Quantcast
PplWare Mobile

Universidade de Lisboa alvo de ataque informático

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Luis says:

    Ainda não percebi, porque algumas universidades ainda teimam em ter os seus próprios servidores de e-mail, ficheiros, etc. Hoje é muito mais seguro e barato subcontratar estes serviços à Microsoft ou Google. As Universidades não têm a capacidade nos dias de hoje de manter estes servidores e a segurança dos dados.

    • Manuel Costa says:

      Para ensinar os alunos, é necessário ter serviços comerciais. É a forma mais barata de permitir estudarem as coisas em ambiente de trabalho.
      Também será normal que se venha a descobrir que foi um grupo de alunos que realizou o ataque a partir de um computador interno, como acontece em 99,999999% dos casos. Maioria das vezes não se consegue identificar o criminoso, daí acontecer regularmente.

    • João says:

      Nem sempre. Contrate 10TB de disco na nuvem para ficheiros e veja o custo. Além dos dados ficarem na mão de terceiros. Imagine dar “de mao beijada” (não sei se existe esta expressão em Portugal) seus projetos, segredos industriais, projetos de patentes, etc, para terceiros.

      • Luis says:

        Muitas universidades pela Europa fora já estão na cloud e 10TB de disco terá um preço elevado sem um contrato especial. Com um contrato especial oferecem milhares de TB por um preço que para uma universidade será irrisório.

      • Filipe says:

        A Universidade de Lisboa utiliza serviços tanto da Google, como da Microsoft e disponibiliza a alunos e docentes contas OneDrive e Google Drive com espaço supostamente ilimitado. Dinheiro para isso não lhes parece faltar..

        • Sonicreducer says:

          As faculdades tem acordos com a Microsoft , e isso não tem custos , tal como todo o software . Visual studio , Office . A Microsoft lucra com isto pois as pessoas começam desde cedo a usar as suas plataformas

    • k says:

      Pode ser por vários motivos.

      Um deles é privacidade. Tenho clientes que simplesmente não acreditam que a sua informação se mantenha privada quando armazenada em servidores de terceiros.
      E é sabido que tanto a Microsoft como o Google têm que dar acesso, por exemplo, ao governo Americano quando mandatados. Já nem vou falar de outras situações mais obscuras onde eles usam essa informação para outros fins.

      Outro é o custo. Contratar um google Workspace fica no mínimo a cerca de 5€/utilizador/mês. Multiplica isso pelo número de pessoal a usar numa universidade, por exemplo a do Minho. O google diz que em 2016 tinha 19.500 alunos, fora docentes e o resto do staff.

      5×19500=97.500€/mês x12 = 1.170.000€/ano

      Ainda que eles façam um preço fixe por ser um número elevado, sei lá, um completamente arbitrário 1€/utilizador/mês

      19500€/mês x 12 = 234.000€ /ano

      Ainda que seja feito um investimento numa solução local ficam com uma solução permanente por vários anos onde vais ter apenas custos de manutenção subsquentes. De certeza que acaba por compensar.

      A questão do ransomware é resolvida com boa segurança, backups e protocolos atualizados para a eventualidade.

      • João says:

        Exatamente isso. Sem falar quando a “gerência” se mete na área informatica e inventa de mudar de fornecedor. Imagina só a dor de cabeça para migração.

      • João says:

        Além de que nada garante que o sistema estando em núvem, não sejam vulneráveis aos ataques. A informação só muda de lugar. Só isso, atualizações e configurações continuam com a equipa de TI local.

      • Luis says:

        Muitas escolas em Portugal de média dimensão já têm todos os serviços na nuvem. Numa universidade em que se paga milhares de euros de propinas e com um bom contrato com a Microsoft ou Google a despesa seria mínima.

      • Pedro F. says:

        Não sei de onde vêm esses preços mas aqui na empresa ficou a 1,49€/mês/utilizador para Office com 1TB de armazenamento…
        E para mais utilizadores podia baixar do euro…
        Pelas tuas contas fica mais barato que o ordenado dos técnicos para manter o sistema…

      • Zé Fonseca A. says:

        Tanto tu como os teus clientes são uns valentes nabos, qualquer grande cloud provider garante que os dados ficam estáticos num datacenter europeu, caso isso seja pretendido.
        Já os custos no caso de uma univerdade são minimos pois tipicamente têm academias Microsoft, Google, etc, então basta comprar umas quantas dezenas de contas MSDN que o resto vem atrelado como oferta, é um package deal.
        Já para empresas, é facil de fazer as contas, é pensar quanto custa uma licença de Exchange Server + Exchange Enterprise CAL, adicionar o custo dos servidores e muitas vezes plataformas de virtualização sobre as quais assentam, com isso adicionar custos de espaço de datacenter, energia, já para não falar em camadas adicionais de segurança e gestão de tudo isso, cá na empresa temos 44 servidores de Exchange, e pagamos à mesma o office via 365, ou seja se a empresa estivesse interessada em ir meter o email na cloud poupava uma enormidade de dinheiro e recursos.
        Além disso precisas de aprender definições como CAPEX e OPEX para melhor aconselhares os teus clientes, que pelo discurso assumo que sejam pequenas empresas com menos de 250 colaboradores.

  2. Xnelox says:

    Alguém que lhes mostre uma coisa chama NAS

  3. Samuel MGor says:

    Se tivessem um servidor em Linux provavelmente não iam ter este problema.

  4. just_saying says:

    só especialistas de algibeira por aqui…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.