PplWare Mobile

300 DVDs num só disco?


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Pedro R. says:

    pode ser que resulte. mas daqui a 10 anos? fogo!

  2. sight says:

    uhm pessoal, vi esta noticia noutro lado, e eles referiam 12TB. da para confirmar?

  3. rubenfreitas says:

    e apenas 250 músicas? estão a pensar meter ficheiros com 500mb cada música?

    • pedro says:

      essas musicas não são em formato digital, mas sim em formato audio os cds de música normal levam no máximo uns 80 minutos de 17 a 20 faixas de 4 minutos aproximadamente

      • Ecchin says:

        Isso é uma coisa que eu nunca entendi. Existem ouvidos assim tão bons que permitam distinguir a qualidade dum mp3 (lossy format) de um ficheiro de audio? Ficheiros com 1-2 MBs por minuto de música costumam ter boa qualidade.

        • Paulo Martins says:

          Yah…Chamam-se pessoas com o ouvido perfeito, são raros os casos mas há pessoas que por exemplo numa orquestra com 100 violinos são capaz de dizer se há um violino que se encontra fora de tom…
          Mas isso é muito raro embora possível, por outro lado a maioria das pessoas consegues detectar algumas falhas embora não muito significativas entre um CD e mp3…
          Se procurares uma música bizarra que varia constantemente entre graves e agudos também irás notar a perda de qualidade facilmente…

        • Tiago says:

          Se experimentares numas boas colunas vais notar a diferença entre os dois. principalmente quando o volume começa a ser elevado a diferença é grande.

        • kekes says:

          Se ouvires a grandes volumes notas facilmente actualmente ate tenho varias musicas em mp3 com por volta 10mb, é bastante mas compensa a qualidade.

          Agora entre um MP3 e ficheiros audio se a volume moderado nao notas grande diferença a nao ser em algumas partes mais exigentes

          • Farrudo says:

            Tenho uma música clássica que dura uns 13 minutos. Em mp3 ocupa uns 20MB, e noto uma grande diferença do mp3 para o formato CD. No formato mp3 eleva muito pouco o volume. Enqt que no cd dá para distinguir perfeitamente os sons em baixo volume e no volume mais elevado.

        • Bruno says:

          Dependendo da música, é possível sim perceber a diferença. O som de um CD é sempre melhor.

  4. Alexsandro says:

    Pensava que o tempo de vida dos cd´s e dvd´s estavam contados…
    ao que parece eles estão ai para ficar.

    • Alexandre Pinto says:

      Na minha opiniao pessoal, acho que não vamos chegar a este patamar.

      Acredito muito mais na difusão de conteudos em memórias como cartoes SD, pen drives etc… São fisicamente mais resistentes mais pequenos, podem assumir qq forma e a sua evolução está a crescer bastante.

      Pessoalmente preferia comprar um filme em formato SD ou parecido do que um DVD.

      É a minha visao! 😀

      • UKN says:

        E eu concordo contigo!

      • Bruno says:

        Acho que a tecnologia óptica esta sempre a e evoluir, e mais rápido. E um DVD tem uma vida útil (desde que não risque, quebre, ele) maior que um SD. Tecnologias ópticas ainda vão ter muito mais espaço na computação. – Imagine um processador óptico, pode atingir casas de THz de processamento 😮

        • J.P. Fernandes says:

          Daqui a 10 anos os SD dominam. Eu agora tenho cartões sd que duram mais que DVD´s. O DVD da Amelie do meu irmão, esteve quase um ano dentro da caixa, um dia ele tirou-o e o dvd rachou. Isto nunca acontece com um SD.

  5. Berto says:

    Lindo é termos um 1.6 TBytes de informação num “dvd” e este… ficar riscado 😀

    • Ganondorf says:

      Pa, n é assim que tens de pensar! Antigamente havia as disketes e no entanto, os cds n tinham varias “coisas” individuais, ou seja, serviam mais pra por coisas de maior peso, tal como acontece hoje cos blu-ray…

  6. Berserker says:

    Isto faz me lembrar os HVD (http://pt.wikipedia.org/wiki/Holographic_Versatile_Disc).

