PplWare Mobile

PSP furta smartphone a condutor durante operação STOP


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Marco says:

    “…Ministério Público, que pede que o agente pague €1.039 ao Estado.”

    Não percebi, o homem ficou sem o smartphone e o Estado é que recebe o dinheiro?

    • Pedro Pinto says:

      Já estivemos a analisar, de facto a fonte diz que o pagamento deve ser feito ao Estado. No entanto, de acordo com algumas fontes, “o pagamento deverá ser efetuado através de uma eventual indemnização junto do ofendido”

      • Joao says:

        A serio? Mas a acusação é de peculato, ou seja, desvio de bens do Estado. Vai haver uma indemnização a quem?

        • Pires M. says:

          À partida, correm processos diferentes.
          Um criminal, e um cível. É neste último que o lesado pode ser indemnizado.

          E o peculato não corresponde a desvios de bens do Estado, mas sim desvios patrimoniais efecutados por funcionários da Administração Pública, precisamente em razão do cargo que exercem.

          • Joao says:

            “patrimoniais ” não são bens do Estado? Mera retorica fora da linguagem comum.
            Mas o problema é outro: a noticia não fala de nenhum processo cível pois ele não vai haver. O Estado é o primeiro a roubar e toda a gente saber.

          • Pires M. says:

            Não, não são.
            Patrimoniais são todos os bens que tenham valor pecuniário.

            E o peculato refere-se a bens patrimoniais, tanto de particulares como público.

            Caso tenha curiosidade e pretenda, pode verificar o artigo 375º do Código Penal, e não alardear pela Internet fora.

            Já quanto ao processo de indemnização ao lesado, fundar-se-à com toda a certeza na responsabilidade civil, e é o próprio que tem que o intentar, pelo que não será referido na comunicação social.

          • Joao says:

            Você próprio o diz mais a abaixo Patrimoniais são todos os “bens….”.
            E o que eu digo é que o Estado não paga nada.

  2. André Silva says:

    Lá vão os mal dizentes pôr todos os policiais no mesmo saco e dizer “isto” ou “aquilo” da “PSP” e não de um parvalhão que decidiu não honrar a farda que veste.

  3. Tiago says:

    Portugal sempre a ganhar sim senhor. Seja por roubar telemóveis seja por multas. Ganha por todos os lados 😉

  4. Leandro says:

    “PSP rouba smartphone a condutor durante operação STOP” – Não seria melhor colocar Agente da PSP? É que de facto a instituição não tem culpa que alguns dos seus agentes levem a cabo a subtração de bens alheios…
    Como em todos os lados existem pessoas honestas e desonestas…

  5. Hefesto,o Grande says:

    Que vergonha !! Que lixo de pessoa !! E certamente vai ser expulso e muito bem da PSP e nunca mais se poderá candidatar a um cargo na Função Pública.É o que dá ter inveja neste mundo.Estes tipos ganham mal,vêem muitos outros tipos com outras profissões cheios de dinheiro,a inveja mói-lhes o juízo e depois acontecem destas coisas.Mas,muita atenção,este fulano foi caçado flagrantemente neste caso,mas há muitos que não o são !! Há muitos polícias,GNR’s,e PJ’s que roubam muito dinheiro e não são surpreendidos !! Tenham isto em mente !! Eu sou o 1º a afirmar isto !! Nem é questão de serem corruptos ou não,basta num caso ou noutro irem a tal casa ou caçarem certos “tipos” em algumas operações policiais para a ganância lhes subir à cabeça !! Já viram o filme “Dia de treino”(2001),com o Ethan Hawke e o Denzel Washington ?? Pronto,o que eu quero dizer é que há muitos “Denzel Washington’s” em todas as forças policiais em Portugal !! Fora todos os ramos das Forças Armadas onde há oficiais graduados(e acima !!),que “limpam” tudo e consomem certas “coisas” que eu cá sei !!

    • Manuel Barradas says:

      Vai ser expulso ? È mesmo crente !
      Quantos casos piores do que este já aconteceram que os agentes foram reintegrados.!

    • MShaitan says:

      Acho que não se pode chamar inveja.. Escolhia mais a palavra injustiça, há que ter noção que se vivemos num estado de direito, alguém tem que fazer cumprir a lei(muitas vezes arriscando a sua vida que só é o bem mais valioso e defendido na Constituição Portuguesa) e do que tenho visto diariamente nos media não é nos tribunais que podemos esperar essas justiças. Quanto ao resto nem me vou prenunciar até pq existe muita gente “equídea”.. Com palas nos olhos, e seria mais proveitoso falar com uma parede.. Se efectivamente se provar a dita situação do agente acusado, na minha opinião seria muito justo o seu afastamento da instituição onde se encontra. Até pq serve de exemplo para outros e vai evitar que se diga que há muitos como ele.

  6. poiou says:

    Pedro Pinto, cuidado que roubo é diferente de furto, e pelo que me parece o que aconteceu aqui foi um furto e não um roubo

  7. Joel Reis says:

    Esta noticia não me parece muito apropriada para aqui, tem muito pouco de “tecnológica”.

  8. carlos p says:

    no comments

  9. Francisco Mota says:

    É uma grande coisa os smartphones terem find phone. Alguns destes roubos ou furtos ou gamanços ou o raio que queiram chamar até são abafados para não manchar a força policial.

    Sempre ouvi dizer: a ocasião faz o ladrao.

    • Hugo says:

      Não necessariamente, mas sim, é esse o tipo de pensamento desta “gentinha” que não tem outro nome.
      Conheço alguns destes cromos e invariavelmente são pessoas que não têm noção das consequências a longo prazo. Acham que se levarem as manteigas que sobraram das entradas do jantar estão a ganhar uma grande coisa, ou se roubarem 10€ de material ao patrão por semana vão ficar ricos….sempre sem perceber que o desfecho não será grande coisa.
      Portanto eu diria: A ocasião não faz o ladrão…apenas dá a conhecer a pessoa.

  10. JJ says:

    Roubar telemóveis/smartphones… é das praticas mais “estúpidas” que há. Visto, que o lesado tomar as medidas adequados, o equipamento deixará de ser útil para quem o roubou…

  11. Rui says:

    Pplware, uma pequena grande correção. O agente não roubou mas sim furtou… Infelizmente é um erro bastante comum mas que existe uma grande diferença. O roubo engloba utilização da força ou violência e o furto não.

  12. Mc says:

    Hà qq coisa que não bate certo. O tlm às peças transmite a localizacão ?

  13. Lucio Gabal says:

    Para ja nao foi roubo e depois se pagassem o justo a passoas que arriscam a vida para nos defender soa verdadeiros ladrões nada siato se passaria. Há simples empregados de escritorio a ganhar o dobro se um policia

    • Hugo says:

      Então achas que todo e qualquer trabalhador deveria receber o necessário para não ter vontade de roubar é isso?
      Por exemplo sempre que alguém sentisse vontade de mandar a mão a qualquer coisa pedia um aumento. Parece-me bem LOL

  14. CMatomic says:

    É tudo uma figura .

  15. jorgemra243 says:

    Muito simplesmente o agente da PSP deve ser expulso da corporação, não é digno de executar tal serviço. Mas como estamos em Portugal isso não vai acontecer. Apenas terá uma repreensão ou processosinho e continuará a ser tentado.

  16. Nuno Palma says:

    Não consigo chegar à relação entre encontrou o telemóvel numa rua de Ermesinde e foram encontradas peças do telemóvel num baldio…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.