Como surgiu a Internet?


Destaques PPLWARE

42 Respostas

  1. fabio says:

    Parabéns pelo artigo, muito interessante!

    Respondendo à questão, já utilizo este serviço já algum tempo, penso que mais ou menos 10 anos, ainda me lembro das ligações à net a 56.6k. Hoje em dia é um serviço indispensável e acho que devia haver em todo o lado e grátis. Com os avanços da tecnologia, cada vez mais é usada a internet para tudo e mais alguma coisa, as coisas estão todas na internet, é muito mais fácil pesquisar e obter os resultados pretendidos mais rápidamente!

    • António says:

      “acho que devia haver em todo o lado e grátis” Fábio, compreendo o que dizes, mas para haver acesso à Internet é necessário um vasto conjunto de equipamentos, obras de construção civil (p.ex. condutas) e técnicos, entre outras coisas. A gratuitidade não pode simplesmente existir, alguém terá que pagar a fatura. Mas como alguém disse numa das apresentações do TED (não me recordo agora quem foi!), porquê é que não partilhamos todos o nosso acesso wi-fi!?!? Para quê ter tanta largura de banda e tráfego ilimitado (!?) se não se vai tirar partido disso tudo. A solução pode ser algo como a FON (www.fon.com) Se todos aderissem haveria acesso “gratuito” à NET em muitos locais, em especial nas cidades.

  2. Carlos Reis says:

    Terceira linha, queriam dizer acedidos 😀

  3. James Bond says:

    No meu caso pessoal, eu já conheço a história da Internet há pelo menos 20 anos. De qualquer das formas muitos parabéns pelo excelente texto.
    Relativamente à pergunta, eu julgo que comecei a usar a internet por volta de 1994/1995 e fazia-o com um modem muito avançado para a época (14.4 kbps e que me custou à volta de 40 contos, actuais 200 €) e através de uma BBS que se chamava CATS BBS. Estava entretanto a pensar em ligar-me através da COMPUSERVE (França) quando surgiu a TELEPAC. Fui para lá e devo ter sido um dos seus primeiros clientes.
    O computador, que comprei na altura e usava também para aceder a internet era um 486 DX2 66 MHZ com 8 MB RAM e 540 MB de disco. Já agora, computador com monitor, rato e teclado + modem + impressora custaram-me aproximadamente 600 contos, actuais 3.000 €.

    • Marisa Pinto says:

      A tecnologia de antigamente era uma relíquia! 😉

      Eu tive computador pelos meus 11 ou 12 anos, e parece que ainda sinto o cheiro do pc a ligar, completamente diferente de agora..

      Actualmente quase que é uma obrigação ter computador, e nem se questiona ter internet (praticamente as pessoas pensam que o computador É internet) 🙂

      Mudam-se os tempos.. muda-se a forma de lidarmos com a tecnologia. Como será daqui a 30 anos? Vamos esperar para ver!

    • Serva says:

      Bom dia ,

      Excelente artigo Marisa Pinto , eu também já conhecia a historia mas é bom sempre relembrar , curiosamente o meu percurso é muito idêntico ao nosso leitor @james bond e por isso estou a interpor este post pelo meio .

      Quanto a pergunta colocada , não sei como iria fazer , a internet depois da habitação , agua , electricidade e alimentação vem logo na prioridade seguinte , penso que o caminho aponta para cada vez uma maior mobilidade da própria internet hoje mesmo no meu dia a dia sem o meu smartphone e sem o meu plano de dados não sei como me organizaria , hoje vejo-me a descartar facilmente a televisão que vai ter de se reinventar para se justificar ter uma , a internet veio mudar todo o panorama Mundial quer no que respeita a informação quer no que respeita a comunicação , a industria discográfica e cinematográfica terao também de fazer um esforço de titans para justificar a existência dessa industria e tudo isto porque a internet como se verifica no mapa acima está presente nas zonas mais desenvolvidas do planeta com taxas muito próximas dos 80% e penso que esta percentagem irá subir ainda mais nos próximos anos quer nas regiões do globo aonde se começa a sentir mais o desenvolvimento quer nas zonas mais evoluídas que caminharão para taxas muito perto dos 100% , curioso que a Europa fica em terceiro lugar e batida pela Oceania .

      Aceitem os meus sinceros cumprimentos

      Serva

  4. Francisco says:

    Uso a Internet Dresden 1991, altura em que andava na faculdade e a Internet não tinha nada a ver com o que e hoje. Na altura era Tudo texto, o sapo surgiu algum tempo depois e era Apenas um serviço que continha endereços de email e que significava Serviço de apontadores portugueses.

    Na altura existiam truques para se fazed downloads de ficheiros, Por exemplo podíamos enviar um email para certos servidores com o conteúdo sendo um conjunto de instruções FTP e depois recebíamos no nosso email o ficheiro por partes, as quais tínhamos de juntar e assim ultrapassava-se questões de falta de permissões.

