PplWare Mobile

CEO Alibaba: Falsificações às vezes são melhores que o original


Autor: Vítor M.


  1. NT says:

    Se os produtos contrafeitos têm qualidade idêntica e custam um décimo do preço só porque não tem o logótipo da marca… Então acho que o comércio dos logótipos é onde está a mina de ouro! Aumentar o preço de um produto n vezes mais por causa do logótipo é porque o mesmo é de qualidade.
    Infelizmente também existem “cópias piratas” sem qualidade nenhuma mas o mesmo acontece com material de marca…

    • Anónimo says:

      O “problema” é que o que custa dinheiro não é só o logótipo, é todo o custo de investigação e desenvolvimento que permitiu chegar às plantas de construção daquilo que é efectivamente vendido.
      Mesmo que o “pirata” use as mesmas plantas, com os mesmos materiais e o mesmo tudo para fazer a cópia, a verdade inconveniente é que suportar as cópias é dar “um tiro no pé” no desenvolvimento desses produtos — aqueles que o imitador espera copiar no futuro.

      É um pouco como na escola, temos o aluno que estuda afincadamente, pratica exercício atrás de exercício para evitar surpresas, e faz pergunta atrás de pergunta para ir mais além de todos os restantes.
      Chega ao exame e esse aluno tira uma excelente nota. O Chinês tira a mesma nota — copia por ele. Será que contratar o Chinês é igual a contratar o aluno original? Duvido.

      • Anjo says:

        Tens razão, mas além disso, quando compramos de marca sabemos à partida que é de qualidade, não temos que jogar à roleta russa. O problema põe-se por exemplo, no meu caso, as ferramentas de programação e diagnóstico de viaturas em que as marcas abusam, à ferramentas a mais de 5000 euros, e além disso ainda tens de pagar 500 a 1000 euros por ano se queres continuar a usa-las, enquanto a falsificadas, pagas 100 a 300 euros. É além de mais tens que comprar várias, no meu caso para o Hobbie, tinha que penhorar a casa. Portanto compro falsificado, mas ainda não encontrei nada melhor que o original, tanto em hardware como em suporte, e o suporte é muito km portante. Tudo o resto eu compro original, não vale a pena comprar falsificado, acho um erro além de os materiais e a construção não prestarem, não ajuda mos as marcas a desenvolver mais produtos.

      • NT says:

        “… é todo o custo de investigação e desenvolvimento que permitiu chegar às plantas de construção…”

        Se calhar em vez de andarem a “esconder” como fazer bem se todos colaborassem teríamos melhores produtos. O que acontece muito na área da saúde(por exemplo) é estarem 100 laboratórios a investigar as mesmas coisas e a chegarem às mesmas conclusões… Só resta saber quem mete(compra) a patente primeiro. E depois todas essas “inovações” são ‘roubadas’ de outros, tipo tens um casaco que é revolucionário por ter botões quadrados, quando na realidade os botões já existiam…

        Temos que mudar muito este mundo porque a “economia” atual não é assim tão económica e para quem pensa que só vai acontecer depois de eu morrer… Com estas “guerrinhas” de países/marcas/etc. é tão somente para controlo de recursos que chegam para todos e cada vez mais vamos criar estes mitos de que “os outros” é que não sabem, por isso é que não podem comprar, comer….

      • a says:

        A minha opiniao relativamente à tua comparação: “Chega ao exame e esse aluno tira uma excelente nota. O Chinês tira a mesma nota — copia por ele. Será que contratar o Chinês é igual a contratar o aluno original? Duvido.”
        Considero isto correcto: porque um produto fisico (ex: telemovel) na tua frase é o teste (resultado final) e não o chinês…. TU vais usar o telemovel e não o chines, o que o produto te oferece já está lá e nunca na vida vai ter “mais ou menos”, é o que for.
        Neste aspecto, não estás correcto. O que podes dizer é: entao e esta empresa vai oferecer suporte (atualizacoes, manutencao, etc…) futuro? isso é outra historia.

    • David Guerreiro says:

      O que sucedia muito há umas décadas eram as marcas ocidentais, contratarem chineses para tratarem de arranjar fábricas para produzirem os seus produtos. Os chineses nem sempre eram sérios, e criavam fábricas paralelas a produzir cópias, para lançar no mercado.

