PplWare Mobile

Coreia do Sul quer acabar com bloatware nos smartphones


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Paulo Santos says:

    Ironicamente os Samsungs são os que vêm mais “inchados”!

    • Pedro Pinto says:

      As informações dizem que sim 🙂

      • arkan says:

        Pior que são, ja mexi de A a Z , e o S de samsung é o que mais tem tralhas, recem a samsung apps instalou sem meu consentimento o knox, depois o samsung smart key, e nao posso remover eles. Quem a samsung acha que é ? paguei caro meu s4, que nem é um SMARTphone tao esperto como o resto, porque come memoria, come energia, e nao dura nem 8h de uso e olha q desativei varios aplicativos que nem uso.

        Eu so quero o ver o s5, devera ser outro bloat cheio de tranqueiras, e pior, desempenho igual do s4 lixo, que se eu pudesse voltar no tempo nao teria comprado o s4 e sim um sony zq! ou ate mesmo um iphonediot

  2. Nelson says:

    Acho a lei um bocado ridícula, mas eles é que sabem… Lol

    • Pedro Pinto says:

      Sinceramente até concordo. Primeiro porque se trata de concorrência desleal, depois porque raio os fabricantes têm de incluir apps deles nos equipamentos que compramos? Temos algum desconto por isso?…e depois como desinstalamos aquela “tralha” toda?

      • MrT says:

        Sinceramente acho que o problema se foca mais na desinstalação. Porque não vejo mal em a marca colocar as suas apps nos telemóveis que vendem (apesar de se calhar 90% ou mais ser desnecessário). Eles depois têm é que deixar o utilizador desinstalar aquilo que não quer, com a maior das facilidades.
        Por isso se em vez de proibirem a vinda destes programas no telemóvel, e forçassem era as empresas a colocar formas de os desinstalar fazia mais sentido, pelo menos para mim.

      • Carlos Nogueira says:

        Existem aplicações que vêm instaladas que até dão um certo jeito, mas sim, na maioria só la estão a ocupar espaço. A solução por parte das empresas vai ser provavelmente da primeira vez que ligas o dispositivo ele pede para instalar essas aplicações e já vem com todas seleccionadas por pré-definição xD

        • Nelson says:

          Claro, mas qual é o juiz que vai decidir que aplicações é que são boas, e que aplicações é que são bulk?

          Além disso, pelo menos nos PC’s, muitas apps até são boas… Mas funcionam só por um curto período de tempo…

      • Nelson says:

        Eu discordo, porque é o seguinte.

        Se os fabricantes/operadoras não podem incluir as suas app’s, porque é que a Google pode incluir por exemplo, o Google Maps, play store, hangouts, plus, etc.? Para mim, o Plus, por exemplo, é um bloatware, pois eu não uso, já posso ter app’s da samsung/LG/panaqualquercoisa, por exemplo, que eu não considere bloatware.

        Isto não é concorrência desleal? Podes argumentar que o android é propriedade da Google, mas o telemóvel é propriedade da fabricante, que depois é vendido pela operadora, portanto, também é propriedade da operadora.

        Além disso, o modelo atual permite-te duas coisas: factory reset, pois essas app’s não desaparecem com o reset, e permitem-te continuar a utilizar o telemóvel, com 100% das capacidades depois do reset, como se fosse novo. Já que a samsung, nem nenhuma fabricante de software é obrigada a disponibilizar as suas app’s em nenhum lado, muito menos na loja de outra empresa (Google, Amazon, por exemplo).

        A segunda, também é bastante simples. Dá jeito, por exemplo, aos programadores android (assim como outros SO’s), se quiserem ter uma “web view”, ou seja, uma página web embebida na app, não ter de “inventar” um browser do zero, assim como para o caso de uma aplicação que use mapas!

        Ora se vais poder retirar as app’s que quiseres, também deves poder retirar o browser pré-instalado, e, por exemplo, o Google Maps, o gestor de contactos, etc. São pacotes android que depois são fundamentais para os programas de utilizador…

        Sinceramente, é receita para estupidez e desastre. Se não gostam das app’s que vem instalados nos seus smarts, comprem outro modelo, ou outra marca. Por exemplo, quem não gosta das cenas samausng, mas quer, p.ex. um S4, que compre a edição play store, que só vem com as cenas da Google. Ou outra edição que o fabricante queira fazer ou não!

        • Tyson says:

          Epá tu sempre que abres a boca só dizes asneiras. Cresce e aparece. Aprende alguma coisa e fala só depois.

        • tipsy says:

          Uma coisa são as “core apps” das quais o dispositivo e outras apps dependem outra são as apps da operadora e da marca que muitas vezes ficam muitas vezes a encher espaço para nada (a samsung por exemplo tem uma app própria para cada “core app” existente)

          • Nelson says:

            Mas nada nada distingue uma core app de outra qualquer… É um dos fundamentos do android, a única coisa que vai mesmo destinguir, vai ser o facto de umas não poderes desinstalar, e outras podes, umas irem embora com “reposição” e outras não.

