Quantcast
PplWare Mobile

Mac OS e iOS considerados os sistemas mais inseguros em 2015

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. filipe says:

    Dia 1 de abril e eu que pensava que estavamos em janeiro..nada bate a apple em fluidez beleza e seguranca..android lags windowd no apps e virus

  2. Renato says:

    Sempre a mesma treta de estatísticas. A Apple publica aí as vulnerabilidades, a Microsoft não, o Android? Faltam as falhas do Linux e das partes prioritárias da Google, OEMs e operadoras.

    Não vale a pena pregar, porque ninguém com iOS apanha malware.

    • daiquiri2 says:

      Sim, és o mais inteligente

    • Andre30correia says:

      O maior problema é que eles n as corrigem. O ios e o osx sao simplesmente maus desde desempenho a segurança, mas o marketing e o facto das pessoas só irem por modas e copiarem os outros da nas vendas

    • Epah...Cenas!! says:

      Estamos a falar de vulnerabilidades de segurança e não de malware/virus… São coisas diferentes.
      A contagem de vulnerabilidades não é feita pelas próprias marcas. É uma organização governamental que trata de as procurar e contar com base em relatórios de empresas especializadas em cybersegurança.

    • Epah...Cenas!! says:

      “Faltam as falhas do Linux e das partes prioritárias da Google, OEMs e operadoras.” Tens aqui as agregações das falhas por marca e não por Sistema. Por exemplo, as do Android, Chrome, etc… estão incluídas na Google Inc.
      http://cve.mitre.org/cve/cna.html

      Software Vendors

      Adobe Systems Incorporated (Adobe issues only)
      Apple Inc. (Apple issues only)
      Attachmate (Attachmate/Novell/SUSE/NetIQ issues only)
      BlackBerry (BlackBerry issues only)
      Cisco Systems, Inc. (Cisco issues only)
      Debian GNU/Linux (Linux issues only)
      EMC Corporation (EMC issues only)
      FreeBSD (primarily FreeBSD issues only)
      Google Inc. (Chrome, Chrome OS, and Android Open Source Project issues only)
      Hewlett-Packard Development Company, L.P. (HP issues only)
      IBM Corporation (IBM issues only)
      Microsoft Corporation (Microsoft issues only)
      Mozilla Corporation (Mozilla issues only)
      Oracle (Oracle issues only)
      Red Hat, Inc. (Linux issues only)
      Silicon Graphics, Inc. (SGI issues only)
      Symantec Corporation (Symantec issues only)
      Ubuntu Linux (Linux issues only)

    • Andr8 says:

      Não vale a pena…

      A Apple, publica as vulnerabilidade, sim: http://lists.apple.com/archives/security-announce/2015

      A Google, paga para não serem conhecidas: https://www.google.pt/about/appsecurity/reward-program/

      A Microsoft, publica, mas só no seu site, não publica nessa base de dados: https://technet.microsoft.com/en-us/library/security/ms15-135.aspx

      Divirtam-se fanboys.

    • Miguel Sousa says:

      Não apanha? Tens a certeza disso?
      É que ofereces TODA a tua vida à Apple e aos seus clientes e ainda lhes pagas por eles te fazerem isso. Olha para o teu Itunes e nota lá as publicidades… vais achar giro que quando estiveste a ver dados sobre carros no teu iphone, no dia seguinte, tens publicidade sobre o carro que andaste a ver informações… só por mera coincidência.

  3. Pois says:

    Iphone OS – 375
    Android – 130

    upsssssss, e não digo mais nada.

    • JBM says:

      Os números do iOS incluem todas ou quase todas as vulnerabilidades do seu browser (e mais algumas aplicações), enquanto que o Andoid não incluem as vulnerabilidades do browser e nem contabiliza todas as vulnerabilidades que a Google conhece e corrigiu – a Apple cataloga nesta base de dados há muito tempo todas as correcções que faz ao contrário da Google

  4. Marco says:

    desta lista realço a posição do chrome face à concorrência. O kernel do linux e a posição do Fedora e do Debian e lá pelo meio veio um “incha Ubuntu”.
    resposta escrita sobre a influência de açúcar.

