Quantcast
PplWare Mobile

10 Invenções Fantásticas nascidas na DARPA

                                    
                                

Autor: Ana Narciso


  1. Daniel Belém Duarte says:

    Parabéns, muito bom artigo:)

  2. Manuel António says:

    27 horas por dia? É muita fruta 🙂

  3. Paulo Bastos says:

    Para mim as próximas novidades vão ser invisibility cloaks ou material que consegue ser invisível ao olho humano parecido com o jogo Crysis ou o filme Predador e ajudas mecânicas aka Exosqueleto, ambas as coisas já estão em testes.

  4. Wykzl says:

    Mais atenção às traduções…
    Não deveria ser “Talvez o mais famoso seja o F-117…” ?
    Infame ? Isso é outra história…

    E os aviões (normalmente) não “deixam cair” misseis…

    E o comentário final de bater record de velocidade ? O space shuttle reentrava a velocidades aprox mach 25. Bastava ter dito o que está no wiki…perderam os 2 protótipos nos testes.

    • Ana Narciso says:

      A tradução não está mal feita.
      É infame, vem de infamous. Infame na medida em que o seu nome vem associado ao seu efeito destrutivo. Infame é algo que também é famoso, mas por razões menos boas.

      Segundo, “drop” bombas mísseis, é de facto “lançar”, mas não é assim um erro tão grave quanto isso. De qualquer forma obrigada pelo reparo, pois ficou melhor.

      Não percebi o teu último comentário. Esta é uma adaptação do (excelente) artigo da PC Pro, como indicado na fonte.

      Gostaria então de ter a tua opinião em relação ao futuro (as questões lançadas aos leitores).

      Cumprimentos.

      • Gustavo Marques says:

        Exelente artigo Ana e optima adaptação!

        Gostei particularmente de ver o mapa da “Internet” em 1973 🙂

        Só uma pequena nota em relação a essas traduções, é que “drop” é efectivamente deixar cair, “throw” sim seria lançar!

        E é “drop” pq os caças é q normalmente não deixam cair bombas, os bombardeiros sim 😉

      • judger says:

        Boas,

        O F-117 tem como nome “NightHawk”. Quanto a “drop” usa-se para bombas e “launch” para os mísseis.
        Também existem os “droptanks”, que são depósitos de combustível que “vão” debaixo das asas, e podem ser largados (caso necessário).

        Quanto a perspectivas futuras da DARPA…Banda larga, muito mais “larga” do que conhecemos…para UAVs e depois, consequentemente para todos nós.

        Cumps/Rgds

      • Joca779 says:

        boa tarde

        Os misseis são deixados cair após o afastamento do avião tem jacto próprio que se activa.

        Portanto a tradução esta correcta com o facto.

  5. Pedro says:

    Mesmo assim lol, granda contributo, isto é brutal

  6. Diogo Santos says:

    Muito bom artigo! Parabéns!

  7. Marisa Pinto says:

    Obrigada Ana por este artigo tão rico em conhecimento! 😉

    Fiquei a conhecer a ARPA quando tive que pesquisar a origem da Internet, e agora foi curioso saber que estes outros serviços derivam da mesma fonte 🙂

  8. João Neves says:

    Muito interessante! Bom trabalho!

  9. Ricardo says:

    A invisibilidade é uma boa aposta para facturo, apesar de achar que esta ideia já deve existir +/-, com o apoio a câmaras e leds.
    Mas também aposto em comboios transatlânticos pois pode usar energia eléctrica. O tele-transporte, tipo o filme a mosca. E a ideia de um dia “injectarmos” nano robots que estimulem determinadas sequências de neurónios para podermos aprender rapidamente, ao estilo matrix. Acho que é o futuro

  10. Alexandre Amaral says:

    Um dos melhores posts do pplware dos ultimos tempos, parabens!

  11. Carlos Almeida says:

    Muito interessante! Excelente artigo!
    Ultimamente muito se fala em patentes…não havia registo na altura que houve estes financiamentos da DARPA?

  12. Serva says:

    Boa tarde ,

    Excelente artigo , cultura nunca fez mal a ninguém .

    Cumprimentos

    Serva

  13. Gerardo says:

    “…biquitous High Performance Computing (UHPC), ou computação exaflop, baterá os benchmarks mais exigentes num piscar de olhos. Não será tarefa fácil”

    Daqui por uns anos, quando tivermos esta capacidade de processamento na palma da mão, o que nos vamos rir desta frase: “Não será tarefa fácil” D

  14. Paulo Teixeira says:

    Excelente artigo, sim senhora. Não conhecia esta organização.
    Mas fiquei com uma duvida que talvez seja uma ma tradução.
    “o ecrã pode ser visto por um máximo de 20 pessoas sem utilizar óculos especiais.” isto é sobre o “7. Urban Photonic Sandtable Display”, os seja o ecran só pode ser visto por 20 pessoas, mas isso de ser só 20 pessoas é por causa do tamanho da sala?? 😀 a sala não leva mais pessoas?
    Custa-me a imaginar que o ecran conte o numero de pessoas que estão a ver, e limite a 20 pessoas.

