Quantcast
PplWare Mobile

Google contra-ataca com serviço de streaming de música próprio

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Simões


  1. Hélder says:

    Obrigado Google, mas a Apple também tem um serviço de rádio músicas curadas, também de borla.

    A diferença é muito simples, e muito directa: na Apple, não vai ter publicidade para ninguém…

    A ser a 9.99€, é caro demais, o da Apple não deverá ficar acima disso (em vários países da UE mais pobres é mais barato), e, tal como outros, não tem certos artistas, e deverão desaparecer cada vez mais, se a Apple der melhores condições.

    Não acrescenta nada…

    • Bruno Gonçalves says:

      A não ter publicidade vão buscar o dinheiro onde? Ou é pago ou tem publicidade diria eu…

      • Gustavo says:

        Então?

        Ouves a rádio, interessas-te mais por música, subscreves mais rápido o AM.

        E sim, o AM também vai ter videoclips…

        • Bruno Gonçalves says:

          Então? Se tens rádio de borla sem publicidade vou subscrever para quê?

          Se as pessoas não subcrevem o spotify premium e têm publicidade achas que vão subscrever outro serviço qualquer? Só por ser da Apple? Tem que lhes trazer algum beneficio… Das comparações entre vários serviços que vi estão todos muito equiparados, não há nada que faça um ser melhor que outro…

          • Gustavo says:

            Porque o rádio não toca o que queres, quando queres… acho que é fácil perceber a diferença…

            As pessoas não subscrevem a pagar?

            Sim, 80% das pessoas não pagam por música, Spotify grátis, YouTube, MP3 pirata, etc…

            Mas isso não interessa…

            O que interessam são os 20% de pessoas que pagam!

            Sim, todos são praticamente iguais, portanto, qual deles é que escolhes?

            Simples! Escolhes (ou passas para) aquele que tem a música toda que tu queres ouvir!

            E achas que os “fornecedores” da música vão querer deixar o Spotify ter a música lá, se eles pagam quase nada, e a Apple (ou Google, ou Tidal, ou…) pagar mais?

          • Bruno Gonçalves says:

            Então e as playlists que dizes que criavas para o youtube? Aqui já não crias? No Google Music podes colocar não sei quantos mil mp3 e ouvir onde quiseres 😀

            Bem voltando ao assunto, creio que os artistas estão onde lhes dão dinheiro daí estarem em todas as plataformas. Não sei como será o modelo de negócio mas se eu fosse artista e se posso receber de 3 grandes players, porquê receber só de um? A não ser que exista exclusividade, aí sim pode haver um serviço mais vantajoso que outro.

          • badsector says:

            Se o Spotify não paga quase nada aos “fornecedores” a Apple paga o q?
            Spotify 70% = quase nada. Apple 71.5% = ? (responde aí Gustavo).
            E já agora responde aí pq é que os “fornecedores” abandonariam o Spotify só porque a concorrência paga 1.5% a mais quando podem ganhar pelos dois.

          • FG says:

            O problema não é a margem…

            O problema é que a maioria dos utilizador spotify, é “free”, e o dinheiro dos ads, que é ridículo, é que vai esses 70%

    • Bruno Gonçalves says:

      Outra coisa, a subscrição do Google Music traz também o Youtube Music key:
      https://www.youtube.com/musickey

    • Aybara says:

      Claro que vai ter publicidade.

    • SG says:

      Deves pensar que a Apple anda a dar alguma coisa a alguém. Claro que vais ter de pagar para teres Apple Music, só te oferecem 3 meses… xD Depois inchas…

  2. ddymoo says:

    A google sempre a inovar

  3. Pedro Silva says:

    Peço desculpa pela ignorância, mas a Google não tinha já um serviço de streaming ou era algo diferente? Eu lembro-me de na aplicação ver um serviço de subscrição mensal, para que servia?

    • Gustavo says:

      Tinha… Google Play Music All Access

      Mas agora têm uma rádio, e mudou o nome para “Google Music”, parece se parece mais com outro serviço que compete chamado “Tidal”.