    Quem é que irá dominar 😀

  7. na minha opinião o futuro são ssd de grande capacidade

    http://www.tagravado.com

  8. sonoro says:

    como que releaser envia isso tudo?

    ´hehe tecnologia já existe mas só passados 10 anos é que poderemos vir a usufruir..

    Venham eles e mais 1.5GB de net

  9. PCLIFTING.PT says:

    É daquelas noticias que nao duvido nem um pouco!!

    http://www.peliculas.pt.vu

  10. Mondork says:

    Creio que seja uma estimativa, mais isso ainda vai dar muito o que falar!

  11. Satrix says:

    venham eles, nao meu ajeito com os actuais são demasiado apetados, e não vai demorar 10 anos 😛 aposto ke daki a 2 estão ai, se o custo e reduzido, entao vao estar no mercado num abrir e fechar de olhos

  12. Frigo says:

    Podiam era investir na educação para o backup… Queimar um disco de 500 GB é MUITO MUITO lixado…. riscar 10 TB vai resultar em muito suicídio

    • KaiserSoze says:

      totalmente de acordo… vamos passar os dados para discos destes e depois pufas… foi tudo ao ar porque andou a arrastar-se na nossa mesa…

      Num disco com esta capacidade, um risco deve representar um desastre… não se esqueçam que estamos a falar de “nanos” logo um Nano-risco deve ser Giga-mau

      • Paulo Martins says:

        lol…bem dizido 😀

        Tão com pressa para estes DVD’s porquê? alguém tem noção nos pc’s actuais quanto demoraria a gravar uma coisa destas?

        Mesmo em discos SSD copiar 1,6 TB acredito que leve umas horas, então gravar tanta informação num DVD é mesmo de loucos…

        Já para não falar que provavelmente com um risco foi tudo a vida… Mas já agora alguém imaginou o que será falhar a gravação as 99%?

        • Tiago says:

          loool é daqueles casos em que se pega no computador e se atira contra a parede. xD

          mas cá para mim isto dava jeito era para ir gravando. Nao tenho aqui assim tanto ficheiro que precise gravar ao mesmo tempo portanto meia hora de cada vez devia ser o suficiente.

      • Toni Almeida says:

        “Giga-mau” LOOL
        Talvez nessa altura os discos venham com aquela pelicula “estranha” que já ouvi dizer que os iPhones tem, e que não deixa riscar.

        • Away says:

          Ao que sei a película não é nada estranha…nem sequer é uma película, é sim um polímero, um plástico com o nome de Policarbonato(PC), é uma matéria-prima plástica de alta resistência aos riscos. Trabalho com ela todos os dias, trabalho também com outros tipos de plásticos, no fabrico de máquina de café.
          _______________
          http://poupar-energia.iespana.es/

  13. sheldon says:

    prefiro esperar o preco do bluray abaixar, que jah seria grande valia.

  14. Malamen says:

    Talvez esses discos não se consigam riscar… quem sabe?

  15. Rui says:

    Esta noticia tem uma fonte que traduziu tudo mal, seria aconselhavel verificar a fonte.
    O SOL não coloca fonte porque devem ter inventado…

    Na verdade “Além de ser possível produzir em larga escala, o custo do material usado no novo método de gravação atinge valores muito reduzidos.”
    seria…
    “Pensamos utilizar nanotubos de prata mas chegamos à conclusão que os de ouro não eram exageradamente (proibitivamente) caros – menos de 5$ (cents) de ouro por disco.” – Traduzido por mim da fonte:

    http://www.abc.net.au/worldtoday/content/2008/s2577123.htm

    podem também consultar:

    http://bitaites.org/

    Que tem explicação mais curta, mas bastante mais explicita.

