PplWare Mobile

Seguradoras já exigem o uso de um medidor de atividade física para ter um seguro de vida


Vítor M.

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Spoky says:

    Patetice, quer dizer eu PAGO a uma SEGURADORA para me atribuir e assegurar serviços de bem estar e saúde em caso de algum problema urgente e ainda tenho que usar um medidor de actividade física? No mínimo ridiculo, venha quem vier.

    Isso é a mesma coisa que eu comprar um carro e aderir a uma seguradora e essa mesma seguradora pedir que modifique ou compre uma peça para proteger o carro de acidentes!

    Enfim, o que se há de fazer. Mas que é ridiculo é, é que para alem de pagarmos a seguradora ainda temos que comprar ou adquirir um medidor de actividade física, no minimo ridiculo. Se pagamos, não temos nada que usar nada disso.

    • Vítor M. says:

      Sim, não deixa de ter o seu lado ridículo, sem dúvida, mas hoje, para fazeres um seguro de vida/seguro de saúde, já é obrigatório, em determinadas companhias e em determinados produtos, apresentar relatórios médicos e exames a acompanhar. Portanto, este tipo de “update” dessa informação, passando de um caso pontual (no ato do contrato do seguro) passa a ser constante 🙂 claro que isso pode-se tornar perverso, e sim, concordo contigo pode passar a ser ridículo…

      • Paulo L says:

        O problema mesmo é esse update, ou seja a companhia vai poder exegir que tu faças exercício todos os dias, em caso de terem de pagar por alguma coisa vão poder dizer que no domingo passado foste calão e não saíste de casa, logo o teu estilo de vida levou ao teu problema é não pagam.

        O seguro é feito para cobrir um risco, se eles vem que estás a começar a ter arritmia pelas pulsações, vão dizer que já não te seguram, antes que esse problema se manifesta.

        Felizmente, dado a lei de privacidade, existe alguma esperança que na Europa, isso possa não pegar.

        • Fak says:

          Paulo L
          tens de aprender a ler e a entender… estás completamente errado, basicamente os seguros para agarrados ao sofá não deixa de existir, nem és obrigado a ser monitorizado, o que acontece é que se praticares exercicio fisico e fores monitorizado pagas menos pelo seguro, se não queres, não és monitorizado e pagas mais pelo seguro. simples.

          • Paulo L says:

            Pois então vai lá ver a notícia outra vez, basicamente és obrigado a partilhar essa informação para teres o seguro e de acordo com o estilo de vida que levas, o prémio que eles aceitam … ou não.

            Não é facultativo, e só tens bónus se levares o que eles consideram uma vida saudável.

            Falta recordar que o conceito de vida saudável tem evoluído e alterado ao longo das décadas, e vai continuar a mudar, porque quando tens atletas a morrer em campo ou no meio da sua actividade desportiva com problemas de coração, algo ainda não está 100% correcto

          • Sujeito says:

            Esse ego enorme é que não te deixa ler a notícia em condições. Nem raciocionar as implicações.

    • Toninho says:

      Boas

      Convém não esquecer que isto é num país onde se cometem as maiores alarvidades que se conhecem, ou seja EUA. Não creio que aqui. nós Europeus, alguma vez iremos permitir isto, como não permitimos, por ex as armas.

      Quanto aos exames é perfeitamente normal, uma seguradora de vida, pedir alguns exames “normais”, como me pediram há uns 20 anos para o seguro de vida associado ao empréstimo de compra de casa. Nada de anormal aqui.

      Alias convém não esquecer e eles não se deviam esquecer, que a actividade física é uma excelente forma de melhorar a saúde.

      Cumprimentos

      • Mad says:

        “nós Europeus, alguma vez iremos permitir isto, como não permitimos, por ex as armas.” Tal como a europa nunca iria permitir a censura na internet ou outros valores que estivessem em causa. Os interesses monetários falam sempre mais alto.

        https://www.jornaldenegocios.pt/economia/europa/detalhe/parlamento-europeu-aprova-novas-regras-para-direitos-de-autor-na-internet

        • Toninho says:

          Mal qual censura qual quê. Não se confundam as coisas. Uma coisa são dados pessoais que não podem ser partilhados ou se partilhados só com autorização tua.
          Outra coisa é publicares textos ou imagem que podem ser de outros.

          Aliás essa lei do parlamento ainda não passou na totalidade, e outras semelhantes (Espanha e Alemanha já caíram). Além disso porque pode a Google meter por ex. no Google news noticias de outras fontes (e ganhar publicidade com isso) sem nada pagar, apesar de referir as fontes?
          Sim sou absolutamente contra esta lei da “censura” mas não se confundam alhos com bugalhos.

          Até aqui neste cantinho à beira mar plantado, no portal do SNS tens de explicitamente dar consentimento para a partilha dos teus dados de saúde que lá metes.

          Fiquem bem

          • Sujeito says:

            Censura sim. Os artigos em causa são de censura. Se ainda achas que não é porque não os leste na íntegra.

