Quantcast
PplWare Mobile

Google revela um pouco sobre o seu algoritmo de pesquisa

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Simões


  1. Shynkendo says:

    Boas,pessoal saiu o Mandriva 2011!!!

  2. gaguiel says:

    Ou é impressão minha ou a Apple fornece os macs para as reuniões dos engenheiros da Google? lol

  3. Vítor M. says:

    A Google tem neste produto o seu mais valioso produto. A génese da empresa que conhecemos hoje, o embrião de tantos projectos que nasceram, o meio de controlo da vida cibernética e da vida dos povos que se servem e quer servem a Google.

    Há uns anos tinha a ideia que a Google não iria perder a liderança do mundo tecnológico, mas esmoreceu, deixou-se ultrapassar por outros segmentos e hoje há quem aponta um abrandamento da evolução da empresa de Larry Page e Sergey Brin.

    O seu poder, principalmente o poder de controlo da vida das pessoas, é fortemente apetecido pelas agências de segurança, há quem aponte a Google como um parceiro de excelência da NSA, trabalhando mesmo em parceria, dentro alguns países, com governos este organismo norte-americano.

    Existe nalguns países ditatoriais um controlo, e muitos até uma proibição, às práticas da Google, sendo também este um meio desses mesmo países espionarem entidades internacionais.

    O mantra da Google, Don’t be evil, será um engodo pois sabemos que a Google, com a sua politica monopolista, sempre teve propósitos de se apoderar dos meios intelectuais da área tecnológica.

    A sua politica de aquisições assim o prova, os grandes produtos da empresa são fruto de trabalho de terceiros adquirido pela Google para controlo dos nichos de mercado.

    Assim foi com o Gmail, YouTube, com o Google Earth/Maps, com o Android e muitos outros… muitos mesmo, como podem ver aqui.

    É um empresa muito importante para o desenvolvimento do mundo da tecnologia, isso em muitos sectores, pois a Google expandiu-se já para segmentos de investigação de energias alternativas, robótica e investigação espacial.

    Há um sem número de projectos apoiados e suportados pela marca de Mountain View e grandes projectos dependem do capital investido anos a fio, um dos grandes exemplos é o Firefox, da Fundação Mozilla.

    A importância da Google cresce pelo desenvolvimento, pelo suporte pseudo-gratuito das ferramentas web e pelo “pushing” que faz ao mercado.

    O futuro da Google passará e estamos já a ver isso pelo contornar do seu mantra, a guerra das patentes assim o está a mostrar, a Google irá tornar-se evil e chamará a si muitos projectos criados e registados sob a marca Google.

    Esta marca, com fundadores profundamente apreciadores da Apple, inclusive tentaram contratar o seu ex-CEO, Steve Jobs, tenderá a alargar o seu leque para outras indústrias, será o novo mundo Google.

    • José Silva says:

      “com a sua politica monopolista”
      Agradeço exemplos. Onde é que eles têm o monopólio?

      • Vítor M. says:

        É simples: a definição de monopólio, em grosso modo, estabelece que num mercado há um produto em situação de concorrência imperfeita, em que uma empresa detém o mercado de um determinado produto ou serviço, impondo outros da sua rede de oferta a todos aos que dependem directa ou indirectamente.

        Ora numa analogia simples e relembrando alguns exemplos, a Google em tempos deixava como sugestão e mesmo com total suporte para os seus produtos o Firefox, mais tarde concentra tudo e com privilégio de serviço no Google Crome, dizendo mesmo que os seus produtos não funcionariam em condições no Internet Explorer, como foi o caso há uns anos.

        Outro ponto foi quando havia a concorrência ao Google Vídeos, o YouTube, a Google compra o maior serviço à data para absorver a concorrência mais directa.

        Mas há mais casos, pequenos serviços que foram simplesmente fundidos pois retiravam a similares da Google alguma visibilidade.

        Além disso, há todo um conjunto de estruturas conexas que sufocam outros produtos, havendo inclusive negociações para posição privilegiada dentro de determinados países, como sabemos que acontece.

