Aprenda a configurar a Touch Bar do seu novo MacBook Pro


Destaques PPLWARE

108 Respostas

  1. censo says:

    É assim tão prático usar a barra com os braços em cima do teclado???

    • Guiomar says:

      braços em cima do teclado? Precisas de pôr os braços em cima do teclado para chegar às teclas de função?

      • censo says:

        Usar esporadicamente é uma coisa, outra coisa é estar permanentemente com os dedos lá em cima.

        • Guiomar says:

          ou não fazes ideia do que dizes ou apetece-te simplesmente implicar e inventar por prazer.
          Qualquer pessoa com um mínimo de experiência com teclados de portáteis sabe que não é preciso fazer nada de especial para trabalhar com as teclas de função, quer seja por muito ou pouco tempo. Qualquer um com um portátil pode experimentar e verificar isso. Ou será que tens mãos de bebé?

          • censo says:

            Ou então não sabes tu o que quer dizer “esporadicamente”!

          • Guiomar says:

            censo, tens algum problema em entender português escrito?

          • censo says:

            Tu fazes juízos de valor. Eu falei de factos. E opinei. Não tenho culpa de a minha opinião não ser do teu agrado. Parece é que tens problemas com isso.

          • Guiomar says:

            censo, explica que factos é que são esses? Já usaste? É que todos os teus comentários parecem de alguém a inventar, que nem sequer se apercebe como é que se usa um teclado banal e qual é o tamanho relativo da mão face a um teclado dum portátil!

          • censo says:

            Faz a pergunta sem ousar colocar o interlocutor em causa. É que a tua pergunta “Já usaste?” é ofensiva. Não me conheces, como eu não te conheço. Mas não faças juízo de valor como fazes , pois numa frase tu julgas que não tenho experiencia em portáteis, julgas que não faço nada de especial, julgas que não terei um portátil, julgas umas não sei quantas enormidades ! Devo dizer que em tão poucas palavras é obra. Parabéns ! Ah…estes parabéns são só retórica… !

          • Guiomar says:

            censo, ???? queres ser tratado com formalidades, 2ª pessoa do plural? Mas que tanta sensibilidade tens a impedir-te de perceber que te perguntam se já usaste o touch bar do Macbook Pro! – palavra chave do contexto que define o objecto da pergunta: “factos”!

          • censo says:

            Irra, que isso tá difícil. Liberta-te de preconceitos. Eu já disse o,que tinha a dizer da touch bar. Não concordas comigo, pronto. Tudo bem. Mas não me obrigues a concordar contigo. Para mim a touch bar, e digo-o pela última vez, não é pratica para uso permanente.

          • Vítor M. says:

            Deixa aqui meter a colher. Concordo que a barra, nos moldes actuais, é de uso esporádico. Sim eu uso mas não tenho ainda o tal hábito de clicar na opção mostrada… não estou ainda habituado a ter ali certos comandos, contudo acredito que esta ferramenta poderá criar atalhos mais rápidos e mais lá para a frente, com mais opções, vir a tornar-se de utilização imediata

          • censo says:

            Exatamente isso Vítor. Também acho que se for para usar com muita frequência a Touch bar vai mudar de sítio e por ventura até de configuração. Para uso esporádico como as teclas de função, é como está.

          • Guiomar says:

            censo, continuas sem responder se alguma vez usaste o touch bar dum Macbook, e dadas as restantes resposta, vamos assumir que nunca usaste! Ou seja falas de cor, e ainda tens a lata de vir falar de factos.
            E vamos recordar que a tua teoria era levar a ter os braços sobre o teclado… coisa que ainda não conseguiste explicar como é que aconteceria

          • censo says:

            Assumes demasiado. Tens todo o direito a discordar da minha opinião. Mas só isso. O restante fala por si.

          • Guiomar says:

            censo, se continuas sem responder à pergunta sobre o “teu” uso depois de falares em factos… É até engraçado como antes repetidamente dizias que era um facto, mas com a pergunta passaste a dizer que é opinião.

          • censo says:

            Sempre opinei. Aliás o que se faz quando aqui se comenta ? Opina-se, não ? O que vens aqui fazer ? Supostamente devias opinar e não atacar os outros só porque não concordas com eles. Opina. Não te interessa o que faço ou deixo de fazer. Eu também não quero saber do que tu fazes nem o que tu tens. Quem sou eu para colocar em causa a tua opinião ? Tu opinas, eu opino e debatem-se ideias. Só gostava que partilhasses, tu e outros, uma opinião. Agora não julgues os outros nem os ponhas em causa. Não tens informação para o fazer, mesmo que a tivesses não tinhas o direito de o fazer. Isso tem um nome, muito feio por sinal. Manda lá opiniões sobre o tema e não sobre os comentadores. Serás seguramente capaz. Eu acredito.

