PplWare Mobile

Brasil: Vestido equipado com sensores mostra como as mulheres sofrem assédio sexual


Vítor M.

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

42 Respostas

  1. nao says:

    os cromos que no video se agarram as mulheres não há duvida.

    Mas um toque no braço é assedio?

    PS. porque não fazem o mesmo teste com homens e com mulheres feias? gostava de ver o resultado.

    • ThatOneGuy says:

      É um toque intencional em alguém que não o quer receber.
      Se fores ler a definição de assédio, vês que se aplica.
      O problema é o homem que tem sempre a tendência para se comportar como um animal.
      Ainda estamos longe de evoluir.

      • Filipe says:

        Hoje em dia, só o facto de olhar para uma mulher, mesmo que não seja propositado, já é considerado assédio. E a culpa é do facto de existirem pessoas como tu.

        Antigamente existia a chamada “mentalidade retrógrada”, hoje em dia é a falsidade do “politicamente correcto”. E as coisas ainda vão ficar piores por causa desta palhaçada que faz com que qualquer pessoa se ofenda com qualquer coisa, mesmo não tendo qualquer importância.

        • Hugo says:

          Respeita as mulheres e não terás chatices.
          Qual é o problema mesmo?

          • dajosova says:

            obviamente o assédio existe e quem mais sofre são as mulheres mas em parte o Filipe também tem razão. Existem justiceiros para cada paneleirice*

            *ou há aqui alguém ofendidinha por usar a palavra paneleirice?

          • Hugo says:

            Eu concordo que nem tudo é preto no branco atenção, mas após tantos anos de vida a minha experiência é que nunca tive, nem vi alguém ter, chatices com mulheres apenas por estar a olhar, como diz o Filipe. Já vi muita m”#% e porrada precisamente por estarem a olhar fixamente, apalpar etc etc. Isso sim.
            Essa de “já não se pode olhar que é assédio” é pura mentira. Quem é inconveniente tem de ter noção do que diz e do que faz, é só isso.

          • dajosova says:

            “pura mentira” na tua ótica e/ou experiência.
            Concordo com o resto que escreveste mas a verdade é hoje em dia as pessoas escandalizam-se por coisas mesquinhas e ficam todas ofendidinhas e defendem estereótipos, acusam gratuitamente alguém nas redes sociais sem sequer conhecerem a pessoa ou o caso… enfim, vivemos numa sociedade em que é fácil mandar o bitaite e apontar o dedo mas espelhos que são bons poucas vezes são usados! Prendia-se mais sobre isso o meu comentário incial.

      • nao says:

        concordo 100% nós ainda não evoluímos biologicamente o que evoluímos socialmente. e tentar forçar a evolução normalmente não corre bem.

        pesquisa rápida, 2 segundos no google.
        O Decreto-Lei nº 10.224, de 15 de maio de 2001, acrescenta o artigo nº 216-A ao Código Penal Brasileiro, apresentando o seguinte texto:

        “Constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função.”

        ou na wiki
        Assédio sexual é, em sentido estrito, um tipo de coerção de caráter sexual praticada geralmente por uma pessoa em posição hierárquica superior em relação a um subordinado[1][2] (embora o contrário também possa acontecer), normalmente em local de trabalho ou ambiente acadêmico. O assédio sexual caracteriza-se por alguma ameaça, insinuação de ameaça ou hostilidade contra o subordinado visando a algum objetivo.

        onde é que diz “É um toque intencional em alguém que não o quer receber.”?