    • salazar says:

      Todos sabemos que o valor acrescentado está na marca

      • joao magalhaes says:

        Não é bem só na marca, o problema é que grandes marcas gastam milhões em marketing e publicidade e claro que quem vai pagar isso tudo é o consumidor final, depois têm que ter o lucro deles e aí é que eles se esticam um pouco, mas enquanto houver malta a comprar os produtos e a pagar o preço que eles querem, isto vai continuar assim.

    • JokaRA says:

      A MARCA tem registo da mesma o que custa dinheiro. Daí encarece o produto final.
      Logo, se alguém usar a marca num produto não autorizado está a incorrer em ilegalidade.

  2. Miguel says:

    Nem tanto ao mar nem tanto a terra, mas nao deixa de estar muito longe da realidade !

  3. Paulo F. says:

    Muitas marcas acharam irresistível passarem a produção dos produtos para a China, a mão de obra e o custo de produção são tentadores. Mas com isso expõem todo o know-how adquirido a essa malta que não tem grandes escrúpulos em criar um negócio paralelo.
    Mas nem todos os produtos são bons, dou o exemplo das lâminas de barbear da Gilette, no Alibaba encontram preços irresistíveis mas desenganem-se que nem 1/10 da qualidade dos originais tem. Certos produtos eléctricos podem até comprometer a integridade física dos clientes ou dos seus bens. Eles roubam muito nos fios de cobre e fazem tomadas que não respeitam os mínimos de segurança e facilmente entram em curto-circuito. Embora tenha muitas lâmpadas compradas na china e até sejam de boa qualidade, tenho muito cuidado com tudo o resto. Produtos alimentares ou que tenham contacto com alimentos também jamais comprarei, que a maioria não respeita alguns requisitos básicos da segurança alimentar.

  4. otorrinolaringologista says:

    Nao concordo com falsificações. Sejam de boa qualidade ou não, estão a roubar muito trabalho de investigação as marcas que os desenvolveram e riscos. E depois há a confiança na qualidade do produto.

    Se uma falsificação já é de qualidade, então ja houve bastante pesquisa e atenção aos materiais. Neste caso, porque não lançar o produto com marca própria?

    Huawei, zte, xiaomi e afins são bons exemplos de marcas que tiveram inicios meio duvidosos, mas acordaram e hoje são o que são.

    Mas é como tudo, a imagem vende tanto ou mais que a qualidade. Olhem as mulheres “boazonhas, mas falsificadas” lol

  5. Victor Esteves says:

    Not original but better quality!!!
    😀
    Nice…

  6. Paulo Duarte says:

    Mas as marcas também podiam ajudar ao combate da fraude. Dou 1 exemplo:
    Se quiser comprar um equipamento de ciclismo de uma qualquer marca conhecida vou dar €60 para a camisola e €40 para os calções (nem falo de meias luvas etc). Não seria mais vantajoso para essas mesmas marcas fazerem equipamentos (réplicas), mesmo que fossem de inferior qualidade e venderem a metade do preço!? Isso ia fazer com que as falsificações deixassem de compensar tanto e entre dar €40 para o outro lado do mundo ou ir à loja (com todas as vantagens que isso acarreta) e deixar lá €50, acho que as marcas iam ter vantagem…
    Claro que nem tudo é tão linear mas em muitos casos seria possível

  7. Pedro says:

    Ele acaba por ter razão e sabe mais do que eu do que fala. É impressionante que agora, tudo, tudo, tudo, é made in China, mesmo quando compramos os “oficiais” das grande marcas. Chegou a um ponto que é dificil realmente distinguir, e saber até que ponto estamos mesmo a ser gamados pela marca ou gamados pelas cópias…

    • dasd says:

      Isso não quer dizer nada, vais a um empresa da Apple na china e vamos a uma empresa de uma marca chinesa (algumas) na china e tens algo completamente diferente… Made in China -> pagar menos ao trabalhadores, mas os processos de controlo são completamente diferentes

    • Paulo says:

      “Chegou a um ponto que é dificil realmente distinguir”

      Só se for para ti!

      Nota-se bem quando uma coisa é genuína ou falsificada. Se tu reconheces o que é bom.

      • copias says:

        Dizes tu. Ainda tenho roupa e outros artigos “falsificados” comprados na China á 7 e 8 anos por menos de 10% do preço dos “originais” ja usados e lavados vezes sem conta em perfeito estado, diria ate melhor que muitos “originais” comprados á 1 ou 2 anos.