            Quanto a esta questão da privacidade, a mesma coisa.

    • Fábio Silva says:

      É ridiculo porque, acaba por ser uma prova evidente de que as seguradoras só servem para esmifrar dinheirinho às pessoas. Portanto, quanto menor o risco melhor. E com toda essa tecnologia, naturalmente que se revelará inútil um seguro de saúde… Talvez seja mais benéfico colocar esse montante numa conta poupança para precaver imprevistos.

      Para não falar que é frequente ver pessoas a riscar seguros de saúde que não cobrem as doenças mais comuns (os termos científicos, nas letras pequeninas, dão muito jeito às seguradoras…).

    • Jorge Marinha says:

      Spoky julgo que entendeu mal, até agora as Seguradoras exigem que os proponentes a pessoas seguras respondam a um questionário clínico ou façam exames clínicos para avaliação do risco. Com a nova tecnologia passaram a poder avaliar os dados registados pelos equipamentos antes de aceitarem o risco.

  2. Gabriel says:

    Tratar clientes como criminosos que precisam de ser vigiados permanentemente… Os avanços do Big Brother cada vez mais vigilante… E quando tudo for vigiado, não há privacidade nem liberdade e viveremos num regime totalitário, uma prisão em que tudo o que fazemos é vigiado… E os corruptos do governo, não agem? Porque será?

  3. Jorge Carvalho says:

    Customers do not have to log their activities to get coverage even though their policies are packaged with the Vitality program.

  4. Regis says:

    Ora bem, na realidade parece intrusivo, mas atenção que se trata de oferecer bónus face ao reporte de informação que pode ser interpretada como sinal de hábitos saudáveis de vida, “Policyholders score premium discounts for hitting exercise targets tracked on wearable devices such as a Fitbit or Apple Watch” e não parece ser obrigatória tal acção “Customers do not have to log their activities to get coverage even though their policies are packaged with the Vitality program”.
    Mais a política parece ser encaminhar as pessoas para a auto-promoção da sua saúde. No site oficial pode ler-se: “Helping you live a longer, healthier life. Life insurance that saves you money and rewards you for healthy living. Now available on all our products.”, o que me parece louvável.
    Cuidado com as conclusões precipitadas!
    Mas depois surge outra questão, quem garante que a informação que o segurado presta é fidedigna, ou mesmo é a dele e não de outra pessoa qualquer?

    • Miguel Sousa says:

      IMEI. O Apple Watch só funciona com o Iphone a que esteja sincronizado. O mesmo se passa com a Fitbit.
      A pergunta que se deve fazer é outra: se eu for passar uma semana a Marrocos, aumenta a probabilidade de vir a sofrer uma doença respiratória. A empresa seguradora pode usar os meus dados GPS para dizer que violei os termos do seguro de saúde/vida a ter feito essa viagem e não me permitir aceder aos tratamentos previstos pelo seguro que pago.

    • Sujeito says:

      Conclusão precipitada é acreditar no que eles dizem no website. Assim como acreditar num político.

  5. Faísca says:

    Elas querem mais, muito mais! ADN… para saberem o que asseguram e não asseguram mesmo aos filhos futuros…

  6. Rui says:

    Só um pormenor, na União Europeia, Islândia, Noruega e Suíça, é completamente ilegal tal pedido ao abrigo do RGPD.
    É um dado especial de saúde e como tal, o consentimento do utilizador não chega para uma seguradora, seja ela qual for, pedir tal coisa na UE. Nem com uma DPIA nenhuma seguradora conseguia autorização para tal disparate.

  7. Carlos Sousa says:

    O melhor seguro de saúde é aquela aplicação financeira que dá bom juro e o dinheiro fica do nosso lado.

  8. Tiago says:

    Isto só é possivel na terras dos “beefs” e dos “yankees” e porque proteção de dados é coisa do faz de conta por essas bandas ! Na europa continental nem a google se tem safado portanto que as seguradoras comecem a tirar elações !

  9. Gabriel says:

    O negócio das seguradoras devia ser um negócio de risco que pressupõe que a minorias dos clientes não sejam de risco. Num seguro de vida para empréstimo à habitação haverá uma pequena percentagem que não conseguirá pagar em vida todas as prestações, mas uma grande percentagem consegue pagar. O que as seguradoras querem é risco zero.

  10. Bruno M. says:

    Aqui sim, é discriminar o cliente!
    Estúpido no mínimo!

  11. Joao says:

    Exige ou oferece desconto?? No UK ja existe a politica mas e’ totalmente facultativa.

  12. Luis says:

    Tenho sérias dúvidas sobre a legalidade de tal medida na união europeia.Haveria concerteza total devassa da privacidade das pessoas o que seria inaceitável e o seguro passaria a valer zero.

  13. Hélder says:

    Isto é invasão grosseira da privacidade.
    Não acredito que na união europeia passe no crivo normal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.