PplWare Mobile

Sondagem: Deveria o Estado Português adotar Linux nos serviços públicos?

Outras sondagens já realizadas


Marisa Pinto

Editora no Pplware e psicóloga de profissão. Desde cedo que a tecnologia é uma paixão, interessando-se em particular com o impacto que esta tem na nossa vida e nos comportamentos que as pessoas adotam nas redes sociais.

Destaques PPLWARE

104 Respostas

  1. Nuno says:

    que vantagem traria o Linux?

    • José Maria Oliveira Simões says:

      Muitas vantagens, a começar por : Corte nos custos em licenças. Utilização dum sistema operativo muito mais eficiente. Computadores mais rápidos.

      • SXAC says:

        Vai ler sobre o Linux em Munique…

      • Pedro says:

        O corte nos custos é relativo, não paga licenças por ser “gratuito” mas paga avenças à empresa que instala e gere os sistemas (faz geralmente parte do contrato como salvaguarda), mais eficiente até ao ponto em que se tenha de usar os leitores de cartões de cidadão e códigos de barras, etc em que a maioria nem drivers para linux devem ter, e softwares que não vão correr em máquinas fora de ambiente MS. Mais rápidos é irrelevante, ninguém no setor publico procura tempos de boot ou benchmarks e as aplicações que são fora de browser são básicas o suficiente para correr em máquinas simples.
        Aliando isso à formação (ou falta dela) do sistema operativo, e ainda pior, transição de MS Office para um LibreOffice ou algo parecido iria gerar muita dor de cabeça.

        Apenas se justifica em servidores, mas nesse campo já é usado.
        Mais depressa se podiam preocupar em trocar os monitores CRT de 20anos que ainda correm em muitos locais a derreter os olhos de quem lá trabalha do que computadores “mais rápidos” e “sem licença”.

        • Pedro says:

          O que o estado paga em licenças vai para o estrangeiro, o que paga em manutenção, instalação e formação fica em Portugal e gera emprego especializado.
          Quanto à incompatibilidade de software específico hoje utilizado, o estado está obrigado a carconçar publicosregúblicos ularmente para renovar ou adquirir licenças, assim, basta pedir compatibilidade e mais uma vez favorecería empresas portuguesas de desenvolvimento. Quanto à maior rapidez, a importância é grande já que isso possibilitará aumentar os tempos de troca de computadores novos reduzindo custos e evitando comprar produtos importados.
          Essa é uma daquelas questões que nem é preciso cérebro para decidir. No entanto como os políticos têm medo, são ignorantes e tem possivelmente benefícios de outra natureza, cedem ao único argumento pro Windows, sap etc que o de ter a quem passar responsabilidades. É uma pena…

          • Luis Borges says:

            +1

          • João Figueira says:

            “O que o estado paga em licenças vai para o estrangeiro, o que paga em manutenção, instalação e formação fica em Portugal e gera emprego especializado.”
            Do ponto de vista da empresa o que preferes pagar a 2 funcionários e licença de software e ter um ambiente relativamente tranquilo (há sempre alguma chatice em todos os ambientes), ou ter software de borla e ter um batalhão de gente especializada a fazer helpdesk (sabes o rating para o sys admin unix/linux)?

        • Filipe Simões says:

          Além de todos esses custos, há outros escondidos, que são possivelmente os piores. Os custos de migração. Não será de forma alguma fácil a migração de tudo quanto serão dados, plataformas, estações de trabalho. Alguém pretende ou gostaria de ficar algum tempo sem acesso a algum dos serviços do estado, ou, ao invés, ter de andar a verificar dados em duas plataformas até toda a migração estar concluída?

          Não é impossível, mas não é fácil. Além disso, há que reconhecer o melhor de cada uma das tecnologias. Em termos de serviço de directório, o Samba (ou qualquer outro) estão a anos luz da Active Directory da Microsoft. Esta é sem qualquer dúvida a melhor infraestrutura e, mesmo o sistema de ficheiros NTFS é também (opinião pessoal) melhor que qualquer um dos sistemas de ficheiros do Linux.

          Reconheço que o Linux tem tido uma grande evolução na facilidade de uso, mas desengane-se quem julga que será fácil para uma pessoa de 50 anos que sempre usou determinado sistema de determinada forma e que teria de mudar para Linux. Simplesmente não seria fácil e se as filas nos serviços públicas já são inconvenientes, passariam a ser bem mais que incomodativas durante muito tempo.

          Não vejo com bons olhos uma migração para Linux só porque alguém que dificilmente está por dentro das questões técnicas e não vê todo o quadro de custos entende que sim. Obviamente esta será sempre uma decisão política, mas, como todas as outras deviam ser, mas imperativamente terá de ser uma decisão informada.

          PS- Não sou nenhum Microsoft fanboy.

          • José Maria Oliveira Simões says:

            Custos escondidos, com o rabo de fora.

            Tenho por experiência própria que é mais fácil usar e abusar do Linux do que do Windows. O Windows é uma dor de cabeça e muito propenso a problemas. Vaí daí, nós os técnicos de informática da Camara Municipal de Lisboa, preferimos de longe trabalhar com Linux.

