Quantcast
PplWare Mobile

Sem a ajuda da Apple, o FBI já conseguiu desbloquear o iPhone do atirador da Florida

                                    
                                

Autor: Marisa Pinto


  1. Fiu says:

    Ok, parabéns para eles.

  2. Vai-te catar says:

    A China ficou invejosa! Kkkkkkkk…

  3. ervilhoid says:

    terroristas a pagar 900k a outros terroristas

  4. Gaspar Oliveira says:

    Se o FBI consegue desbloquear na boa, porque de x em x tempo estes ataques.
    O objectivo é deixar opnião publica contra a Apple para a mesma se ver obrigada a baixar a guarda nos iPhones, para os serviços de inteligência espionar em tempo real, e poder controlar os passos dos cidadãos, um atentado contra a liberdade, que favorece ditaduras.

  5. Asdrubal says:

    Tinha mais valor de marketing fazer crer que a Apple tinha fornecido a informação ao FBI acerca de criminosos, do que o o FBI ter crackado um equipamento da empresa. Assim muitos já não quererão produtos da Apple, sabendo que são crackáveis.

  6. Smart says:

    Bem feita para a Apple. Agora já não podem dizer que são 100% seguros.

  7. Unknown says:

    Não percebo porque a Apple nestas situações não facilita o acesso aos dados, se tivesse sido um individuo fazer um atentado à sede da Apple tinham logo resolvido o assunto…

    independentemente do custo que o FBI tenha pago para aceder à informação, isto é uma chapada de luva branca na Apple…

    mais uma vez se mostra que não existem sistemas infalíveis, por melhor que seja a sua segurança.

    • Jorge Carvalho says:

      Não percebes o quê?
      Todos os dados que a Apple tinha foram disponibilizados.
      Desbloquear o tlm não consegue.
      Criar uma backdoor como foi solicitado é um perigo para todos.

      Abc

      • Unknown says:

        a Apple não disponibilizou nada de nada, isso é que tu não percebeste…
        e claro que Apple consegue desbloquear o iPhone então quem criou o sistema de segurança também criou uma backdoor, deves pensar que eles são uns anjinhos queres ver…

        é tudo um jogo de interesses que correu mal para o lado da Apple.

        • Jorge Carvalho says:

          Com este nivel ganhaste. Leva a bicicleta dado que fazes afirmações que não correspondem a verdade como o sendo.
          Over and out.

          Abc

        • Joel says:

          (Spoky) a Apple nao disponibilizou nada? A Apple disponibilizou tudo o que podia sem comprometer os acordos de privacidade que celebra com os clientes. Simplesmente não satisfez os desejos do fbi para criar uma backdoor “as polícias” de forma a conseguirem aceder a dados sempre que bem entenderem. Informa-te do conteúdo que queres discutir antes de disparatar. Porque neste caso, tinhas a informação necessária ali em acima.

  8. falcaobranco says:

    No campo da tecnologia…nada é infalível…

    • IDroid says:

      Isso é verdade. No entanto,pagar neste momento 900k para desbloquear um telemóvel é o mesmo que dizer que o iPhone é seguro para a maioria da população.

  9. Euéquesei says:

    A Apple deveria, nestas situações em concreto de terrorismo, pornografia de menores, tráfico de drogas e de seres humanos, entre outros desta gravidade, pedir o telefone em questão e desencriptá-lo, em privado.
    Só lhe ficaria bem e passaria a ideia de que só em casos especiais a segurança do iPhone seria comprometida.
    Assim já sabemos que qualquer um pode ser crackado, haja dinheiro.
    Como disse alguém aí acima, se fosse um terrorista que pusesse umas bombas na sede da Apple, gostaria de saber o que a Apple faria se lhe fosse pedido para aceder ao iphone do indivíduo…