          • Guiomar says:

            sempre opinaste?
            Em vários comentários afirmaste que eram factos, e factos não são opiniões. Se dizes que são factos não te podes armar em vítima por te questionarem donde vem o que escreves, entre eles questionarem-te se já usaste como forma de determinar se é daí que vêm os teus ditos factos! Ora se não dás respostas que demonstrem o que dizes, então pode se pôr em causa a boa fé do que dizes serem factos! Não te armes em vítima só porque te descobrem a careca.

          • censo says:

            Queres continuar ? Ok, continuemos! Porque insistes em atribuir etiquetas? A minha opinião é a minha opinião. Eu não admito que tu nem ninguém me coloque em causa. Não tenho de te demonstrar nada. Opinião com base no que sei. Como sei, não te interessa. Dou-te um exemplo, que o Pplware, não tu, pode comprovar: nunca me viste aqui falar ou criticar ou que seja, sobre Linux. Nunca usei. Ou melhor, o mais próximo que tive do Linux foi no velhinho Magalhães. E sobre o que não sei não falo. Devias fazer o mesmo.

          • Guiomar says:

            censo, és tu que te colocas em causa com as coisas que dizes! Falas em factos, descreves uma acção concreta, perguntam-te para te explicares, e tu nada, passas a dizer que são opiniões e sentidos figurados… Se soubesses sobre isto haveria coisas que nem dirias.

          • censo says:

            Quem está a fugir à constatação és tu, não eu. Se quiseres jogar à paciência comigo, aviso-te que vais perder. Imagina este cenário :
            – “O almoço está bom” – isto é uma opinião; Esta opinião foi proferida porquê ? Porque quem a proferiu, simplesmente almoçou, certo ? Isto foi um facto, não ? E portanto, se voltares ao meu comentário sobre o uso da Touch Bar, vais perceber, ou não…aliás nunca o quiseste perceber, sabe-se lá porquê…ou até sei, mas como disse, há coisas que guardo para mim… E a partir daqui tens de saber interpretar a linguagem escrita e ao mesmo tempo entender a descrição da situação relatada ou averiguar quanto à literalidade da situação descrita, e também ter bom senso na avaliação das palavras de quem as profere. Portanto, não coloco nada em causa, e parece que só tu é que não entendes o que eu afirmei. Com uma dose de culpa minha, é certo. Mas o meu discurso apenas está condicionado a quem o quer entender. E portanto, podes continuar a ficar descansado que não te vou dizer porque digo o que disse, não te vou dizer o que faço da vida para sustentar os meus vícios, não vou fazer deste fórum uma feira de vaidades dando a conhecer a lista dos meus bens ou equipamentos ou o que queiras lhe chamar. Só não gosto que coloques em causa uma opinião, neste caso a minha. Aliás, o facto que descrevo é tão simples de entender que só realmente por implicância é que continuas a batalhar na prova. Se há por aqui muito trol, e há, infelizmente, eu não faço parte da lista. Gosto de dar umas piadas. Quem me conhece, conhece a minha boa disposição. E outra coisa: nunca aqui escrevi com outro nome. “censo” sempre foi o “censo”, e o Pplware sabe-o. Portanto meu caro, recebe uma opinião, baseada numa experiencia, mas mais não te digo, por uma questão de discrição !

          • Guiomar says:

            censo, não censo! A questão não é tu teres uma opinião, a questão é teres apresentado coisas como factos e depois começares a dizer que são opiniões para recusares explicar esses teus ditos factos! É isso que põe em causa o que dizes, pois mostra má fé, e com essa má fé surgem muitas dúvidas sobre as intenções e proveniência de todo o teu discurso – isto também faz parte da interpretação.

          • censo says:

            Errado. Tu é que poes em causa as opiniões diferentes das tuas. Tens dificuldade em aceitar isso. E tá visto que é um facto. E como já o disse inúmeras vezes eu opino porque participei no facto que origina a opinião. Tu não aceitas. As experiências de vida são diferentes de pessoa para pessoa e não te podes basear em estereótipos sejam eles quais forem.

          • Guiomar says:

            Censo, e tu a dares com as opiniões! E não ponho em causa as opiniões, limito-me a questionar o que tu expressaste serem “factos” e que recusas a explicar donde e como aparecem, atirando desculpas atrás de desculpas, para não te explicares, chegando ao ponto de concluir que os ditos “factos” afinal eram sentidos figurados. É a tua incapacidade e a forma como foges a explicar os teus ditos factos que põe em causa tudo o que dizes.
            Tu fartas-te de patinar com pseudo-argumentos de vitimização e és incapaz de explicar os teus sentidos figurados sobre ergonomia à luz do que outros que usam os teclados te dizem.