    • Vítor M. says:

      Rui de facto fui ler a noticia da BBC e está substancialmente mais completa, mesmo nos sites que frisaste não contem o sumo da notícia, apenas a parte popular, assim como esta do SOL.

  16. João says:

    1.6 TB daqui a 10 anos já será pouco, o problema das tecnologias que só existiram no mercado num futuro não próximo é que correm um grande risco de quando chegarem já estarem obsoletas.

  17. life says:

    já é tempo de inventar discos externos baseados nestes formatos “flat” ou pen drive com tais capacidades.

  18. Gui says:

    Sejamos realistas, para que tanto espaço num ambiente doméstico?
    Tentem encher 10tb de informação legal e vejam senão saíria mais barato comprar um carro 😛

    • Ecchin says:

      Há uma célebre frase do Bill Gates que dizia que alguns Kilobytes era mais que suficientes para cada pessoa. Um txt facilmente atinge vários KBs

  19. Gota says:

    E quanto tempo vai demorar a gravra 10TB? Umas 10 horas… LOL

    O futuro passa sem suporte físico removível…

    Oiçam o que eu vos digo… o futuro basear-se-á em 3 coisas:

    1 – Internet
    2 – Servidores domésticos (possivelmente com SSD de alta velocidade, resistência e capacidade)
    3 – Wireless (Wi-Fi, WirelessUSB, etc)

    quando as ligações de internet e wireless ficarem mais rápidas e os servidores domésticos baratos, ninguém vai querer cabos ou dispositivos amovíveis. Vão querer ver um filme na televisão, telemóvel ou portátil através de wireless e que esteja guardado no servidor doméstico… Isto num cenário daqui a 10 anos…

  20. Jorge says:

    Acho que tem mesmo de ser daqui a 10 anos… Para gravar 10 TB num CD é preciso uma bruta drive de CD-dvd

  21. nome says:

    isto é daquelas noticias de encher o balao
    daqui a dez anos à discos rigidos com 1 pentabyte

    e depois?
    onde ta o fascinio?

  22. popy says:

    ia jurar que já tinha lido sobre isto, não ontem ,mas há muitas semanas atrás no Gizmodo..

  23. Invision says:

    Sinceramente nao acho nada de especial tendo em conta que daqui a 10 anos já devemos estar muuuuuito mais evoluidos em termos de tecnologia…nessa altura ja deve haver pens de 1 tera a 5 euros…lol. Além disso quando esses discos sairem o mais provavel é terem preços ridiculos como os bluray quando sairam..

  24. Felippe says:

    o preço deve ser bem salgado e provavelmente os leitores de DVD nao lerão esse CD

  25. Felippe says:

    se ele nao riscar eu compro uns 10…kkkk

  26. carlos rajas says:

    Estou com a opinão de alguns aí acima…o amigo Shelby esta certo, blue -Ray ja quebra um galho. O amigo Gota foi muito feliz tambem….acredito nessa possibilidade internet-servidores domésticos-wireless…
    Seria no mínimo imprudente, para não dizer burrice, armazenar todas suas informações em apenas uma mídia…se perder, perdes tudo, e aí ? Quanto mais pulverizar suas informações em pequenas quantidades, melhor…no caso de um desastre sempre haverão fragmentos que se salvarão…O Blue Ray, com preço accessível, no momento, vejo como uma boa solução.

    http://www.delaorden9.com
    vamos tocar violão…

  27. life says:

    Se alguém souber do site http://www.e-u.pt que avise pois está completamente parado há uma carrada de meses.. O ensino superior anda esquecido!
    Vitor M. tenta adicionar um post dedicado ao programa e-U. Há que reavivar a memória de compromissos dos políticos e da UMIC..
    Será que este país ainda anda para a frente ou fica tudo parado?

  28. UKN says:

    Daqui a 10 anos essa treta estará obsoleta.

