PplWare Mobile

Canonical revelou o TOP 10 das apps mais instaladas de 2018


Pedro Simões

Apaixonado por tecnologia, encontro no Pplware a forma ideal de mostrar aos outros os meus conhecimentos e de partilhar tudo o que me interessa neste intrincado universo

Destaques PPLWARE

  1. Lucas says:

    É engraçado que a maioria dos apps são proprietários, rsrsrs
    Pelo visto o Linux tem sido cada vez menos usados por xiitas do software livre. O que é excelente pra comunidade.

    • kid bengala says:

      Concordo. Xiitas eu repudio em qualquer situação.

    • Fak says:

      depende de cada um… eu pessoalemnte prefiro usar Open source do que proprietário, por uma simples razão: limita o que um dev pode fazer, por ser opensource, se ele quiser meter telemetria, publicidade, etc, haverá alguém que vai pegar no projeto e remover isso tudo, então eles nem lhes vale a pena tentar, e assim vou mantendo programas, como o BleachBit ou o OnlyOffice que são livres de telemetria e publicidade quando o software proprietário da mesma area já me vai atolar em pub e spam, como é atualmente o caso de quem usa produtos AVG/Avast gratuitos, usei no ano passado tava sempre a ser bombardiado com spam no email e publicidade aos produtos premium…

    • Nielson says:

      Essa é uma lista do Snap. Geralmente os softwares open source já estão presentes no repositório do Ubuntu, então as pessoas instalam com um simple apt get install.
      Os softwares que não estão no repositório, geralmente são os proprietários. Logo, é mais fácil instalar usando o Snap.

      • Clodoaldo Santos says:

        Eu não uso snap. Eu uso apenas repositórios oficiais. Afinal esse é um dos motivos de usar Linux. Acho deveriam editar título da matéria:

        • Pérolas says:

          +1, mas, gostaría de ver os pacotes snap implementados desde que, a canonical ou a linux foundation validassem os pacotes de uma forma exaustiva.

  2. Devsys says:

    @Lucas, é também engraçado que no top 10 esteja o notepad++ , o que revela que tipo de utilizadores gravitam pelo Ubuntu, não deram xiitas, mas.seram.sm dúvida noobs.

    • Devsys says:

      Porque usar notepad++ é de quem percebe muito não é?
      E sim, quem usa efectivamente Linux (efectivamente não é clicar num botões para ver o Facebook e o Instagram), sabe efectivamente bem mais do assunto informática do que o tipo que usa o Windows.
      E Ubuntu está para o Linux como açúcar está para os diabéticos, o segundo mata mas é doce, uma verdadeira tentação, o primeiro é para comodistas que perferem abdicar da sua liberdade e não querem saber como realmente nada funciona, clicar num botão é muito tentador.

    • Ruy Acquaviva says:

      O notepad++ é um software livre que possui versões apenas para Windows. Alguns usuários de Linux rodam esse software no Wine por estarem acostumados a alguns recursos do mesmo em seu local de trabalho.
      Todos os recursos do Notepad++ estão disponíveis em softwares para Linux, mas quem usa esse software no trabalho (eu mesmo o faço, por ser um software homologado na empresa em que trabalho) acha conveniente encontrar os mesmos recursos em um único software.
      Eu uso preferencialmente os sofwares nativos para Linux nos trabalhos que trago para casa, mas mantenho o notepad++ instalado por conveniência, já que não há mal algum em ter em mãos o mesmo software que uso na empresa.

      • Devsys says:

        Não há mal nenhum em usares o que entenderes, mas, que recursos especiais são esses que não encontras em editores mais do que conhecidos em linux?
        A tua empresa obriga os seus trabalhadores a usar o editor notpad++? Eu não trabalharia nessa empresa então.

        • Ruy Acquaviva says:

          Minha empresa não obriga ninguém a usar o notepad++, onde foi que você me viu afirmar isso? O que eu disse é que o notepad++ é um software HOMOLOGADO na minha empresa. Eu uso porque quero. Só não posso escolher qualquer software para usar, apenas os que estão na lista de softwares homologados na empresa. Qualquer empresa séria tem essa mesma regra por motivos de segurança.
          Também não disse que há recursos no Notepad++ que não existem em softwares nativos para Linux. De fato, tenho bastante certeza (e qualquer um pode constatar lendo meu comentário), que afirmei exatamente o OPOSTO:
          “Todos os recursos do Notepad++ estão disponíveis em softwares para Linux”

  3. Devsys says:

    E já agora, pacotes snap são uma porcaria. É um acumular de lixo desnecessário.
    Mas vindo do mundo Ubuntu, e tendo em conta os utilizadores Ubuntu, é normal haver muita gente a usar sem se queixaram, porque como a maioria quer é clicar num botão e já está, comem aquilo e nem uma queixa.
    O Ubuntu já é neste momento a Microsoft do Linux, um lixo autêntico e não respeita a privacidade dos utilizadores.