          • censo says:

            Os factos, os meus factos, o facto que relatei, já te o disse mais atrás que derivam da minha experiência. O sentido figurado também já te o expliquei para tu melhor entenderes o que significa. Quanto ao resto, não passa da tua incessante tentativa de julgamento de carácter, que como já te disse, não te admito, pois considero isso execrável e preconceituoso da tua parte porque não há qualquer justificação para o fazeres, apesar de essas mesmaa justificações irem surgindo à medida que escreves…

          • Guiomar says:

            censo, finalmente afirmas que os factos vêm da tua experiência. Era assim tão complicado de responder? Embora continues sem realmente explicar o sentido figurado, ou como é que usarias e como é que isso se diferencia do uso do resto do teclado. A questão agora é, como é que explicas ter experiência quando no sistema e aplicações nem sequer se passa pela necessidade de manter permanentemente os dedos na touchbar.

          • censo says:

            Eu aconselho-te a ler o que disse desde o princípio. Quanto ao resto, quando falas de factos, falas só porque ouviste falar ou referes-te à tua própria experiência?

          • Guiomar says:

            censo, ? agora confundes-me, até então apenas falavas em experiências pessoais com portáteis no geral, estás a me querer dizer que no teu último comentário não estavas afinal a fazer referência a experiência com o touchbar no MacBook Pro?

          • censo says:

            Confundo-te? Essa agora é boa. Lê os meus comentários. E não me ponhas a dizer coisas que não disse.

          • Guiomar says:

            censo, é verdade, algo que nunca fizeste foi dizer que já usaste o touch bar.

          • censo says:

            Porque não concebes aceitar uma opinião que é diferente da tua. Essa é a tua dificuldade.

          • Guiomar says:

            censo, e tu com a mania das opiniões quando te estão a questionar o que tu próprio apresentas como factos! Quando é que será que vais clarificar de vez quais e donde é que vieram o que disseste ser factos

          • censo says:

            Meu caro, já te deste conta que é de opiniões de que falamos? Tu queres factos, tu queres provas, tu queres a toda a força por em causa a minha opinião. A minha opinião é sustentada. Não é só porque me apeteceu dizer qualquer coisa. O que queres mais?

          • Guiomar says:

            censo, Tu já deste conta que foste tu a mencionar factos? Já deste conta que acabaste por dizer que os teus ditos factos afinal eram figuras de estilo!? Factos questionam-se

          • censo says:

            Não, tu é que perante a minha opinião, diferente da tua, e depois de ter descrito um facto baseado na minha experiência, depois de te ter explicado o sentido figurado da minha descrição, colocaste tudo em causa, porque tudo o que tu vês e crês é construído à tua imagem e semelhança e tens dificuldade em aceitar que hajam neste mundo experiências e sensibilidades diferentes da tua que da mesma forma produzem opiniões diferentes da tua. Tal como acontece muito por aqui e noutros fóruns, há uma corrente crescente de ostracizacao de quem opina de forma diferente com persistentes tentativas em desacreditar quem é diferente. Aceita uma opinião diferente da tua. É só isso. A minha vida, a minha experiência, a minha sensibilidade é seguramente diferente da tua.

          • Guiomar says:

            censo, como é que já explicaste alguma coisa do facto se continuas sem querer dizer se já usaste e explicar como é que há as diferenças que dizes haver?

          • censo says:

            Já pensaste como é ridícula a ideia de vir para aqui exigir provas do que se diz? Ou aceitas ou não aceitas uma opinião diferente da tua. Só isso. E partir do princípio de que quem opina tem razões para o fazer. partir do princípio de que quem fala, fala a verdade relativa à sua própria experiência. O que queres mais? Mete na tua cabeça, que não somos todos iguais.

          • Guiomar says:

            censo, ridícula? Acho que o ridículo é achares que alguém vai acreditar que tu nunca questionaste nada que outros descreveram como facto! Ou será que aceitas e acreditas em qualquer baboseira que te digam?

          • censo says:

            Como vês, o preconceito é todo teu. Agora são baboseiras. Quem sou eu para questionar o que cada um aqui diz? Discuto as ideias e os pontos de vista. Tu mostras não ser capaz disso.

          • Guiomar says:

            censo, a pressa é tanta para te armares em vítima que nem te dás ao trabalho de pensar no que te dizem e no que respondes!
            A ideia abstracta de haver quem diga baboseiras por aqui faz-te assim tão confusão? É que não há falta de “brincalhões” por estas bandas.
            Quanto a discutires ideias e pontos de vista, vai uma aposta como já questionaste factos apresentados por outros?

          • censo says:

            E portanto, agora são baboseiras. Quando é que pensas comentar sem preconceito? Quem sou eu para vir aqui questionar quem quer que seja, ou julgar.

