Quantcast
PplWare Mobile

Calligra – Uma alternativa gratuita ao Microsoft Office

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. So lhe falta uma app para gestao de correio, calendario e contatos

  2. Paulo Santos says:

    Já anda na versão 2.6 e somente há pacotes estáveis para Linux!? … Para OSX nada, e para Windows “Please note that these packages are not yet suitable for daily use.”

    Parabéns aos voluntários do Calligra Project (gostei imenso do que vi até agora), mas alternativa ao MS Office a ao LibreOffice será difícil se não derem o passo “estável” para outros SO

    • mc says:

      Ironia: um utilizador do Windows a reclamar da falta duma aplicação do Linux – quem diria! 🙂

      • paulo g. says:

        O Kdenlive também sofre desse “problema”. As pessoas pensam que portar os programas para outras plataformas se faz com um clique…

      • Carlos Carvalho says:

        Boa tarde ,

        Desculpem hoje estou um pouco fora de circulação por uma circunstancia pessoal e lamento não dar hoje apoio aos diferentes esclarecimentos que já fizeram .

        Não quis foi de facto não comentar esta ironia que o @mc fala , na minha modesta opinião as aplicações em Linux estão a ficar muito competentes e sobretudo estão a trazer para a ribalta ideias novas e conceitos por vezes ambiciosos que muitas empresas que produzem software proprietário não estão dispostas a correr riscos , este é também um dos factores que tem feito o Linux crescer a uma velocidade alucinante nestes últimos 4 anos .

        Só dou um exemplo do que queria dar a entender e espero que percebam o que quis dizer no paragrafo anterior , dou como exemplo os automóveis , o Golf tem sido um best seller de vendas , o que é que a construtora faz de versão para versão o exterior pouco muda , o IOS da Apple é intuitivo fácil de trabalhar , mas é limitado e não se muda porque não se sabe qual vai ser a reacção do consumidor final , pois em Linux estamos livres destas formatações , o leque de escolha é muito grande , aquilo que muito dizem ser o ponto faço do Linux a tal chamada fragmentação por existirem muitas distribuições é na minha opinião a sua grande força quer na criatividade quer no impulso de novas funcionalidades .

        A situação desta suite de produtividade é um dos exemplos claros do que afirmo , o opensource não quer unicamente dizer que o softare é gratuito , não, vai muito para além desse factor como fica demonstrado .
        o @PAULO fala num software de edição de vídeo(kdenlive) que eu já não mexia a algum tempo , ontem quando necessitei dele fiz o download directo da home page e fiquei pasmado com o número de novas funcionalidades mas sobretudo com o número elevadíssimo de correcções de bugs que muitos de nós nem dávamos conta , mas que existiam e foram corrigidos , hoje este software está muito afinado , a edição de vídeo está extremamente facilitada e com resultados profissionais do que de melhor se produz ao nível de software proprietário , o mesmo se aplica as distribuições Linux , penso sinceramente que o Linux vai obrigar a uma mudança de paradigma no que respeita ao software , e vai começar pelo preço dos SOs e irá certamente alargar-se a outras áreas , chegará o momento que o que compramos será o hardware com os respectivos programas gratuitos fornecidos pelos assembladores .

        Mais uma vez as minhas desculpas , aceitem os meus sinceros cumprimentos

        Carlos Carvalho

      • Paulo Santos says:

        Não sinto falta do Calligra, não lhes mandei um mail a exigir uma versão Win ou uma OSX que não seja experimental, mas reafirmo que o projeto nunca será um verdadeiro competidor global enquanto não tiver versões (estáveis e funcionais) para os outros SO… (não andam nas v0.x)

        quem diria 🙂 que isto fosse interpretado como uma reclamação

        • Jorge Pereira says:

          Versão windows para quê? E para qual? W7, W8 ou W8Pro?
          O linux é uma alternativa credível e completa para a larga maioria dos utilizadores. Fazer uma versão para win é desperdício de recursos.
          Mas que podiam portar para Android podiam.