            Eu fiz , e os meus colegas, a migração do sistema da IBM para Windows e para Linux. Temos virtualização em VMware de Linux e Windows. Temos na Camara Municipal de Lisboa conhecimentos técnicos e experiência. Não é preciso comprar fora. Temos internamente o know How. Trabalhamos com Windows e Linux. Eu prefiro o Linux, dá menos chatices. É o sistema que se monta e se deixa que fique a trabalhar.

          • FuckTh3S1$t3m says:

            “mesmo o sistema de ficheiros NTFS é também (opinião pessoal) melhor que qualquer um dos sistemas de ficheiros do Linux.”

            Vou fazer de conta que não vi a barbaridade que acabei de ler. HDD fragmentado no Linux? Ficheiros corrompidos? Com o passar do tempo o PC fica + lento? Não é Ext* de certeza.

            https://unix.stackexchange.com/questions/55496/why-ext4-file-system-is-better-than-ntfs

        • Filipe says:

          A maioria dos leitores de barras ou de cartão de cidadão funcionam em linux.

          A dor de cabeça no LibreOffice, passa pela aceitação dos utilizadores.

          Toda uma geração, que só conhece os produtos Microsoft não vai mudar ou aceitar outro software sem o devido acompanhamento.

          Os lobbies das software house, sim esse é o verdadeiro problema.

          Por fim, a formação de grande parte dos profissionais de programação, ainda na universidade e elaborada em ambientes Windows e sobre plataformas Microsoft.

          Depende desta geração formar e dar meio à próxima geração para mudar este paradigma.

        • Carlos says:

          Boa tarda @Pedro, os custos de migração seriam mínimos, sabes que hoje as plataformas do Estado Português são quase todas web based, portanto nem aí vejo qualquer problema , quanto a formação para trabalhar num novo sistema operativo na BASE DE UTILIZADOR é quase inexistente, eu penso que muitos que aqui dizem cobras e lagartos do Linux , nunca experimentaram uma distribuição actual , olha experimentem o MINT que nem têm de instalar codecs nem coisa nenhuma é instalar e está tudo a bombear , a maior parte das impressores é plug e play e o resto dos periféricos é tudo sem espinhas .

          Esta história da formação num sistema operativo na base de utilizador é uma autentica farsa , as distribuições modernas de Linux mesmo para quem não vá só usar na base de utilizador são muito intuitivas, o sistema é fiável e menos exigente com o hardware e permitiria ao Estado Português poupar imenso dinheiro para aplicar na Educação ou na Saúde dos Portugueses .

          Não percebo este fetich que existe com a Microsoft, então quando saiu o Windows 8 foi um aqui Del Rei , não teve na altura adaptação , aí teve mesmo …. certo ?! … depois lá foi lançado o 8.1 que já colocava o botão de iniciar e as coisas ficaram ainda melhores com o W10 que considero o melhor sistema operativo que a Microsoft fez até hoje, mas isso não quer dizer que o Linux não tenha evoluído e muito e que hoje a história do terminal que mete medo a tanta gente está tão mal contada que o que posso dizer é que hoje não é necessário recorrer ao terminal , só em situações em que o próprio W10 ou o MacOS também necessitam ou seja situações muito, mas mesmo muito residuais .
          Portanto eliminando as questões de compatibilidade escritas logo no primeiro paragrafo só não percebo é o que o Governo Português está há espera os empregos criados em Portugal seriam certamente superiores aos que a Microsoft emprega hoje e isto num cenário em que a Microsoft encerrasse a delegação Portuguesa que acho que nunca estaria em causa, algumas reduções de pessoal , mas nunca encerrar .

      • AqueleGajo says:

        E depois olho para outras despesas do estado ou das camaras e penso porque raio me preocupo. (ou para os impostos que pago).

      • Bruno says:

        O dinheiro que iam poupar nas licenças iam rebentar noutro sitio. Nem que fosse nos “prémios” e reformas daqueles que tanto ganham.

    • Aj says:

      O realpoder de compra do estado

    • Daniel says:

      Só de não ter que pagar nada pra mercenária da M$, já é um baita alívio.

  2. nkp says:

    e o pplware???

  3. ACS says:

    Ia custar milhões ao estado em formações, manutenção de software e em caso de merda não podemos processar ninguém porque linux é free…

    • Nelson Carvalho de Jesus says:

      Boas. O custo em formação depende da área de implementação, já que grande parte dos servidores atendimento ao público são feitos por meio de um navegador e aí já sabem utilizar. O problema é gerir aplicações específicas, mas nem.deve ser tão problemático assim. É tudo uma questão de vontade é ir contra os interesses/amiguismos instalados.

    • José Maria Oliveira Simões says:

      Milhões em formação para ensinar as pessoas a trabalhar com o rato… LOL

    • Luis Borges says:

      Tb nao podes processar a Microsoft pelo Windows.. .que ‘e pago… Eles simplesmente nao assumem responsabilidades pelos sistemas. Esta’ no contrato. Convem ler antes de dar “seguinte” ou “aceito”.