    Há 10 anos atrás 20GB era um mundo … hoje … 2 Teras de disco é normal …

    16 Teras daqui a 10 anos … cabe lá uma foto de 2000Megapixeis , ou quase.

  29. Farrudo says:

    Daqui a 10 anos… 1,6 teras?

    Esquece. Daqui a 10 anos haverão discos de hexas.

  30. mmick says:

    Essas capacidades (12Tb/disco) só têm interesse para o mercado empresarial ou entao para a pirataria (toneladas de séries HD, filmes HD, programas, etc).
    E 10-12 anos nao sao nada! Quantas pessoas usam os DVD Dual Layer 8.5Gb? Quantas pessoas usam o BD-R de 2xGb? 99.9% dos Desktop/Laptop ainda nao tem sequer um gravador Blu-Ray e vocês já estao com pressa dos discos de 12Tb LOL.
    Eu pessoalmente já nao uso DVD-R, agora uso PEN DRIVE, HDD USB. Num unico aparelho pequeno e resistente consigo ter centenas de “DVD” e nao se riscam (por dentro).
    O FUTURO é ter discos 2.5″ SSD de 1-2TB bastante portáteis e baratos e SE QUEREM TRANSPORTAR/DAR ALGO enviam pela internet NO FUTURO com 100Mbit-1Gbit/s de upload e discos “ONLINE” de vários TB.
    O FUTURO já nao sao discos opticos. O pessoal já faz “backup” em discos USB externos, discos “online” e até os jogos já sao por download! Uma PS4/PS5 quando for lançada vao estar macificadas as nets de 100Mbit e os jogos saem mais baratos por download. Muito melhor que uns discos opticos.

    • JPedrosa says:

      Olha que a utilização de tal espaço, também passa pela utilização doméstica.

      O que hoje é HD, “amanhã” será obsoleto e sairá uma versão ultra-GTI que vai ocupar o dobro ou o triplo do tamanho. É verdade que ás tantas só alguns eleitos conseguem ver diferenças…

      O aumento da capacidade de armazenamento e de processamento vai trazer a capacidade massificar o processamento de voz, vais passar a falar com a máquina. E só tenho que dizer “porra finalmente”

      Além disso, o crescimento do armazenamento acompanha o crescimento da necessidade do mesmo.

      Já viste quanto ocupava o Win95 e quanto ocupa o Vista?
      E quem fala do SO, fala de tudo o resto.

      Se ontem os jogos traziam texturas mais fracas, hoje trazem texturas que exigem muito mais espaço, e quanto mais espaço houver, mais vão precisar.

  31. B80 says:

    hehe! Agora que as caças à pirataria na net estão a ficar mais apertadas este novo formato vai dar um jeitão na feira do relógio. Já estou a ver um “DVD” com 300 filmes por 10euros, espectáculo. 😛

  32. mmick says:

    O tema da qualidade na musica é muito subjectivo visto que há mais variaçao na “qualidade” dos ouvidos que na dos olhos e, claro, pessoas com os ouvidos mais treinados que outras.
    Nenhum formato lossy da actualidade (exceptuando o DTS e afins) usado habitualmente (MP3, AAC e variantes) consegue corresponder á qualidade obtida por um CD-Audio/Super Audio CD e formatos DVD/Blu-Ray com DTS e melhor.
    Se por um lado com as colunas que 80% das pessoas usam (colunas baratuchas <250€ ou colunas de PC)o MP3/AAC é razoavelmente suficiente, para colunas decentes a diferença é aterradora.
    TEORICAMENTE os MP3/AAC eliminam só as frequências que o ouvido humano nao houve mas a realidade é muito diferente.
    Um CD-Audio proporciona um som profundo, definido, com graves/médios/agudos fenomenais. Um MP3/AACx tem um som mais flutuante, com imensas frequencias comidas. MP3/AAC suficientes para Rock/Metal mas claramente maus para Jazz/Clássica e colunas decentes.