      • Shinchan says:

        Acho que escreves muito e nao respondeste a nada.
        No vídeo e em alguns momentos, mostra claramente o toque como chamada de atenção. Como por exemplo o tal toque no braço pois afinal de contas estao num local com a musica muito alta e pessoal a dançar não é? Agora como alguns se agarravam, isso ja nao o defendo.
        Mania que agora as mulheres são coitadinhas em tudo, depois bebem e fumam muito mais que os homens. Hoje até olhar para uma mulher já é assédio, quanto mais um toque no braço. Por isso que para alguns, um cumprimento por alguém, seja abraço, beijo ou simples aperto de mão passa a ser algo do outro mundo.
        O homem não tem tendência para se comportar como um animal, desde que nao lhe dêem razões para tal. E no video havia razões que sobram para tal. Agora gostava que fizessem ao contrario e que criassem uma roupa equipada com os mesmos sensores.

        • Mateus says:

          A sexualidade é um instinto animal, social e psicológico consciente. Tocar no braço, ombro de alguém apenas para falar com a pessoa é um gesto feito diariamente como parte do comportamento normal e saudável da sociedade, tanto entre colegas como amigos. Achas que evoluir é agir como máquinas?

          Tocar em zonas sexuais, fazer comentários nojentos ou tentar influenciar/ abusar da posição hierárquica para ter relações, isso sim não pode ser. E bidirecional, não só de homens para mulheres.

        • Cabritone says:

          “O homem não tem tendência para se comportar como um animal, desde que nao lhe dêem razões para tal. E no video havia razões que sobram para tal.”

          Quero acreditar que não achas que uma mulher bonita de vestido numa discoteca significa que está à procura de “ação”. Sabes que as pessoas podem sair para se divertir sem que estejam à procura de algo mais…

          • Hugo says:

            É por mentalidades como a dele que vivemos neste lodo.
            Porque no dia em que um homosexual se agarrar a ele com o argumento “pareceu-me que tinhas dado sinais” ele não vai gostar.
            Hipocrisia…siga.

          • Shinchan says:

            Claro que nem todas vão a procura de “ação”. É mais que evidente! e se leste bem o que escrevi, nao defendi nada do que ali se passou no vídeo.
            Essa coisa de agarrar, abraços e outros toques de estranhos não defendo. Mas claro que o video tinha a intençao de mostrar algo, caso contrario se houvesse poucos toques, nem fazia sentido divulgar tal informação. Alias, infelizmente é uma realidade. No entanto nao acontece em todo o lado ou achas que eles nao escolheram o local com tal propósito?
            E agora em resposta ao Hugo, é por tais mentalidades como a tua que as coisas nem andam nem desatam. Onde esta a tua opinião sobre o artigo? ah…nao…tu apenas queres é conversa e mandar postas…lol.
            O video era claramente intencional. Os investigadores, pois afinal de contas é disso que se trata, queriam era que tal acontecesse, dai elas se terem vestido como tal. mas isto é algo que mexe muito no teu cognitivo, por isso deixa estar quieto que estas bem.

          • Hugo says:

            As coisas não precisam mudar, pois comigo não há problemas de qualquer espécie.
            Diz-me então o que farás se um homosexual insistir em forçar conversa contigo. Ele pode perfeitamente achar que estás com roupa sensual e cheiroso ou não? Uns piropos e tal.
            Se não ligares, entendo o teu ponto e dou-te razão em relação às mulheres caso contrário mantém-se a imagem de hipócrita machista que passaste no comentário inicial.

          • Mimimi says:

            Ele não fará nada, pois se fizer será chamado de homofóbico…

  2. Vitor says:

    “Cada vez que elas eram tocados sem consentimento…”! Além dos sensores o “vestido” tem microfones e altifalantes? Como é que um sensor,por muito avançado que seja,consegue distinguir o que é intencional do que fortuito? Ainda por cima numa discoteca lotada…mais um projeto à procura de algum “pato” para investir uns “cobres”!

    • Regis says:

      +1. Sendo que o que se trata na realidade é de publicidade e vendas. Aliás se fizerem um fato para um homem e o colocarem nas mesmas circunstâncias acredito que não haja diferença nos resultados.
      Devíamos todos de deixar de comprara as referidas bebidas , pois estas marcas o que pretendem com isto é apenas aproveitar-se de um assunto sério para vender refrigerantes. Estão-se borrifando para o resto!
      Com toda a franqueza até me admira que o Pplware cai nesta!

