PplWare Mobile

Domingo é dia de dicas do Microsoft Word


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Andrew says:

    Não existe dicas para Word para Mac?

  2. ssh.wolf says:

    Muito fixe … Tou a fazer Eng. Informatica reparei que a muitos cracks a programar não sabem bem mexer com isso 😉

  3. Miguel Rodrigues says:

    Boa iniciativa era fazerem dicas para software livre como o LibreOffice neste caso, para mostrarem as pessoas que existe muito bom software livre por ai e que evitam de gastar dinheiro.

    Dicas sobre Software pago = ZERO

    • Say says:

      Discordo.

      É importante divulgar e bendizer os programas das grandes empresas que têm grandes orçamentos em marketing para que não digam que o pplware não fala do que é importante. Aquilo que não tem publicidade não é muito importante.

    • Vítor M. says:

      Miguel, o software pago é importante. Quem achas que faz girar a roda da evolução tecnológica? Será a pseudo-indústria do software livre? Ou será que é a indústria do software pago?

      Quem cria postos de trabalho para os programadores, engenheiros, técnicos e afins que saem da faculdade? Será quem oferece software livre ou será quem vende software e soluções pagas para o mundo da tecnologia?

      O segredo está no equilibrio. Se ninguém quiser pagar por software… então a indústria do software morre.

      Muita gente que produz software livre ganha dinheiro a produzir software pago e só essa fonte de rendimento permite que ele produza software livre.

      Claro que não é só, mas é também o que eu falei… por isso o Word da Microsoft é uma dessas ferramentas. É sobre ela que se produz grandes trabalhos que já deram origem a projectos incríveis, é uma ferramenta que tem serviço de inspiração a muitas outras ditas livres, dentro do mesmo segmento. É uma ferramenta (dentro da sua suite) que faz as empresas gerarem receita e com isso produzirem fluxo monetário… necessário para os países evoluírem.

      Mas claro, existe espaço para as aplicações “livres”, temos falado delas mas o Word é mais usado, é mais completo… é melhor. 😉

      Mas a tua sugestão foi tida em consideração.

      • Miguel Rodrigues says:

        Vitor, a industria do software livre não é uma pseudo-indústria, é uma industria com provas do seu sucesso como é o caso do LibreOffice e de muitos outros.

        O software livre não cria postos de trabalho é certo mas permite que muito mais pessoas possam ter acesso ao mesmo que tu e eu temos. Permite até que países poupem balúrdios em gastos com software pago fazendo assim uma ajuda relevante para a economia do pais.

        Pena não fazerem essa troca em Portugal. Andamos sempre a ver noticias acerca dos servidores nacionais a falharem e sabemos que eles usam software pago, não era suposto as coisas funcionarem bem sendo ele pago?

        Isto é o que se supõe mas que não acontece. Não é por nada que o Linux seja tão utilizado em servidores, que é mais um bom exemplo do bom software livre que se faz.
        Já para não falar no que o país poupava.

        https://pplware.sapo.pt/informacao/brasil-poupa-123-milhoes-com-software-livre/

        Para mim o equilíbrio está no claro declínio até a extinção desses monopólios, desse roubo descarado que favorece uma pequena percentagem de pessoas. Isto sim é necessário para os países evoluírem, acabar com a exploração.

        Continuo é sem perceber como é que se continua a fazer tanta publicidade e se dá tanto valor a quem mais explora, principalmente no meio deste problema todo económico global.

        • Vítor M. says:

          Estás enganado. Tens servidores com distros linux pagas…e bem pagas.

          Depois tudo o que é pago pode falhar, o teu carro falha e é pago.

          Em relação ao que eu referi… eu não disse que a indústria do software livre era uma pseudo-industria… disse que o software é pseudo-livre.

          O software livre tem custos maiores que o software pago… principalmente em desenvolvimento e manutenção. Mas ok é apenas a minha opinião e é baseada em senso comum sem números que suportem esta minha ideia.

          O artigo que citaste… bom acho que é não é um exemplo de sociedade que saiba poupar… e deve haver nessa acção de marketing alguma coisa por trás.

          Agora concordo contigo que determinado software gratuito é a chance de muita gente ter determinadas aplicações de forma legal mas isso, voltando ao meu comentário, nasce do equilibrio do que é pago e produz riqueza para se produzir o gratuito… ou pseudo-livre.

          Haja muito software gratuito, é sinal que se produz muito pago ou se produz software livre rentável 😉

          • Miguel Rodrigues says:

            São opiniões e nada mais, esta conversa podia demorar a semana toda 😛

            Cumprimentos e continuação de um bom trabalho 😉

          • jo§e says:

            “Miguel, o software pago é importante. Quem achas que faz girar a roda da evolução tecnológica? Será a pseudo-indústria do software livre? Ou será que é a indústria do software pago?”
            Eu aqui li “pseudo-indústria”.
            E afinal, gera ou não gera dinheiro?
            (“O software livre tem custos maiores que o software pago… principalmente em desenvolvimento e manutenção”)

    • Pedro Pinto says:

      Continuamos à procura de alguém que queira assumir essa rubrica…parece-me bem.