    • rui says:

      Realças porquê? Prefiro o chrome à “concorrência” como tu chamas, pois essa concorrência só tem um nome: firefox. Os outros browsers existentes nem cheiram. Mas prefiro o chrome e enquanto o flash for vivo, continuarei a preferir. Mais consumo de ram, mas conteúdos com 100% de fluidez, algo que o firefox não consegue (com conteúdos que ainda incluam flash).

      • Marco says:

        Pois lá está, mais consumo de RAM, o que não quer dizer que tenhas mais fluidez, mas pronto se tu pensas assim… Mais coisas metidas num browser que o tornam pesado (mais RAM), que aos poucos a Google vai desativando. Só o tenho instalado para as vezes ir ver uns flashs.

  5. pacman says:

    Amigos, para quem critica veemente o Win 10, vejam por favor a sua posição.
    A ideia de que a Apple não tem vírus arraigou-se de tal maneira na mente das pessoas que essa mentira ainda permanece até hoje…
    A Apple criou fama e deitou-se na cama (principalmente depois da morte de Steve Jobs)

    • João says:

      O pior é que a cama deles é grande e já andam a aumentar o segmento de mercado investindo numa marca de carros. E a nossa que somos mais especialistas é miserável e falo por mim.

  6. turn10 says:

    Ahaha, o Windows 10 Mobile nem aparece no top 50, que chapada de luva branca a nível de segurança aos fãs de iOS e Android…

  7. Rodrigo says:

    Engraçado, uso o meu telemovel android so apanho tretas e uso o Ipad e nao me aparece nadinha.
    E toda a gente sabe que é assim mas aparecem estas estatísticas da treta de vez em quando!

    • Filipe Coelho says:

      Malware é diferente de vulnerabilidades. Se não sabes do que falas porque comentas?

    • Jonas says:

      Isso não conta a história toda. O elemento mais fraco de qualquer sistema normalmente é o próprio utilizador. Eu uso android em vários equipamentos, smartphones e tablet, e nunca apanhei nenhum virus, hijack ou algo que o valha, e uso android desde o 2.1. Mas também não instalo nada à toda, não saco apk’s de sites duvidosos ou torrent’s com software pirateado, e não sigo instrucções de banners estranhos. Até chego a não considerar aquele email do sr. do Uganda que me quer dar uma batelada de dinheiro para eu fazer uma transferência para a mãezinha dele no hospital.

      “Cautela e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém.”

    • Miguel Sousa says:

      Não apanhas porque a própria Apple explora-te e pagas para eles te explorarem. Se a Apple tem o sistema operativo e as aplicações deles carregadas de spyware e adware, não tens espaço para ter concorrência dos “piratas”.

  8. PR says:

    Bem… estou um pouco confuso com este artigo! Parece isento de critério!
    Explico: este mesmo site publicou o seguinte artigo
    https://pplware.sapo.pt/informacao/top-5-maiores-falhas-de-seguranca-em-2015/
    onde informa aqueles que considera as maiores falhas de segurança de 2015. Ora, cruzando um e outro artigo, chegamos à conclusão que, ou se contradizem, ou então, o número de falhas de segurança (independentemente da sua gravidade) é diretamente proporcional ao nível de falência do sistema am análise, ou que todos sabemos que não é verdade.
    A verdade é que a falha do Joomla e do OpenSSL são claramente os buracos do ano, não pela quantidade mas pela “qualidade” da falha. O resto, iOS, Android, Linux, MacOS e Windows, é mais da mesma guerra do gato e do rato.
    A falta de critério deste artigo faz um lembrar um outro, também falado aqui, sobre a insegurança do sensor biometrico do iPhone e da facilidade de o quebrar com o fácil recurso, imaginem só, à construção de um dedo artificial de borracha após a “simples” recolha da impressão digital à moda do CSI!
    Informar sim, mas com critério, meus senhores.