    Hoje em dia e tudo dinâmico, com imagens e cores, e a evolução foi muito rápida.

  5. Sérgio says:

    Artigo fantástico, parabéns 😉

    Utilizo Internet há cerca de 11 anos, a primeira vez que me conectei foi através de um cabo ligado desde o telefone, que estava na sala, até ao meu quarto. Adorava aquele barulhinho que acontecia quando se iniciava a conexão xD

    O meu dia-a-dia sem a Internet seria totalmente diferente, o meu trabalho talvez menos facilitado, os meus hobbies seriam outros, conhecimento musical seria outro.. entre outras milhares de coisas.

    Mas sinceramente acho que continuaria feliz e a aproveitar a vida, embora de forma diferente.
    Do meu ponto de vista, uma das grandes capacidades do ser humano é adaptar-se com facilidade a meios com poucos recursos, consegue resolver os seus problemas com pouco. Infelizmente quando os recursos são em demasia o ser humano tem tendência para não lhes dar valor, ou utiliza-los da pior forma possível.

    A Internet trouxe muita coisa boa, mas também trouxe muita coisa má.. E se reflectir um pouco o acesso tão facilitado e sem limite da Internet está também ligada à crise económica e social que vivemos hoje.

    É pegar numa balança e medir os prós e os contras 😉

    • Serva says:

      Boa tarde , não culpes a internet pela crise de valores ou sociais que existem hoje , se existem culpados esses estão bem identificados , foram os políticos que desenharam o comercio livre Mundial sem as devidas regras e exclusões , esses sim são os grandes culpados e antes desta crise toda o México esteve a beira da falência ainda no tempo do primeiro mandato do Clinton tendo sido a FED que num fim de semana salvou o País da bancarrota esse foi o primeiro sinal que tudo estava mal estruturado e deveriam ter-se tomado contra medidas para que a situação que vivemos actualmente não acontecesse .

      Cumprimentos

      Serva

  6. João Gago says:

    Comecei em 1989 na Universidade de Aveiro, nuns terminais “burros” em modo texto , de fósforo verde ou laranja. Uma das minhas primeiras aventuras foi falar num chat com alguém da Índia que também estava ligado a uma universidade. Foi uma emoção a primeira comunicação. Bons tempos de aventura e descobrimentos. Qualquer equipamento de informático custava uma pipa de escudos. Agora com a banalidade da informática tudo é fácil e menos interessante. Acaba-se por não dar valor a esta tecnologia.

    • Marisa Pinto says:

      Por acaso esse chat não foi no mIRC?

      • João Gago says:

        Não, aquilo era quase um sistema interno do unix e era tudo em modo texto. Era um sistema muito básico. Nem estava disponível a todos os users, tinha custos de comunicações que eram caros naquela altura, era mais para profs. A criação do SAPO, teve quase a origem numa “brincadeira” que custou alguns euros por pedir uma listagem de emails e que depois era preciso pagar ….

    • Sérgio says:

      Nesse ano estava eu a nascer em Aveiro =)

      E concordo que hoje em dia poucos dão valor à tecnologia que têm à disposição ..

  7. Comecei nos anos 90 com um modem a 14.4k.
    Uns anos mais tarde, surgiu um acordo entre a PT e as Universidades: RCU – Rede de Comunicações Universitária (?). Preço de linha RDIS quase igual à analógica, mas com uns brutais 64k! Lembro-me de ter uma placa rdis asuscom e de jogar umas partidas de quake/quake 3 com pings fantásticos de 38…
    Depois surgiu ADSL e foi o grande salto…
    Cumprimentos aos “velhotes” 😉

  8. Deus says:

    Muitos Parabéns, especialmente aos autores do video que esta genial

  9. César Assombro says:

    Eu ainda sou do tempo do Sinclair ZX Spectrum com um micro processador de 3,5 MHz i com uma memória de 48 KiB. Naquele tempo ainda não se falava de internet mas já havia jogos muita fixolas. Para carregar jogos tinhamos de ligar um leitor de K7 ao Spectrum, escrever load “” i carregar em ENTER depois faziamos play no leitor de K7 i esperávamos alguns minutos até o jogo carregar. Sem esquecer que durante este processo havia o risco de o loading falhar. 🙁 E nesse caso só restava afinar o leitor de cassetes… i repetir todo o processo mágico novamente. Eram bons tempos…. i estava dado o mote para mais tarde nos juntarmos todos nesta rede que não pára de crescer.