      • Bruno Gonçalves says:

        Rádio já existia para quem subscrevia e claro sem publicidade.
        A única novidade mesmo é estar disponível para todos e com publicidade.

        • Ivo says:

          exactamente 🙂 e a google tem a vantagem de ter a música toda do youtube

          • Gustavo says:

            Para isso abro o YouTube, faço um playlist, e não ouço/vejo ad’s, porque tenho uBlock!

          • Bruno Gonçalves says:

            Sim mas tens que fazer a playlist tu próprio, penso que não deves ter os Mix do Youtube sem o music key.

            Tambem podes juntar as musicas todas num leitor de mp3, fazer playlists por pastas e não tens que ter serviço nenhum de streaming.. 😀

          • Gustavo says:

            Não há playlists que podes abrir no YouTube?

            Oi?

          • Daniel says:

            Bruno Gonçalves, na verdade não tens de criar tu uma playlist.
            Basta selecionares um video de uma musica que queiras e deixares a opção de “autoplay” ligada, que ele passa a próxima música relacionada, e assim sucessivamente.

        • Gustavo says:

          Tem rádio?

          Quem são os radialistas?

          • Bruno Gonçalves says:

            Rádio é o nome que eles davam ao serviço, fazem uma playlist com base no artista que escolhes, dando artistas semelhantes…

          • Gustavo says:

            Ah… é só uma playlist… não é radio verdadeira…

          • Bruno Gonçalves says:

            Radio verdadeira tens o TuneIn… Tendo em conta que grande parte da malta quer é ouvir offline nos dispositivos moveis, não me parece que uma radio verdadeira seja uma mais valia no serviço… Mesmo que queiras ouvir em casa por streaming… TuneIn 🙂

          • Gustavo says:

            Oh… radios reais são uma treta… passam sempre o mesmo…

        • Bruno Gonçalves says:

          Não disse que não havia :), apenas que os Mix que o próprio youtube faz é que acho que não tens sem a subscrição, ou então a subscrição tira a publicidade dos Mix. Sinceramente não sei 🙂

  4. Paulo Martins says:

    É mais um Google+ – poderia ter sido uma boa ideia se fosse antes do Facebook.
    O timing da Google é péssimo…

    • SG says:

      No entanto tem produtos cada vez melhores e faz uma coisa que poucos fazem… ter tudo num só sítio. Agora na Google tens muito mais do que um motor de pesquisa, com a tua conta.

      Apesar de demorar, faz bons produtos e melhor… são praticamente todos gratuitos. Queres mais?

      • Paulo Martins says:

        Eu concordo contigo, acho que o Google+ é melhor que o Facebook em vários aspectos…
        Mas dificilmente consegue destronar o Facebook por causa da enorme adesão que já tem…

  5. Osvander says:

    Não interessa, tenho Mixradio que faz a mesma coisa e ainda ouvir off line as músicas prediletas (vários gêneros ).

  6. Vítor M. says:

    Vocês não percebem? A Google estava à espera que a Apple lançasse para ver a reação do mercado 😀

    Bora lá, a concorrência só beneficia o utilizador.

    • Daniel says:

      Bem, isso tudo que lançou agora já existia, na verdade (Google Music All Access), só que pago.

      Mesmo no youtube (PC, porque devices o youtube deixa de tocar quando o ecrã desliga) podes começar a ouvir uma música, deixar o “autoplay” ligado e ele vai passando videos relacionados (e já tem isto há largos meses), ou selecionar as mixes que o youtube cria automaticamente (tab de videos sugeridos desse video, e isso tem há anos).

      E não esquecer a funcionalidade que o youtube teve há uns tempos, o Youtube Disco (feature removida em Outubro passado), em que inserias um artista ou música e ele criava uma playlist relacionada (bem, tinha uma página dedicada para criares a playlist, mas com a introdução das auto mix ou do autoplay que no final de um video toca outro relacionado, tornou-se obsoleto).

  7. vector says:

    Por isso é que fecharam o Grooveshark!

  8. Nuno Henriques says:

    Mixradio dá 10 a zero…e sem publicidade!!!