    • Exatamente! O termo correto é FIDELIDADE e não QUALIDADE. A fidelidade é a capacidade da cópia de ser parecida com a matriz, com o original. Qualidade é algo subjetivo, depende da percepção do receptor. 🙂

  33. Não consigo imaginar algo com o formado de disco como o futuro do armazenamento. Se a ideia é utilizar leitura em várias dimensões, então o dispositivo de armazenamento deveria se parecer com um cristal, em que várias camadas poderiam ser lidas e gravadas com muito mais facilidade do que se fosse em algo no formato de um CD.

  34. dajosova says:

    Não li os comentários todos mas alguém já falou aqui na tecnologia holográfica????

    Consultem:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Holographic_Versatile_Disc

    É que já há algum tempo ( sem produção massiva de mercado ) que existem os HVD !!

  35. B.Moreira says:

    É a evolução lol, se bem que dava ja jeito.

    http://bifananoprato.blogspot.com/

  36. Iv@n says:

    Mas são 10 anos ainda e muita coisa nova vai surgir. Acredito muito na extinção do processo mecânico para gravação e leitura de dados. Não tem mais sentido girar um disco para, com desgaste mecânico, ruído, vibração…tem que ser mesmo tecnologia sólida, mais durável e reciclável. Em 10 anos ainda depender de um leitor com mecânica incorporada será no mínimo ridículo.Se um disco com esse porte a quanto teria um HD? E ainda girado por um motor e lido por um braço mecânico? Esqueçam, tem que ser um chip e mais nada.

    Abraço

    Iv@n

  37. Tipsy says:

    Daqui a 10 anos já andamos em carros voadores, transmissões holográficas por todo o lado e com nanotecnologia em tudo o que é aparelho 😀 ..Fora de brincadeira, este avanço é algo muito interessante, mas acho que daqui a 10 anos a capacidade poderá ser maior.

    E na minha opinião a nanotecnologia é o futuro e acho que merecia um post aqui no pplware bem robusto para dar a entender às pessoas os avanços que poderemos ter quando esta tecnologia entrar em acção 😉

  38. afonso says:

    daqui a 10 anos não há cd’s

  39. undefined says:

    lá se vai a camada dupla..

    dvd´s….

  40. anonymous says:

    Será que eles vivem no séc. XXI como nós?

    É que os CDs, DVDs, BluRay, HD-DVD estão neste momento a ficar obsoletos com os storage SolidState.
    Neste momento está tudo a convergir para on-line storage (Filmes, musica, etc. está tudo online por via digital), se houver necessidade de se gravar algo num media físico portátil: para venda de filmes, música, software, de agora para o futuro é tudo SolidState (Pens USB, SD cards, etc.).
    Isto vai acontecer até que a tecnologia de storage baseada em cristais esteja desenvolvida o suficiente para poder ser comercializada.

    • Ah, ia esquecendo de uma observação pequena observação: o formato “em disco” começou pelo gramofone, que foi patenteado no dia 26 de Setembro de 1887. Ou seja: contando com o vinil, cd, dvd, blue-ray, temos mais de um século da cultura de “ouvir música via esferas achatadas que giram”, que , por muita coincidência, começou a declinar justamente em 1997, com o início da troca de arquivos MP3.

      Indo ao ponto: acho que as grandes indústrias estão querendo forçar o formato em formato de disco apenas porque elas sabem que ele já faz parte da cultura de massa, que haverá quem o compre por muito tempo ainda.

  41. mmick says:

    Os dispositivos opticos até podem existir no futuro, nao têm é 12 brutais centimetros de diâmetro! É como ter que andar com um camiao para todo o lado.
    Para vingar tem que ficar pelos 6cm ou menos. Um SD vai até 32Gb e é minusculo, um suporte óptico além de grande, frágil nao tem a versatilidade desses cartoes 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.