          • Guiomar says:

            censo, agora? preconceito? Mas é assim tão difícil para ti que perceber que já tenha havido comentários nalgum lado que eram tolices/baboseiras? Será que tens outra classificação para comentários que não passam de invenções? Se alguém vier aqui dizer que o D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, está vivo, vais acreditar? Para ti não seria uma tolice?
            Vais negar que nunca questionaste factos apresentados por outros?

          • censo says:

            Não falo sobre o que não conheço. E sobre juízos de valor, já te disse que os guardo para mim.

          • Guiomar says:

            censo, essa é boa, guardas para ti juízos de valor? Então quando te pões a acusar outros de preconceito (com o intuito de desviar do assunto) é o quê? Qual será a explicação que vais dar para teres usado o termo “esquizofrenico” há uns tempos atrás para te referires a outras pessoas que comentam no site? Chamas a isso guardar para ti juízos? E o que será que se passou para te pores a criticar os erros ortográficos de outras pessoas? Ou para dizeres a alguém que tem falta de jeito? etc, etc
            Essa tua atitude de vitimização e agora de falsa superioridade moral, é uma comédia…
            E para responder à pergunta que fiz e que não quiseste responder, também não faltam exemplos de citações que posso ir buscar em que questionas factos e experiências que outros apresentaram em comentários aqui no site! Mas pronto, quando as perguntas são dirigidas a ti aplicas a dualidade de critérios, dá jeito…

          • censo says:

            Olha, isso está a tornar-te obsessivo. Cuidado. Não retires do contexto outras observações minhas. Já tenho disse que também gosto de trazer algum humor ao que aqui se passa. Por vezes descarregaa-se aqui muita negatividade sem razão. Ah… erros ortográficos…todos estamos sujeitos a eles, até porque os corretores ortográficos não ajudam nada, mas isso tem limites. E corrijo por vezes o que o Pplware escreve, sem qualquer stress do Pplware que julgo que entendo que me agradece quando vejo a correção feita. Devemos defender a nossa língua, não achas? É o único património que deixamos a quem nos sucede.

          • Guiomar says:

            censo, que mania que tens em armar-te em vítima quando alguém te diz alguma coisa que te contradiz! Vai ver o significado de falácia! E vai rever o teu historial de comentários nos mais diversos artigos, para ver como não tens qualquer ponta de coerência para vires com esse teu discurso.
            Factos são factos, em qualquer circunstância, a não ser claro quando o que é dito não tem origem real! Factos podem ser sempre inquiridos para se poder perceber a sua natureza… Dizeres que tens factos e recusares-te a dizer o que são e donde vêm, é como não teres nada!

          • censo says:

            Mas agora andas a escrutinar os meus comentários? É fácil, não é? Escrevo sempre com o mesmo nome… Mas então diz lá onde está a incoerência? Por outro lado devo admitir que tens sido bastante coerente na tua tentativa de juízo de carácter que tens vindo a fazer. Coisa que não te admito, não percebes? E tens de te reportar ao princípio desta novela. Tu quiseste por em causa uma experiência que gerou uma opinião diferente da tua. É essa a razão desta conversa. E agora que queres desviar o assunto, estás a perder coerência. Ainda assim, duvidas da minha observação. Eu até já te disse de onde vêem os factos. Portanto, diZ lá qual é afinal o teu problema?

          • Guiomar says:

            censo, é preciso ter muita cara de pau! Então pões-te a barafustar sobre uma questão sobre a mera existência abstracta de baboseiras/tolices; pões-te com uma atitude de (falsa) alma ofendida, com moralidade superior afirmando que guardas para ti os juízos de valor, que não fazes isto e aquilo, mas quando se vê que fazes o que dizes que não fazes não vês nenhuma incoerência? Onde é que tu tens autoridade para vires para aqui com estas falácias acusatórias e dizer que não admites aquilo e aqueloutro? Simplesmente não tens, tudo isto põe a nu os teus argumentos ocos para fugir a simples questões!
            Quanto à novela, teimas com essa história mas o que está escrito é claro para qualquer um; tudo começa a perguntarem-te explicações sobre factos e afirmações concretas que fazes logo no início, às quais foges, para chegar ao ponto, mas só depois de muitos comentários, de admitires que afinal o teu comentário e factos que originou as questões era no sentido figurado, ou seja, acabaste por demonstrar que havia fundadas razões para questionar o que é que estavas a dizer (que continuas sem explicar). Não, ainda não disseste donde vêm os factos, pois continuas a recusar dizer se já usaste ou não o Touchbar do Macbook! Ou seja continua-se sem saber o quem, onde e como…

          • censo says:

