Quantcast
PplWare Mobile

CMVM alerta para serviços do influencer Cláudio André

PUB

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Luis says:

    Quando o Claudio André é noticia no Pplware vemos que algo de errado se passa em Portugal

    • Asilva says:

      Correção : “quando o influencer Cláudio André….” ele é um influenciador e o poder de influência é tanta que já influenciou o pplware pois é este que lhe está a fazer publicidade….

      • GM says:

        Até lhe podes chamar de assobio. Publicidade é que não é. Quanto muito, no que ao PPLWARE diz respeito, está a apresentar a mensagem emanada pela CMVM.

  2. ElConquistador says:

    Ele vai dizer que são haters e que a CMVM tem inveja, hahaha

  3. Ze says:

    Quando o estado ou instituicoes do mesmo veem que o povinho pode tirar proveito e eles não, vem logo à carga. Invistam nos bancos isso é que é seguro.

  4. J.P. says:

    Mas o pessoal gosta é de idoletrar os vendedores de banha de cobra aka “influencers” no seu Porche verde, fatinho à panisga e sapatilha Gucci.

    Tirem a areia dos olhos e comecem a ler livros a sério.

    • Miguel says:

      “Influencers”, mais uma palavara bonita para substituir a verdadeira, que é, “Aldrabões”

      • GM says:

        +1. Mas quem é que no seu perfeito juízo se deixa influenciar por esta gente?? Seja este ou outros que tais.

      • Bruno says:

        Tive a felicidade ou infelicidade de me te cruzado com o nome Cláudio André pelo youtube nos últimos meses. E o nível de estupidez era tão concentrado nas publicações que julgava que o gajo estava a fazer grande personagem para criar views. Só podia. Afinal pode ter sido o forex que lhe queimou o último neurónio.

      • David Guerreiro says:

        Isso mesmo, são os termos inclusivos. Antigamente era aldrabão, vigarista, agora fazem tudo soft.

  5. Hugo says:

    O quê? O Cláudio André é burlão e não faz ideia do que fala? Não acredito!

  6. Vasco says:

    Acaba por ser algo parecido com a religião, cujo produto que venda nada mais representa do que simples desejos, aspirações e esperanças futuras. Não consta que tenham sido interditadas por causa disso. Para mim cada um deve ser livre de escrever as tolices que quiser, seja nas redes sociais, seja em artigos de jornais. Existem os curandeiros e existem os médicos competindo a cada um de nós escolher bem de entre as diversas opções disponíveis. Acho que o direito ao blá-blá-blá, seja de influencers, seja de negacionistas de covid ou seja de quem for deve ser sempre defendido.

    • GM says:

      Hitler’s e por aí fora, idem. As pessoas só seguem se quiserem. É isso?

      • Vasco says:

        É precisamente isso mesmo. Como aliás sempre foi ao longo da história e continuará a ser no futuro, a menos que a Liberdade individual seja posta de parte (o que conduz mais tarde a revoluções, etc.). A tónica deve ser sempre colocada na liberdade individual de pensamento e de consciência e o exercício da liberdade de expressão está intimamente ligado a isso.

    • RM says:

      Por acaso gostas de ser enganado ou prejudicado porque alguém teve a liberdade de o fazer ?
      Achas que todas as pessoas têm a capacidade de ver se estão a ser enganadas ou manipuladas ?

      • Vasco says:

        Acho que todas as pessoas têm a capacidade de pedir conselhos a quem sabe mais sobre determinados assuntos e é isso que se passa quando recorrem aos médicos, aos advogados, aos economistas, aos mecânicos, etc, etc. Apesar de não apreciar chicos-espertos, o que sucede é que eles não encostam uma pistola à cabeça de ninguém para obrigar a que os seus conselhos sejam seguidos.

        • RM says:

          Quando dizes o que dizes, falas por ti, mas não sabes como é que é o raciocínio das outras pessoas perante certas situações.
          Se as pessoas mais cultas/formadas podem ser enganadas, os que são ignorantes em certas matérias, facilmente o são.
          As crianças, os jovens e os mais idosos podem facilmente ser enganados e manipulados por aqueles que usam e abusam da liberdade de expressão.
          É obvio que não é preciso encostar uma pistola à cabeça de alguém para a obrigar a algo, mas basta “oferecer” algo apelativo, para a enganar.
          Por isso a liberdade de expressão tanto pode ser para o bem, como para o mal.

          • Vasco says:

            Exactamente. Tanto para o bem, como para o mal, e daí ser liberdade de expressão, e não condicionamento de expressão ou expressão condicionada. Ignorantes em certas matérias todos nós, e sem excepção absolutamente de ninguém e daí, ser necessário preservar a todo o custo o nosso direito à informação. Exceptuando casos extremos, toda e qualquer opinião deve poder ser livremente expressa, e o que o influencer em questão faz é vender opiniões, vender conselhos, e não sei se isso pode ser criminalizado. Em relação à liberdade de expressão -envolva ou não dinheiro-, sou daqueles que acho que se devem tolerar quase todos os excessos uma vez que se trata de um bem da maior importância que se prende com a nossa Liberdade. A impor limites a esse bem, quem o poderia fazer e com base em que critérios? Os seus próprios?

