Quantcast
PplWare Mobile

Nobel da Literatura…

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Vítor M.


  1. iL caPo says:

    Pelo cabelo dele, acho que ele ficou mas é assustado.

  2. Simões says:

    Bela argumentação fiquei completamente convencido, nunca mais utilizo a Internet… ou não…

  3. dc says:

    Ele até tem razão, mas a evolução é mesmo assim! Dou como exemplo o automóvel, se não fosse este demorávamos 5 dias para fazer lisboa-porto, mas embora seja confortável e faça o transporte eficaz e rapidamente não quer dizer que seja totalmente seguro.

    Mas a vida é mesmo assim, tudo tem prós e contras.

    CUMPS

  4. Fausto says:

    Deve ser uma daquelas pessoas que odeiam computador.

  5. Reporter says:

    Seja o que fôr e quem fôr, deve ser respeitado. Ele e a sua opinião.
    Ou não?

  6. Hmm… esta coisa é Nobel da Literatura?

    Devia saber que tudo pode ser usado como ferramenta para o mal ou para o bem.

    Senão qualquer dia temos aí prémios Nobel a dizer que respirar é uma coisa muito boa, porque permite a sobrevivência, mas também é uma coisa muito má porque o oxigenio é corrosivo.

    Como é que um gajo se candidata aos Prémios Nobel? Acho que arrebatava todos! xD

  7. Nelson says:

    Há tempos o Papa disse que a internet era pecado. Eu na altura comentei que depende daquilo que o utilizador faça com ela, e continuo com a mesma opinião. É uma ferramenta fantástica, mas também pode trazer (e traz)muitas coisas que mal utilizadas sao um perigo. E o prémio Nobel é um ser mortal como outro qualquer. Lá terá as suas razões…

  8. jorge a. says:

    Eu não concordo nada com ele.

    Mas lá que a net tem coisas más, tem. Entre elas este site:
    http://resistir.info/

    😉

  9. Só falta dizer qua a internet é coisa do demo. lol

  10. Duke says:

    Parece o Abel Xavier!!

  11. Miguel Jeri says:

    Muito bom o site http://resistir.info/ já costumava consultar, tem grandes textos e grandes colaborações. Recomendo.

  12. Teixeira says:

    O site http://resistir.info/ é das melhores coisas que se tem feito em termos de divulgação das cabalas e da desinformação que somos alvo todos os dias. Só não presta para quem insistir em enfiar a cabeça na areia.

    Como não sou avestruz vou lendo regularmente. No fim a última palavra/opinião é minha.

  13. Uma coisa é meter a cabeça na areia, outra é tirá-la dum balde de areia e metê-la numa duna. Esse site é do mais rasca que tenho visto de sites conspiratórios. Pelo menos há alguns que se fazem parecer sérios.

  14. Miguel Jeri says:

    Não, não é conspiratório; pelo contrário é bastante sério. O que se passa é que nos dá conta dos factos que a maior parte dos media ignora ou dá pouca importância. Os textos são de grande qualidade e é um projecto que contou no seu início com a colaboração de Miguel Urbano Rodrigues e Rui Namorado Rosa, e que deixaram de participar regularmente exclusivamente por compromissos académicos.
    Repito, vale a pena consultar, se não nos fixarmos no aspecto gráfico que poderá não ser o melhor. De resto, realmente, a última palavra é nossa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.