        • Eu não vejo porque é que dantes eram uns tipos porreiros e agora que estão grandes já são “evil”.
          É obvio que como uma grande marca vai tentar defender aquilo que é deles com unhas e dentes, tal qual como a Apple ou a Microsofre.
          E não é preciso irem muito longe basta olharem para certas políticas da PT em relação ao mercado.

          O que é certo é que de todas as empresas que existe no mercado raras são aquelas que oferecem a todas as escolas de forma gratuita, email com 25GB + todo o resto de ferramentas gratuitas para se trabalhar, Docs, picasa, sketchup etc….

          Obvio que não há almoços grátis e todos sabemos que eles investem, por ex, no caso das escolas, tal qual como a Microsofre investiu nos Magalhães, e nos contratos fantásticos que tem com o ministério da educação.
          Investem de forma a que no futuro em vez de comprarem um Windows Mobile, compram um Android.

          Mas isso é evil, ou é visão para o negócio?

          Porque é que a Apple ao vender MacBook oferecia os iPod para estudantes? Para o pessoal comprar musicas.
          São evil ou é visão para o negócio?

          Porque é que a Apple “oferece” o serviço iTunes U?
          Porque no mesmo sitio onde vais estudar Matemática ao lado está a Jennifer Lopez por 0,99.

          O que é certo é que do ponto de vista do consumidor, da parte de grandes como a Microsofre, nunca deram nada a não ser um hotmail e um messenger bastante manhoso que só deu chatices com vírus.

          E o Google tem dado um mail decente, um sitio para escrever cartas sem pagar nada a ninguém, colocar videos da familia, um browser rápido, chamadas mais baratas, etc, etc, etc…..
          Já para não falar dos inúmeros recursos grátis que existem para quem programa.
          Recursos que possibilitam granhar dinheiro.

          Em relação à parte de monopólio.
          Eu vejo um pouco como o mercado a funcionar.
          É obvio que é uma merda quando o Google lança algum serviço gratuito e mete no desemprego empresas. Como quando lançou o Analytics.
          Mas acabo sempre por ver isso como uma oportunidade para quem realmente tem um produto diferente e francamente melhor que uma ferramenta gratuita.
          Basta ver que existe formulários gratuitos no docs, mas existe empresas (Portuguesas) que se dedicam só a isso, tiveram foi de evoluir e oferecer um produto francamente melhor.
          E se há algo que o Google nunca consegue fornecer é um serviço personalizado cara a cara.

          Resumindo, acho que todas as grandes empresas tem tendência a ser um pouco “evil” e monopolistas, se não o forem são comidas por outras.
          No fundo que ganhe a melhor.

          • Vítor M. says:

            Sim mas a Apple é Evil sim e tudo tem um preço, são comércio total, uma empresa lucrativa, como tantas outras, mas são declaradamente, a Google não dá nada, ilude, isso sim, ilude, vende publicidade que não te pergunta (se não naquelas letras minúsculas) se queres ver e ter links de pub no teu mail e outros produtos… usa os teus dados, como a tua idade, sexo, religião, local geográfico, hábitos, vícios, desejos…. e muito mais (fotos, vídeos, dados pessoais, etc,) para potenciar a sua oferta de publicidade, quanto custaria isso vendido às claras?

            Todas as empresas (menos as nossas de serviços públicos) visam o lucro, mas umas são honestas para com os seus clientes, outras não.

            Repara, um exemplo: a Apple é cara, os produtos Apple são caros e são apontados como sendo sectários e elitistas, mas já reparaste o preço que a Google lançou os seus dois Nexus?

            Isso sim é ser caro, pois foram dois flops.

            Mas a comunicação sociais… nunca tal etiquetou a google com esse rótulo pois não? Porquê?

            😉 se endireitarmos as costas e levantarmos a cabeça… vemos mais e melhor 😀

            Estou como tu, mas só com uma diferença, que ganhe o melhor… desde que seja eu. Sem falsos moralismos.

            Abraço e obrigado pela tua opinião, porreira e honesta.

        • STP says:

          Sim, claro.. Se não fosse a google onde estaríamos agora?!?! Muito muito muito atrás em termos de evolução!!

          E falas tanto da google, e a apple? Que quase nem permite o seu utilizadores usarem os produtos que compram como querem…

          • Vítor M. says:

            Sim a Apple também, não está em causa a Apple e também tem uma política muito restrita, o que tem de diferente é que não abarca tudo, tem o seu nicho.