  4. LAFB says:

    Sondagem pertinente? Isto é uma sondagem completamente despropositada, ainda que as questões não esclarecem se a adopção seria nível de servidores ou desktop’s, para quem não sabe a administração publica utiliza sistemas Linux maioritariamente ao nível de sistemas servidor, agora ao nível do desktop seria um retrocesso enorme… basta olhar para o exemplo da cidade de Munique.
    https://tecnoblog.net/228785/munique-linux-migrar-windows-10/

    • José says:

      Em Munique houve retrocesso porque a Microsoft abriu lá um centro tecnologico e o Presidente da câmara de Munique que poderia ser primo do Isaltino, recebeu umas belas massas para nao avançar mais com o Linux e voltar a pôr o Windows.

    • Carlos says:

      LAFB, Boa tarde, sabes que o caso de Munique não foi causado por nenhum caos, foram de facto interesses e também porque Munique decidiu implementar a sua própria distribuição baseada em Open Suse e parece que as actualizações foram ficando esquecidas ou por falta de vontade politica ou por outros problemas que nunca saberemos ao certo, mas na verdade foram mais de 10 anos em que o sistema funcionava e não existiam filas ou problemas graves que tenham levado a migração o que foi dito é que a Microsoft iria aumentar a produtividade, mas eu não vou opinar porque não conheço a realidade de Munique nem quero estar a levantar problemas que não tenho provas , mas o que te posso dizer é que já depois dessa noticia sobre Munique, surgiu a de Barcelona que vai adoptar o Linux, e não me parece que esta situação não tenha sido discutida no que respeita há infraestrutura que se deve criar.

  5. Reparo says:

    É um sim óbvio mas não só Linux, deveria ser Linux e só serem utilizadas aplicações open source em serviços estatais. Falamos de dados confidenciais e de segurança nacional, é uma atrocidade o que se verifica atualmente de se estar a utilizar um sistema operativo proprietário, com a agravante de ser público que esse sistema operativo faz recolha de dados.

    • Carlos says:

      Verdade, estou farto de escrever sobre este tema , parece que andamos adormecidos e que o papão só vem do lado da China, mas não vem só daí e como hoje se pode verificar as alianças já tiveram melhores dias, e de facto vários Países EUROPEUS já escolheram para os seus docs o formato open source e por uma simples razão , o código está publicado é PÚBLICO portanto chantagens nunca teríamos e claro toda a questão da privacidade de cada Estado que se fala pouco , porque não interessa, mas essa é tão ou mais importante que a privacidade de cada um dos cidadãos.

  6. Luís says:

    Já fui a uma junta de freguesia e tinham 2 Ubuntus a rodar naqueles pc para os utentes navegarem na web, procurar ofertas de emprego etc. Algumas licenças a menos! Neste aspecto sim, administrativamente não.

  7. Fábio says:

    Vantagens do uso de linux, o estado pouparia com licenças com o Sistema Operativo (em teoria pelo menos).
    No entanto, o estado não está a renovar os computadores todos a cada ano que passa e obviamente tem outras vantagens em usar Windows.
    – A interface é mais intuitiva;
    – Decorar alguns comandos do terminal/consola para quem após 30 anos de serviço ainda precisa de olhar para o teclado para saber onde estão as teclas, é uma tarefa impossível;
    – Vários milhões gastos em formação;
    – Licenças para novos softwares semelhantes aos já utilizados e compatíveis com linux (nem todo o software para linux é livre);
    – Investir na portabilidade do software utilizado que tenha sido criado para Windows;
    – Investir em plataformas/serviços web (que embora seja o futuro, muitas delas ainda não estarão planeadas e o investimento imediato seria incomportável);
    – E será que o estado adotaria soluções como OpenOffice ou LibreOffice;

    • lmx says:

      A maioria das complicações que colocas não são reais, para o operador..
      O Utilizador abre os programas que precisa e trabalha neles…
      Não mexe no resto do SO, ou seja usa 10% das features, e essas são as aplicações especificas para a sua actividade..

      A Equipa de Sistemas/Aplicacional por trás é que tem a obrigação de prestar assistência, tal como com windows.

      Soluções apenas possíveis para o parque antigo, que correm Win XP, devem ser migradas aos poucos.

      Novas implementações de softwares etc, podem ser adquiridos, com soluções actuais recentes, para Linux, na medida do possível.

      Ou seja seria um misto de soluções.
      Isto pode ser implementado por fazes.

      Exemplo,
      Quando o Campus da Justiça foi criado em Lisboa…era uma boa oportunidade para fazê-lo, era do zero sem adaptações…

      Em relação ao Office…
      O Formato padrão do Estado é o Open Document Format 2.0,
      O LibreOffice é o mais evoluído nesse formato, o formato cresceu precisamente no LibreOffice.