    • Pedro Pinto says:

      Eu explico, e não vale a pena tomar conclusões precipitadas. Primeiro artigo fizemos uma ronda de todos os artigos que escrevemos e chegamos ao top apresentado que é obviamente discutível! Há vulnerabilidades e vulnerabilidades. Este segundo artigo tem como base os dados a National Vulnerability Database (NVD)…logo duas fontes diferentes com dados diferentes. Comentar sim, mas com critério, sff 🙂

      • PR says:

        No primeiro artigo, apesar de não estar dito que é um artigo de opinião, facilmente se conclui esse facto (não há estatística de impacto a suportar o artigo).
        Quanto a este artigo, deduzo das tuas palavras, até porque tb não está escrito, que o ranking é apenas por quantidade de vulnerabilidades (no site da NVD tb existe uma medida de impacto…)!
        A ser assim, tenho duas questões: (1) porque é que se diz no artigo que “a Apple ocupa também a primeira posição com 1147 vulnerabilidades nos seus sistemas” mas temos a Microsoft (1561) e a Adobe (1504) com maior quantidade de vulnerabilidades? e (2) porque é que o MacOS X engloba todas a versões do SO e o Windows aparece dividido por versão?

  9. Miguel2 says:

    Tudo isto é mentira o iOS foi concebido com 0 vulnerabilidades 😀

  10. Vitor says:

    oops alguns vao ficar chateados…

  11. Android4Boy says:

    Android é que é bom e mais seguro, já vos tinha dito.. Android4SecurityHiJacked.

  12. BoomBeach-Portugal Elite says:

    Estas estatísticas deixam muito a desejar…. e o que acho mais engraçado é englobarem todas a versões do OS X em “Apple OS X” quando são cerca de uma dúzia e no entanto separam as versões Windows. Não ficava nada bonito Windows com mais de 1160 vulnerabilidade e OS X com apenas 384. E definitivamente, o android por ex. entre outros, não estão aqui representados com todas as vulnerabilidades detectadas aqui contabilizadas.

    • Paulo Martins says:

      Percebo o que dizes mas muitas das vulnerabilidades do Windows são comuns a todas as versões, por exemplo das

    • Miguel Sousa says:

      Só uma dúzia?
      Da última vez que vi o IOS já levava mais de 8400000000 versões. Só a última versão já ultrapassou os 3 milhões de versões desde que foi lançado. Tanto que tiveram de extender para mais 2 dígitos do que é costume usarem.

    • JBM says:

      também não podes somar todas as versões do Windows dessa maneira pois pelo meio haverá vulnerabilidades comuns a todas.

  13. Spike says:

    Pergunta: Esse Internet Explorer engloba o Edge ou o Edge nem sequer aparece nesse Top50?

  14. Wistfultale says:

    Ainda falta muito tempo para o dia 1 de Abril… Já fui utilizador de Windows e fartava-me de ter problemas do tipo “viroses” e coisas do género. Desde que troquei os meus equipamentos todos para Apple nunca mais me preocupei com isso, fala-se tanto em vírus e tal e até hoje ainda não fui infectado com nada. Quão engraçado, não?

  15. JBM says:

    Continuam a perpetuar a ideia falsa de que esta base de dados recolhe todas as vulnerabilidades de todos os sistemas. A base de dados só recolhe aquilo que é apresentado publicamente por outras entidades, sendo que, por exemplo, no sistema Android até há pouquíssimos meses a maioria delas passavam despercebidas por não haver uma entidade a fazer a recolha pública sistemática dessa informação ou das correcções feitas, ao contrário do que se passa há muito tempo com os sistemas da Apple e da Microsoft.
    Também confundem número de vulnerabilidades com nível de insegurança.

    • Pedro Pinto says:

      “Continuam a perpetuar a ideia falsa de que esta base de dados recolhe todas as vulnerabilidades de todos os sistemas. A base de dados só recolhe aquilo que é apresentado publicamente por outras entidades”
      Não vejo outra maneira de o ser. Uma vulnerabilidade só existe quando é conhecida.

      “Também confundem número de vulnerabilidades com nível de insegurança”. Não é uma relação directa, mas se é vulnerável é inseguro.