            Claro que com o tempo e como aconteceu com a Microsoft, também tenderá a criar determinados “vícios” no mercado para poder controlar, se bem que tem clientes fidelizados que gostam e apreciam a marca.

            Claro que a Apple tem essa característica, diz logo que estás a pagar por algo e se quiseres algo tens de pagar, o mesmo faz a Microsoft entre outros, é um “evil” do mercado, pois é uma empresa que visa o lucro mas tem um grau de satisfação nos seus cliente importante.

            O mesmo se pode dizer da Microsoft, IBM e afins.

            A Google sempre pautou por uma posição “sonsa”, meio discreta ma voraz, com laivos de pouca frontalidade, como várias vezes foi apontado pelos players de mercado.

            Ser frontal e enfrentar a sua realidade sempre foi um acto para Homens 😀

        • Ricardo Elias says:

          “a Google em tempos deixava como sugestão e mesmo com total suporte para os seus produtos o Firefox, mais tarde concentra tudo e com privilégio de serviço no Google Crome,”

          Que privilegios de servico a Google tem dado ao Chrome e nao ao Firefox? Apenas para situarmos!

          Tanto quanto sei, a Google continua a pagar ‘a “Mozilla Corporation” para o seu motor vir pre-definido no Firefox, mesmo quando o Chrome continua a ganhar cada vez mais terreno comparado com o Firefox.

          “dizendo mesmo que os seus produtos não funcionariam em condições no Internet Explorer”

          E porque e’ isso? Porque a Google nao gosta do Interner Explorer? Para eliminar mais um concorrente?

          Ou sera’ porque e’ complicado suportar o Internet Explorer (que e’ dito por todos) e conseguir incluir novidades nos servicos da Google e ter um bom desempenho? A Google nao teve o trabalho de portar parte do Chromium para funcionar no Internet Explorer para que os utilizadores desse browser podessem ter uma boa experiencia com os produtos da Google, porque a Google iria deixar de limitar funcionalidades por causa de limitacoes nas versoes antigas do IE?

          Fiquem Bem!

          • Vítor M. says:

            Além de tirar os engenheiros do desenvolvimento do Firefox e os levar para o desenvolvimento do Crome?

            Da redução substancial de financiamento?

            Da remoção dos seus serviços toda e qualquer referência ao browser da Mozilla?

            Sei lá há tantos exemplos claros que te posso dar.

            E está nitidamente a enterrar o Firefox em favorecimento do Chrome, ou achas que interessa à Google ter o Chrome na sombra do Firefox? Achas mesmo.

            Só não acabou todo o financiamento para não abrir ao IE uma nova oportunidade de ganhar um espaço que perdeu há uns anos.

            Deixo-te aqui um texto interessante que pica alguns pontos que refiro:

            http://www.zdnet.co.uk/blogs/jacks-blog-10017212/will-google-kill-firefox-and-will-microsoft-save-it-10022049/

            O resto, pedia-te que fosses Googlar, pois não faltam exemplos claro do que afirmei.

          • Ricardo Elias says:

            “Da redução substancial de financiamento”

            Ate’ agora nao tem havido nenhuma reducao do financiamento. O contracto que a Google tem com a Mozilla Co dura 3 anos e ate’ ao momento apenas existe especulacao de terceiros se a Google vai remover suporte financeiro ou nao.

            Sinceramente, se o Firefox perder mercado/utilizadores e ficar em valores equivalentes de outros Browsers, e’ provavel que a Google diminua o valor que eles dao ‘a Mozilla Co. Nao gostaria que isso acontecesse, porque o Firefox continua e continuara’ a ser o meu browser de eleicao, mas a Google estaria longe de ser “evil” por tomar essa decisao.

            Quem e’ que pagaria o mesmo a uma companhia que detem 30% do mercado em 2009 e 3 anos depois passasse para metade?

            Mas se isso acontecer a Mozilla Co tem sempre a opcao de virar-se para o Bing ou outra empresa, ou tentar outra forma de financiamento.

