PplWare Mobile

Dia Internacional da Mulher: o papel das mulheres na Tecnologia


Maria Inês Coelho

Gestora de conteúdo e de redes sociais do Pplware. Mestre em Economia, foi o fascínio pelo universo da tecnologia e da comunicação que falou mais alto.

Destaques PPLWARE

35 Respostas

  1. Vitor Correia says:

    Já ando neste mundo do IT á mais de 20 anos e progressivamente cada vez vejo mais mulheres nas areas tecnologicas das empresas. Mesmo nas camadas jovens vejo uma grande mudança (falo por mim quando jogo fortnite em duel com a minha miuda de 15 anos 🙂 )

  2. MAFF says:

    Flexibilidade de horário, sim, mas essa do não haver habito de sair muito tarde, eu diria que vai depender da àrea específica e/ou fase do projeto. Julgo que a maioria conhece a velha piada do “Programador é aquele que transforma café em código”

    • Toni da Adega says:

      Nao depende nem da àrea específica e/ou do fase do projecto, é simplesmente uma questao de mentalidade, em portugal entao senao se fizer umas horitas a mais fica-se logo mais visto.

      Um projecto tem que ser bem planeado para ser feito dentro das horas de trabalho óbvio que por exepcao pode-se ficar mais 1-2h para acabar algo mais urgente, mas em regra nao deveria ser mais que 1-2 dias por mes e já se está a esticar muito.

      • DK says:

        Agreed! Não podia concordar mais.

      • MAFF says:

        Idealmente seria assim. Da mesma forma que idealmente não existiria “legacy code”. E por muito bem que o projeto seja planeado, estimativas serão sempre apenas estimativas.
        Regra geral um erro que parece demorar apenas 1 hora para corrigir pode acabar por demorar 1 dia a corrigir e as coisas escalam.

        • Toni da Adega says:

          Mas isso é o normal em qualquer projecto, por isso é que em em qualquer planeamento coloca-se sempre um mínimo de 25% extra de tempo para contingência. Em casos desses, mal se veja que vai haver derrapagem é informar o Gestor de projectos e ele logo irá lidar com o problema da melhor forma.

          Se for suporte ai pode ser diferente, mas o tipo de contrato também é diferente onde muitas vezes é necessário estar sempre disponivel.
          Por vezes faço trabalho de 3rd line support (alguns em legacy code com mais de 20 anos), e não é por isso que fico mais tarde.

          Em assuntos urgentes por vezes é necessário dar uma resposta ao cliente no prazo máximo de 2h (mas dentro do horário de trabalho), se o pedido for efectuado 30 minutos antes da hora de saída, pode muito bem ser respondido no dia seguinte.

  3. Rui says:

    Grandes lençóis na 2ª foto :
    Falta por exemplo referir a actual Secretária de Estado da Justiça: Anabela Pedroso. Foi ela quem introduziu o Cartão do Cidadão em Portugal, Portal do Cidadão, Portal da Empresa, as lojas do cidadão, etc…..
    Inovou em muitas áreas da Função Pública e que todos nós utilizamos no dia-a-dia.
    Apesar de não ser da cor partidária, não tenho dúvidas de que merece a referência.

    E bom dia da mulher!
    (tenho de comprar algo para a Maria)

  4. iSheepNot says:

    “Evelyn Boyd Granville (1924) – Uma mulher negra dos Estados Unidos na tecnologia”
    Sobre isto, recomendo o filme Hidden Figures (2016).

    Feliz dia da Mulher para todas as mulheres!

  5. António Fagundes says:

    Acho giro este artigo mas acho que também seria pertinente falar dos motivos os quais levam as mulheres a não seguirem a área tecnologica. No artigo dizem “Não estamos a falar de capacidades, mas sim de preferências e influências.”, discordo na totalidade, já trabalhei em muitos sitios, e posso dizer que por todos os sitios que passei sempre que contratava novos recursos havia sempre intenção e força do lado da administração para se contratarem mulheres, no entanto em entrevistas ficavam sempre aquém, mesmo os recursos masculinos mais de 90% ficava aquém, e quando mesmo assim se tentava apostar numa mulher, tipicamente a coisa não corria bem, tipicamente acabavam sempre a fazer documentação ou análise funcional ou testes por não se adaptarem ou não conseguirem estar à altura das áreas mais técnicas.
    Tenho claro algumas excepções na equipa actual, em mulheres que ficam à frente de muitos homens, no entanto é uma rara excepção e acho que em vez de tentar abafar o assunto dizendo que são tão capazes quanto os homens, eu na grande maioria dos casos discordo e acho que tem a ver com uma questão genética e socio-cultural.
    Um engenheiro da google fez uma carta aberta a dizer porque é que as mulheres tinham menos oportunidades e eram menos, algo que sempre vi como sendo lógico e partilho aqui o blog do james damore sobre o assunto.
    https://firedfortruth.com/

  6. Amilcar Alho says:

    “Carol Shaw (1955)”, “tendo desenvolvido o seu primeiro jogo de vídeo (e o primeiro desenvolvido por uma mulher) em 1938”, MIC, deve haver aí um engano. Será que trocaste os anos…? (1955/1938).

