Quantcast
PplWare Mobile

Parlamento “aumenta” tamanho das letras pequenas nos contratos

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. SSD says:

    Por acaso acho que nunca tive nenhuma empresa que me fizesse esse truque das letras pequenas mas não era muito mais simples obrigar a que o tamanho da letra fosse igual no contrato todo (exigindo que fosse tamanho 12 ou 14, algo bem legível)?

  2. Pedro H. says:

    1º – O problema das letras pequenas faz parte.
    2º – As pessoas não têm educação suficiente para ler termos legais.
    3º – As pessoas quando vêem que tem de ler um bloco enorme de texto, ficam apavoradas ou então não se querem dar ao trabalho. Exactamente igual quando aceitamos os Termos e Condições em qualquer lado.
    4º- Só queremos fazer o contrato e o resto logo se vê.

  3. DFS says:

    Percebo a iniciativa, mas, com a letra pequena, sabemos que é fundamental ler aquilo, com a letra normal não sabemos o que é importante.

    • Ad9 says:

      Wut?? O importante é ler tudo sempre. Aliás a quantidade de pessoas que eu vejo a queixarem se que foram “tramados” porque não leram as letras pequenas ou porque houve alguma cláusula que acharam que passaram a frente porque não acharam importante deixa-me um pouco parvo sinceramente. Especialmente hoje em dia quando já se sabe destas artimanhas há largos anos

  4. felixgdmendes says:

    As letras pequenas e palha semântica em linguagem ultra jurídica é uma forma de desencorajar a leitura dos “testamentos” nos contratos. Temos muita, ainda a fazer.

  5. Tiago says:

    O problema maior nem são as letras menores mas sim a complexidade dos mesmos realizados por juristas e que deviam dar a oportunidade ao cliente de o poder submeter à apreciação de um jurista ou entidade credível. Já me aconteceu pedir um draft de um contrato bancário para análise e assim poder assinar à posteriori o que não foi permitido. Deveria de haver um período temporal de refelxão e após o mesmo seria válido para as partes atendendo a que os mesmos quando entram em vigor a parte dominante tem a vantagem contratual.

    • HOUSEinBOX says:

      Esta sugestão tem prós e contras:
      – Prós – O consumidor tinha tempo para se aconselhar…
      – Contras – Quando fossemos contratar Água, Electricidade, Gás e Comunicações, só tínhamos as ligações 2 semanas depois.

  6. Jorge says:

    O problema nem é a letra pequena, mas sim a linguagem jurística que é uma aberração da lingua portuguesa e que devia acabar. Mas se assim fosse os advogados entravam na falência porque 80% do seu trabalho é traduzir aquela aberração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.