            Quando o Firefox comecou a ganhar mais share, o Opera era pago, depois passou para publicidade e finalmente, acho com a ajuda de um contrato com uma determinada empresa, para gratuito. E isso aconteceu porque o Firefox comecou a atrair utilizadores do Opera com funcionalidades gratuitos. De certeza que os responsaveis pelo desenvolvimento do Opera nao gostaram de estarem a perder clientes devido ao Firefox, mas e’ o que acontece com competicao. No final, os utilizadores do Opera ate’ acabaram por benificiar.

            “E está nitidamente a enterrar o Firefox em favorecimento do Chrome, ou achas que interessa à Google ter o Chrome na sombra do Firefox? Achas mesmo.”

            Do que se tem notado nos comentarios no PPLware, os utilizadores do Firefox que preferem o Chrome pelo que oferece e’ que estao a enterrar o Firefox.

            “O resto, pedia-te que fosses Googlar, pois não faltam exemplos claro do que afirmei.”

            Eu uso bastante o Google para encontrar informacao. Quando te peco para dares exemplo, ou qualquer outro, e’ porque o que aparece no Google nao corresponde em nada com o que tu dizes (ou outros). Ou os artigos que falam mais ou menos do que dizes, sao muito preconceituoso para a Google e falam de especulacao como fossem factos.

            Disponibilizar links para justificar alguma afirmacao, ajuda a todos a compreender de onde estamos a basear a nossa informacao. Quando alguem diz para, “usem o google”, quando alguem quer referencias, sinceramente, e’ uma tactica de esquivar a justificar ideias.

            Quando na escola, os meus professores obrigavam-nos a incluir referencias no final dos trabalhos, para eles nao darem negativa, ou penalizarem-nos, porque alguem teve acesso a um livro que continha informacao desactualizado.

            Com todo o respeito e consideracao que tenho pelo trabalho que tu e outros teem para nos proporcionar este excelente site,

            Fiquem Bem!

    • Mossmann says:

      Não concordo com essa da “google vai tornar-se evil”.
      Já li num recente artigo do gizmodo que há muita gente me interpreta esse “motto” da forma errada.
      Não querendo desrespeitá-lo mas o Sr. Vítor M. está enganado quando afirma que a google está a fugir aos seus ideais expressos no “Don’t be evil”.

      • Vítor M. says:

        Não está e nunca a Apple foi tão criticada e processada, desde a Paypal, a Oracle, iSYS, pessoas em particular, organizações de defesa do cunsumidor e protecção de dados…. mas tantos!

        Na verdade a imprensa está pejada de casos e estão a crescer e vão crescei ainda mais.

        A Google está a tentar municiar-se com patentes para se defender, pois estas patentes adquiridas à Motorola e IBM vêm tentar, sim tentar defender alguns produtos da google do que outras marcas a estão a acusar.

        Depois, com as patentes em sua posse, irá fazer uso das mesmas, como já fez no passado.

        Não é por vontade ou não o será, não sei, mas o mercado e as incursões da Google em vários segmentos… agitam as águas e agora, cada vez mais, o pouco de conquista pode significar a segurança por mais uns anos. As empresas não estão a facilitar e não há amigos.

        • Ricardo Elias says:

          “Depois, com as patentes em sua posse, irá fazer uso das mesmas, como já fez no passado.”

          Podes fazer o favor de indicar que patentes a Google usou e como eles usaram-nas contra terceiros?

          Fiquem Bem!

          • Vítor M. says:

            Defender a propriedade intelectual e processar outras empresas?

            Não faltam exemplos se googlares.

          • Ricardo Elias says:

            Sei pesquisar, mas queria um exemplo dado por ti mesmo. Um ou dois links nao e’ pedir demais.

            Sei que a Google protege a sua propriedade intelectual, notificando companhias ou individuos que possam estar a infrigir os seus direitos e chegando a processa-los se eles nao aceitarem as suas exigencias. Desconheco situacoes que a Google esteja a ser monopolista ou a agir com o unico objectivo de eliminar injustamente competicao.

            E de todas as empresas, a Google e’ a que tem tentado ser o mais aberta e justa com os seus clientes (pagos ou gratuitos). Ha’ situacoes que eles agem de forma que nao me agrada, mas percebo os seus interesses.