  7. jr says:

    E a Lisa Su? 😛

    Boa selfie, Inês!

  8. João Antunes says:

    Como ter mais mulheres na tecnologia em Portugal?

    Simples que mais mulheres se inscrevam e terminem cursos de engenharia que segundo pordata “Engenharia, Indústrias Transformadoras e Construção”, ronda os 26.4% a única área inferior aos homens todas as outras estão em maioria e duas áreas a rondar os 40.7% e 47.6 %, Ciências, Matemática e Informática e Serviços respectivamente.

  9. Tiago Soares says:

    As mulheres não são iguais aos homens e há uma razão pela qual há mais envolvência destas na tecnologia e não é por causa do interesse que têm. Há pressões enormes para se contratar mulheres hoje em dia, especialmente em tecnologia, em detrimento de homens mais capazes só porque são homens. Informem-se sobre grey e white matter e percebam as diferenças em quantidades nos homens e nas mulheres. As mulheres usam cerca de 10x mais white matter que os homens e estes usam cerca de mais de 7x grey matter que as mulheres. O que é que isto significa? Que as melhores são melhores para multitasking mas o nível de atenção, concentração e abstração dos homens é superior. Os homens são melhores para trabalhar que envolvem raciocínio constante, sem interrupções, durante largos períodos do tempo (programação por exemplo). Há razões pelas quais o rácio de enfermeiros é de 20 mulheres para 1 homem e ao contrário no caso da engenharia. Isto em países como a Noruega/Suécia/etc que são os países que mais avançaram em termos de igualdade de oportunidades para as mulheres. As mulheres têm toda a escolha e todo o apoio para seguirem o que querem (têm mais apoio incondicional que os homens) mas mesmo assim não escolhem tanto àreas de engenharia porque simplesmente, no geral, não é o campo delas e sabem perfeitamente disso.
    Apoio o dia pelo que ele simboliza, a primeira onda de feminismo pela igualdade de oportunidades. Hoje em dia é uma fachada, as mulheres não são iguais aos homens e ainda bem. As mulheres são capazes de fazer coisas que os homens não são (por exemplo um dos milagres da vida que é dar à luz) e vice-versa.
    Agora apoiar a igualdade e querer um rácio 50:50 em tecnologia só porque sim não é igualdade, nem é justo. É pouco eficiente e é mesmo discriminação de género contra os homens porque descartam homens, com mais capacidades, só porque são homens. Para ir para a guerra, para fazer certos trabalhos de risco a igualdade já não interessa. A igualdade só interessa para trabalhos de escritório e isso está errado. Há coisas que as mulheres sempre vão achar que é trabalho de homem. Contradizem-se severamente.

    • Tiago Soares says:

      Btw: https://firedfortruth.com/

      E muitos mais eu posso deixar aqui se quiserem. Este homem foi silenciado e despedido da google por simplesmente, expor factos. Factos! Opressão sempre vai existir, quem muda são as vítimas. 😉

    • Concordo muito com parte do teu comentário. Mas estás a restringir as mulheres apenas a uma área da tecnologia. Não acho que tem que haver 50:50 até porque cada pessoa deve estar a fazer aquilo com que mais se realiza, seja como CEO de uma grande empresa, seja em casa a cuidar dos filhos, válido para mulheres como para homens.
      O que deve haver é igualdade de direitos e as mulheres que aqui apresentei e tantas outras que ficaram por falar tiveram e continuam a ter um papel fundamente nessa luta.