    Ótimo post
    continuação do excelente trabalho! 🙂

  10. Pedro says:

    Eu comecei a utilizar em 1990/91 na Universidade do Minho, quando ainda não havia internet comercial disponível para todos, e mesmo quando começou a ser disponibilizada os preços eram proibitivos, éramos uns privilegiados e na aquela fase de experiências novas aquilo era um mundo, especialmente a parte “porn” :-))

  11. Ricardo Fernandes says:

    Meus caros, eu comecei em meados de 96/97 a utilizar a http://www..Internet, contudo, bem antes disso, utilizava algo que está esquecido com muita pena minha.. pois era interessante 😉 as BBS (bulletin board system), em que nos ligávamos à casa uns dos outros por linha telefónica normal, para fazer download..onde a partilha era obrigatória para ter pontos de download etc.. dependendo sempre de quem disponibilizava o serviço e das suas regras, tendo em conta que eram ligações em cima de linhas de 9600k…é só imaginar a festa que seria copiar um jogo de 5 disketes 😉 de 1.4 mb cada uma eheh…..e mais… como ligação básica de telefone que era, para além da linha sempre ocupada só permitia um acesso de cada vez.. então era alta “fila de espera” para conseguirmos estabelecer ligação… só se ouvia o sinal de interrompido ehehe……Abraços…

    • Serva says:

      Boa tarde ,

      Lembro-me de num mês a conta do telefone ultrapassar os 100,000,00 escudos eram tempos de perfeita loucura e descoberta de todo um Mundo novo , esses tempos estão como boas recordações na minha memoria , o convívio entre os internautas era qualquer coisa de fascinante , hoje tudo chega muito facilmente existem programas para tudo e mais alguma coisa a época tínhamos que aprender uns com os outros a ultrapassar os sucessivos problemas lembro-me bem das disquetes , comprava-se cxs com 10 unidades e tudo era muito caro , acabei por descobrir uma empresa que vendia disquetes de marca branca a metade do preço foi uma festa .

      Cumprimentos

      Serva

  12. Emanuel says:

    Nem me lembro bem quando comecei a usar… Ia para uma sala com alguns colegas e ligávamos (chamadas carissímas). Havia 3 ou 4 BBS onde tentávamos entrar. Tudo levava muito tempo.

  13. Nuno José Almeida says:

    Eu tenho de discordar apesar de ser considerado o principio da internet, a Arpanet é o princípio tecnológico da Internet mas não fisicamente o principio desta. Paço a explicar. A internet fisicamente começou posteriormente na Europa quando várias outra redes usando a tecnologia da Arpanet (tcp/ip), começaram a interligar-se. Não existe uma criação de internet, foi essa crescente interligação de redes (por todo o mundo) que deu lugar ao que hoje conhecemos por internet.

    Este vídeo explica isso muito bem.

    http://youtu.be/rRpcSjck4wo

  14. Alfie says:

    Uso a Internet desde 95. Profissionalmente e não só. Antes (desde 75) tinha que me sujeitar a ligações X25 à estrondosa velocidade de 2400 ou 4800 bauds, ponto a ponto, para conseguir obter a informação de que necessitava. Ainda usei algumas BBS mas não foi chão que me desse uvas, não era por ali que obtinha o que precisava. Em 95 com um modem a trabalhar a 9600 e depois a 19200 foi um espectacular salto em frente. Em pouco tempo desapareceram os sites quase só de texto e a imagem apareceu em força.
    Hoje tenho dificuldade em viver sem o acesso à Net, quer seja para as notícias, quer seja para a gestão da minha vida (pagamento de contas, banco, impostos, etc., etc.), ou mesmo ainda para formação prof. (apesar de reformado).
    Só há um suporte que não quero ver substituido pela Net: o livro. O cheiro do papel é parte essencial do prazer de ler!

  15. AFerreira says:

    Muito bom artigo, complementado com um video que ainda mais gosto dá ver 🙂

    Por mais que já tenha visto na vida de informática, os jogos que mais me marcaram foram o Street Rod (sr.exe) e o Prince of Persia (prince.exe) x)

    PS: Se eu fosse um elemento do juri que avaliava a tua dissertação, ficava surpreendido 🙂

  16. João says:

    A primeira vez que conta-que-tei com a internet foi em na escola e na casa e na casa da cultura, a partir de 2005 aderi ao SAPO,:-), mas agora utilizo banda larga movél.:-(.
    ……………..È da crise……………………………..

  17. int3 says:

    comecei em 2004 na casa dos patrões dos meus pais com a clix adsl. não me recordo de quantos Kbps eram mas andava nos 512 Kbps. Depois em 2006 recebi o meu primeiro pc portatil e internet 2G (e raramente 3G) a 56Kbps e raramente 512 se não estou em erro. Lembro-me de descarregar músicas pelo Ares a 13KB/s e era uma loucura. Quando comecei a ter mais cobertura 3G ficou nos 40KB/s e nem queria acreditar. Mais tarde veio o 3.5G com 2Mbps e sacava já a uns bons KB/s no azureus, um cliente bittorrent qualquer, e demorava 1 semana em média para tirar um filme de 800MB a 1GB.e só podia tirar 1 por mês porque só tinha 2GB de tráfego fora das happy hours.
    Bons tempos onde a felicidade de ver 40KB/s e agora 15MB/s ser o normal… :p

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.