            Ainda não foste capaz de tomar uma atitude reflectida e ver o conjunto de ofensas que és capaz de proferir numa única frase. Não és capaz pois não? É que este passou a ser o teu passatempo. Se o não era antes. E tudo isto começa apenas porque a minha opinião é diferente da tua, não é? E tudo começou porque a tua primeira intervenção foi de ofensa, ou não foi? Quantas vezes vou eu ter de explicar que as minhas circunstâncias para uso de um determinado dispositivo são diferentes das tuas? O que não percebes nesta pergunta? Esquece a tua imagem e semelhança. Há muitas circunstâncias de vida que originam diferentes experiências de utilização, mesmo com os dispositivos aparentemente mais simples de usar. E o sentido figurado do discurso, também não percebes pois não? Só tu não percebeste. Até o Pplware reforçou a ideia quando se falou do esporádico uso. Mas insistes na devassa, na ofensa, na acusação de que eu sou tudo o que há de mau neste fórum. E olha, a minha autoridade quanto ao que decido admitir ou não, é toda minha e ninguém a pode por em causa, como tu insistes em fazer. Isso é a minha esfera privada, na qual não te vais intrometer. Mas quanto ao uso do dispositivo, pensa só no que várias vezes te disse: nós não somos todos iguais. Não me conheces de lado nenhum. Não conheces o meu contexto de uso. Não sabes se nada afinal. Reflete um pouco.

          • Guiomar says:

            censo, humor? nada do que indiquei era de humor, nem o que disse tinha alguma coisa a ver com comentários teus direccionados ao pplware ou a contribuir para corrigir erros ortográficos para benefício da língua portuguesa!

          • Guiomar says:

            censo, ofensas? Mas quando é que vais deixar de ter essa atitude de virgem ofendida? Já se viu que tu afinal fazes o que dizes não fazer…
            Primeira intervenção foi de ofensa? Pedi-te para explicar como é que para usar se punham os braços por cima do teclado. Onde é que está ofensa em fazer uma pergunta? Ainda para mais sobre uma coisa que tu acabaste por admitir que afinal era no sentido figurado, o que só ilustra que a pergunta era mais do que justificada!
            O que o pplware disse foi exactamente a constatação que te já fiz e que decidiste ignorar – o interface nem sequer requer uso permanente, o seu uso é por natureza não permanente, esporádico! De modo que nem sequer se coloca o problema que dizes que há, o que levanta a questão donde é que vem tal coisa, assim como a questão ainda não respondida se tu já usaste o touchbar!

          • censo says:

            Circunstâncias pessoais de quem opina. Queres mais pormenores? Esses não são para aqui chamados. Limita-te a contra argumentar e não a por em causa o interlocutor. É contra isso que batalho. Estás preso a ideias preconcebidas. Tens de abrir a tua mente. E quanto aos sentidos figurados, só mesmo tu não apanhaste o alcance das minhas palavras. Mas esse problema é teu.

    • Pedro Diogo says:

      Opa, tenta primeiro experimentar e depois logo vês! Eu tenho e posso dizer que é funcional, não é revolucionário, com os atalhos de teclado tb vamos lá , o problema é memorizar todos os atalhos e são muitos!
      Com a touch bar o caminho é mais rápido ,falo por experiência própria. Aquilo aparece lá o que configuraste e pronto, nunca toquei numa tecla que fosse sem querer para usar o touch bar , e tenho o MacBook Pro 13,3

    • RuiZ says:

      A ginástica mental dos haters…

      • censo says:

        Constato fatos. Desconheces o que sei. Já o teu comentário tem pouca utilidade.

        • Guiomar says:

          quais factos?

          • censo says:

            Ora aí está: em vez de olhares de forma crítica da situação que eu descrevi relativamente ao uso permanente da Touch bar, preferes o ataque pessoal só porque tenho opinião diferente. Enxerga-te e torna-te superior a isso, que só te faz mal.

          • Guiomar says:

            censo, e que tal enxergares os factos de quem usa? Ou vais-me dizer que usas?
            Não fiz qualquer ataque pessoal, ou ficas ofendido por querer saber se a tua “opinião” é pôr teres mãos pequenas?

          • censo says:

            Estás a julgar. Não sabes o quanto uso ou deixo de usar a touch bar. Isso não interessa. Volto a repetir : para uso esporadico é uma coisa , para uso permanente não é funcional.

          • Guiomar says:

            Estou a julgar? Faço-te perguntas e isso é julgar? Se continuas sem responder se algumas vez usaste o Touchbar acho que é fácil de assumir que a resposta é negativa…
            O que falavas era sobre ter o braço em cima do teclado, ou já não é essa a tua teoria?

          • censo says:

            Continuas a não ver que tiras conclusões precipitadas e julgas sem qualquer conhecimento. E então, diz lá: onde é que está a barra? Não está por cima do teclado? Como é que lá chegas? Com um comando à distância? Ou ainda não percebeste, ao fim desta novela, que me refiro a uma utilização mais intensiva? A localização da barra na atual localização não é prática para utilização frequente. Se queres que seja, pronto isso é lá contigo. A tua opinião é tão válida como a minha. Agora deixa-te de julgamentos sem sentido e que pouco contribuem para o debate.