    Mas gostei mesmo muito deste artigo 😀

  15. Paulo P. says:

    Existe um pequeno erro aqui,”..substituido pelo BOLD, o programa Broad Operational Language Translation. O BOLT pretende melhorar o BOLT,…”, mais ninguém reparou?? 😉

  16. Mário Cardoso says:

    Adorei este artigo, muito bom, podem vir mais do género!

  17. johnito says:

    Optimo artigo.

  18. Paulo César says:

    Muito bom artigo! Parabéns à Ana Narciso!

  19. Arcadiy Kulchinskiy says:

    Muitíssimo bom artigo!

    DARPA na verdade é uma organização extra-terrestre que nos está a mandar constantemente uns bitaites de novas tecnologias!

    Haveremos de criar uma religião “DARPA”, visto que criou aquilo sem o que não conseguimos viver hoje em dia.

  20. Hugo says:

    Muito bom artigo, parabéns…

  21. José Fonseca says:

    Gostei muito do artigo! Muito bom!

  22. POliveira says:

    Excelente artigo. Parabéns Ana Narciso.

    É curioso notar (mas era previsível) que a organização em causa é uma agência militar. Apesar do mal e sofrimento que os conflitos armados causam, também criam condições para se desenvolver a ciência e a tecnologia muito mais rapidamente, ainda que com intenções menos boas.

    • ACOR-RT says:

      Lamentavelmente é verdade, todos os grandes passos que damos a nível “científico” tem sempre uma vertente cínica por trás ( o de ter supremacia militar), e quantos segredos já hoje existem que estão por demonstrar?

      Bom artigo!

  23. jhonta says:

    isso é bom, para nossa população, parabens!

  24. Hélder Lima says:

    Antes de mais, parabéns pelo artigo que está de facto muito bom, sendo ou não sendo uma adaptação, tendo ou não tendo uma tradução perfeita.

    Em primeiro lugar concordo com o ACOR-RT (pelo menos em parte), a defesa e a ciência e sua evolução estão e estarão sempre associadas. No entanto não acho isso cínico…

    Acredito que as próximas evoluções sejam influenciadas em grande parte pela próxima guerra. Se demorar a haver uma próxima guerra acredito que só tenhamos pequenas evoluções. No entanto se estiver próxima uma nova guerra (que dado os conflitos actuais não deve demorar muito) vamos ver evoluções brutais nos próximos tempos, principalmente a nível bélico (não acredito que a bomba atómica continue a ser o mais temível existente).

    No que refere a evoluções ao nosso alcance acredito que estejamos perto de deixar a videoconferência de lado para uma conferencia holográfica, e sou da opinião que a transferência de dados a velocidades que garantam a inexistência de lag (transferência de dados entre computadores à mesma velocidade que os componentes de cada computador comunicam entre si) também não deve tardar muito, pelo menos a possibilidade de esta acontecer!

  25. Arthur says:

    Ter dinheiro ajuda muito. É a vida.

  26. Rui Costa says:

    No que respeita a velocidades de internet que evitem o lag, sem falar por experiência própria, temos o último serviço da Google lançado apenas nos EUA, que se baseia numa ligação de internet síncrona de 1Gb, ou seja, 1Gb de download e 1Gb de upload.

    Digo eu que já deve dar para fazer streaming de um vídeo sem os normais atrasos (lag)!

  27. leo says:

    E agora mais uma invençao a mula robotica

  28. Aline Odriosolla says:

    Nunca tinha ouvido falar em DARPA até assistir “The Blacklist”. Daí, resolvi procurar no Google e encontrei este artigo.
    Realmente muito bom. Grandes invenções e mentes acima da média.
    Talvez no futuro possa existir uma forma de demonstração do pensamento em 3D… Tipo, eu penso em algo e aparece a imagem… Sei lá.
    Ou ainda uma super arma contra zumbis… Qualquer coisa pode sair daí.

  29. Manel das Coives says:

    Como deveriam saber (e a tradutora tb) o artigo original é matéria de propaganda à DARPA (agência do departamento de defesa dos estados unidos) que pelos vistos está com sérios problemas em justificar as avultadas somas de dinheiro envolvidas em projetos duvidosos.

    A produtividade e impacto da DARPA é insignificante quando comparada por ex. com a Bell Labs…. etc.

  30. Marcio Lima says:

    Só uma duvida no começo da matéria, se não entendi errado, não foi a Microsoft quem inventou o Windows, quem inventou o Windows foi a Apple, com o Macintosh, Bill Gates, literalmente “roubou” Windows da Apple!
    Na verdade Windows era o novo sistema operacional do Macintosh que Apple lançaria, Bill Gates conseguiu ter acesso a esse sistema, plagiou e mudou o nome para “Windows” e patenteou em nome da Microsoft!

  31. Marcos - DF says:

    Muito bom artigo, parabéns !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.