  8. Rogerio says:

    A lista de marcas conhecidas que fabricam na China ja são mais que os países de origem. Pagamos o mesmo preço da mao de obra, leis ambientais, qualidade de produtos, regaras de comercio, etc, etc, por produtos feitos com mao de obra baratíssima, sem leis ambientais, sem controlo, etc. As marcas são as únicas que ganham pois os preços continuam altos e os lucros são enormes. Ganham os chineses que fabricam e as marcas que vendem. A culpa e nossa em comprar. Se houver um boicote terão que mudar os seus modelos de negocio. Apple, Tommy, Nike, Adidas, Saccoor, Aldo, Timberland, Pioneer, Sony,etc, etc, etc. todas feitas na China. Nao comprem made em China e logo verao que começam a aparecer novamente made in Portugal, USA, UK, France, Japan…….

  9. forever says:

    Tem alguma razao naquilo que diz, basta ver a apple vendem produtos a peso de ouro sendo quase tudo peças chinesas e tailandesas em que se encontra em qualquer outro equipamento, ”Eles usam exactamente as mesmas fábricas, os mesmos materiais, mas não usam o nome (das marcas)” , estamos numa altura em que a qualidade entre os produtos pouco se destingue a nivel de hardware e aqui o marketing das empresas funciona, porque as pessoas pensam que tao a comprar algu unico e afinal teem noutra e qualquer marca,as vezes dame para rir quando vemos nas apresentaçoes eles a mostrar como se monta um telefone ou a desmontalo num ambiente de luxo para dar a entender que sao construidos ou desmantelados com qualidade, ouve para ai uma apresentaçao da apple em que se via um robô a desmantelar um iphone (ate deram um nome ao robo ”liam”) tudo muito bonito, quando na realidade nao é nada daquilo

    • forever says:

      Para acabar lembrome de quando foi ah china um diretor la de uma empresa disse.me com muita pena minha ”o que um chines faz aqui, sao precisos 3 em portugal pelo dobro do ordenado”, isto nao quer dizer que um portugues trabalhe pouco,a exploraçao naquele pais é uma realidade, e estas empresas com nome lucram bastante a ir buscar pessoas as ruas e a lhes pagar miserias, num rapido exemplo – sai mais caro para eles pagarem a 1000 pessoas qualificadas com o devido ordenado do que meter ecrans com safira em 100.000 iphones, por isso aquelas bonitezas de apresentaçoes e qualidade na construçao que as vezes parece que dao a entender que tao a montar um rolex dame para rir, a china está para a electronica como a india esta para a roupa como portugal esta para o pingo doce com todo o devido respeito por quem la trabalha

  10. Alvega says:

    A historia repete-se, e chegará o dia em que os chineses vão provar do próprio veneno, pois vai surgir quem vai produzir mais barato em algum lugar do mundo, seja na Índia, em África ou numa ditadura qualquer e a toque de escravatura.
    Antes dos chineses já os Japoneses fizeram o mesmo, copiaram em grande escala, depois dominaram o mercado (automóvel e electrónica) e actualmente é o que se sabe, estão há anos em DEFLAÇÃO.
    Nenhum povo ou pessoa é bom em tudo, pode ser bom em algo, mas em tudo é impossível, por isso aproveitem enquanto a vaca dá leite pois a teta pode secar.

  11. Henrique says:

    Era bom que os produtos que esse gajo vende falsificados fossem tão bons como os de marca. Mas não são.

    Já para não falar daquelas coisas que deixam de funcionar passadas umas semanas e dos casos de baterias a explodir. Mas no site tem lá 5 estrelas. E como vêm da China, ninguém exige garantia, ninguém devolve, não há crises…

    Há coisas de qualidade na china, sim, mas os chineses não são burros nenhuns, e quando têm qualidade, metem marca, como as conhecidas Dji e Xiaomi, por exemplo, que já têm muitas falsificações por aí!

  12. Tico says:

    Antigamente fazia lá (aliexpress…) compras com o MBNET (criava os cartões fazia a compra e de seguida cancelava o cartão), qdo começaram a pedir cópia do cartão de cidadão e do cartão de crédito, perderam meia centena de clientes (comprava coisas para mim e para a familia, amigos e colegas de trabalho). Agora pago mais 30 cêntimos por produto mas não tenho essas “mariquices” de andarem a pedir dados privados.