            Por exemplo, Google play/App Store, acho que 99% das pessoas querem isso no seu android/ios respectivamente. Porém. O telemóvel funciona bem sem essas app’s…

            No caso do android, por exemplo, funciona muito bem, inclusive, tens telemóveis, maioritariamente chineses sem a play store (lá nem há esses serviços em muitos casos), ou os kindle da amazon que têm android com a store da amazon.

            Se me disseres agora que essa app é essencial, estás a fazer um downgrade á imagem da samsung, por exemplo. E haverá então empresas de primeira, e empresas de segunda. As app’s da operadora são menos importantes das app’s da Google? Com que fundamento?

            Já agora, as cenas da Google (Google play services, Google Maps — mesmo sem “uso”, Google blá blá blá, gastam bastante memória e bateria) aliás, são facilmente as que gastam mais em muitos utilizadores…

  3. pedro says:

    até que enfim … uma atitude inteligente … os utilizadores se quiserem as apps que as procurem e instalem !!! mb bem ….

  4. Tiroliro says:

    Acho bem. E a medida devia ser extensível aos computadores. Um gajo compra um equipamento, paga o equipamento, paga o sistema operativo, e ainda tem que levar com o lixo que nos querem impingir, que na sua maioria não serve para nada a não ser fazer as máquinas lentas e pesadas. É por isso que quando compro um pc, a primeira coisa que faço é formatar o disco e instalar um distro linux. Espero que chegue o dia em que o possa fazer também num smartphone, porque actualmente esse processo arranja mais problemas do que aqueles que resolve.

    • Nando says:

      presumo que se considere a inclusão do windows na categoria desse “lixo” eheh
      brincadeira àparte, a verdade é que quem não quer usar o windows acaba por pagá-lo na mesma se quiser ter o pc.

      • Luís Santos says:

        Pois, mas pode tirar de lá o Windows e instalar Linux. Pague ou não pague pode desfazer-se dele e continuar a usar o equipamento. Acho que no fundo a questão é esta mesma.

  5. André says:

    O problema passa também pelas operadoras… Só depois de fazer root ao meu tlm, é que consegui apagar a maior parte da tralha que a Vodafone colocou… O tlm de 800MHz, parece que passou a 2,2 GHZ Quad Core…

  6. Xiko37 says:

    Boa ideia. Uma trabalheira que tenho sempre que instalo uma Rom, apagar montes de coisas que não me interessam…

  7. Nando says:

    A inclusão de n programas pelos operadores até compreendo, desde que sejam vendidos mais baratos. A inclusão de programas específicos da Samsung, LG, etc, é mais discutível.
    Podiam todos eles permitir a sua desinstalação e instalação em qq momento. Isso sim. Não ficarem nativos a ocupar memória e gastar bateria.
    Quem sabe um pouco mais, faz o root do SO e desinstala essas aplicações que considera inúteis mas perde a garantia…(enfim, recupera a garantia se retirar o root, se conseguir, antes de o levar para reparar, caso necessário).
    Esta lei Sul Coreana significa que os operadores poderão instalar as apps de modo a que qq um as possa desinstalar se assim o quiser sem ter de fazer root.

  8. Nunes says:

    Acho a medida interessante mas muito perigosa! O que é que as autoridades vão considerar como bloatware? Há aplicações que se forem apagadas quebram outras funcionalidades importantes do telemóvel! Vão considerar as lojas de aplicações bloatware? ou um browser? qualquer um, ou só alguns!?

  9. Paulo M. says:

    Deixo um desafio ao pplware, para criar um Tutorial (caso dê), de como remover as app’s que não queremos duma ROM original e depois podermos compilar de novo para flashar a ROM a partir do programa ODIN. Bom Domingo a todos. 🙂

  10. tiago says:

    Alguem que finalmente, faz uma medida com cabeça, tronco e membros porque sinceramente, não interessa marcas nem modelos, um telemovel, smartphone, tablet ou afins vir com tralha dessa, além de ocupar espaço… 90% das aplicações os utilizadores não usam…

    Aprovem isso e façam com que as marcas se mexam todas nesse sentido!

  11. Matarruano says:

    Se não inflaciona o preço do aparelho,
    o estado não deve meter o bedelho.

    Mas para bem do comprador e da sua utilização,
    devem ser obrigados a ter uma fácil desinstalação.

    O problema mais grave continua a ser nos computadores,
    em que não há escolha e o preço do windows até dá ardores.

    Ainda mais grave é o google, com a manipulação de pesquisas,
    eu resolvo isso com o “DuckDuckGo”… e qq coisa k rime com “isas”

    Yo! bai Gerbázio! bai Gerbázio!

    PS: Erva e tinto combinam tão bem…

  12. Emannxx says:

    Concordo parcialmente com esta lei. Penso que deveria ser dada a possibilidade de desinstalar estas mesmas apps, até mesmo com um comando que premitisse remover tudo, ao invés de banir literalmente todas as apps dos fabricantes/operadores.