      Quanto a esta afirmação: “Dicas sobre Software pago = ZERO”….discordo em absoluto…por esse ordem de ideias não falamos sobre windows, MacOs e por aí fora…

    • Joddys says:

      Com certeza, sinto falta de dicas para o OpenOffice.

  4. Luís says:

    Simple and Effective for professionals.

  5. Manuel Mimoso says:

    Muito Bem Pedro

  6. Emannxx says:

    Era importante que o Office utilizado nesta rubrica fosse em Português, acredito que nem todas as pessoas que visitam o Pplware saibam ler Inglês.

    Quanto à rubrica em si, acho a ideia mesmo muito boa (penso já ter dito anteriormente…), mas o que gostava mesmo mesmo era algo deste género, mas do Excel. Adorava saber criar aquelas formulas esquisitoides que os professores utilizam para calcular as notas finais dos alunos, onde basta colocar os dados na tabela e está feito… O problema é que não tenho paciência (nem tempo) para ir pesquisar sobre isso… oh, santa preguiça. ahah

    • Pedro Silva says:

      Em relaçao a isso do ingles… como foi mostrado aqui a tempos o pplware é visitado maioritariamente por pessoal ligado a informatica… e como diria um prof meu (em resposta a um colega meu) “meu amigo se nao sabes Ingles, o que é que andas a fazer em Informática??” – e atenção que este era dos piores professores que alguma vez conheci, mas de facto aqui tem toda a razao..ainda mais nos tempos que correm TODA a gente TEM OBRIGATORIAMENTE de saber o minimo de ingles… alem disso nao é assim tao dificil quanto mais nao seja através dos icones de saber qual é o correspondente no office portugues.

      Fica bem.

      • Emannxx says:

        Não poderia concordar mais contigo, eu amo (mesmo) o Inglês… no entanto, sou demasiado altruísta 😛

        Acredito mesmo que hoje sem dia, se não soubesse o que sei de Inglês, não teria aprendido 1% do que aprendi em todos estes anos de paixão pela informática 😀

    • Jorge says:

      O excel é uma ferramenta ainda mais poderosa que o word. Para aprenderes algo sobre as fórmulas tens a ajuda do excel e do google, encontras lá tudo o que precisas. Já dei muita cabeçada no excel para fazer o que programas como o microsoft project, autodesk robot,…, devido a imposições académicas. Devido a isso é que posso dizer que o excel é das ferramentas mais poderosas que existem e pra quem souber programar, pode criar macros que facilitam bastante o trabalho. 😀

  7. Rui says:

    Excelente artigo!

    Alguém sabe qual é o atalho para utilizar o Subscript? Sei que para o SuperScript é: “ctrl +”

  8. Nelson N says:

    @ jo§e
    (“O software livre tem custos maiores que o software pago… principalmente em desenvolvimento e manutenção”)
    E não só! Veja-se um caso prático:
    Fui administrador neste prédio durante alguns anos; compramos um PC e para o serviço que é, pensei em instalar o Ubuntu de raiz. Os recibos (cerca de 50) eram feitos no OpenOffice, papel A5 Horizontal; se não os imprimisse logo, bastava fechar o programa, ou nos dias seguintes estavam todas as páginas de pernas para o ar. Mais meia hora pelo menos a pôr tudo no sítio. E para imprimir? o Ubuntu reconhece a impressora e o modelo, mas é duma lentidão de arrepiar; e se fosse uma empresa onde o tempo é dinheiro?

    • jo§e says:

      Sabes que podes imprimir directamente para PDF a partir do OpenOffice? No MSWord nas novas versões não sei se já dá, não uso, mas não dava.
      Desformatação automática? 🙂 isso é um luxo…que nem o MSWord tem 😀
      Também já perdi muitas formatações por não gravar ao saír, mas isso por erro meu, pois não liguei aos avisos.

    • jo§e says:

      Atenção, não estou a dizer que o OpenOffice é melhor que o MSWod, nada disso. Apenas digo que em determinadas situações é uma hipótese muito válida a ser considerada.
      Até porque eu uso o MSWord 2003 de uma forma que provavelmente muitos de vocês nem sequer sabem ser possível. Com o OpenOffice não sei como o poderia fazer, ou se é sequer possível(penso que que talvez), mas em casa uso quase exclusivamente o Linux.

  9. Paulo says:

    [OFFTOPIC]

    Existe algum add-on para Word 2010 que permita reabrir automaticamente os últimos documentos que tinham sido abertos?

    Cumps.

  10. Pedro says:

    Antes de mais Muitos parabéns pelo site.

    Por acaso alguém sabe se é possível agrupar imagens e caixas de texto no office 2010??? Já tentei e não consigo… mas no office 2007 era possível.

    Alguém me pode ajudar?

    Cumps

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.