    • SFontes says:

      Eu faço compras por lá (aliexpress) e nunca me pediram cópia do cartão de cidadão e do cartão de crédito… uso o MBNET na boa

      • Tico says:

        Pois criei novas contas em nome de familiares e acontecia o mesmo (voltavam a pedir cópia do cartão de crédito… porque achavam estranho ter um número de cartão de crédito diferente todas as vezes que fazia compras), foi muito claro para mim… talvez seja porque comprava o mesmo produto o mais barato possível sem as estrelas… agora compro no ebay e na amazon as entregas também são gratuitas, pago mais mas existem tretas… não estou para fazer uma encomenda (confirmarem o pagamento) e dois dias depois receber um email a dizer que tinha de fazer uma “apelação”.

    • Zane says:

      Eu compro no ali express com mbnet e não me lembro de me pedir nada do género.
      Qualquer maneira a conta de chips espertos como tu é que acontece está coisas, faz trafulhice e ainda se queixa lol.

      • Tico says:

        Que trafulhice? Pagar com um mbnet é dinheiro a débito (sem recurso a crédito)… Só compro o que me interessa, não compro por ter mais estrelas, ou por ter mais pedidos… Eu compreendo bem esquemas, tem o mesmo produto a vários preços mas quando o cliente quer comprar o mais barato, arranjam desculpas… agora põem-se a enviar “newsletter”, não obrigado.

    • Vitolas says:

      Engraçado que eu tenho mais de 1000 encomendas feitas no aliexpress assim como conheço imensas pessoas que compram por lá e tirando a minha morada como é óbvio,nunca me pediram mais dado privado nenhum..Falar mal só porque sim é fantástico.

      • Tico says:

        És um sortudo, sei que o ser humano não gosta de contar desvantagem… mas foi o que me aconteceu a mim e a várias pessoas que conheço, o dinheiro sempre esteve disponível, as compras que consegui fazer foram fantasticas, ás vezes o mesmo produto comprado a vendedores diferentes vinha com embalagem e com o outro não trazia, tipo uma pelicula de vidro temperado para o telemóvel uma vinha na caixa, outra vinha entre duas placas de esferovite, nada a apontar porque a embalagem é a primeira coisa que vai para o lixo… mas quando começaram a impedir de comprar, usando esquemas… (pedir cópia do documento de identificação quando a lei proibe pedir cópia do documento de identificação e cópia do cartão de crédito (que não existe porque é virtual).

  13. Fox says:

    Este Jack Ma é uma anedota, o que tem a ver a qualidade com a falsificação? O problema é que estão a falsificar produtos esse é o problema… quer tenham melhor ou menor qualidade são produtos falsificados.

    • Zé Montanelas says:

      Não é a questão de ser “falsificado”, muitos equipamentos apenas têm 1 design externo identico ou similar e depois chamam-lhe chingling

      Isto é apenas mais 1 sistema de equilibrio no universo, não concordo nem discordo, porque demais é mau e de menos também

  14. George Orwell says:

    As contrafações mais bem sucedidas da história são o sistemas operativo do Mac e seus descendentes e o do Windows.
    O sistema da Apple reproduziu os ecrãs “bit-mapped” manobrados por um rato que Steve Jobs teve a privilegiada oportunidade de conhecer nos laboratórios da Xerox. O sucesso foi tal que a Apple chegou até a patentear formas curvas ( já faltou mais para patentear o acto de respirar ou a propriedade do ar ).

    Por sua vez, a Microsoft reproduziu no Windows os mesmos ecrãs “bit-mapped” manobrados por um rato sobretudo nos PC “IBM compatíveis”.
    Ficou famosa a reunião convocada por Jobs para ameaçar Gates de um arraso de processos judiciais por o Windows reproduzir o sistema do Macintosh, o que mereceu de Gates a sugestão de que ambos eram ladrões que queriam furtar o mesmo televisor, só que Jobs chegou primeiro e fez o “job” (na perfeição, diga-se). Talvez tocado por tal sugestão, Jobs recuou na pretensão de arrasar com a Microsoft e seu Windows.
    (fonte : biografia autorizada de Steve Jobs, do título homónimo, por Walter Isaacson)

    Claro que a contrafação é uma ilicitude, como tal censurável. Mas é também uma das mais antigas profissões do mundo, a qual, tal como “a outra”, as leis nunca conseguirão erradicar completamente.

    De facto, o ideal seria o de todos terem a possibilidade de comprar iPhones, Samsungs Galaxy, malas Vuitton, envergar polos do jacaré ou do cavalinho etc. etc..
    Porém, mais de metade da população mundial vive abaixo do limiar de um dólar por dia e sem água potável em casa. Se tiverem acesso a um computador e “smartphone” a baixos preços têm em si uma janela de oportunidade para os libertar da iliteracia total a que estavam condenados ( e também mais um cliente para uma empresa de telecomunicações ou ISP ), o que, por sua vez, gera desenvolvimento e oportunidade para comprar então produtos genuínos.