            Tudo bem que deias o outro lado da Google, que muitos podem nao conhecer. Mas, sinceramente, “don’t be evil” para a Google so’ porque tens outros interesses.

            Fiquem Bem!

          • Vítor M. says:

            Ricardo Elias já não estou a perceber, começaste a perguntar sobre patentes e a defesa das mesmas, deixei-te uma sugestão, basta googlar e existem várias.

            Ao responderes viras a conversa para o monopólio e misturas tudo.

            Não sei o que te responder, além do que já respondi sobre o que entendo ser monopólio e sobre a defesa da propriedade intelectual.

            Na questão do mantra, volto a repetir que é cada vez mais uma empresa evil, pois o seu mercado e a sua posição de poderosa dentro da área tecnológica foi amplamente suplantada e como a Google é uma empresa que visa o lucro, irá defender com unhas e dentes o seu retorno financeiro, como fazem todas as outras.

            O comprar empresas para as retirar do seu caminho é uma forma de monopólio e foi sempre o que o Google fez, já dei exemplos anteriormente e cada dia verás mais exemplos desses.

            Tenho lido alguma coisa sobre as patentes e infracção das mesmas por parte da Google e segundo o que tenho lido, a Google já se tornou “evil” há muitos anos, inclusive, ao usurpar as patentes do Linux,

            http://fosspatents.blogspot.com/2011/04/texas-jury-finds-against-google-in.html

            Mas lá está são empresas que estão no mercado.

          • Ricardo Elias says:

            Pedi por uns links e tu dizes-me para googlar. O problema e’ que nao aparece nada sobre a Google processar outras empresas por elas infrigirem em patentes da Google.

            Na resposta que deste, questionaste sobre a Google proteger a sua “propriedade intelectual” e processar outras empresas. Foi nessa parte que respondi.

            “a Google já se tornou “evil” há muitos anos, inclusive, ao usurpar as patentes do Linux,”

            Patentes do Linux? Nao seria Patentes que o Linux Kernel esteja a infringir?

            A Google foi processado porque usa o Linux Kernel nos seus servidores e porque a empresa em questao, “Bedrock Computer Technologies LLC”, decidiu processar a Google por considerarem que o “Linux Kernel” infringe contra a sua patente. Mas como a Google, e outras empresas, teem muito mais dinheiro do que o projecto, a empresa em questao ataca os que podem pagar, mesmo que nao sejam responsaveis pelo codigo ou infraccao. A Google foi a tribunal para anular essa patente, para proteger os seus interesses e, por conseguinte, de todos os outros que usem o Linux Kernel.

            “Google can easily afford $5 million if it has to, but this patent infringement case has major implications for the IT industry in general and for Linux in particular.”

            uma parte bem importante:
            “The plaintiff identified a portion of the Linux kernel as part of the “Accused Instrumentalities”.”

            seguida de:
            “Many companies using Linux have already been required by the patent holder to pay royalties, and many more will now, based on this jury verdict, elect to pay.”

            Fiquem Bem!

          • Vítor M. says:

            Ricardo Elias está aí um exemplo toma-o como entenderes e justifica-o como quiseres.

            LINK

            Mas estávamos a falar das acções das empresas e nesse ponto a Google também tem os seus k’s…

            LINK

            Podes ver que o problema ainda é maior… mas há mais! 😉

          • Ricardo Elias says:

            No segundo link que deste, por acaso ja’ respondi a essas acusacoes num comentario a outro utilizador do PPlware.

            E a justificacao simples e mais valida do a minha e’ originada do Linus Torvalds e Richard Stallman. Se estes dois nao veem nenhuma violacao por causa de um grupo de structs e estrutura de dados, vao ser terceiros que nem sabem olhar para o codigo fonte?

            “Linux kernel creator Linus Torvalds has said new claims that Android violates the Linux license are “totally bogus.””
            http://www.networkworld.com/community/blog/linus-torvalds-android-copyright-violation-cl

            E o “crime” que a Google cometeu foi nao ter que aplicar totalmente o Bionic ao GPL mas ‘a licensa BSD? E ja’ agora, o que a Google fez e’ basicamente o que mesmo que o Linux Kernel/FSF faz para que o glibc possa ser regido pela licensa LGPL em vez da GPL.