      • Fábio says:

        Claro que são problemas reais!
        Sem saber os comandos básicos de Linux, como é que eles vão conseguir instalar o Solitário? x’D
        É óbvio que teria de haver um esforço enorme no desenvolvimento da UI, tal como existe esse esforço em ambiente windows, já não estamos no tempo em que tudo se faz no terminal/consola, não invalida a necessidade de formação, quer na utilização básica do SO, quer em comandos que possam ser necessários e tudo isso traz custos.
        Soluções que corram apenas em sistemas windows não podem ser migradas aos poucos.
        A partir do momento que se adopte linux, as mesmas tem que estar prontas a ser utilizadas, ou seja:
        – É necessário criar o novo software para linux ou em Cloud *aaS (mais provável, mas com riscos acrescidos);
        – Ao mesmo tempo, não podemos esquecer que muitos destes softwares tem desenvolvimento constante, novas funcionalidades, correções, adaptações para novos requisitos (ou a dispensa destes), etc.;
        E tudo isto tem de ser desenvolvido 2x até que a nova solução seja lançada.
        Quantos anos temos aqui e quanto investimento?
        Não sei, mas provavelmente muito (em ambos).

        Pode sim ser tudo implementado por fases se (descontando os sw que tem já portabilidade ou sw que seja facilmente substituível), tudo o resto necessário for desenvolvido em Cloud *aaS e apenas depois de ter tudo desenvolvido, passar para linux.

        Claro está que nem todas as funções requerem (todos ou) os mesmos sw, pelo que, à medida que todos os sw para um determinado departamento/função estivessem desenvolvidos e prontos a utilizar, poderiam adotar linux (aí sim, seria faseado).

        Mas tudo isto é dispendioso e eu pergunto (completamente alheio ao assunto):
        Não ficará mais caro para o estado os encargos com serviços cloud em vez das licenças (que apenas renovadas aquando da substituição dos equipamentos, mais coisa menos coisa)?
        Tanto quanto sei, não é barato e, uma coisa é obter dados de uma BD centralizada, outra coisa é ter serviços a correr na nuvem que exigem muito mais poder de resposta…
        +RH.

        Quanto ao formato padrão utilizado pelo estado em documentos de texto, desconheço, não sei onde viste isso, mas faz sentido se pensarmos em documentos que são gerados automaticamente.
        Não faz sentido quando nos computadores o sw instalado é o MS Office.

        • Daniel says:

          Pelo visto nunca usaste uma distro amigável ao utilizador.

        • Carlos says:

          Lé o meu comentário acima de resposta ao @Pedro, não tens de usar consola para NADA isso é só um mito e também culpa de muitos youtubers que gostam as vezes de mostrar que sabem e que começam a mexer na consola , mas não necessitas da consola em 99,9% das situações nas distribuições actuais como o Ubuntu ou Mint etc .

        • FuckTh3S1$t3m says:

          Uso Debian SID há 3 anos… apenas Debian, nada mais.
          Faço tudo o que fazia no Window$, já fazer tudo que faço no Linux no Window$ acho que vou morrer antes de chegar esse dia.
          E jogo PES17 (Não jogo o 18 porque não tenho gráfica para isso), FM18 e CSGO… no Debian.
          As pessoas não mudam porque vivemos num país de “Marias vão com as outras, tu tens Wundow$ eu também quero!”
          Porque quem quer 1 sistema perto de perfeito, que faça APENAS o que o user quer, escolhe linux. Não digo Debian, digo Linux porque são algumas centenas e cada 1 tem os seus gostos.

    • José Maria Oliveira Simões says:

      O que o Estado iria poupar em licenças, dá para investir na transferência dos sistemas do Windows para o Linux. Estamos a falar de valores com muitos números. No final, a poupança daria para investir e ainda ia sobrar.

      • Fábio says:

        No estado não se troca de computador dos os dias.
        O SO Windows XP já saiu há uns 16(?) anos e ainda é utilizado em alguns sectores, precisamente para poupar custos com licenças, manutenção, atualização de softwares, etc.
        Portanto a história dos custos das licenças para os SO não está bem contada.

        • José Maria Oliveira Simões says:

          Eu instalei o linux num velhinho e decrepito Pentium VI com uns fabulosos 720 Kbytes de RAM para ter um scanner em rede . Por sinal, em windows XP o scanner não funcionava , por falta de memoria. No Linux , não tive problemas na instalação. Software free, zero custos em Licenças, a rodar num computador já com uns anitos … Menos um PC encostado às boxes. Resumindo e concluindo, assim, não foi preciso comprar um scanner novo e ainda se aproveitou hardware que de outra maneira era para ir para o lixo.

  8. Altino says:

    depende dos serviços publicos. migração semi parcial po Ganoo/Shittux traria algumas vantagens.

  9. Carlos says:

    Era necessário um investimento que provavelmente nem daqui a 50 anos teria retorno…

  10. poiou says:

    Servidores podia ser, e certas máquinas (tipo os ecrãs das senhas) também, agora computadores podia ser complicado e caríssimo.
    Já agora a mudarem, quase que apostava que seria ubuntu ou redhat.

  11. Américo Vicente says:

    Traria as mesmas vantagens que a NASA, Estado da Baviera, Estado da China, Parlamento francês, Google, etc., viram no Linux: estabilidade, segurança, poupança de milhões em licenças e independência face a uma empresa! Em suma, mais vantagens do que desvantagens!

