PplWare Mobile

Tutorial: Aprenda a usar o Git e o GitHub – Parte I


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. arc says:

    Ferramenta importante, para programadores e não só. Utilizo com regularidade para uso particular. Bom artigo.

  2. Webcrawler says:

    Preguiça? As pessoas não conseguem ler mais que 6,7 parâgrafos por página?

    Contudo, boa iniciativa, mas porque não colocar uma artigo mais informativo? Este artigo/tutorial é tão escasso.
    Se querem dividir os tutoriais por partes, pelo menos o primeiro devia de dar a conhecer o básico para realmente começar a usar esta ferramenta. Uma utilizador novo da plataforma provávelmente irá pesquisar por github vai ver este tutorial, e pensa porreiro é da pplware, mas depois não consegue fazer uso dele porque praticamente vocês estão a ensinar a criar uma conta no github. Eu sei que irão existir outras “partes”, mas existe necessidade de segmentados com tão pouca informação? Não me levem a mal, é apenas uma crítica construtiva.

    • Vítor M. says:

      Vão sair os seguintes, para ser mais fácil as pessoas, que não dominam a matéria, ir passo a passo.

    • Pedro Queiroga says:

      Não é preguiça, é $$. Quanto mais artigos, mais clicks. Quantos mais clicks, mais revenue. Parece-me óbvio, eles não são voluntários, têm um emprego e querem ter o maior lucro possível.

      • GoDog says:

        Pois, não pensei por esse prisma. Porém se tivessem um artigo bem construído conseguiam mais cliques. Porque se é bom, é mais recomendado/referenciado. Eu pessoalmente se for pesquisar alguma tecnologia/técnica nova confesso que o pplware está em último. Praticamente só venho espiar o site á sexta por causa da rúbrica “Hoje é sexta”.

      • Pedro Pinto says:

        Imaginação fértil (€€€€€). Só dizes asneiras…mostra-me o teu trabalho amigo!
        O Github não é propriamente uma plataforma intuitiva. Se não “mandares” inicializar o repositório andas logo às aranhas.
        Mas se achas que é demasiado simples para ti, passa ao próximo…o que não faltam felizmente no Pplware são artigos sobre tantos temas.

        • GoCat says:

          Calma, não fui eu que levantei aqui a questão dos €€€€€.
          Mas já estava á espera de uma resposta 🙂

          Confesso que quanto a tutoriais e artigos sim só visito em último recurso, não por serem maus mas por estarem mais orientados para o utilizador comum (o que é bom).
          O que sugeri nada mais foi que o desenvolvimento mais detalhado/rico do assunto.

          Acho que o projecto e a equipa pplware com todo o seu potencial pode acatar algumas sugestões ou não? ;P Continuem com o bom trabalho.

          Ps: fico á espera da última parte.

  3. Alex says:

    Viva, interessante 🙂

    O GitHub também tem a possibilidade de ir avançar os projectos de ambiente dev-tst-prd como o Harvest?

  4. Tecnical says:

    Os repositórios privados tem um custo associado. Isso não é mencionado no artigo.
    Como não existe só o GitHub acho que deviam mencionar também algumas alternativas.

    • Pedro Pinto says:

      Podes dizer alguns desses projetos sff? Obrigado

      • Pedro says:

        GitLab (https://gitlab.com) e Bitbucket(https://bitbucket.org), são em tudo semelhantes ao GitHub mas podes criar repositórios privados sem pagares nada 😉

        • sakura says:

          Free?…… não sei se sabe que o pai natal não existe.

          • Gekko says:

            O pai natal não existe de facto, mas o Gitlab tem o típico modelo de negocios de uma empresa virada para o opensource, tipo Canonical, ou RedHat.

            O GitLab é opensource, pelo que “qualquer um” pode descarregar uma cópia e instalar no seu servidor e com isso fornecer uma instancia de gitlab aos utilizadores do seu servidor.

            Agora o GitLab tem duas versões, a gratis que qualquer um pode user e a versão empresarial com licença paga para utilizar e com essa versão tens apoio técnico e algumas funcionalidades extra.

            Entre os seus clientes tens: IBM, SpaceX

      • Gilito says:

        Para equipas até 5 elementos, existe o https://bitbucket.org/.

      • Tecnical says:

        Pessoalmente utilizo o GitLab. Mas falando apenas do que conheço, só tenho a acescentar o SourceForge às respostas anteriores.

      • Gekko says:

        Também existe o gogs https://gogs.io/ . Uma solução para self-hosting de instancias git, também tem versão ARM e tão leve que corre num raspberry PI.

        Imagina se o PiPplware tivesse o gogs pré instalado 🙂 , a tua própria instancia de git a partir de casa 🙂

        Pessoalmente uso o GitLab a partir do pessoal do framasoft em frança: http://framagit.org/ com o Atom como editor de texto, com os extras certos, faz tudo o que preciso: add, commit, push, pull, checkout, diff

  5. jedi says:

    para proximo tutorial, primeiro acho que deveria começar por command line e num proximo utilizar o atom como interface gráfica.

  6. Óscar Alho says:

    Uso e “abuso” do BitBucket. Grátis até 5 elementos.

  7. Joao says:

    Otimo artigo, obrigado PPlware.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.