    Este senhor chinês disse uma verdade muito próxima duma “lapalissade”.
    E quem diz verdades não deve ser condenado por isso.

    Na verdade, não se trata de Alibaba e os quarenta ladrões.

  15. otorrinolaringologista says:

    ha tempos comprei uns phones sem fios duma marca chinesa, que tinha boa reputação pelas reviews que vi na net.

    no entanto estranhei a duração da bateria era muito inferior e o alcance também. Andei a procura de mais informação e reparei que havia um botão diferente… fiz mais pesquisa e eram falsificados.

    Ainda fui a tempo de reclamar e fui reembolsado, porque supostamente tinha comprado original.

    uma semana depois o conector usb interno partiu. desmontei para o soldar e o material era de muito baixa qualidade. a placa de circuito estava colada com cola termica, e rachou onde estava a ficha. Tentei soldar e o fio da coluna partiu tambem. Dei um ligeiro puxão pelo outro para soldar os dois de forma idêntica e a coluna partiu-se irremediavelmente…

    ao menos aproveitei a bateria para outra brincadeira

  16. otorrinolaringologista says:

    nao foi a meizu que começou o negócio a fabricar iphones falsos?

    e nao foi a mesma meizu que no ano passado fabricou o smartphone mais potente?

    a china é mesmo um sitio estranho

  17. Maria says:

    “O que é original é bom”, nunca me arrependi de comprar original, já o falsificado é deitar dinheiro fora…

  18. Pedro says:

    Eu concordo que em certas coisas algumas imitações são melhores.
    Dou como exemplo o Renault Twizy, o Rayttle E28 é uma imitação/cópia muito bem feita, com a grande adição de portas inteiras e vidros eléctricos coisa que o original não tem.

    Como é óbvio continua ser uma questão difícil de avaliar positivamente. É certo que podem e devem tirar ideias e depois modificar de certa forma o design para não ser tão parecido, mas normalmente não o fazem exactamente pelo facto do design já ser famoso, pois assim vendem mais.

  19. Alisson says:

    Eu concordo as vezes com algumas coisas sobre isso, por exemplo meu dock charger do smartwatch da samsung gear s2 só fica em casa e eu tenho um igual que carrega masi rapido que o original….

    o dock charger wifi carrega tb meu smartphone….MAS vestidos e make up vejo muitas mulheres reclamando.

  20. delaorden says:

    O assunto não é fácil. Concordo 100% em que há cópias melhores que originais (alguns casos), mas como dizem aqui no norte ” you get what you paid for…” Outro ponto…. é impossível ignorar que em geral a produção de produtos made in China melhorou e muito nos últimos anos. Acredito que eles chegarão a um estágio bem aceitável em pouquíssimo tempo. Copias são cópias, só isso. Eu comprei um violão Epiphone ORIGINAL, mas confeccionado na China sob a supervisão da Gibson (eles tem uma fábrica lá) e me saiu melhor que muitos de marcas mais caras. NÃO PODEMOS DESPREZAR O POTENCIAL GIGANTESCO DA CHINA.
    Agora, outro caso aqui no Brasil: Falando aqui com um dono de famosa loja de calçados, e do qual tenho amizade, me confessou que junto com os tenis originais Adidas, Nike etc… eles misturavam cópias chinesas, praticamente idênticas, com custo de 10% dos originais e ninguém percebia, reclamava etc… Aí eu te pergunto….quem é o bandido ?

  21. João V. says:

    Recentemente precisei de uns protectores frontais, para as minhas lentes da máquina fotográfica. No site da marca pediam 10€ por cada um, esses mesmos, que nem 1 ano duraram nas minhas lentes. Num conhecido site chinês, encontrei igual, com a marca e tudo, comprei 5, cada protecção a 0,82€, quando chegou, fiquei impressionado com a qualidade de construção, muito mais resistente que o original. Se valeu a pena, claro que valeu. Poupei dinheiro e nem portes de envio cobraram.

  22. amag says:

    Pois, e a maioria avaria rápido e como sabemos ser contrafação temos vergonha de mostrar como fomos parvos e não reclamamos… e eles ganham milhões… e afinal esses produtos ficam caríssimos pois não funcionam como os originais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.