e quando sair o blueray com as séries todas… vou logo comprar.

    Outra coisa… Neste pais já temos várias operadores a fornecerem serviços de fibra optica para o mercado residencial com velocidades a chegarem aos 100 mbps o que dá 12,5 megas por segundo! isto é como puxar um DVD Rip em apenas 1 minuto! então a pergunta é… qual é o objectivo de os operadores fornecerem tanta largura de banda? navegar na net, msn, skype, hi5, facebook, sacar demos de jogos, gmail, hotmail, online banking, jogar online, mirc, enviar e recer coisas pelo msn/skype, online trading, ver trailers de filmes, updates para o sistema operativo, … sinceramente não é necessário uma ligação de 12,5 megas por segundo para fazer tudo isto. basicamente os operadores estão a fomentar e a dar aos seus clientes mais recursos para poderem fazer downloads de filmes de filmes, de series, de jogos, de programas e de onde é vamos sacar? dos torrens e afins.
    Os operadores têm meios basicos para que blokear este tipo de downloads… mas não o fazem porque assim ninguem iria meter a fibra optica que eles fornecem lol!

  34. c0demaster says:

    A uns dias ouvi o “Sam The Kid” dizer que as suas musicas que o “Clube Jamba” tanto anunciava e vendia para os telemóveis, nunca foram autorizadas, nunca foi contactado para poder autorizar a sua venda, nem nunca recebeu um cêntimo pelas musicas que foram vendias, ou seja, neste caso em que existe uma empresa a vender algo que não possui nem tem direitos para o fazer, ainda por cima publicita na tv e nos jornais, e ninguém faz nada quanto a isso, acham mesmo que devemos nos preocupar com o facto de termos umas musicas em casa para consumo privado… não me parece.

    Já agora o download de músicas da net é tão ilegal como o fotocopiar de livros sem a autorização do autor, e desde que existem fotocopiadoras sempre houveram livros fotocopiados e nunca ninguém fez nada quanto a isso. O principio é o mesmo.

  35. Ozi says:

    É ridículo, isso! Acho que toda a gente sabe o que é o MTV Cribs, vejam as casa deles e o carros a ver se eles se ressentem da pirataria… Ganham rios de dinheiro só com os toors. A Internet deve ser utilizada como meio de divulgação… Aos artistas pequenos, compensa para serem conhecidos, aos grandes não interessa muito, pois dinheiro não é problema.

  36. IceCube says:

    in “http://netcabo.sapo.pt”

    P. Que consumos posso efectuar?

    R. Tudo o que desejar. Quer seja simples visualização de páginas quer seja downloads de musicas, jogos, filmes, etc a TV Cabo não contabilizará os consumos por si efectuados no período em questão

    http://netcabo.sapo.pt/happy/netcabo_trafego_sem_limite.htm

    E agora … de quem é a culpa se isto se passasse em Portugal !?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.