          • Paulo Santos says:

            A tua opinião é que o Calligra será somente para o bairro do Linux… e não deve intrometer-se em outros SO… mas assim o projeto nunca será um verdadeiro competidor global…

            No entanto parece que essa não é a opinião de quem gere o projeto, uma vez que trabalham numa versão Mac e têm previsão de ter uma para Windows… se não concordas fala com eles.

            O Libre, e antes o OpenOffice, ainda vai batendo o pé ao MS Office porque estão no Win/Mac/Linux.

            A suite da Kingsoft não está amplamente difundida porque optaram por ficar pelo Windows… apesar de agora quererem mudar um pouco o rumo com versão grátis para Android, e parece que com sucesso

  3. Rui Pt. says:

    Só tenho duas palavras: BRU TAL!!!
    Sempre gostei do ambiente KDE e das interfaces QT, mal posso esperar por testar.

  4. Alucard says:

    Já experimentei e é sem dúvida uma suite de produtividade muito capaz e completa. Mas não me consigo habituar à interface, que parece-me demasiado confusa, tem demasiados ícones e paletas de ferramentas visíveis logo por predefinição e perco-me nela. Não gosto que o meu processador de texto pareça o Photoshop CS. Provavelmente é por ser uma aplicação KDE, e normalmente as aplicações KDE gostam de ter uma profusão de ícones sempre visíveis, enquanto o GNOME privilegia a simplicidade e tem o bom senso de esconder algumas opções mais avançadas.
    Nisto o LibreOffice, continua a ser a minha preferência, é o paradigma de interface a que me habituei no MS Office até à versão 2003.

  5. jedi says:

    parece ser boa app. vou experimentar em mac osx. brigado.

    • jedi says:

      nao sei se alguem experimentou em mac osx mas eu nao tou a conseguir fazer arrancar nenhuma das apps. porque segundo o site da app apos instalação tenho de correr no terminal o seguinte comando sudo update-mime-database /opt/calligra/share/mime mas nao correr o comando porque diz que nao conhece, ou seja, nao sei onde me enganei-me ou que falta.

      se o autor do artigo poder ajudar ficava agradecido.

      cumps

      • Alexx says:

        Experimentei no windows e gostei. Tentei instalar no meu Mac mas deparei-me exatamente com o mesmo problema acima descrito. Será que não existe por aí um expert que nos possa ajudar …

  6. Nelson Santos says:

    Boa tarde,

    Eu estou exactamente com o mesmo problema do jedi.
    sinceramente não estou a perceber o porquê de não estar a funcionar.

  7. paulo g. says:

    Para instalar no ubuntu esta versão ainda instável usem o seguinte comando:
    sudo add-apt-repository ppa:neon/ppa \
    && sudo apt-get update\
    && sudo apt-get install project-neon-base \
    project-neon-calligra \
    project-neon-calligra-dbg
    Caso queira usar as versões da distribuição:sudo apt-get install calligra

    • faustino says:

      Ou então para as versões da distribuição utiliza o software center e não tem de escrever nenhum comando na consola.
      Desculpa o reparo paulo g. mas se não dissermos isto depois começam as vozes do costume a dizer que em Linux tem de ser tudo pelos comandos, blá, blá, blá.

      PS:Também gosto mais do apt-get.

  8. irlm says:

    suse

    http://software.opensuse.org/package/calligra
    KDE:Unstable:Playgro…2.5.93git.1357739922 1-click install

  9. irlm says:

    como converter odt para doc?

  10. Rui Dias says:

    Muito boa aplicação, não estou a conseguir é mudar a linguagem do interface para português, se alguém tiver a dica obrigado 🙂

  11. JoseM says:

    Já instalei (Ubuntu), mas detectei muitos bugs, esta instável.
    Em termos de Interface tb acho muito confusa.
    Como positivo: o nr de ferramentas que trás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.