            Fiquem Bem!

          • Vítor M. says:

            Ricardo Elias é claro que podemos desculpar com tudo e arranjar justificações para tudo, a Oracle também não pensa assim… mas ainda veremos alguém arranjar uma boa desculpa para “safar” a Google…

            Mas ok, volto a dizer que a Google cada vez está mais evil e tem os teus dados para ops vender a bom preço. Lembra-te disso.

            Mostrei-te n de casos onde está provada a atitude da Google menos correcta, mais agressiva, mais audaz, que arrebata os mercados, manipula os parceiros… mas se mesmo assim não querem ver… não sou eu que te vou obrigar de certeza.

            Eu tenho a Google como uma empresa que procura a qualquer custo o poder financeiro, assim como as outras, só que as outras fazem-no às claras. Mostram o preço que o utilizador tem de pagar.

          • Ricardo Elias says:

            Eu quero ver casos em que a Google se comportou como tu dizes. Mas ja’ falhaste em dois casos, nao sei se e’ por falta de conhecimento sobre os assuntos em questao ou simplesmente porque estas tao obsecado em falar mal da Google. Ja’ comeca a parecer que queres convencer com insistencia em vez de factos.

            Fiquem Bem!

  4. Gil says:

    pode ser que tenham todos comprado MacBooks para ir de encontro à política da Google de eliminar os ataques feitos aos terminais Windows

  5. José Silva says:

    “com a sua politica monopolista”

    Agradeço exemplos. Onde é que eles têm o monopólio?

    • aver says:

      … Dei o “Enter” antes de acabar de escrever …
      O que queria escrever é que se googlar por “pplware aver apple samsung” provavelmente encontro os meus comentários sobre o tema, às vezes de um dia para o outro.

      Não sei qual é o algoritmo que usa o Google para pesquisar/catalogar o que sai na blogosfera, mas se até os meus modestos comentários aparecem, sei lá o que é que o Google cataloga (e não divulga quando se faz a pesquisa).

      Eu sigo a regra de não escrever nada que não pudesse dizer pessoalmente. Agora o meu “nome de batismo” não ponho em lado nenhum (embora a esta altura o Google já esteja farto de saber, mesmo assim não facilito).

  6. YourPaysafe says:

    Já repararam na quantidade de pessoal indiano que trabalha na google?

    • JPedrosa says:

      e?

      Tal como na Oracle por exemplo.

      Tal como nos milhares de empresas que marcam presença em Bangalore.

    • Vítor M. says:

      Realmente… já na Microsoft, quando víamos as entrevistas dentro do HQ da MS, tinha muita gente “com pinta” de indiano.

      É um fenómeno interessante de se perceber.

      • jojo says:

        Há tempos vi uma reportagem com entrevistas a alguns gestores dos países emergentes. Um deles, indiano, dizia que a China será a “fabrica” do mundo e a India a empresa de serviços do mundo! Eles têm muita gente e alguns milhões academicamente muito bem formados!

      • Isto acontece por duas razões.
        Os indianos são mais que as mães logo a probabilidade de haver lá mais géniozinhos é maior que cá.
        Tem a melhor universidade para tecnologia do mundo, segundo muitos, muito melhor que o MIT.
        O IIT, e tem aulas gratuitas on-line, em Inglês.
        Num youtube perto de si.
        https://www.youtube.com/iit

        Patrocinado pelo… youtube.
        Isto porque já lá tinham videos com mais do que uma hora quando mais ninguém ainda podia ter no youtube videos com mais de 10 min.
        Assim evitaram o iTunes U.

  7. Ricardo says:

    pageranking

    simples motores de recomendação aplicados na hora exacta, claro que hoje está muito mais profundo mas o ideia passa todo por um algoritmo de recomendação

  8. Tiago Fonseca says:

    Lol Vítor em todos os artigos que leio no pplware, te vejo a defender a apple. Começo a pensar que te pagam. Btw n tenho produtos nem da apple nem da google.