    • Carlos1 says:

      Exactamente , eu penso que aqui muitas pessoas comentam e não sabem o que é o Linux e assim não vale, aliás só pode ser porque só me falam em consolas e bla, bla

  12. LAFB says:

    ainda que as questões não esclarecem se a adopção seria nível de servidores ou desktop’s, para quem não sabe a administração publica utiliza sistemas Linux maioritariamente ao nível de sistemas servidor, agora ao nível do desktop seria um retrocesso enorme… basta olhar para o exemplo da cidade de Munique que foi pioneira no uso do Linux a partir de 2003, o que se revelou um desastre, e que vai migrar para o Windows 10 substituindo completamente o Linux.

  13. Figas says:

    Linux em casa é para fins de estudo sim…para serviços públicos seria o fim do estado. Software opensource é um conceito para pequenos serviços e uso pessoal…para fins estatais é um erro tremendo.

    Software “free” jamais seria ideal, não obriga a vínculos logo não obriga a updates nem personalizações. Linux só por ser Linux, nem pensar..é uma bela comunidade mas o estado não pode pagar para ter técnicos a passear na comunidade e a demorar dias e dias para resolver erros de tudo e nada só porque sim. Isto se existir solução. O típico “formata que resolve” coloca-se mais em Linux que Windows.

    Para além do software de departamentos financeiros e demais, obrigava a refazer tudo de novo…O estado não tem dinheiro para sequer pagar um estudo de impacto quanto mais implementar. Seria preciso chamar a troika novamente. Linux é bom, sim..mas Mac Os tambem é muito bom e não é por isso que agora todo o mundo muda. A mudar o estado mudava para uma coisa mais estável.. 🙂

    • lmx says:

      “O típico “formata que resolve” coloca-se mais em Linux que Windows.”

      Este problema é um problema tipico no windows…no Linux não ha estes problemas.

  14. lmx says:

    Do meu ponto de vista, faria sentido, mas não tudo para Linux.
    Um ambiente diversificado.

    Servidores
    Frontends linux/bsd,
    backend, midlewares, etc Linux( Eventualmente algum Servidor Windows.. )

    Nos Desktops, Linux onde fosse possível, no restante Windows

    Estas medidas iriam fazer com que tivéssemos uma capacidade técnica melhorada, e mais abrangente.

    Nem consigo perceber como é que uma empresa como a Microsoft que Faz parte do programa de Espionagem PRISM, é a empresa padrão no mercado informático Estatal Português..
    Isto é, no mínimo bizarro

    • José Maria Oliveira Simões says:

      O unico problema é que o Windows usa a AD e o Linux o LDAP. De qualquer forma, pode usar o OpenLDAP e usar o Puppet para ter politicas , ou mesmo usar o FreeIPA. Haverá muito poucos sistemas que não se consigam passar do Windows para o Linux.

  15. já disse que nao digo says:

    Linux já é mais usado nos serviços públicos do que pensam!!!
    Não quer dizer que por usar Linux é freeware, o Estado não se pode dar ao Luxo de ter produtos freeware, porque quando precisassem de suporte, ninguem lhes dava.

    • José Maria Oliveira Simões says:

      Tem os técnicos. Tem os técnicos, meu caro. Não é nenhum bicho de 7 cabeças Existe know how, o suficiente, diria mesmo, para dar e vender.

  16. Nuno Silva says:

    Claro que sim, e colocar todo o código fonte no GitHub… Ups… No Gitlab!

  17. Vasco says:

    O Linux ainda não é uma alternativa real. Faltam apps e suporte a sério. E estou a falar de aplicativos de produtividade a sério. Spss, adobe, office. Qualquer uma pessoa que use um Word da Microsoft e um libre office no dia a dia, sabe que não tenho comparação possível. Editar uma imagem simples no libre office para o writer ou para o Google docs é uma palhaçada e um problema. No Word é muito simples e rápido. No meu trabalho usamos os 2 e há coisas que simplesmente não dá prazer usar o writer. Vários países adoptaram Linux a 100% e gastaram milhões a implementar e a voltar a Windows. Em alguns serviços, em algumas apps, em alguns postos aceito que coloquem open source, mas implementar linux a 100% é um retrocesso e um investimento sem necessidade.

    • Samuel says:

      Quanto as apps existe o WINE. E quanto ao suporte existem equipas nacionais e locais no Ubuntu. Portanto não existem problemas em meter o linux no governo. O grande problema é as avenças da microsoft que se vão embora.

    • José Maria Oliveira Simões says:

      Olhe que não … olhe que não, meu caro. Falo por experiência pessoal e profissional. A escolha acertada é Linux.

    • Carlos1 says:

      Desculpa Adobe ??? para gerar PDFs , certamente não para Photoshop , se é para gerar PDFs existem vários formatos open e até podes ter o Adobe free em Linux , por isso digo , voçês andam muito mal informados, e depois diz-me lá já usaste Libreoffice ??? … se usaste diz-me qual é a funcionalidade que um funcionário Público necessite de fazer que o Libreoffice não tenha .
      Obrigado

      • FuckTh3S1$t3m says:

        As “opções” não estão no mesmo sitio, e neste país basta as coisas estarem 2 centimetros ao lado que os tecnicos ficam logo todos confundidos.
        Neste pais ensinam-nos a decorar os sitios das coisas, não a fazerem e depois ouvem falar e LInux e dá nisto.

    • Daniel says:

      apps ? Oi ?

