Quantcast
PplWare Mobile

Árbitro português foi suspenso por comentário no Facebook

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. maxim says:

    As pessoas não podem partilhar a opinião delas. Ou és do sistema, ou não abres a boca. Não há uma ditadura mais inteligente que esta, a ditadura acontece logo no kernel das pessoas, muito mais eficaz.

    • Bruno says:

      Concordo contigo.

    • Krshk says:

      É uma questão de bom senso, não podes vir criticar em público a tua entidade patronal… Ou melhor, podes, mas não podes esperar faze-lo sem teres consequências…

      • Paulo Pedroso says:

        E onde está a a famosa”liberdade de expressão” ?

        • Alfie says:

          Podes e deves fazê-lo directamente è tua entidade patronal. Isso é que é liberdade de expressão: expressar-nos cara a cara. Nunca nas costas ou escondido.

      • Filipe says:

        Então a malta que faz greve é toda despedida. Dizes cá umas bacoradas..

        É claro que cada um é livre de falar contra a sua entidade patronal sem consequências, tal está consagrado na constituição e é reforçado pelas leis laborais existentes.

        Não confundir com difamação e calúnia que certamente terá sido o que permitiu está sanção ao árbitro

        • Krshk says:

          Claro que és livre de falar contra a tua entidade patronal em público… mas só se fores muito ingénuo é que o fazes sem esperar consequências internas.
          Greve é um caso à parte que está previsto em lei… e mesmo nesse caso estás a abdicar de parte do teu salário para o fazeres. Caso contrário isto era uma républica das bananas.

    • Hades says:

      Concordo.

      Embora ache, que tinha mais peso, pessoalmente, mas é apenas a minha opinião

    • cat says:

      Pura demagogia. Tu fazes parte do sistema, como qualquer outro. Numa democracia, és livre de abrir a boca e dizer o que quiseres mas também és responsável pelo que dizes e pelo que afirmas. Aliás, a incapacidade de entender isto é uma das razões para o estado das coisas hoje em dia: “os outros é que são os maus, eu sou o oprimido consciente que não faz nada, a não ser mandar vir na internet” é o mote para a total desresponsabilização e banalização da palavra. Já Kierkegaard dizia que a razão para as pessoas exigirem liberdade de expressão, era a falta do uso da liberdade de pensamento. Vai-se confirmando …

      Quanto à minha opinião sobre o assunto. Ele até pode ter toda a razão – acredito que sim – mas a forma como enfrentou o assunto só o enterrou. A FPF detém todo o poder e mostrou-o. Das duas uma, ou este senhor quer fazer de mártir e expor tudo ou então será necessária a intervenção do poder político para auditar o sucedido. Se tu e todos os outro que se queixam não agirem, o que irá acontecer ? Nada …

    • F Gomes says:

      correcto! Essa coisa de liberdade de expressão é para tótó comer… No tempo do salazar, abrias a goela contra o sistema, tinhas a PIDE/DGS à perna e António Maria Cardoso com ele! Hoje, o sistema é o mesmo mas com outra roupagem…

  2. Fulano says:

    Em Portugal continua-se a perseguir quem tem uma opinião diferente ou contrária do Governo ou outro qualquer tipo de lixo que se acha superior e não aguenta com críticas, muitas delas directas ao assunto

    • Xico Silva says:

      Governo?! Não é o governo, é o conselho de arbitragem.

    • cat says:

      Sendo o conselho de arbitragem um dos órgãos sociais da FPF e sendo a FPF uma pessoa colectiva personificada numa associação de direito privado, o governo não tem nada a ver com o que o conselho de arbitragem faz ou deixa de fazer. Os estatutos da FPF permitem-lhe a independência em relação ao governo. Isto tem “coisas” boa e “coisas” más, e certamente muitas opiniões muito próprias, mas não vou ser eu enumerá-las… muita gente sem perceber patavina dar opiniões …

      • Fulano says:

        Caso nenhum dos dois tenha percebido, eu referi o Governo (porque tambem o faz), mas apontei também a outro tipo de lixo(FPF, CA).
        Eu sei, Português é uma língua difícil para alguns.

  3. João Canuto says:

    É o fim. Big Brother is watching you.

  4. João Canuto says:

    Somos como ratos hipnotizados por uma flauta digital de Hammlin.

  5. Carlos Correia says:

    “Governo ou outro qualquer tipo de lixo que se acha superior”, “ou outro tipo de lixo”, repito, “ou outro tipo de lixo”, ele não disse só “governo”.

  6. Kabindas says:

    Quando assinas num contrato que NÃO PODES criticar publicamente a tua entidade patronal, não o faças. Nem no facebook nem em lado nenhum a menos que esteja disposto a arcar com as consequências.

  7. ze manel says:

    isto é o que dá confundir vida profissional com pessoal! no trabalho a malta tem de andar na linha, agora cá fora pode dizer o que quiser, desde que não viole a lei! nenhum tribunal pode condenar um empregado por criticar um patrão fora do seu local e horário de trabalho, desde que não o ofenda e calunie! nenhum patrão pode accionar represálias pelo facto dos seus trabalhadores se exprimirem livremente e dentro da lei, fora do local de trabalho!

  8. Realista says:

    Andam a roubar o Boavista!!
    Gatunos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.