  10. Dark Sky says:

    Os posts falam desta matéria assim a conta gotas …

    “A Apple defende-se dizendo que as afirmações falsas contra a empresa são apenas uma desculpa para enfraquecer a criptografia e outras medidas de segurança que protegem milhões de utilizadores, e promovem a segurança nacional.” Omite-se a parte seguinte:
    “É porque nós levamos a nossa responsabilidade na segurança nacional tão a sério que não acreditamos na criação de backdoors [nos SO, no caso o iOS] – se tornarmos qualquer equipamento vulnerável a backdoors nós ameaçamos a segurança nacional e a segurança dos dados dos nossos clientes. Não existe tal coisa – backdoor só para os gajos bons”.
    Por não haver backdoors no iOS, a Apple esclarece, mais uma vez, “que não tem capacidade para desbloquear equipamentos protegidos por password”.
    Muitos posts são assim, como neste – “Sem a ajuda da Apple” – dá-se a entender que a Apple se quisesse podia desbloquear o iPhone ou desencriptar a informação nele guardada, mas não se diz que para isso o IOS tinha que ter backdoors – que a Apple se recusa a criar e nos EUA não há legislação que a obrigue. Esta posição da Apple é apoiada pela Google relativamente ao Android.

    Quanto à parte … mas não há problema, a segurança do iPhone não existe, foi contornada pelo FBI … convinha dizer alguma coisa como é que foi contornada. O iPhone foi desbloqueado ao fim de muitos meses de trabalho (desde dezembro), manifestando o FBI a sua irritação por a Apple não querer colaborar queixando-se de todo o tempo e dinheiro gasto à custa dos contribuintes norte-americanos.

    Eu por mim fico contente com as duas coisas – que seja extremamente difícil desbloquear um iPhone bloqueado e que as autoridades possam, investindo muito tempo e dinheiro, através de terceiros, obter essa informação.

    • Marisa Pinto says:

      Então e não tens la o comunicado todo?? Enfim comentário completamente injusto!

      Resto de um bom dia.

      • Dark Sky says:

        Talvez alguém tenha boa vista para ler o comunicado todo, mas a chamada de atenção para a questão do iOS não ter backdoors não está no post, nem nos anteriores.

        – 15/08/2016 Título: “Apple podia mesmo ter desbloqueado o iPhone de San Bernardino”.
        “surgiram novas informações que abriram ainda mais alguns temas que marcaram a empresa. A mais importante delas é a certeza de que a Apple poderia ter ajudado o FBI a aceder aos dados do atacante de San Bernardino, mas que decidiu não o fazer”

        – 09/05/2017 – “Depois de ver recusada a intenção de forçar a Apple a desbloquear o iPhone do atirador de San Bernardino, o FBI acabou por consegui-lo recorrendo a uma empresa que muitos julgam ser a Cellebrite.” (pagando 900000 dólares)
        “Depois de uma luta nos tribunais para tentar obrigar a Apple a dar acesso a estas informações, que acabou por não ter qualquer sucesso, o FBI virou-se para métodos menos convencionais e acabou por conseguir ter acesso aos dados,”

        – 16/01/2020 (sobre o atentado de Pensacola, o mesmo deste post)
        “Os últimos dias trouxeram novos problemas para a Apple, que está a lidar com a pressão das autoridades norte-americanas – nomeadamente do FBI – para desbloquear o iPhone de um criminoso. A empresa de Tim Cook não quer abrir precedentes e tal acabou por despoletar críticas por parte de Donald Trump.”
        “Não é a primeira vez que a Apple tem problemas com as autoridades norte-americanas – e com o próprio governo – por não colaborar na desbloqueio de iPhones. O caso emblemático foi o de San Bernardino, em 2016. Na altura, a Apple não foi negociável e o FBI teve de recorrer a uma empresa externa.”

  11. ... says:

    No iOS 900k para desbloquear o iPhone, no outro sistema operativo 5€ no Zé da esquina.

    • Anonymous says:

      Deves ser daqueles que roi as unhas.. Não existe outra forma de criticar outros sistemas, não é? Aqui fala-se da “maça” e não no zé da esquina..

  12. Joselito says:

    Alegadamente, usaram esse termo, alegadamente, para as provas do FBI? Isso é acusação de perjúrio, típico do PCC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.