  3. David Guerreiro says:

    Se for um ricaço a apalpar de certeza que não reclamam, só quando é pobre e feio. E precisam de fazer isso para homens também, porque o que não faltam são mulheres a apalpar homens em discotecas.

    • Mateus says:

      Tipas jovens que andam atrás de dinheiro, vão a discotecas descascadas e fazem -se a velhos ricos, isso está ok dizem. Se alguém toca no braço duma mulher…assédio. lol

      Sociedades modernas…

      • Hugo says:

        Já conheci mulheres na noite civilizadamente. Toquei-lhes no braço e não fui preso.
        Se estás a falar em puxar pelo braço sim, é um pouco inconveniente.
        Já agora, há alguma razão válida para que aches que tenhas legitimidade para te apresentar a uma mulher bonita mas uma mulher não o possa fazer a um homem “rico”?
        É tudo uma questão de respeito…

    • Eu says:

      Assédio é provocar tudo e todos e depois dizer “Não, não é isso que eu quero”, porque realmente elas só querem é guito e luxo! E terem um burro para as sustentar 😀

      • Eu says:

        Porque se não queriam isso, vestiam-se com roupa prática e discreta e iam como voluntárias dar apoio aos sem abrigo e necessitados, em vez de se despirem e irem para o meio de uma discoteca cheia de gajos que só querem apanhar uma p*tinha para passar a noite!

      • Hugo says:

        Pronto, definiste o teu tipo de “ser” e assumiste. Isso não invalida que sejas um retrógrado machista na mesma, mas cada qual é como é.
        Imagina que um homosexual acha que o provocaste e se cola a ti. É na boa? É bom que seja para manter a coerência do teu discurso.

        • Bruh says:

          Hugo, é a terceira vez que vens com a conversa do homosexual. Para além de white knight, está me a parecer que também tens aí um travozinho de homofobia.

          • Hugo says:

            Eu não, agora perante a situação que descrevo, assumindo que forçam contacto comigo contra a minha vontade vou-me passar obviamente, seja homem ou mulher.
            Apenas queria perceber até que ponto estas pessoas acreditam mesmo no que dizem. Curiosamente ninguém provou ainda (e bastava mentir) a coerência dos seus argumentos.

  4. Pedro says:

    Na hora que estao dançando funk e sensualizando e mostrando caras e bocas, nao é nada de mais.
    Quando dao NAO a uns ok, mas aí, quando estao no ponto e o mesmo passa de audi, onix, jeep, faltam so pular.

    E quando aparecem em clipes de funkeiros, desde o funkeiro A ao z de pobre…a grande verdade é que nas baladas, tem os malas, e as que procuram so caras com dinheiro, e o os trouxas que pagam bebidas a elas, mas tem uma coisa, ninguem mostra tambem o assedio masculino, dos ‘afeminados’ e de outras tb, maioria coroas, ou as bagaceiras, eu sei porque vira e mexe na balada tem uns via…que chegam e nao se contentam com um nao, ou nao curto, va viver sua vida, e umas ja arrom…das tb, ficam cercando. e rodeando.

    Não mesmo, nao mostram.

  5. censo says:

    Quando se defende a apologia de qualquer fundamentalismo, temos problemas. Questão : seria importante compreender como funciona o algoritmo de cada sensor e que interesse serve este equipamento. Não se podem por máquinas a comportarem-se como humanos principalmente com que se refere ao descodificar de interações entre humanos.. Há que distinguir bem as coisas. Este pseudoestudo serve para tudo. Mas será que serve mesmo para aquilo que supostamente defende ?