          • Guiomar says:

            censo, continuas sem responder se já usaste, e continuas sem explicar como é que um uso mais intensivo leva a a ter que colocar o braço em cima do teclado. Essa tua recusa em responder a uma simples pergunta sobre o uso do touch bar, só pode levar a concluir que não queres ser apanhado numa mentira, logo assume-se que nunca usaste.
            A barra está no mesmo sítio das teclas de função dum banal teclado de portátil, e está acima de outras teclas tal como 85% das teclas do teclado – será que vais reclamar pelas outras teclas também?
            Como é que se usa!? De maneira idêntica às restantes teclas do teclado, com a mão apoiada na zona de “palm rest” do portátil, como desde sempre. Não é preciso ter uma mão grande para conseguir chegar a qualquer tecla sem que isso leve a pousar a mão sobre outras teclas, muito menos leva a ter o braço por cima do teclado.

          • censo says:

            Lamento que desde o primeiro momento, vá-se lá saber porquê, tenhas optado pelo ataque pessoal. Isso é ataque pessoal. Os braços em cima do teclado é em sentido figurado, coisa que insistes em não querer entender porque teimosamente assumiste que és o único que até hoje mexeu/mexe/tem/teve num MacBokk Pro. E como os juízos de valor guardo para mim, assim irão continuar. MAs repara só, em toda esta novela, nas conclusões que tu tiraste sobre mim, só porque não te dou o que tu queres.

          • Guiomar says:

            censo, é incrível como passado este paleio todo, e tendo o meu comentário original se limitado a questionar unica e exclusivamente os braços por cima do teclado, só agora é que vens dizer que era no sentido figurado.
            Continuas a fazer-te passar por vítima quando te estão simplesmente a fazer perguntas sobre afirmações que fazes, sendo várias vezes disseste que eram factos, o que numa discussão requer demonstração, algo que continuas a recusar dar. Se consideras que o que afirmas são factos não estás a dar uma opinião, pois factos não são opiniões! Mas pronto, pelo andar da carruagem se calhar vais dizer que “factos” era no sentido figurado…

          • censo says:

            Ora bolas, então diz-me lá tu, imaginando a Touch bar como teclas função como é que lá chegas? Com os braços por debaixo do PC??? Diz lá como é?

          • Guiomar says:

            censo, então? Já não é em sentido figurado?
            já te descrevi como é que se usa há 2 comentários atrás… pouco difere das restantes teclas no teclado. Ou será que também tens problemas com essas?

          • censo says:

            E ? Temos pescadinha de rabo na boca ? Conversa de malucos ? A minha opinião altera-se ? O que eu disse no principio não é válido ? Sim, na tua opinião já sei que não é válido, só o que tu dizes é que é válido, mas então como ficamos ? Explicas-me ? A minha opinião mantem-se. Figurada, caso não percebas, como nunca percebeste.. E como disse, o uso da touch bar só de forma esporádica. Recapitulei para não te atrapalhares com os teus juízos e inquietações !

          • Guiomar says:

            censo, oh censo! que tanto patinas…
            se dizes que o braço era sentido figurado, não faz sentido andares a perguntar a outras pessoas pelo braço, já que és tu que o teu sentido, embora não o partilhes! E continuas sem explicar os teus ditos factos (factos /= opinião), etc.

          • censo says:

            Só não entendes porque não queres entender :
            – facto : usar a touch bar – o braço estende-se por cima do teclado ;
            – opinião : uso frequente/ permanente, não é apropriado; uso esporádico, é como as teclas de função, portanto é adequado;
            Não é preciso ser engenheiro aerospacial com doutoramento em física quântica para entender a situação, mas admito que não tenhas essa formação, pois iria ajudar…

          • Guiomar says:

            censo, pela boca morre o peixe!
            Então não tinhas passado a dizer que o braço era sentido figurado? Agora já é facto? Tanta confusão para tapares os teus remendos.
            Ninguém precisa de estender o braço por cima do teclado, quer seja esporadicamente ou temporariamente, usa-se da mesma maneira que muitas das outras teclas do teclado, mas enfim já vi que é o teclado que te faz confusão!

          • censo says:

            Nao queres compreender por implicância tua.

          • Guiomar says:

            censo, a implicância está toda do teu lado.

