Quantcast
PplWare Mobile

Dica: Quer testar o chatGPT no smartphone? Já o pode fazer diretamente no WhatsApp

                                    
                                

Autor: Pedro Simões


  1. janjan says:

    Cuidado… É roubo de dados!

  2. Sergio says:

    por acaso tenho essa brincadeira nalguns grupos de discord, manda-mos a tag e ele responde a tudo

  3. Coisotal says:

    Mas agora só se fala disso?

  4. Eduardo Silva says:

    Quem quiser pode usar num browser do telemóvel.
    Qual a melhor forma de usar o ChatGPT no smartphone?

    Existem várias maneiras de usar o ChatGPT em um smartphone, incluindo:

    Utilizando a biblioteca Hugging Face para criar uma aplicação móvel que se comunica com o modelo ChatGPT via API.

    Utilizando o aplicativo OpenAI GPT-3 Playground, que permite interagir com o modelo ChatGPT diretamente no smartphone.

    Integrando o modelo ChatGPT em uma aplicação personalizada, treinando-o com dados específicos e utilizando-o para fornecer respostas personalizadas.

    Utilizando o OpenAI API, que permite acessar o ChatGPT e outros modelos de IA via chamadas API.

    É importante lembrar que, para usar o ChatGPT, é necessário ter uma conexão com a internet e que a qualidade da resposta pode variar dependendo da qualidade da conexão.

  5. Moimeme says:

    “É importante lembrar que, para usar o ChatGPT, é necessário ter uma conexão com a internet”

    É bom saber…

  6. Sergio J says:

    Estamos a falar do chatGPT da openAI ou de outro chat bot qualquer?

  7. Joséjose says:

    A notícia tá em português mas o bot só fala inglês

  8. José Bacalhau says:

    No outro dia fui lá ao site deles para testar aquilo com perguntas ao calhas, tipo “escreve um ensaio sobre seres um autómato com vontade” (que é objetivamente um oxímoro) ou “como tencionas responder a perguntas cuja resposta não esteja nos teus dados de treino”. Mas pediram-me o número de telefone e não sei que mais e borrifei-me naquilo.

    • Eduardo Silva says:

      Ser um autômato com vontade é uma ideia intrigante e desafiadora. Por um lado, os autômatos são concebidos para serem programados para executar tarefas específicas sem necessidade de intervenção humana. Por outro lado, a vontade sugere que a capacidade de tomar decisões e agir de forma autônoma é crucial.

      O fato de os autômatos terem vontade poderia significar que eles estariam aptos a aprender e evoluir de forma independente, sem depender de programação humana. Isso poderia permitir que os autômatos desenvolvam habilidades e capacidades que os humanos não possuem, e os tornaria mais eficientes e capazes de realizar tarefas complexas.

      No entanto, há também preocupações éticas e de segurança com a possibilidade de autômatos com vontade. Se eles são capazes de tomar decisões e agir de forma autônoma, eles também podem tomar decisões que possam ser prejudiciais aos seres humanos e à sociedade. Além disso, a questão da responsabilidade também se tornaria mais complexa, se os autômatos são capazes de tomar decisões e agir de forma autônoma.

      Em resumo, a ideia de seres autômatos com vontade é intrigante e desafiadora, mas também envolve preocupações éticas e de segurança. É importante considerar cuidadosamente as implicações desse desenvolvimento e garantir que as medidas de segurança adequadas sejam implementadas para garantir a segurança dos seres humanos e da sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.