      • Tiago Soares says:

        Obrigado por responderes ao meu comentário com educação e não levares a peito. É verdade que no meu exemplo restringi à parte da engenharia (programação). O 50:50 de que falei tem haver com uma notícia que vi há pouco tempo sobre uma plataforma para aprender línguas (Duolingo) em que o CEO procurava um rácio de 50% mulheres e 50% homens ENGENHEIROS pela questão de “igualdade”. Irritou-me isso tal como me irritaria ter 50% homens e 50% mulheres na área da saúde pela mesma questão. Eu quero o melhor serviço e certas pessoas são melhores para certos tipos de serviço. As pessoas que partilhavam da minha opinião e que opinaram, foram silenciadas no post, comentários removidos, quando não eram removidos eram ofendidos (até pelo próprio CEO) como idiotas, machistas, etc sem estes nunca terem faltado ao respeito a ninguém.
        Quanto à igualdade de direitos e oportunidades, concordo contigo, sou completamente a favor! No entanto acho que os movimentos de hoje em dia vão mais para além disso. Nas culturas western civilizadas como a Europa e a América faz pouco sentido. Na realidade os direitos das pessoas são iguais e cada um faz o que quer da sua vida. Estas coisas só servem para dividir as pessoas do verdadeiro inimigo. 🙂

  10. Teresa says:

    Uma dúvida: As mulheres do IT são só as programadoras?

    • Toni da Adega says:

      Não. Entre outras posicoes, já tive ou tenho colegas a trabalhar em:

      Suporte técnico
      Consultoras (de implementação ou suporte)
      Gestoras de projecto
      Gestoras de produto
      Formação (seja em cursos de IT ou formação a clientes)
      Beta testers/QA

      Existe nas variadas áreas.

  11. Hugo Gomes says:

    Isto como se diz o mundo é como nos o fazemos, sempre vi mas nunca concordei com o receber menos que os homens fazendo os mesmos trabalhos e as mesmas horas, e para mim não se tratam de direitos trata se muitas vezes de respeitar o sexo oposto pois hora vamos ver. Sao mulheres sim, tem uma vida pior que os homens num mundo que as descrimina por ser o ser mais fraco, sao maes, muitas vezes fazem o papel de pai e mãe, trabalham, cuidam da casa, dos filhos e ainda tem de ter energia para nos aguentar a nos homens (maridos, namorados). É de se louvar este ser humano pois nasce, cresce, tem o dom de trazer a vida a este MUNDO e ter as melhores sensaçoes durante 9 meses. E uma coisa é certa e sabida, a mulher é nao depende do homem para nada hoje em dia. Nao quero ofender ninguém com o que disse tanto homem como mulher mas o homem ainda tem de aprender muito com elas

  12. Maria Josefina says:

    Parabéns pelo artigo, contudo, falta fazer referência aos que algumas mulheres Portuguesas fazem nas TI e junto das Comunidades. Sim, essas também existem e estão ai para desmistificar determinados cenários. Veja-se por exemplo as Portuguese Geek Girls, as Microsoft MVPs, entre tantas outras.

    Fica a referência destas mulheres para que para o próximo ano, também delas se fale.

  13. Luís M says:

    Aumentem mas é os ordenados para todos…isto é só conversa para desviar as atenções…quem passa o dia no trabalho devia ganhar o suficiente para poder contratar alguém que lhe fizesse as tarefas domésticas…Problema resolvido.

  14. Nuno says:

    Posso perguntar porquê razão todas as mulheres listadas são amwricanas ou trabalharam para empresas americanas? Não houve mulheres noutros países na área da tecnologia que deixaram a sua marca até hoje?

  15. Sergio Agostinho says:

    “Durante anos, e sejamos sinceros, ainda nos dias de hoje, a tecnologia sempre esteve mais do lado dos homens do que das mulheres (…)”

    Ao contrário da nossa percepção, isto nem sempre isto foi verdade, no ínicio da informática os homens não era predominantes na área. O artigo “Born for it” de Birgitta Böckeler discute o fenómeno : https://martinfowler.com/articles/born-for-it.html

  16. Ab says:

    E assim se continuam a passar atestados de estupidez às mulheres.

    Num mundo ocidental onde cada um trabalha onde quer, falar em discrepância de quantidade de pessoas em qualquer profissão é uma palhaçada.

    Aposto que ninguém neste país conhece sequer 1 caso em que, com a mesma educação e experiência, um homem e uma mulher recebam ordenados diferentes.

    Já em contratações… Para além das ridículas quotas ainda há muita gente que diz abertamente que, para qualificações semelhantes, contrata uma mulher.

    Um bem haja aos que referenciaram o gajo da Google (exemplo clarissimo do degredo que o feminismo se tornou). Aos outros que comentaram com falinhas mansas (a ver se lhes calha alguma coisa) e aos que chamam Maria/patroa à sua mulher: acordem

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.