    • Vítor M. says:

      Só não comentas nos que critico a Apple, deve ser dos teus olhos…. mas lá está, o pior cego… é o que não quer ver 😉

      Dizer a realidade do panorama, mesmo que custe a muita gente, faz parte da honestidade de quem informa, não escrevemos para nichos mas sim para a cultura tecnológica, depois o meu perfil não é defender marcas, mas sim produtos, pois eu utilizo produtos e não marcas.

      Discernir esse aspecto, só está ao alcance dos mais atentos, os distraídos levam com as moscas nos olhos 😀 e dizem bacuradas.

      • jojo says:

        Mais uma vez um comentário algo desagradável para quem apenas emitiu uma opinião!
        “Não havia nexexidade” como dizia o outro!
        Mesmo que as opiniões sejam pouco consistentes, fundamentadas ou “bacocas”, parece-me que responder ao mesmo nível faz isso mesmo – baixa o nível!
        Não é agradável, nem concordante com o trabalho que fazem aqui…
        Mas é só a minha opinião…

        • Vítor M. says:

          Não me parece, alias foi com nível, como é sempre o tom, mas por vezes temos de colocar os ponto sno i’s

          O jojo tem de ler tudo e se reparar foi uma resposta com cabeça, tronco e membros, ao ponto de pormenorizar o tipo de reacção e atitude face à realidade.

          Incomoda o facto de sermos directos e de tratamos as pessoas como pessoas?

          Se calhar estão habituados a serem ignorados, noutros meios de comunicação, aqui não, são tratados como pessoas, deve ser essa diferença que o jojo estranhou.

          É o mal dalgumas gentes neste país, não se sentem confortáveis quando são tratadas como pessoas e como pessoas merecem uma resposta às suas interpelações, não se baixa ao nível de ninguém nem o jojo é mais do que o Tiago Fonseca, nem pode dalguma forma estar emitir juízos de valor em relação a quem, muito possivelmente, não conhece.

          Na generalidade deixei uma sugestão, que o Tiago ficasse atento, sob pena de estar a interpretar mal, recorrendo a um adágio popular, certo e sem ofender e depois deixei uma explicação, que é merecida, sobre o comportamento que o Tiago havia posto em causa.

          Bacoco muitas vezes é o espirito com que determinadas pessoas, fruta da vida, da educação ou do momento, quiçá, trazem a um simples diálogo. 😉

          Além de ser a minha opinião é o meu respeito por cada um de vós e de nós.

          Abraço.

          • jojo says:

            Caro Vitor li o comentário todo e as diversas respostas!
            E ora agora é que o Vitor disse umas grandes verdades:
            “nem o jojo é mais do que o Tiago Fonseca, nem pode dalguma forma estar emitir juízos de valor em relação a quem, muito possivelmente, não conhece.”
            Não sou mais do que ninguém nem quero ser!
            Não emito juízos de valor sobre desconhecidos! Mas posso opinar sobre o que considero ser a forma profissional de informar, que penso que será o objectivo principal deste blog.
            Emiti uma opinião tal como o Vitor emitiu a sua. Com uma diferença: não destratei ninguém indirectamente, nem sugeri que fosse bacoco ou mal informado!!!
            Estranho serão os comentários que por vezes o Vitor faz! Então fala em “respeito pelos leitores!” e termina o comentário com “Bacoco muitas vezes é o espirito com que determinadas pessoas, fruta da vida, da educação ou do momento, quiçá, trazem a um simples diálogo.”
            O resto do que diz não vale a pena comentar… este país é o que é e os portugueses são o que são! Pelo que já vi por esse mundo fora não são muito diferentes dos outros: bacocos há-os em todo o lado e informados também, felizmente!
            A forma como sou tratado dos outros órgãos de comunicação social? Não tenho razões de queixa! Leio o que me agrada! Quando não me agrada deixo de ler.
            Também não estranhei nada porque já ando por aqui há algum tempo, como deve saber e sei como isto funciona, para o bem e para o mau…
            Reforço que apenas dei uma sugestão para que o nível da discussão se mantivesse elevado. Aceitar ou não o problema já não é meu…

        • Paulo Costa says:

          Boa Noite, Victor M.

          Comento pouco mas sou um leitor assíduo do Pplware e permite-me dizer que hoje, particularmente, vejo que estás inspirado e eu concordo com o jojo…é respostas com prosa atrás de prosa e “provérbios” indirectos, neste caso, para alguém que observou algo entre a Apple e a tua pessoa e infelizmente comentou.