  18. Paulo F. says:

    Vejo comentários sobre office e afins que não existe compatibilidade e afins. Meus caros a Microsoft criou o Office 365 , Sharepoint porque sabe para onde caminha o mundo e que tem mais mesclado dessa forma. O OS cada vez convive melhor com o tipo de aplicações “como serviços” que correm quer em MAC quer em Linux. Portanto a pergunta agora é oportuna e faz cada vez mais sentido. Onde trabalho nesta área as necessidades das equipas levam-nos por este caminho e é uma multinacional. Os Windows têm um nível de segurança que nunca vi em mais nenhuma empresa: shares administrativos sempre fechados por defeito, sem acesso USB a não ser que seja autorizado, direitos administrativos a mesma forma. Dependendo do tipo de vírus que um computador tenha é tudo reinstalado. Segurança by design e o utilizador escolhe dependendo das funções se usa Windows, Linux ou Mac OS X.

  19. José says:

    Utilizar Linux em serviços do estado devia ser um dever ético. Deixando a parte monetária de lado. Imaginem os serviços rodarem todos em Windows 10 padrão até me dá arrepios. A quantidade de dados que a Microsoft ia obter. É dever do estado proteger a confidencialidade dos nossos dados e com o Windows 10 isso não é possivel. Mudem para o Linux em vez de para o cavalo troiano Windows 10.

    • José Maria Oliveira Simões says:

      Assino por baixo. Confirmo que Microsoft funciona de uma maneira que me leva a crer que se apropria indevidamente de informação. Em minha casa, o Windows 10 está proibido, porque a Microsoft se apropriou indevidamente de informação que estava na minha rede. Quando me apercebi, que o Windows 10 estava a varrer a minha rede e a mandar informação para a Microsoft, eu bani o Windows 10. Mudem para Linux, e assim, acaba-se com a espionagem industrial.

    • Cortano says:

      Não sabes nada de como funciona Windows Enterprise e a forma como é gerido.

  20. ricardo says:

    no meu entendimento é perfeitamente possível e viável, o estado tem um centro de informática com centenas de engenheiros que desenvolvem aplicações para uso interno, espero sinceramente que os desenvolvimentos já sejam feitos com o objectivo de serem todos em modo web e nesse aspeto linux windows ou mac em teoria tem o mesmo comportamento. a principal questão para mim é a gestão da infra-estrutura propriamente dita, como iriam ser feitos os updates? um a um? ou centralizarariam a gestão da infra-estrutura? a ideia de poupar nas licenças é interessante mas o estado é tudo menos preocupado com o dinheiro dos contribuintes.

    • Carlos1 says:

      @Ricardo , hoje os updates do W10 são uma autentica dor de cabeça até porque não os podes recusar indefinidamente, no Linux os updates são mais rápidos, mas são de facto em maior número e isso teria de ser devidamente acautelado, nesse aspecto concordo, mas a segurança dos PCs também é maior as vulnerabilidades são mais rapidamente corrigidas, existem vulnerabilidades na Microsoft que têm décadas e de vez em quando a Google lança umas bombas cá para fora, mas nada como pensar, qualquer mudança mesmo dentro da própria Microsoft se for para a versão seguinte pode já não funcionar , aliás como a compatibilidade do Office de versão para versão também tem problemas , mas para isso é que existe os departamento de TI, eu acho que quem aqui se está a manifestar claramente contra o Linux nem tem noção da manutenção que é necessária fazer nas empresas que têm W

  21. Carlos Almeida says:

    Só pensar que os trabalhadores se iriam livrar dos ecrans azuis, error xpto e actualizações que demoram 5 horas a fazer. Para termos ganhos massivos de produtividade.

  22. josé says:

    Bom dia.
    Eu gostaria de ver o estado a utilizar Linux mas nunca no modo hoje tudo Ms amanhã tudo Linux.
    É perfeitamente possível ir mudando aos poucos. Só comprar hardware compatível com Linux, deste modo os fabricantes muito provavelmente iriam produzir drivers (visão optimista) mas na minha ideia mais importante que o Linux seria acabar com o Office pois as versões free satisfazem 100% das necessidades de 90% dos utilizadores, aqui sim seria possível poupar muito dinheiro.
    Já agora porque ninguém fala da Cisco para as soluções Voip também existe solução free que funciona muito bem, até corre num Raspberry pi.

    • Bob says:

      É garantido, que ninguém ia querer o 112 a funcionar num PBX free 🙂
      Mas para muitos sistemas, é perfeitamente viavel uma solução VOIP gratuita.

      Já agora, um dos gigantes de soluções VOIP, a AVAYA, usa Redhat (penso que não mudaram), como base para as suas centrais. Que são bem caras!

      • Paulo F. says:

        Tens consciência que Avaya entrou em processo de falência há pelo menos um ano? Na multinacional onde trabalho abandonámos isso e passámos a Skype for business por essa razão.