      • JBM says:

        Não vês outra maneira? Quer dizer que se não recolher a informação para determinado sistema esse sistema tem automaticamente menos vulnerabilidades e deve ser apresentado como mais seguro? Mesmo sabendo que periodicamente há correcções mas não classificam a quê? Mesmo sabendo isso, mesmo sabendo que se está a comparar dados que não dá para comparar a única maneira para ti é comparar?
        Mas não estás simplesmente a dizer que é inseguro, estás a dizer que é o mais inseguro, ignorando a gravidade das vulnerabilidades e o tempo que essas vulnerabilidades permanecem e são aproveitadas!

    • JBM says:

      Isto sem falar que as vulnerabilidades contabilizadas para os sistemas da Apple apanha todas as versões e inclui também as vulnerabilidades associadas a algumas aplicações, como o browser, coisa que nos outros sistemas aparece à parte, e separados por versão (ex: Windows)

      • Miguel Sousa says:

        Ou não sabes ler ou nem a mentir te safas.
        Sabes o nome do browser da Apple? Ou só o usas e achas que é parte do IOS ou MACos e nem sabes que tem um nome próprio? (sim, é tão bom tão bom que é parte do sistema…)
        O browser da Apple chama-se Safari. E está ali na lista em 19 lugar. Ou estavas a pensar que o Safari era alguma aplicação que te pode levar ao Quénia sem saires do sofá?

        • JBM says:

          Vou tentar ser o mais claro possível. Podes contar pelos dedos das mãos o número de vulnerabilidades que aparece na lista do Safari que não aparecem igualmente noutras listas de sistemas da Apple (iOS, OS X, TvOS) pois a Apple identifica quase todas as vulnerabilidades como sendo do Webkit que é uma parte integrante do sistema, colocando-as como vulnerabilidades do iOS, OS X, TvOS, Safari, iTunes, etc de acordo com o aplicável.
          Vai ver as listas e vê se não é verdade – muitas das vulnerabilidades na lista do Safari começam com “WebKit in Apple iOS” e o seu número aparece no iOS.
          O mesmo já não se aplica nos outros sistemas.

  16. Bónus says:

    Somando as vulnerabilidades de todas as versões do Windows, são no total 1005!
    Muito à frente de qualquer outro sistema.

    • rand says:

      Não te esqueças que tens que excluir as vulnerabilidades partilhadas entre versões.

      De qualquer maneira separadas por versões do SO na minha opinião faz mais sentido, é pena que (pelo menos na lista aqui mostrada) Ubuntu, OS X, Android e mesmo o Office não tenham também tido uma separação por versões.

    • Random says:

      Amigo, o que interessa é as vulnerabilidades do Windows mais atual, e agr vê lá onde está a posição do Windows 10…
      Mais, relembro te que o windows é o sistema mais popular e tem muitas mais linhas de código ( mais passível de ganhar vilnerabilidades) que um browser por exemplo.

  17. João Pedro says:

    Podiam esclarecer um pouco melhor os critérios de como obtiveram esses dados? Questiono isto pois só fazer referência à entidade de origem mas não aos dados concretos nem modo de obtenção dos mesmos.

    Fico intrigado como é que faço pesquisas pelos OS da Apple e Android e os dados mais recentes são provenientes de 2014, sendo o SO mais actual OSX com dados o Mavericks aparentemente sem qualquer actualização. Parece-me que a actualização de dados por produto não é transversal. Android não encontro referências à parte do 2.2 e 2.3 por exemplo.

    Em relação aos números que apresentam. Temos por exemplo duas indexações de vulnerabilidades do Android (2.2 e 2.3) e dez referentes ao iOS (iOS 4 à 8) mais cinco que representam dispositivos Apple móveis, o que perfaz 15 (onde como por referirmos SO e HW como fontes diferentes, temos repetições) contra 2 da Google.
    Isto quer dizer que para obterem as grandezas numéricas que apresentam somaram os hits de vulnerabilidades do Android 2.2 e 2.3 contra os da Apple (iOS 4, iOs 4.2.10, iOS 4.3.0, iOS 4.5, e por ai adiante)?

    Resumindo, os dados que apresentam são mesmo de software Apple lançado em 2015?

    Obrigado pelo eventual feedback.

