PplWare Mobile

Linux Debian 10 (Buster): Aprenda a instalar o MySQL


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Pedro Silva says:

    Pena é que quase tudo no Linux seja feito pelo pront de comandos, senão já tinha substituído o Windows no meu PC.
    🙁
    :/

    • poulas says:

      Pedro Silva, ainda bem que “quase tudo no Linux seja feito pelo pront de comandos”, seja executado da forma que diz.

      Tenho de estar em pleno acordo contigo.

      Talvez seja por isso, que os utilizadores de Linux, sabem um pouco mais em como resolverem os seus problemas, ou se quiser possuem outro tipo de alternativas que o Windows nao permite.

      Pedro SIlva, segundo consta, o Windows 10, tem a faceta, que muitos dos seus problemas, só mesmo por intermédio da Power Shell.

      Nunca te esqueças disso.

      • Pedro Silva says:

        O problema nem é esse, mas quando a coisa chega no nível em que até para instalar um programa é preciso usar o pront de comandos também já chega a ser um exagero

        O Linux é como programar empresa Python: tem de ser tudo bem feito ou não resulta, e o Windows é mais como c++, em que raramente damos um tiro no pé, mas quando damos furamos a perna toda. Mas como a maior parte dos utilizadores nunca vai levar uma arma, não justifica o Linux estar sempre de colete de proteção, até porque custa a mover.

    • Jurandir says:

      Kkkkkkk acho q vc esta por fora migooo
      O Linux mint é tudo em modo gráfico.
      Aliás dispõe de uma espécie de loja tipo uma Playstore.
      Vai baixa e seja feliz.

  2. poulas says:

    Pois é meu caro Pedro Silva, e contrariamente ao que dizes (não justifica o Linux estar sempre de colete de proteção), eu digo, isso é uma das facetas que distingue o Linux do Windows, por muito mecanizado que se encontre o Linux hoje em dia, é precisamente quando se pretende ter um Linux mais seguro, é utilizado a linha de comandos, como qualquer derivado unix.

    Ainda bem, que o Linux, não segue os padroes de segurança que sao aplicaveis ao Windows.

  3. arc says:

    1. Não entendo, como nos dias de hoje, se dá a indicação para a instalação do MySQL em detrimento da mariaDB em Debian Linux, quanto mais não seja por ser o default para essa Distribuição de Linux, sendo certo que em termos comparativos, mariaDB em nada é INFERIOR em termos de características / opções a todos os níveis, ver em:
    (https://mariadb.com/kb/en/library/mariadb-vs-mysql-features/)

    2. Não entendo, como um artigo, que mesmo tendo o objectivo de ser resumido, estou a falar deste texto, apresenta, gravas INCORRECÇÕES e LACUNAS EXPLICATIVAS BÁSICAS.

    2.1 A titulo de exemplo, aí fica:

    Passo 3 – Instalar o MySQL no Debian 10
    Para procederem à instalação do MySQL basta que usem o seguinte comando:

    sudo apt install mysql-server

    NOTA: discordo completamente deste procedimento, o CORRECTO deve ser:

    sudo apt update

    e depois

    sudo apt install mysql-server

    NOTA: este procedimento, vai solicitar a password de root e por isso mesmo vai ser o default. É importante ser definido uma password EXTREMAMENTE SEGURA, sendo que esta mesma password, mais não é do que a password do user root do MySQL, a qual é necessário para ser realizado o login no server MySQL.

    Depois vem no texto do artigo:

    “Caso pretendam definir segurança no MySQL, executem o comando:”

    sudo mysql_secure_installation

    “Caso pretendam?!?!?”

    NOTA: se NÃO forem IMPLEMENTADAS MEDIDAS DE SEGURANÇA IMEDIATAMENTE, estamos perante um GRAVE PROBLEMA DE SEGURANÇA para o server MySQL!!
    Importa dizer que mesmo sendo uma directiva OPCIONAL, é CONVENIENTE e DETERMINANTE fazer uso desta prerrogativa (Use Strong Password Encryption (RECOMMENDED).

    E muito mais poderia tecer comentários….

    • Pedro Pinto says:

      1) Falas falas….por falar, até te contradizes!
      2) Não viste o passo 1? Está tão obcecado em criticar que dá nisto…
      3) Caso pretendem claro…se instalares isto numa máquina local (na tua máquina) para desenvolvimento não vejo grande necessidade da parte da segurança

      Meu caro, mais uma vez te digo, falas por falar e para chatear. Perde tempo com coisas úteis. Mostra o que sabes. Contributo teu não vejo nenhum…isso sim, era de valor!

  4. arc says:

    Pedro eu não escrevi nada, relacionado com o passo1 e sim com o passo3!
    E o que escrevi relacionado com o passo3 está certo.
    Mesmo numa máquina local, para desenvolvimento, não é uma boa prática, não ser implementada segurança. A ser assim, mandemos para as urtigas SEGURANÇA no seu todo, afinal as Distribuições de Linux, são à prova de bala!?!?

    Por acaso desconheces, que depois de fazeres uso da prerrogativa “(Use Strong Password Encryption (RECOMMENDED)” é que o processo de instalação deve ter o seu inicio para o server MySQL?

    Assim, e porque certamente desconheces, não sabes, que depois de ter terminado a instalação do server MySQL, é uma má prática partir do pressuposto, que o mysql.service, se encontra em execução?
    E se o mesmo não se encontrar???

    Não seria melhor para não existirem duvidas, executar:

    sudo systemctl restart mysql.service

    e só depois

    sudo mysql_secure_installation

    Responder a todas as perguntas apresentadas e seleccionar o grau de complexidade da password.

    E Só AGORA é que se deve iniciar a ligação ao MySQL Database, executar:

    mysql -u root -p

    Pois bem, achas mesmo que neste momento o server MySQL se encontra seguro?
    Por acaso sabes, que estas a realizar o login para o server MySQL, estamos com a password do user root do MySQL?

    GRANDE SEGURANÇA,…Parabéns.

    Por último:

    “Contributo teu não vejo nenhum…isso sim, era de valor!”

    Esta tua afirmação , nem merece comentários da minha parte.

    • Pedro Pinto says:

      Se fazes o passo 1, no 3 já não precisas de fazer o que já lá está, certo?
      Quanto à segurança, como te digo, num ambiente máquina não vejo qualquer necessidade Quem o quiser fazer, também pode claro.
      Quanto ao teu contributo aguardo, gostava de ver um artigo teu, já és um leitor antigo e já deste boas opiniões. Agora andas casmurro 😀

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.