Quantcast
PplWare Mobile

Chegou o Mageia 4 – A distro Linux que vai querer testar

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. ElectroescadaS says:

    Efectivamente e apesar de saber instalar Linux nas suas infinitas variedades (e irei virtualizar esta) é o simples facto de não saber instalar nada. Nem sequer o Flash Player.

    Bem deixa ver como corre com este…

  2. cnavigator says:

    Por acaso até a cheguei a usar em ambiente virtual, mas não mais do que isso. Felizmente já me deixei de distro-hopping desde que me deparei com Manjaro Linux. É só instalar, ir buscar os programas favoritos ao AUR e basicamente faz-nos esquecer de tudo o resto que já se experimentou antes 😀

    • Pedro Pinto says:

      Pois, depois de se entrar “no esquema” é sempre a andar. Eu neste momento continuo fiel ao CentOS mas no mundo Debian nem sem bem qual hei-de usar….ainda não entrei na onda Arch.

      • Nelson says:

        A reposta é simplesmente debian…pronto já está :p

      • cnavigator says:

        Pedro, dentro do Debian eu estava com a mesma indecisão, experimentei imensos variados de Debian/Ubuntu até que me esgotou a paciência, havia sempre algo comprometedor com cada distribuição. Cheguei a adoptar o OpenSUSE mas não me adaptei ao fim de uns dias.

        Sem querer impor a minha preferência, pois sabemos que cada pessoa tem as suas necessidades específicas, para quem pretende experimentar a natureza do Arch ou encontrar uma alternativa a Ubuntu/Linux Mint para adoptar como distribuição de uso doméstico, deixo aqui as principais razões da minha satisfação com o Manjaro.

        Estou actualmente a usar um sistema com XFCE, Cinnamon e KDE em simultâneo, sem quaisquer conflitos, coisa que nunca tinha conseguido antes com Ubuntu/Debian. Os drivers gráficos são reconhecidos e introduzidos durante a instalação, fazendo desaparecer qualquer dor de cabeça com a sua configuração, em breve virá suporte a dual-boot em sistemas com Windows 8.1 e a quantidade de software disponível, combinando repositórios oficiais e AUR, é comparável ao Debian.

        A ferramenta yaourt permite instalar a partir do AUR com extrema facilidade através do terminal, compilando automaticamente o pacote! Tenho um sistema recheado de programas e 3 ambientes gráficos a ocupar apenas 22GB de disco!

        Lá de vez em quando há uma actualização que acarreta problemas, mas geralmente nada de grave (nunca fiquei com o sistema pendurado) pois as actualizações são congeladas por duas semanas nos repositórios do Manjaro. E acreditem, é bem mais compensador dispensar uns 5/10 minutos para resolver o problema em questão (ou reverter a actualização para a versão anterior até que seja corrigida), seguindo a excelente documentação do Arch/Manjaro, do que ter de instalar o sistema de raiz a cada 6 meses para desfrutar das novidades e correcções mais recentes.

        De resto é um paraíso, uma introdução muito suave ao Arch e o melhor de tudo, é instalar e esquecer por muito tempo hehe 😉

        • Pedro Pinto says:

          Muito obrigado pela informação. Eu há tenho o manjaro por aqui, vou ter de o começar a “visitar” mais vezes. Abraço e mais uma vez obrigado

        • ElectroescadaS says:

          Eu ontem tinha formatado o meu sistema para usar o OpenSUSE mas ao fim de 3 horas desesperei. A minha gragica é uma ATI HD 4670 e após algumas buscas e sugestões por parte da comunidade do OpenSUSE no G+ lá descobri uns drivers. De repente fiquei com grafismos do tipo 640*480 e fiquei a olhar prá aquilo. Ainda tentei através do Facebook jogar alguma coisa antes desta instalação mas pedia-me o flash, não entendi a cena dos repositorios e tentei atraves do site da Adobe ver se me safava. Não consegui. Acho que me vou ficar pelo Windows o maximo de tempo que puder e depois logo se vê ou pelo menos até deitar a mão a uma gráfica nVidia…

          Linux para mim só para virtualizar mesmo.

          Também a verdade se diga eu quero mesmo é jogar online (e fazer algo mais mesmo) e o Windows para isso serve perfeitamente…

          Um abraço!

    • Weverton says:

      Manjaro é muito bom, depois de acostumar é difícil largar! 😀

  3. Nelson says:

    Pessoal, ouvi dizer que 2014 era o ano do Linux no desktop!!!

    (Eheheheh)

  4. godale says:

    É… linux Sempre. Podem me dar Windows de Graça. Não Deixo Linux Por NADA…

  5. Shynkendo says:

    @José Alves,eu uso elementary+compiz,o que existe para instalar,instala,seja o flash,Adobe reader,o que for,e não é nada complicado.

  6. outeiro says:

    Este “post” é sobre o mageia?
    Não parece…
    A propósito no Mageia pode escolher as seguintes interfaces gráficS: KDE, Gnome, Cinamon, XFCE.
    Pode instalá-las todas ou só uma.

  7. Gonçalves says:

    Eu continuo no centos… só peca por andar um pouco atrasado nas versões dos pacotes, mas isso também é o que o torna extremamente estável.

  8. Ricardo Gaio says:

    Já experimentei Mageia, mas virtualizado. Gostei. Simples, atraente, …
    É o “sucessor” (fork) do Mandriva.
    Pena a Caixa Mágica não ter feito uma parceria com a Mageia…

  9. Lugopt says:

    Se eu quiser testar uma distro de Linux por dia, quantos anos vou precisar para as testá-las todas?
    E ainda assim, com tanta distribuição, o Linux tem 1% de utilização nos desktops…

  10. brando says:

    Lugopt quem disse que têm 1% utilização nos desktop vc está enganado o mundo linux e grande e muitas pessoas utiliza o so
    por trata de segurança de rapidez.

  11. Carlos says:

    Utilizo Mageia com o ambiente de trabalho Cinnamon,em minha opinião o sistema Linux mais estavel que ja utilizei, e olha que sou muito fã do Debian, tenho ele em um Desktop e me antendi muito bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.