    • JBM says:

      os dados do Android simplesmente não são comparáveis. Ao contrário do Microsoft e Apple, no Android não tem havido uma recolha muito sistemática e permanente das vulnerabilidades no sistema, havendo muita informação que fica escondida pela Google.
      E depois existe também algumas diferenças quanto ao que é contabilizado em cada sistema. Os números para os sistemas da Apple incluem também vulnerabilidades de algumas aplicações como o browser, coisa que aparece à parte nos sistemas da Microsoft e da Google.

      • Daniel says:

        Pelo contrário, as equipas da Google têm feito sempre full disclosure das vulnerabilidades nos seus sistemas, e têm irritado imenso a Apple ao fazer disclosure também das da Apple quando esta tenta esconde-las (como aconteceu em Janeiro do ano passado, com 3 vulnerabilidades severas no Mac OS X). Não esquecer ainda que a Google paga pelo pessoal encontrar vulnerabilidades nos seus produtos (Android, Chrome, Chrome OS, etc), pelo que é dificil manter essas “escondidas” também. Para não falar que tanto o Chrome, Chrome OS e o Android são projectos abertos, todos têm acesso ao código e conseguem ver os commits que foram feitos, é extremamente difícil (impossível) corrigir algo e que não haja alguém que consiga escrutinar.

        Por isso, não, não há absolutamente nenhuma vulnerabilidade que a Google consiga “esconder informação”.

        • JBM says:

          não digas coisas que não sabes!
          Vai ver a lista de vulnerabilidades publicada nesta base de dados e verás que até há poucos meses basicamente todas as vulnerabilidades eram reportadas por terceiros e quase nunca a Google identificava publicamente as correcções de segurança que fazia. Só agora é que há uma entidade que parece ligada à Google que anda a catalogar as vulnerabilidades corrigidas do Android.
          Quanto à Apple, ela publica todas as vulnerabilidades que corrige no seu software, não esconde nada. Vulnerabilidades ainda não corrigidas é óbvio que não as divulga.
          Se a Google paga pelas vulnerabilidades é a Google que decide como as comunicar publicamente, sendo que este é até um bom exemplo de muita informação que a Google tem retido para si não aparecendo publicamente.
          Os commits no código não servem para identificar vulnerabilidades encontradas, nem elas se tornam óbvias pelas mudanças feitas ou justificações dadas; nem são usados por esta base de dados.
          E o Android não é só código aberto.

          • Daniel says:

            Aparentemente o único que explana a sua ignorância é o JBM. Vai ver quem reportava as vulnerabilidades e depois vai ver onde trabalham… ah, giro não é? Perdeste uma boa oportunidade para ficares “calado”.

          • JBM says:

            daniel,
            até final de setembro de 2015 quase nenhuma das vulnerabilidades do Android nesta base de dados era reportada pela Google, vinham de outras e variadas fontes sem sistematização, e foi a partir daí que elas apareceram em catadupa.
            Pega nos anos anteriores e verás melhor a discrepância entre as vulnerabilidades indicadas nesta base de dados e o lançamento de updates com informação de correcções de segurança pela Google (sem que ela indique a quê).

          • Daniel says:

            E continuas a dar mostras da tua ignorância… fizeste o que te disse?

            E Setembro de 2015? Sério?! Sabes que existe o Google, um motor de busca? Quando não se sabe algo procura-se, não se atira postas de pescada para o ar a julgar que são aceites como verdades sem serem confirmadas… ora tenta lá de novo.

            Vê no CVE a secção de patches, e vê desde quando são declaradas pela google (na verdade desde quando é que eles começaram a fazer tracking)… Pois é… Mas isso é só o começo, tens também o full disclosure the todas as vulnerabilidades encontradas, tanto pela google como por terceiros. É giro não é? Atirar postas de pescada para o ar dá nisso, quem realmente saiba do que fala facilmente mostra o teu (não) argumento pelo que ele é.