  23. ca says:

    Já outros tentaram e voltaram para trás na sua decisão anos mais tarde. O que se tem é melhor a forma como o estado faz os contratos com a gigante Microsoft

  24. Rui says:

    Seria um disparate mudar de um dia para o outro o SO! O Linux não é assim tão barato, já que muitos programas tinham de ser feitos de novo. Parece que muita gente esquece-se ou não faz as contas de que o custo do software não vai para o SO, essa é uma ínfima parte do custo, o grosso vai para os programas que corre, e seja windows ou linux, a Função pública tem de funcionar com esses programas. O que é um disparate é achar que 100€ da licença do windows é que rouba dinheiro para outras áreas!
    Vou reduzir o problema ao ridículo, imaginando que existem 500.000 funcionários públicos, a 100€ cada licença, temos 50 milhões de euros para 10 anos…… tomara o estado só ter de se preocupar com 50 milhões de euros em software a cada 10 anos!!!!!!
    E já agora, quem é que vai formar as centenas de milhares de FP para mudarem de paradigma?

    Muito mais sensato na minha opinião, mudarem o que for possível para open source e avançar ou recuar conforme se entenda que os custos/tempo necessário à mudança são demasiado altos.
    Vão ver que o Linux ou windows não são o mais importante na equação, mas sim que recursos humanos tem o estado para trabalhar com aquele SO e os programas que eles utilizam!?

  25. Bob says:

    Ambos os sistemas têm o seu lugar.
    Do lado dos servidores, pode-se mudar com muito menos problemas.
    Escolhendo mudar às cegas, só porque a licença de desktop custa X, mas depois não têm em conta o factor humano, e o resto da tecnologia que está em uso, acaba em desastre, como já se sabe de uns bons casos.
    Mas o contrário também se pode dizer, dado que muitos países e empresas usam bastante mais linux, BSD, etc.
    Simplesmente olhar para o custo da licença, é uma clara demonstração de falta de conhecimento e experiência.
    Tentar mudar sempre no back-office, que assim o utilizador final, nunca nota diferença.
    A geração actual, já está mais habituado ao mundo Linux, e open source 🙂

  26. aybara says:

    Num mundo onde quase todas as aplicações sao web-based, nao faz sentido continuar a gastar milhoes em licenças de um sistema operativo proprietário.

    A unica coisa que neste momento um PC precisa para ser util, de um ponto de vista administrativo, é ter uma ligaçao à inter/intra net e um browser que suporte Java/HTML5.

    • Rui says:

      Era bom que isso fosse verdade.
      E já agora, já testou a net no interior do país? Agora imagine uma rede de várias dezenas de máquinas a funcionar com essa rede super-rápida!

      • Anonimo says:

        Isso acontece porque mais uma vez o estado demitiu-se das suas obrigacoes e deixa empresas privadas decidirem quais sao os melhores locais para instalar certo tipo de infraestruturas!!! Se as infraestruturas fossem publicas (falo da rede de fibra), haveria uma melhor distribuicao, nao uma pensada puramente para os lucros de certas empresas privadas… Sao redes de comunicacao tal como as estradas. Se cada concelho fosse obrigado a instalar rede de fibra e explora-la (alugando aos operadores de distribuicao), nao seriam os utilizadores muito beneficiados? Interesses…

    • Bob says:

      Isso é, se todas as ferramentas e sistemas/software, em uso pelo estado, estão em Java/HTML5.
      O que não é o caso… ainda.
      Logo, seria preciso investir e mudar as aplicações todas para web based, onde seria compatível com qualquer browser em HTML5, por exemplo.
      E depois, acertar o custo do suporte a toda a infrastrutura em Linux. Que, por norma, é por onde muita empresa erra nos cálculos.

  27. Joao Ptt says:

    Não se perca tempo com mudança para sistemas operativos sem custos directos. Todos que tentaram essa solução a nível governamental por esse mundo fora foram um fracasso, porque existem pessoas no processo. Tirem as pessoas do processo, ou seja, tudo robôs e então pode ser um sucesso.
    Mas se nem as caixas do multibanco utilizam Linux ou similar, quanto mais o estado!

    Além disso é muito melhor para a espionagem internacional sistemas operativos Windows no Estado, por isso é bom que não se atrevam a mudar, a não ser por algo ainda mais vulnerável e mais amigo da espionagem.

  28. Samuel says:

    O problema que existe em torno do Linux ser utilizado ou não pelo governo é os dinheiros que a microsoft paga aos deputados e aos ministros para manterem o windows nos computadores. Não existem incompatibilidades em termos de programas pois eu uso programas do windows no Linux.

    • Carlos Rodrigues says:

      Só se for com Oracle Virtual machine ou Wmare, caso contrário impossível, os sistemas são incompatíveis em tudo. .. Também é possível abrir Ubuntu no Windows 10 na máquina virtual e quem souber até pode ter os dois sistemas operativos em paralelo, usando o melhor de cada um deles… os jogosno Windows, etc.….

    • José Maria Oliveira Simões says:

      Agora meteu o dedo na ferida. O lobby Microsoft é muito poderoso.

  29. Nogueira says:

    lol ia ser lindo por os nossos funcionários públicos, super competentes, a trabalhar com linux…

    “olhe desculpe como é que faço para ir ao facebook?”