          Apesar do vocabulário rico, da boa escrita intelectual empregue nas tuas respostas e os smiles nas entrelinhas: “cego”, “moscas nos olhos” e “bacuradas” não é bem algo que uma “pessoa” que comente aqui gostaria de ler, eu não gostava.

          Vi que deixaste um texto de resposta ao jojo a afirmar ainda mais a tua posição destas tuas críticas, mas desapareceu entretanto…

          Quis deixar aqui essa observação.

          Abraço

          • Paulo Costa says:

            Boas de novo…

            Quero corrigir o que referi no meu último comentário, que a tua resposta tinha desaparecido. De facto ainda se encontra aqui, um refresh resolveu…

            Abraço novamente

          • Vítor M. says:

            Paulo Costa… estas coisas de desaparecer e aparecer são tão estranhas e convenientes, não são? Mas sim acontecem. Nada que um refresh não resolva.

            Mas claro, o tema era outro e o assunto, por mais maduro que seja, sempre acaba com alguém a apontar o dedo às escolhas pessoais em vez de tratar do assunto em voga. Porque será, será por falta de capacidade intelectual em debater o tema, por falta de argumentação e então atira-se no emissor?

            O Paulo, poderia escrever sobre muita coisa, mas ainda por cima, comenta pouco e sem utilidade, o que manifestamente mostra que afinal também não percebeu o teor do assunto. É sobre o Google e os seus produtos, sobre a carreira tecnológica até à actualidade, o algoritmo mágico, o cerne da questão…

            Eu não mudo a minha forma de ser, eu tenho as minhas convicções e defendo o que acredito, não ziguezaguezeio ao som do balir da carneirada, nem pensar, eu defendo o que melhor me serve e justifico, não atiro nas convicções de quem defende o contrario.

            Certamente o Paulo também assim o é, mas usou mal a sua oportunidade de manifestar opinião sobre o assunto.

            Este é o mal que padece este país, as pessoas têm receio de dizer o que preferem, quando vão contra um grupo grande de barulhentos, não é quem fala mais alto que tem razão meu caro 😀

            É preciso defender com argumentos e foi o que fiz ao tecer a minha opinião… sobre o assunto claro, como a honestidade o exige.

            Faça o mesmo.

  9. é engraçado ver o pessoal a criticar a apple, e o iphone isto, o ipad aquilo, bla, bla, bla. mas ainda n li nada sobre apps com malware na app store da apple, coisa q me farto de ler relativamente à android market. a rigidez da apple tem coisas mas, mas tb tem mta coisa boa, como por exemplo filtrar esta historia do malware. tb erra mt, pois existem carradas de apps, aprovadas pela apple, q sao um engano redondo, uma aldrabice pegada, q servem apenas para nos fazerem gastar dinheiro. todas as marcas/fabricantes teem as suas coisas boas, e as suas coisas mas, ninguem é perfeito. a google para mim, o q tem feito tecnologicamente esta a milhas de avanço por exemplo de uma yahoo.

  10. aver says:

    Por falar em guerras Apple / Google …

    Cada vez se fala mais da Apple HDTV (televisão por streaming em alta definição em televisores dotados de iOS). Vai ser outro campo de batalha com o Google (se se quiser, com o Android).

    O melhor artigo que li sobre Apple HDTV
    http://uk.gear.ign.com/articles/118/1184841p1.html

    De facto a Apple cria necessidades de consumo que antes não existiam. Mas verdade, verdadinha, o tempo das PowerBox já passou. Acho que vai ser uma revolução nas televisões.

  11. phixie says:

    Está referência à yahoo fez-me sorrir… talvez alguns leitores não se recordem mas a yahoo já foi tão importante quanto a google é hoje. E, apesar de ultrapassada em muitos aspectos não morreu e ainda tem umas cartas na manga…
    E os nossos filhos (quem os tiver) ainda nos hao-de, muito provavelmente, perguntar o que era a google… 😉
    Não acho que alguma empresa seja “evil”, sendo que nenhuma é santa… agora que todas visam o lucro é uma realidade – e nenhuma o nega…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.