          • censo says:

            Nem isso consegues ver pois não? Não viste ainda que a tua insistência deriva apenas e só de não teres respeitado uma opinião., por acaso a minha. A minha opinião que apressadamente começaste a por em causa porque tens dificuldade em aceitar que hajam experiências pessoais diferentes da tua. Não, nem toda a gente que usa produtos Apple é carneirinho… Eu não sigo a multidão só porque sim. Tenho ideias próprias baseadas apenas e só em conhecimento empírico. E sim, a Apple também faz produtos menos conseguidos, também tem problemas de software. Todos têm. E a Touch bar para mim, vale bola. Estar lá ou não estar, é quase igual.

          • Guiomar says:

            censo, continuas com a mania da vitimização! “Factos”, ou o que disseste serem factos, é o que questionei na natureza e proveniência, desde o meu primeiro comentário, chegando ao final ridículo de tu acabares por afirmar que até isso era um sentido figurado…
            Vens agora falar em experiências pessoais… se tivesses experiência pessoal não virias sequer com uma conversa a tentar diferenciar uso esporádico de manter-se lá permanentemente, pois nem sequer passarias pela necessidade de manter lá os dedos permanentemente.

          • censo says:

            Realmente, estás todo baralhado. Acalma um bocadinho e lê o que eu disse desde o início. E olha que a vítima aqui és tu. És a vítima dos teus próprios julgamentos que aliás continuas a fazer. Repara bem que agora tens dúvidas quanto às minhas experiência pessoais.

          • Guiomar says:

            censo, se há coisa que isto mostra é ter tido sempre abertura, ao ponto de ter considerado que agora estavas finalmente a admitir que já tinhas usado, mas pelos vistos afinal continuas a recusar admitir se já usaste ou não o Touch bar!

          • censo says:

            Nunca tiveste qualquer abertura para absolutamente nada. Por isso colocaste em causa a minha opinião. Não tens de pedir provas nenhumas a ninguém pelas opiniões que emite. Partes do errado princípio de que quem opina sem te provar é mentiroso. E nunca percebeste que foi isso que fizeste desde o princípio. É obra!

          • Guiomar says:

            censo, pensar que as tuas palavras eram a confirmação de que tinhas usado o touchbar é mostrar abertura de pensamento, ainda para mais quando afinal não foi isso que estavas a fazer e continuas a recusar fazer!
            Outra vez a lenga-lenga da opinião? FACTOS não são opiniões, e é sobre os teus ditos “factos” que questionei

          • censo says:

            Eu já te expliquei, já nem sei quando foi, que a minha opinião deriva da minha experiência. Tenho pouca paciência para invenções. Se a minha experiência é construída por factos da minha realidade pessoal. Se a tua não é, diz-me então como é que tu opinas? Com base em quê?

          • Guiomar says:

            censo, continuas com essa lenga-lenga… Estão-te a perguntar pelos factos que mencionaste sobre o touchbar, não pelas opiniões. Factos não são opiniões, nem opiniões são factos, por mais voltas que dês para descalçar o sapato!

          • censo says:

            Eu opinei com base um facto que constato da minha experiência. É assim que opino. E uma coisa não se desliga da outra.

          • Guiomar says:

            censo, estão a questionar-te sobre os factos – é assim tão complicado distinguires factos de opiniões?? Talvez um dicionário…

          • censo says:

            Estás tu. Não “estão”. Tu não percebes, ou não queres perceber. Se onde vêem as tuas opiniões? Não são dos factos da tua realidade? Espero que sejam, caso contrário…ooops..o juízo de valor fica para mim!

          • Guiomar says:

            censo, é cada lógica, santo deus! Será da mesma escola alternativa do Trump? Factos não são opiniões e se claramente argumentaste estar a apresentar factos então escancaras a porta a que te questionam sobre esses teus ditos factos. Deliberadamente numa parte do teu discurso apresentaste algo que chamaste de facto, e pela definição de facto, isso significa que essa parte consideraste não ser uma opinião.

          • censo says:

            Factos produzem opiniões. Os meus factos produzem as minhas opiniões. Já te o expliquei várias vezes. E já agora, tenta lá comentar sem ser de forma preconceituosa. É que nunca fizeste outra coisa.

          • Guiomar says:

            censo, os factos existem quer haja ou não opiniões, a existência dum facto não implica uma opinião, factos não estão sujeitos à subjectividade. Teres uma opinião não muda em nada a natureza do facto, não deixa de ser um facto, não deixa de poder ser questionado para saber o que realmente é, mais ainda quando tu te deste ao trabalho de separar o “facto” do resto que escreveste.
            Preconceito, onde? Por pôr em causa a tua falácia sobre não se poder fazer questões sobre supostos factos?

          • censo says:

            A existência de factos não pressupõe a existência de opiniões, pois não, mas ajudam a forma-las de forma fundamentada. Falas sem conhecimento de facto? E depois das baboseiras, temos falácias. Tu acertas em todas. Preconceito acima de tudo, não é? Quando é que assimilas que há pessoas diferentes de ti? Quando é que assimilas que nem todas as experiências são iguais à tua, e que estas experiências derivam de condicionantes diferentes das tuas? Quando?