    • J. Gabriel Azevedo says:

      Em que sustentas a tua teoria?

      Snap é lixo? Já tentaste instalar uma app snap pelo terminal? Comparativamente com os flatpak está anos luz à frente.

      A Canonical não respeita a privacidade dos utilizadores em quê? E não me fales na telemetria pois essa é desativavél. Além de que deixa bem claro o que está a ser enviado.

      • Devsys says:

        Pegando no teu último parágrafo, não, a canonical não respeita a privacidade dos utilizadores. Não te falo da falta de respeito com telemetria, com serviços escondidos da Amazon não é?! Olha, ser livre e oferecer privacidade por defeito é não ter nada disso, ou no limite, seria no acto de instalação pedir ao utilizador se o mesmo deixa que seja instalado o software x ou y, com o respectivo link muito bem publicitado onde se encontra o código fonte desse software x e y que telefona para casa. E deveria também ser logo muito bem explicado ao utilizador, onde se encontra tal software instalado, que dependências tem, e uma forma imediata de ser removido. É isso que a canonical oferece?
        Não, não é. A canonical é uma empresa que já descobriu que pode ganhar dinheiro fácil á custa dos utilizadores patos, que com tanta distribuição Linux, escolhem Ubuntu por facilitismo, tal e qual o negócio da Microsoft.
        Não acredito que alguém use Ubuntu e não consiga usar Debian. Sim, Debian, aquela distro que a cononical copia, e depois mete lixo em cima.
        Portanto, muito parecido a Ubuntu, tens Debian, que respeita o utilizador.

        Pegando na primeira parte da tua resposta, snap não veio resolver problema nenhum ao Open source, é apenas uma forma de se distribuir software privado, se disponibilizar o código, numa perspectiva de qualquer tipo ou empresa poder fazer software, publicar tal software e poder cobrar por tal software, isto sem ter de disponibilizar código. E para o utilizador, será mais uma vez a desculpa de que é muito fácil instalar, como se instalar software via APT fosse muito difícil.
        E antes que digas que o objetivo dos pacotes snap são serem agnósticos em relação a onde correm, isso já foi resolvido há mais de 10 anos.
        E para que tenhas algum tipo de site leres sobre distribuição de software de forma correcta, tens aqui https://reproducible-builds.org
        Depois das um saltinho aqui https://reproducible-builds.org/who/ em olhas bem para a parte que diz projects, segues os links e vais ver o novo mundo que descobres.

        • J. Gabriel Azevedo says:

          Sabes o Ubuntu é um S.O. e desenvolver o mesmo tem custos. Sempre soube da existência do plug-in da Amazon e digo-te mais eu usei, pq sabia que isso dava alguma renda à Canonical.
          Qual o mal disso? A mesma pessoa que critica esta atitude da Canonical usa fb, Google,… entre outras empresas online conhecidas pelas suas políticas de privacidade fantásticas.

          Quanto a esse projecto nunca ouvi falar nisso e não tem grande relevância senão uma distribuição grande (o arch p.e.) já teria pegado nisso como package manager secundário pelo menos (tal como o Ubuntu tem o Snap e o fedora tem o flatpak)
          Já o snap tem alguns contribuidores de peso
          https://snapcraft.io/

          So há duas coisas que se a Canonical fizesse tornaria o Snap ainda mais acessível
          1º permitir que o Snap acedesse a repositórios externos (o que creio estar em desenvolvimento)
          2º fazer uma parceria com o ícone do software livre (comunidade do fedora ou outra distro, Linux Foundation,…) para criar um repositório universal e neutro.

          • Devsys says:

            Sabes o Ubuntu é um S.O. e desenvolver o mesmo tem custos. <– Tu estas bem? O Kernel, que é o sistema operativo, é linux, de borla portanto. Quanto a pacotes, pode usar milhares de pacotes open source. Não digas disparates.

            "…Sempre soube da existência do plug-in da Amazon…" + "…Qual o mal disso?…" <– Para ti não há mal porque pertences aos do "não tenho nada a esconder", portanto, entre nós não há concordância possível no que diz respeito à privacidade.