  9. Benchmark do iPhone 6 says:

    Acho que percebi a lógica da coisa. A Google lança um serviço suportado por publicidade que, ao que parece, não se distingue do serviço por subscrição, sem publicidade.

    Para isso vai ter que ir buscar bastante dinheiro à publicidade para pagar aos produtores/distribuidores. O mais certo é ser através de vídeos publicitários – se forem com os do Sapo, que nunca mais acabam, até pode fazer bastante dinheiro, mas deve ser um bocado chato.

    Eu diria que este Google Music “com adware” vai atacar é sobretudo o negócio do Spotify na parte suportada por publicidade (entre 70 e 75% dos seus utilizadores). Mas a Google tem mais jeito para a publicidade, pode conseguir receber mais.

    Agora, em que medida o Google Music “com adware” vai prejudicar o Apple Music, por subscrição e sem publicidade está para se ver. O Google Music com subscrição (sem publicidade) é que está mais perto do Apple Music (sem contar com as web radio, gratuitas, que são outro campeonato).

    • Gustavo says:

      Era porreiro se desse para usar na web, e cortar a pub com uBlock…

      LOL

    • zombie says:

      Que confusao que para ai vai !
      Atacar o spotify free, com este serviço de radio ??? O spt free, é um serviço completo, ” Á LA CARTE” ( que obviamente tb inclui a funçao radios e de grande qualidade), que em relaçao ao premium pago, apenas n tem som a 320k e playlists offline ! Para além da pub claro ! Ou seja é concorrente do apple music, google music all acess, tidal e outros. Qto a este google radio, seria concorrente direto do mixradio, tb free ! , E digo seria, pq nem desse conseguira ser !!!Pq tem pub e nao tem playlists offline.
      E nao sei em que é que o google pago está mais perto ou longe do apple music que o spotify!!!! E ainda falta provar, as eventuais mais valias ou nao do apple music, quando sair . Td depende do que se procura e dos serviços que nos poderao interessar. Se valer a pena la vou eu ter de subscrever mais um ( o spotify com tanto “arquivo” que la possuo, nunca poderei queimar e pub nao obrigado ).
      Agora mais uma vez digo, é obvio, que com o poderio economico ( que a sua posiçao no mercado lhe permite), se a apple quiser, arrasa qq um, nos planos nao free. Ate se pode dar ao luxo de ter apenas breakeven, neste negocio, ou perder mm, ate arrasar com a concorrencia, e secar td á sua volta ! ! A começar pelo spotify, que ao que sei, anda sp com a corda na garganta, dado que nao negoceia mais nada. Espero que isso nao aconteça, pq os monopolios fecham os mercados e la se ia o meu arquivo pessoal de cerca de 1 milhao de musicas, que tantas horas, dias, meses, sei la, me queimaram as pestanas e timpanos.

      • Benchmark do iPhone 6 says:

        Que confusão que para aí vai. O Google Music já tinha uma versão free, sem publicidade, muito limitada em relação ao Google Music pago.

        Este Google Music free suportado por publicidade é diferente do free sem publicidade. Tem mais funcionalidades e não é um simples conjunto de web rádios.

        Se a opção dos utilizadores é pagar ou não pagar (suportando a publicidade), qual é o concorrente directo deste novo Google Music free? O Spotify free, obviamente. “Ah, mas o Spotify free tem mais coisas”. Não me parece – sobretudo no caso do Spotify para iOS (é diferente do para PC) em que não se distingue de uma web rádio.

        • zombie says:

          Nao se distingue de uma web radio ? so se for em ios, n uso, pq os 2 ipods e um iphone que ainda tenho, so foram até ao 4.2.1 e o spotify so a partir do ios 5 ! agora em pc e android, dao quase tudo. Da para escolher a la carte, ouvires e fazeres as tuas proprias playlists ou de outros, para alem das web radio tematicas, salvar musicas e albuns…acesso a noticias, novos lançamentos etc-

      • Gustavo says:

        Spotify Free, no móvel, é tipo “rádio”…

        • zombie says:

          Nao se distingue de uma web radio ? so se for em ios, n uso, pq os 2 ipods e um iphone que ainda tenho, so foram até ao 4.2.1 e o spotify so a partir do ios 5 ! agora em pc e android, dao quase tudo. Da para escolher a la carte, ouvires e fazeres as tuas proprias playlists ou de outros, para alem das web radio tematicas, salvar musicas e albuns…acesso a noticias, novos lançamentos etc-

  10. Rui says:

    Continuo a achar que é muito difícil de bater o Spotify. Os 7€ mensais são bastante competitivos.