    Digo isto porque, por exemplo, adoro a aplicação STAMINA e o WALKMAN do meu Xperia, e não gostaria que uma lei me impedisse de as usar.

  13. pedro matos says:

    Porque é que nao compram iphones, isso sim é um telemovel, vao para android como samsungs e porcarias dessas depois queixam- se…bem feito

    • José Ramos says:

      Aposto que andas com o teu super crackeado. Cerca de 80% dos iphones começam logo com um Jailbreak para entre outras coisas serem livres mas…
      Convivem o resto da sua existência com algo parecido com o qual não podem ser livres (era assim que andaram os 3 que tive).
      Também tem lá muito bloatware do fabricante que tem como missão impor controle de utilização para não falar de uma aplicação exclusiva que administra as mudanças de firmware e ligação ao PC.

      • Nelson says:

        80%? Lol

        Com cada um… O meu iphone e o meu iPad não tem jailbreak.

      • Nelson says:

        Também não percebes nada do que falas, pelo menos é o que parece, o android também tem essa “aplicação” em qualquer telemóvel.

      • Nunes says:

        80% viva o exagero!
        se dissesses 8% estarias perto da verdade!
        Muito bloatware? o que já ficou demonstrado é que a Apple não atafulha o telemóvel com aplicações, e as que coloca ocupam pouco espaço.
        “uma aplicação exclusiva que administra as mudanças de firmware e ligação ao PC”
        devias preferir que qualquer aplicação pudesse fazer mudanças no firmware. Uma excelente medida de segurança, muito mais fiável e de confiança!

  14. Benchmark do iPhone 5 says:

    O Zdenet meteu a nota em coreano no Google Translate e o que obteve foi:

    “A Coreia do Sul determina que o bloatware pré-instalados no smartphones se possa apagar.

    As novas orientações exigirão que os fabricantes dêm aos utilizadores a opção de apagar aplicações desnecessárias que vêm instaladas, para corrigir práticas desrazoáveis e reduzir inconvenientes”.

    Permitir ao utilizador apagar o bloatware que não queira é acertado. Faz toda a diferença em relação ao que tem sido dito, que seriam os fabricantes a excluí-lo. Nem fazia sentido nenhum.

    http://www.zdnet.com/south-korea-rules-pre-installed-phone-bloatware-must-be-deletable-7000025533/

    • Nunes says:

      a minha questão é o que é que vai ser considerado bloatware!? é toda e qualquer aplicação? e quem é que decide? porquê uns e não outros? São coisas que mexem com modelos de negócio e pode ter consequências em perdas de funcionalidade dos telemóveis… é um pau de dois gumes

      • Benchmark do iPhone 5 says:

        Não há dúvida que um SO (iOS, Android, WP, …) integra no sistema operativo um conjunto de apps.

        Além disso, no caso do Android (no iOS não acontece e no WP não sei) os fabricantes, como a Samsung, e o operador instalam outras apps – que não podem ser removidas.

        O que o ministro coreano disse é que essas apps têm que ser removíveis por decisão do utilizador.

        O que estás a dizer, parece-me, é que o fabricante alterou o sistema operativo “a contar” com as funcionalidades introduzidas por essas apps – e, por isso, removendo essas apps, o telemóvel perde funcionalidades.

        Eu lembra-me do YouTube integrado no iOS (era um desastre, parado no tempo), quando a Apple o tirou do sistema operativo a Google o que fez foi tornar a app independente do sistema operativo. O YouTube de agora até podia vir de origem com o iOS – agora era removível e antes não era (tal como outras apps do IOS que não são removíveis).

        O que diz o ministro tem implicações – a Samsung terá que instalar um Android mais “puro”, sem as apps adicionais integradas. Ou seja, as apps de bloatware têm que ser desinstaláveis. Não me parece impossível. O que pode acontecer é a Samsung dizer “Asssim c’m’á sim vou criar o meu próprio SO, e integro lá as apps que quiser. Depois venham-me cá dizer que são bloatware”.

        • Nunes says:

          se queres que te diga não vejo uma medida destas a mexer só com o que estás a dizer… o que se leu não faz qualquer distinção se é de origem do sistema operativo ou não… justificando com questões concorrenciais, o que dá a entender o desejo de competição em pé de igualdade, por isso haverá serviços dos SO’s que se enquadram nessa problemática.

          • Benchmark do iPhone 5 says:

            Isso aí santa paciência – apps integradas no sistema operativo, como as Google no Android, não podem ser removidas pelo utilizador. Indo por esse caminho o Android não podia trazer apps não removíveis.

            Não são dessas que o ministro coreano está a falar. São das que o fabricante (e o operador) instalam. Podem instalar à vontade – desde que o utilizador as possa remover.

          • Nunes says:

            Todas elas acabam sendo do fabricante, pois o fabricante decide o que vai instalado, com base nos seus acordos.
            As leis são cegas, por isso, a não ser que defina uma lista de excepções, ou atribua a outra entidade essa definição (que tb pode fazer asneira), acaba apanhando tudo… É esse o mal dos governos se meterem nestes assuntos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.