  30. Hugo Monteiro says:

    A Microsoft tem produtos a nivel empresarial sem concorrente em Linux, bem como o Linux tem produtos a nivel empresarial sem concorrente em Microsoft.
    Quando falo em concorrente, falo ao mesmo nivel. Isso é incontestavel.
    Ambos tentam aproximarem-se um do outro, mas a realidade é que se tende cada vez a existir mais especializaçao.

    Sendo assim há lugar para tudo. Mesmo em termos de custos, muitas vezes ter um sistema Linux fica muito mais caro que um Microsoft, bem como o contrario.
    Tudo tem que se medir, desde a facilidade de implementação à sua manutençao.

    Li muitos comentários que Linux é configurar e largar… Ora é aí o grande erro, em termos de segurança o Linux é tão perigoso como Microsoft, pois o maior risco está no utilizador, seja administrador de sistemas seja utilizador comum. E ter um sistema e deixar para lá, bem é o mesmo que convidar o ladrao a entrar, instalar-se e fazer o que quer durante o tempo que quiser.

    • José Maria Oliveira Simões says:

      Um sistema Linux bem configurado, consegue funcionar sem problemas. Já um sistema Windows, já não é bem assim. Requer sempre mais cuidados e por isso necessita de mais atenção por parte dos técnicos. Vai daí, tomar a liberdade de afirmar que o Linux é instalar e deixar que ele trabalhe. No Windows, é mais, andar com um olho na burra, antes que leve um coice. No Linux, basta que a maquina tenha corrente electrica que ela funciona anos a fio. Às vezes até nos esquecemos que ela existe. Usamos esse tempo para outras coisas mais importantes, como por exemplo, a segurança, entre outras coisas …

  31. Beta Tester says:

    Ainda temos algumas aplicações Legacy. Quando tudo for web based, então sim podemos pensar em migração de postos de trabalho para Linux. Claro que tb é preciso apostar em formação dos IT e dos operadores.

  32. José Martins says:

    Só sysadmin de um entidade do estado, mitos que por aqui comentam nao sabem 1% do que falam. Onde trabalho já se utiliza libreoffiice a mais de 4 anos, temos alguns MS Offices por algumas entidades do estado não cumprirem o regulamento de interoperabilidade digital. Os sistemas operativos poderão ser mudados quando deixar de existir aplicações ainda dependentes de frameworks MS. E isso está perto. Sei de muitas outras entidades que também está perto dessa passo, Não podem ser anunciadas senao o lobby vai aparecer a oferecer mundos e fundos a políticos….

  33. João Figueira says:

    Por mim todos os funcionários, com trabalho pouco exigente a nivel de IT, com isto digo trabalhadores que usem, processador de texto, folha de calculo e e-mail, era tudo varrido a android (tablet ou desktop) com armazenamento central, e sistema de imagems por equipamento.
    isto para o utilizador dito “normal”, depois os outros, caso a caso avaliava-se a necessidade, podia passar um desktop virtual em que utilizava o android para ter acesso (vmware horizon, antigo vdi).
    a nivel de servidores…. ha servidores que têm de ter aquele sistema operativo, dns de periferia – linux, gestão de rede – linux, servidor de imagem – linux, Active directory – Windows, dns interno – windows, base de dados depende do motor…
    Acho que há lugar para tudo desde os mobile OS até ao macOS, Linux, Unix,Windows, HP UX, AS 400, etc

  34. Xinuo says:

    Essas migrações, muitas vezes são atabalhoadas. Seria bom fazer isso com quem sabe e que fez direito. O Banco do Brasil é um caso de sucesso no uso do GNU/Linux, aqui no Brasil. Creio que o governo Português teria com obter mais informações sobre isso com essa instituição.

    A cidade de Munique também usou GNU/Linux durante muito tempo, seria interessante ver a opinião de especialistas em GNU/Linux para descrever o que deu errado. Pelo que sei uma coisa errada foi ter uma distribuição específica e que ficou defasada durante anos de uso. Creio que não deve ser feita uma distro particular, principalmente se não há manutenção.

    Talvez uma distribuição como a Debian, seja uma ótima escolha, não têm upgrades (mudança de versão) de 6 em 6 meses e mantém os updates (correções de bugs e pequenas melhorias sem alteração de API) durante muito tempo. Também recomendo uma pré-ambientação no Windows em uso, com a utilização de programas que serão usadas posteriormente na distro GNU/Linux escolhida, como o navegador internet (Firefox ou Google Chrome) e programa de Office.

  35. Tico says:

    Adiciono ao tema uma entrevista concedida em 2004 ao ex-diretor do Instituto Nacional de Tecnologia de Informação do Brasil. Ele foi um dos maiores defensores do Software Livre dentro do governo brasileiro e virou alvo de uma ação judicial movida pela Microsoft, simplesmente por ter comparado a prática de doação de licenças de software com o tŕafico.
    Url: http://www.linuxmagazine.com.br/lm/article/microsoft_x_governo
    * Baixe o PDF da entrevista que está disponível gratuitamente!

  36. z/OS says:

    Não deve mudar. Se mudar qual é a vantagem? Ser do contra, como o pessoal que eu conheço no meu local de trabalho? O Windows é um excelente S.O. O Linux tb. Mas mudar custa muito dinheiro… é preferível não mexer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.