          • Guiomar says:

            censo, formares uma opinião não altera em nada a natureza do facto, não transforma o facto noutra coisa que deixa por artes mágicas, dum momento para outro, de poder ser tocada ou beliscada só porque criaste uma opinião. Factos são e devem ser esclarecidos, é essa a base de partida de muito do conhecimento humano moderno. Esteve à vista de todos nos últimos meses no que dá muita gente não se preocupar em verificar os factos…
            Apontar uma falácia é preconceito? Há alguma coisa que para ti não é preconceito? Eu sei… necessitas de te armar em vítima, mas está na altura de dizeres algo que faça mais sentido.

          • censo says:

            Continuas a querer julgar-me, o que não admito. Já te disse também que os factos desta vida são condicionados pelas particulares circunstâncias de quem os pratica. Consegues entender isso?

          • Guiomar says:

            censo, que mania que tens em armar-te em vítima quando alguém te diz alguma coisa que te contradiz! Vai ver o significado de falácia! E vai rever o teu historial de comentários nos mais diversos artigos, para ver como não tens qualquer ponta de coerência para vires com esse teu discurso.
            Factos são factos, em qualquer circunstância, a não ser claro quando o que é dito não tem origem real! Factos podem ser sempre inquiridos para se poder perceber a sua natureza… Dizeres que tens factos e recusares-te a dizer o que são e donde vêm, é como não teres nada!

          • censo says:

            Sempre falei de um facto com intervenção humana, a minha. E como há intervenção humana o facto descrito deriva do contexto e circunstância de uso por parte do fator humano, certo? Então reflete e pensa no que tens andado aqui a fazer.

          • Guiomar says:

            censo, a tua resposta continua sem dizer se já usaste o Touchbar, a que se soma às tuas recusas explícitas em dizer se já usaste! Dás voltas e voltas com as palavras sem dizer e explicar o que é o facto que dizes ter! Diz duma vez por todas claramente o que é! Reflecte tu nisso

          • censo says:

            Tu continuas a partir do errado princípio de que se fala por falar, de que quem fala aqui é mentiroso. Não deves faze-lo. Eu já te disse como formulo as minhas opiniões. Tu recusas-te a aceitar. Só falo do que conheço. Quanto ao resto, liberta-te dos preconceitos que transbordam do teu discurso.

    • Sujeito says:

      A barra touch é para usar com a língua enquanto escreves. Dá muito mais jeito para multitasking. Experimenta.

  2. Nelson says:

    Na minha opinião não serve de muito, acho que foi mais marketing que mais nada para mostrarem que o PC basicamente não era mais do mesmo…

  3. Andy says:

    As coisas que se podem fazer neste mini touchbar! Imaginem se tivessem implementado touch no ecrã principal…

  4. Sujeito says:

    Portanto, 3 comentários principais acima, Andy, Nelson e Censo, só para mandar larachas. Eu que sou esporádico cá ja sei que num tópico Apple vocês aparecem a vocalizar uma opinião muito forte. Se não gostam, vêm aqui só para exercer o direito à democracia? Ou para mostrar que acham que sabem melhor que os outros e não se pode viver diferente da vossa opinião?

    • censo says:

      De facto, os teus comentários trazem muito pouco à discussão e debate de opinião que aqui acontece. Fica-te pela leitura.

      • Sujeito says:

        Vá ser mandão para outro.

        A pergunta era retórica. Opiniões todos temos, mas tu tens implicância. Isso não faz parte num debate de opinião.

        • censo says:

          Quem é que implicou ? E quem continuou a fazê-lo ? Para ti, a opinião dos outros são larachas. O que esperas depois que pensem de ti ? O que trouxeste à discussão ? Era um exercício que gostava que fizesses , para alem de me arrastares para isto. É que eu nem percebo o porquê de tanto fervor em torno da minha observação inicial. Se me ajudares a perceber, agradeço, aliás, não deverei ser o único.

          • Sujeito says:

            Não sou objetor de opiniões, quando fundamentadas. A touchbar pode ser boa, pode ser má, pode ser bonita ou feia, útil ou não. Não é essa a questão. Nem a opinião que têm de mim.

            Se tivesses mencionado que experimentaste e que tinhas algumas observações ou perguntado quem é que antecipa utilidade na barra, a direção do debate teria sido outro, comigo e com os outros utilizadores.

          • censo says:

            A direção do debate foi dada por ti e por outros que apenas fizeram ataque pessoal á minha opinião. Se tinhas algo de construtivo a dizer, porque não o fizeste? Ou estavas com medo que fizessem a ti o que fizeram comigo, por-me em causa só porque tenho opinião oposta à vossa?

  5. Delta says:

    Dá para configurar macros?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.