    • pedro says:

      É como aqui deste lado… Concordo. Tenho Spotify premium e não quero saber de outro serviço para nada. O Spotify oferece o mesmo por menos. Cumpre por completo aquilo que pretendo. E ainda falta a possível marosca que é criar outra conta e ter premium por 3 meses por 99 cêntimos. 😛 O da Apple não traz nada de novo a este tipo de serviços. Só é considerado inovador por ser da Apple. Inovador foi o primeiro serviço deste género. Esse sim, foi inovador. Não sei qual foi, mas por acaso até gostava de saber, apenas por curiosidade.

      • Rui says:

        E, na verdade, os 7€ dão para mais que um mês.
        Experimenta pagar com mbnet e leva o aviso de pagamento até ao máximo. Dá para 1 mês e 14 dias, até ficares sem premium.
        Contas ao ano: cerca de 5€/mês

    • Benchmark do iPhone 6 says:

      €7 é em Portugal, porque quase não há fregueses. Noutros países, com maior poder de compra, são os $9,99 como o Apple Music ou o Google Music (sem publicidade)

      • zombie says:

        Bem, mas a nos interessa é em Portugal certo ? Quero la saber do resto !E na altura os 10 usd equivaleriam a mais ou menos os 7 euros, agora, com as alteraçoes cambiais, é que seria mais, tal como so outros! Alias acho que esse price ( que tb tenho) sera para os antigos, actualmente tb sao 10 usd. Tb existia um intermedio unlimited por 3.5 eur, que entretanro acho que acabou. O mercado esta a uniformizar para novos clientes ( ate o tidal tem uma opçao destas, para alem da mais cara com flac ).

  11. Proud Troll says:

    Até pagaria por este, não fosse já cliente do Spotify.

    Mas se também tem modelo grátis com publicidade, temos uma boa notícia: não terá a básica do junk pop da taylor swift, reduzindo assim o risco de timpanites agudas graves ao ouvir rádio.

  12. leandro says:

    O mixradio no WP e do melhor que a e claro não tem pub

  13. jrgaugusto says:

    Alguém já exprimentou com uma extensão tipo de ip change se funciona?

  14. MAX says:

    Quem é cliente spotify sabe me dizer se consegue passar as musicas para o “mp3”?

  15. zombie says:

    No premium (pago), sim, tens a opçao offline ( tds ou quase tds os pagos tem essa opçao ).Nos planos free, nop. Destes, tens o mixradio, sem pub e com offline tb. Mas funciona como serviço “radio”, escolhes generos de musica e artistas e eles é que fazem as playlists.

  16. Alex says:

    peço desculpa pela ignorância, mas eu já utilizava o Google Play Music web player e no Android, onde tenho um espaço gratuito para lá pôr os meus albuns mp3 (e tenho lá carradas deles) e dava para criar playlists, onde oiço a musica sem publicidade. Vai passar a apresentar publicidade??? é essa a minha dúvida.

    • Benchmark do iPhone 6 says:

      O teu não é o das bolinhas azul claro ao lado das Google Play Music pago, os dois sem publicidade?

      Ninguém falou em acabar com esse serviço free, sem publicidade.

      O que se fala no post é noutro serviço free, suportado por publicidade, que há-de ter mais funcionalidades que o actual.

      https://play.google.com/music/listen

  17. Ana says:

    Há quase 1 ano, que tenho Spotify de 3 em 3 meses, por 99 cêntimos LOLL

    Acaba-se a subscrição de 3 meses, cria-se uma nova conta, simples…

    Pode vir a Apple, a Google, o que quiserem, que ter todas as músicas sem Publicidade, a 99 cêntimos de 3 em 3 meses, nenhuma baterá o Spotify…

    Spotify forever.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.