            "…Quanto a esse projecto nunca ouvi falar nisso e não tem grande relevância…" <– Poe ênfase na parte TU nunca ouviste falar, o resto é desconhecimento teu. Quando desenvolveres software percebes a ideia. Já agora, ali estão pelo menos 2 projectos europeus, um ainda muito jovem e outro já mais maduro, e usado por alguns dos melhores hackers (malta que desenvolve coisas realmente difíceis).
            "…So há duas coisas que se a Canonical fizesse…" <– A primeira que falas é basicamente o modelo do windows desde sempre, portanto andas certo tu. A segunda que falas, é para dar a ideia de software livre, coisa que nunca foi.

            Portanto, es mais um dos comidos e roubados mas com orgulho. Mas felizmente que há projectos decentes, e curiosamente (ou não), alguns são europeus.

          • J. Gabriel Azevedo says:

            Não vou perder mais tempo com isto.
            Nao sabes com quem estás a falar e fazes criticas sem medir o peso delas.

            A arrogância que falas apenas demonstra o teu nível de xiita, mas como disse em cima não vou perder mais tempo nisto, até porque “cão velho não aprende truques novos”.

            Passar bem

          • Devsys says:

            Arrogância? Eu? Tu dizes dizes que queres ajudar uma empresa que ganha com os teus dados. Queres ajudar uma empresa com um revenue de mais de 100 milhões ao ano lolol, estão aqui os números. https://en.m.wikipedia.org/wiki/Canonical_(company)
            Também sabias que o teu computador além de ligar para casa, também ligava para a casa do vizinho (Amazon), que por acaso o dono é o gajo mais rico do mundo, mas tu não te importas porque o estás a ajudar? Lolol
            E eu sou arrogante? Epa, se és muito sensível eu peço desculpa, ajuda lá então empresas cotadas, mas olha, de vez em quando, ajuda também projectos Open source, daqueles que te respeitam, se puderes claro.

          • Devsys says:

            E ainda não me disseste porque é que pacotes snap seram melhor do que deb.
            Porque isso sim, era de valor explicares. Podes fazer esse favor aqui ao fórum? Explicas porque é que, na ótica do free software / open source, devemos abandonar deb e optar por binários snap, de código fechado. Fico a aguardar a resposta, assim aprendo eu e todos os leitores alguma coisa contigo e agradecemos.

    • Luis says:

      E qual seria a tua alternativa ao Ubuntu?

    • John Doe says:

      Tanto fanatismo kkkkkk cada um usa o que quer e como quer, eu até uso o office e o photoshop no linux, porquê? porque me dá jeito e ninguém tem nada a ver com isso e cada caso é um caso, todos os sistemas têm a sua utilidade e os seus pontos fortes e pontos fracos, consoante a situação tanto posso usar windows ou linux ou macOS ou BSD…

  4. Ruy Acquaviva says:

    Acho que vale a pena destacar que trata-se de uma estatística feita apenas entre as instalações feitas via snaps, que está longe de ser o sistema mais popular para instalação de pacotes no Linux. Além disso nem todos os aplicativos estão disponíveis para instalação via snaps.
    Uma vez considerando-se essas limitações, pode-se realmente fazer uma análise interessante desses dados. Só acho importante ter consciência para não extrapolar as conclusões para além do que o espaço amostral permite.

    • Pérolas says:

      Até ver prefiro os repositórios, pois, apesar dos pacotes snap serem uma ideia muito boa, ainda não estou convencido quanto à diligência prévia efectuada nestes pacotes em comparação com os repositórios. Alguém mais tem este desconforto? Dito isto, os pacotes snap são o futuro e uma solução para a fragmentação. Só falta agora a «due diligence» para cada pacote e suas actualizações…

      • Devsys says:

        Não são nada. Porque no mundo open source / free software, onde cabe lixo binário? Nunca vai ser o futuro este tipo de solução, faça lá a força que a canonical fizer.
        O futuro já existe e implementado com grande sucesso, e é assente em assinaturas hash do grafo das dependências do pacote em questão.

        • Pérolas says:

          Atenção, pelo meu comentário pode-se depreender que os pacotes snap devem manter a filosofia open-source, mas, a sua segurança deve ser validada, pois, estamos a falar de apps/snaps que correm de forma autónoma sem necessidade de dependências. Dito isto, há que garantir a segurança e privacidade das snaps! As snaps são uma solução para um problema antigo: a fragmentação das distribuições linux. São mais pesadas? São! Têm lixo binário? Têm! Mas, têm o potencial para resolver o problema da fragmentação e aumentar a quota de linux no mercado dos desktops.

  5. Devsys says:

    Para quem tem interesse no Open source e na distribuição de pacotes, aqui https://repology.org está um site que lista a versão dos pacotes nos diversos sistemas de distribuição de pacotes das distros. Com uma lista tão extensa, snap fica mesmo onde?

  6. José Maria Oliveira Simões says:

    O notepad ++ pode ser substituído pelo notepadqq

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.