  6. Bruh says:

    Quer dizer, vão com roupinha justinha que pouco deixa à imaginação, para o meio dos bêbados e depois queixam-se que são assediadas? Pois, então, qual é o espanto? Que tal irem para um biblioteca ler uns livros? Enfim, metem-se na toca do lobo e depois queixam-se que levam umas trinquinhas.
    Eu não bebo álcool, já para não andar para aí a fazer figuras parvas. Desde a adolescência que se aprende na escolinha os efeito do álcool. Se se metem em locais onde o propósito principal é o consumo de álcool, desculpem lá, mas perdem toda a razão. Peço desculpa a quem a verdade custar a engolir, mas não gosto muito de hipocrisias.

    • Price says:

      Levar “roupinha justa e que pouco deixa à imaginação” para locais onde há bêbados para ti é sinal verde para serem assediadas e muitas vezes violadas? F***sse, estamos entregues aos bichos.

      • Bruh says:

        “estamos entregue aos bichos”
        Ai só agora é que percebeste isso? Julgavas que, lá por pertenceres a uma espécie “inteligente”, não vais encontrar gente burra? Eu quando estou mal mudo-me. Não fico à espera que os outros se mudem. Se frequentam ambientes em que são assediadas e continuam a voltar lá para repetir a experiência, diz-me tu quem é que está a ser ou não inteligente…

        • Hugo says:

          Suponho então que aches normal violência em bairros problemáticos, corrupção no parlamento, fome em países de terceiro mundo. Só não temos de ir para lá e está tudo bem. Palmas. É isto inteligência.
          O assédio é errado, assim como a violência, portanto, por mim, abusadores extremos nesses locais era trazê-los pras traseiras e dar-lhes um pouco de 50 sombras de grey.

          • Shinchan says:

            Mas que raio tem a ver a violência em bairros problemáticos, corrupção no parlamento, fome em países de terceiro mundo com o artigo? é que sao questões completamente diferentes, cujas soluções sao mais difíceis de encontrar.
            E para cúmulo , para responder a violência, respondes com mais violência? AGORA sim isto é que é inteligência. LOL
            É por causa de mentalidades como a tua que depois as coisas nao evoluem.

          • Hugo says:

            Se lesses com olhos de ver terias visto que eu escrevi literalmente: “O assédio é errado, assim como a violência”. Obviamente que estava a ser sarcástico ao juntar “-” com “-” para beneficio da sociedade.
            Em relação às metáforas foram apenas para ilustrar a mentalidade do “Eu quando estou mal mudo-me”. São situações diferentes mas TUDO é comparável, desde que haja abertura mental para tal.
            Espero que se nunca entrem num estabelecimento e saiam “violados” e vos digam: “bolas pah, sabias perfeitamente para onde vinhas. Isto é imagem de marca da casa”.

  7. César Oliveira says:

    Quando um homem for faltar ao respeito a uma mulher deveria pensar que a sua mãe, filha, irmã, prima, amiga também poderia ser desrespeitada por outro como ele.
    Então, não faça aos outros o que não quer para si ou para os seus.

    • Bruh says:

      O teu erro é pensar que há homens ou até mesmo mulheres que não são capazes de desrespeitar a sua própria família. Deve ser bonito olhar para o mundo com esses olhos tão inocentes.

  8. Eu says:

    Vão ver vídeos de como se comporta um grupo de mulheres com um stripteaser masculino! Mesmo eles a dizerem que não podem tocar e elas arrancam tudo deles, até carne e não há nada que elas não agarrem com força e tentem beijar! São piores do que os homens perante stripers femininas, que no máximo lhes passam a mão!

    • Hugo says:

      Andas a ver muitos filmes. Lamento desiludir-te mas são praticamente todos encenados.
      Esquece os filmes. As estatísticas mostram que há muitos mais homens a violar e maltratar. Queres-me convencer que no dia a dia acontece o inverso? Os homens são muito sensíveis e as mulheres umas ninfomaníacas? Ahah não acordes para vida não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.