        • Hélio Musco says:

          O problema não é encostar a pistola. É o seu poder como influenciador.

          Se o primeiro ministro fizer uma apresentação amanhã a dizer que injectar lixívia para o braço cura o COVID e milhares de pessoas fizerem isso, ele terá a responsabilidade dessas mortes. O mesmo para um mecânico que aperte mal uma porca para poupar trabalho que no final pode causar um acidente. O mesmo para um economista que diz que aumentar/baixar impostos é o caminho e depois resulta numa recessão no país inteiro após essas medidas.

          Tirar a responsabilidade a cargos que devem ter responsabilidade é levar a sociedade para a corrupção (mais do que já está!).

    • SSD says:

      Oh claudio André vá, rua que aqui não enganas ninguém. O mundo de hoje em dia é mesmo o 8 ou 80, ou se dá liberdade a mais, ou é chato que se calhar é melhor não gastarem centenas com um gajo que não percebe patavina do assunto.
      Eu sou religioso há quase 3 dezenas de anos e garanto-te que não tenho uma colecção de garrafas com ar de Fátima em casa (embora pela tua lógica, também deva haber liberdade para vender tais coisas). Já gastei algum dinheiro em obras de caridade ou até em angariações de fundos para os putos irem a algum lado, nada que me arrependa até hoje. Ao contrário por exemplo, dos 25 compradores do curso do Windows XP que exigiram o dinheiro de volta, quando souberam que estavam a pagar 400!! Paus por meia dúzia de páginas da Wikipédia…
      Para além disso temos de ter consideração que boa parte dos seguidores destes influenciadores é pessoal novo, sem grande experiência e que tal como visto jo caso referido, facilmente enganam, que não tem outra forma de dizer, algumas dezenas de pessoas a gastaram centenas de euros num produto que não vale 10% disso.

  7. Luisão says:

    Adorei ver aquele vídeo em que o Cláudio André esteve a mostrar o seu T2 em Alverca com terraço. A MTV ficou envergonhada ao comparar com o Cribs!
    Quem é que não confia num puto de 20 e anos com o nome Cláudio André para investir dinheiro e ganhar milhões como ele e os amigos dele?

  8. criança says:

    Isto é discriminação. Só porque o rapaz parece um atrasado mental não o querem deixar roubar pessoas.

  9. Danyyel says:

    Enfim, mas nunca mais proíbem/regulamentar essa atividade de “influencer”??

  10. scp says:

    Criptomoedas é basicamente forex, é câmbio de moedas como se fosse euro/dólar. Mantenham-se longe!!

  11. Paulex says:

    CMVM e Banco de Portugal alertam para produtos vendidos pelo BES/BANIF/BPN… Isso sim eram notícias úteis há anos…

  12. Jonny says:

    Quem?! E o quê?

  13. Atento says:

    Perdoem-me a ignorância, mas, quem é o Cláudio André ?
    Mas alguém embarca neste tipo de palermice ?
    A CMVM em que gastar recursos a alertar sobre isto ?
    Algo vai mal neste país. Qualquer dia temos o SNS a avisar sobre o gume das facas que pode cortar os dedos se não for utilizado com cuidado …
    Bem … também tivemos os «coitadinhos» do BES a dizer que pensavam que as obrigações eram depósitos a prazo … (apesar de haver uma diferença superior a 500% na remuneração entre um e outro)

    • SSD says:

      Infelizmente quando tiveste 25 pessoas a comprar lá o excelentíssimo curso do Windows 98 a CMVM ou alguém tem de alertar que estes artistas não são ninguém para vender cursos de investimento

    • David Guerreiro says:

      Adolescentes (e alguns adultos) da geração basofe, em que acreditam em tudo o que vêm nas redes sociais, e aparecem esses “influencers” a vender formas de ficar rico com pouco dinheiro e pouco esforço. É o tipo de imbecis que a sociedade está a produzir, umas metem vídeos no Tiktok a mostrar os peitos, outros dão enxertos de porrada nos colegas da escola e filmam tudo. E daí nascem esses Cláudios Andrés e Davids Soares, que aproveitam a santa ignorância dessa gente.

    • lpyonvbgtwvmldeojh@mhzayt.online says:

      A CMVM tem de alertar sobre isso quando quem anda a fazer isto tem lucros de 1.2M por ano a roubar pessoal, assim como tem de surgir investigações para meter esses gajos na cadeia.
      Não é o caso do Claudio André que esse é só um atrasado mental que nem 1000€ deve ter.

  14. Sardinha Enlatada says:

    Mais um cigano descoberto. So faltam descobrir os outros ciganos, nomeadamente alguns politicos a solta, bem como banqueiros, e ainda para ajudar a festa alguns comentadores que so sabem enganar. Mas esses sao intocaveis claro esta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.