          • JBM says:

            em vez de dizeres baboseiras deverias ler as referências das vulnerabilidades apresentadas nesta base de dados e quem é que catalogou para a base de dados. Até Setembro de 2015 quase nenhuma delas era enviada para esta base de dados pela Google.
            E se te deres ao trabalho de ir mais a fundo vais ver que é nessa altura que a Google fez mudanças no site de informações de segurança para o Android, passando a caracterizar a fundo os updates de segurança e dando-lhes identificação CVE.
            ex: source.android.com/security/bulletin/2015-12-01.html

    • JBM says:

      os dados do Android simplesmente não são comparáveis. Ao contrário do Microsoft e Apple, no Android não tem havido recolha muito sistemática e permanente das vulnerabilidades no sistema, havendo muita informação que fica escondida pela Google.
      E depois existe também algumas diferenças quanto ao que é contabilizado em cada sistema. Os números para os sistemas da Apple incluem vulnerabilidades de algumas aplicações como o browser, coisa que aparece à parte nos sistemas da Microsoft e da Google.

    • Miguel Sousa says:

      A Apple apresenta as falhas que foram corrigidas. Mesmo na última versão do MacOs já existem mais de 500 registadas e reconhecidas mas, ainda não estão apresentadas, porque não foram resolvidas. No caso da Microsoft eles apresentam as que vão sendo validadas por várias fontes diferentes (umas corrigidas outras não).
      Pelo site da Apple aquelas não existem e na maioria dos sites não as vais encontrar (ou aparecem como reportadas e não validadas pela empresa).
      No caso dos browsers é mesmo pela base de dados de registos de vulnerabilidades. Também aqui, a Apple tem uma vantagem gigantesca, pois o Safari tem 5 barreiras defensivas (dai ser o pior browser do mercado, pois uma delas é adware e seria punida se estivesse associada a outro browser), enquanto que os outros costumam ter 2 a 3.

  18. jsp says:

    O artigo fala em vulnerabilidades dos sistemas nao fala quem tem mais virus ou malwares ou etc o pessoal comenta e nem le o artigo…
    Esta historia que não apanha virus em sistema X,Y e Z eu não acredito, o pessoal ate mais intendido do que eu sabe muito bem que basta ir a sitio certo e que apanha virus seja em qualquer Sistema mas á pessoas que não intendem.
    Outra coisa, BOM antivírus é mesmo a própria pessoa, vejo pessoas aqui a se queixar que apanham vírus seja no windows ou android ou outro qualquer, eu fico a imaginar em que sites vocês andam ou andaram e o que instalaram e começo a rir. Desculpem lá mas são ingénuos

    Resto de Bom feriado.

  19. Rui says:

    Posso até estar enganado, mas enquanto o MAC OSX tem as vulnerabilidades todas juntas, os sistemas operativos da MS estão separados por versões.
    Espero que o autor da tabela tenha pensado nisto..

    • Douglas Ferreira says:

      Exatamente, tem muita gente que usa versões mais antigas do OS X, que talvez tenham apenas uma dúzia de problemas. Gostaria de ver uma planilha que mostrasse as vulnerabilidades de cada versão do OS X separada. Outro erro é onde diz que, em termos de marca, a Apple tem mais vulnerabilidades que a MS: queria saber onde 1147 é maior que 1561?

  20. Sir says:

    Tenho reparado que a pplware nunca tem artigos positivos sobre a apple? Sera assim a apple tao horrivel. E a microsoft tao magnifica? Isencao jornalistica agradece-se.

  21. Boss says:

    Isto é um fartote de riso ao ver os iCegos a negar dados concretos “porque a mim nunca me aconteceu nada” 😀
    iNsegurança!!! 😀

  22. David Ramos says:

    Eu como utilizador de IOS e outros SOs acredito neste estudo. Apple continua a ser marketing. É como conhecer alguém e parecer espetacular e passado um tempo ficar desiludido…

  23. J says:

    Isto é apenas ignorancia… sendo que juntarem todos os iOS e mac os em um sistema apenas, não tem sentido… E visto que o mundo do Jailbreak basea-se na ideia de encontrar falhas ou supostas falhas para efetuar o mesmo.. sendo por isso muitos mais bugs encontrados… não que sejam falhas graves mas sim uma falha para explorar o sistema root.

  24. sakura says:

    essa lista é importante nas não pela segurança pq se há updates no problema…..

    isso da a MS AAA a nivel se Bom software, mas quando estava no top o software era mais seguro que muitos……. update…update…update. in linux Rolling release.

  25. Homo Erectíssimo says:

    O JRE(o Java),da Oracle,na 29ª posição,e tanta gente fala mal dele ?? Custa a acreditar.Até pensava que estaria no Top 5,mas afinal…. 🙂 🙂

  26. João says:

    Lá se vai o mito 😀

    • JBM says:

      isto é antes o perpetuar de más informações. Usam uma base de dados com informação de cada sistema obtidas com metodologias diferentes, o que implica que comparam algo que não dá para comparar. E o engraçado é que basicamente todas as vulnerabilidades para o iOS e OS X estão corrigidas e os seus utilizadores protegidos por se manterem actualizados, enquanto que no Android a maioria continua com aparelhos desactualizados e desprotegidos.

  27. Marco says:

    Em primeiro lugar quero esclarecer que não sou, como se costuma dizer, fanboy da Apple. Aliás, nunca comprei nada da tal marca. Mas vejamos pela positiva: Foram encontradas todas essas vulnerabilidades que, em princípio, terão sido resolvidas. Quantas da Microsoft e outras empresas estarão escondidas à espera de ser encontradas? Ninguém sabe até o dia em que se dê por tal da pior forma.

  28. Douglas Ferreira says:

    Não entendi… O Mac OS X aparece unificado – não distingue as versões – mas o Windows mostra todas as versões suportadas atualmente independentes. Se somar as vulnerabilidades de todas as versões do Windows verá que dá um total maior que o Mac OS X.

    Outro detalhe é que, quando se compara por marcas, diz que a Apple é a que tem o maior número de vulnerabilidades, 1147, enquanto o Windows está em terceiro com 1561?

    Vou dizer o que acho, a verdade está manipulada para conseguir audiência. Basta analisar os números

  29. Diogo says:

    Em primeiro lugar queria desejar um bom ano de 2016 a toda equipa do pplware e a toda gente. em segundo lugar queria dar os parabéns à equipa do pplware pela isenção e profissionalismo por todo o trabalho feito.
    então meninos da apple? vocês nem querem acreditar e dizem que é impossível. lol. estão a ver que os sistemas da apple não são seguros como vocês diziam. e por sinal o software open source foi o mais bem sucedido. lol

  30. Xico says:

    O lado positivo é que a Apple continua em 1º…. mesmo que seja em vulnerabilidades XD

  31. Observador says:

    Qualquer técnico informático com bom senso sabe que não existem sistemas nem aplicações perfeitas e haverá sempre vulnerabilidades a serem descobertas, mas o importante é que as empresas corrijam rapidamente essas vulnerabilidades ou indiquem soluções para os utilizadores. A NVD (National Vulnerability Database) é uma das entidades mais conceituadas na divulgação de vulnerabilidades e, quem esteja na área de segurança informática de certeza que conhece muito bem este site. Como já foi dito anteriormente, será necessário não confundir vulnerabilidades com malware e convém entender que a lista apresentada apenas refere a quantidade de vulnerabilidades identificadas, mas deverão ter em atenção que grande parte delas recebeu fixes de correção. Seria conveniente que os leitores deixassem o fanatismo e tivessem um pouco mais de bom senso antes de criticarem a Pplware por publicar um artigo sobre vulnerabilidades e talvez fosse mais interessante irem consultar a informação disponível no NVD, sobre as vulnerabilidades dos Sistemas Operativos que cada um utiliza e verificar se já instalaram os respetivos “patches” de segurança!

  32. Puffy says:

    Os cães ladrão e a caravana passa…
    Feliz 2016

  33. Joao Costa says:

    Vulnerabilidades e teorias à parte: nunca tive problemas no meu mac ao contrário do Windows.. Já tive um sistema sem formatar durante 7 anos sem qualquer problema e no Windows nunca consegui mais de 2.. Abordando a parte móvel: Se considerar que algumas dessas ditas vulnerabilidades é o q permite jailbreak no iOS por mim está óptimo, aos restantes aconselho a mudarem para sistemas mais fiáveis/seguros e menos vulneráveis para ver se a Apple deixa de ser a marca que faz mais dinheiro do mundo e se consigo comprar os produtos deles mais baratos no futuro…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.