Quantcast
PplWare Mobile

Depois dos Smartphones, das SmartTVs… chegam as Smartguns

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. ervilhoid says:

    legalizem é a erva lol

  2. bean_around15 says:

    Ya..sigam o Colorado…se funciona pra eles…

  3. Benchmark do iPhone 5 says:

    Não tenho armas em casa graças a deus.
    Se tivesse podia ter morto alguém por um motivo que já me esqueci, e do “morto” também.

    Não há dúvida que quem tem armas em casa e filhos nunca pode estar descansado. Para isso o tal RFID podia ser uma segurança, até o “puto” o descobrir e não servir para nada.

    Continua a não servir de nada para prevenir alguém de disparar sobre outro, num acesso. “Arma inteligente” é um contra-senso. Inteligente é não ter armas (não confundir com aceitar tudo, porque “Quem mais se baixa mais o cu lhe aparece”).

    • Carlos Nascimento says:

      Tenho armas em casa…graças a Deus, e escrevo com maiúscula como católico que sou.
      Fui criado com armas em casa desde que me lembro, o meu pai apenas me mostrou o poder destrutivo delas, tínhamos (e temos) uma casa de campo numa zona isolada (naquela época), e, com bom discernimento, o meu pai sempre me ensinou que tentar negociar com o invasor não era boa ideia.

      Agora deixemos nos de tretas : se alguém tentar invadir o meu domicílio e der conta que há alguém em casa, as hipóteses de eu ser atingido são elevadas. Tenho o DEVER, não apenas o direito mas o DEVER, de me defender, a minha vida e a dos meus.

      Claro que há sempre quem defenda esse pseudo civismo… “ah e tal, sr criminoso… vamos lá interpretar o código penal, sabe… o sr entrou na minha propriedade sem pedir licença”.
      É pá, tenham dó, uma coisa é ser pacífico, outra é ser pacifista, estes últimos fazem-me vómitos, conhecidos também (em filosofia) por irenistas, do grego “irene” = paz, mas paz a todo o custo, essa não papo.
      Para os que (ironicamente ou não) se referem à legalização da “erva”, bem… a droga mata lentamente, o agressor mata… da forma que lhe der mais jeito.

      Nunca tive que usar, mas sigo a regra básica e elementar: só se puxa duma arma caso se tenha real intenção de a usar, se um dia tiver que o fazer vou seguir mais uma regra básica: nunca atirar às pernas, braços e afins, sempre ao tórax ou à cabeça, conforme a distância permita a precisão do disparo.

      É que sabem? Podem tentar tirar as armas ao comum e cumpridor cidadão, mas os criminosos vão sempre possui-las.

      Claro… prometo que é a última regra para possuir uma arma: que seja legal (de preferência embora facultativo), e te-los bem no sítio (maneira de falar)

      • ervilhoid says:

        Concordo em parte!Quanto à legalização da erva fui um pouco irônico (ou não),mas não consegui deixar de mandar aquele desabafo, porque há regulamentação para armas porque não para o cannabis?

        Talvez ainda devia ser mais forte a regulamentação visto que às 2 por 3 aparece uma notícia de uma chacina na América.

        O senhor falou muito bem sabe usar e está consciente do que é uma arma. nem toda a gente usa uma arma para o mal, pode ser auto defesa, mas o que se vê é notícias de tiroteio homens que atiram na mulher por ciúmes, não entendo porque uma simples discussão acaba nisso,a facilidade com que se arranja uma arma e como tanta gente as tem.

        Assim como nem toda a gente que fuma é inconsciente,é malandro ou criminoso.

        O mal é que se prefere incutir o medo às pessoas e não educalas, em vez disso cresci a ouvir “nunca experimentes nunca mais largas o vício!”. Escondem o verdadeiro problema para debaixo do tapete e as pessoas são educadas da pior maneira, na rua…

      • David says:

        A diferença entre a droga matar lentamente e as armas espontaneamente é que, no caso da “droga”, a vítima assim o quis voluntariamente. Ninguém tem o direito de premir o gatilho ao peito ou cabeça de alguém, mas pelos vistos é a favor da pena de morte. Violência gera violência e a criminalidade não se previne com todos os cidadãos estarem equipados com arma. Se mesmo a própria polícia tem vários casos infelizes quanto à morte de inocentes, não seria melhor prevenir que tal problema aconteça? E que tal começar com não mostrar “o poder destrutivo delas” aos seus filhos contrariamente ao que o seu pai o fez? Se eles tanto quiserem conhecer vão para um campo de tiro assim que tiverem idade.
        Apostarmos na prevenção minimiza o aparecimento de problemas sendo sempre a melhor solução!

        • Carlos Nascimento says:

          Sou contra a pena de morte, gostaria de deixar isso bem claro, embora seja um assunto ambíguo, isto porque defendo a proporcionalidade da pena em relação ao crime, logo… quem mata…
          Sou contra a pena de morte pela sua irreversibilidade, só isso. Comete-se um erro de julgamento e não há volta a dar.
          No caso de alguém invadir o meu domicílio não há erros de julgamento, o tipo/a não estaria ali para alimentar o meu gato. E por norma quem entra numa casa para roubar leva armas de fogo.

          Mas há que separar os cenários, no caso hipotético que referi tratar-se-ia de escolher entre a minha (pena de) morte ou a (pena de) morte do invasor/criminoso. Historicamente está bem provado que tentar neutralizar o invasor com meias medidas resulta mal… Para o invadido.
          Admito que me expressei de forma radical, mas as coisas são assim mesmo.
          Fique também bem claro que num cenário de assalto de rua, mesmo que eu tenha uma arma comigo (é muito raro) prefiro entregar a carteira, o relógio e toda a tralha electrónica que trago comigo, a vida do criminoso vale mais que os meus pertences.

          Vamos desmistificar uma coisa: uma arma é uma máquina, tem uma função menos nobre é certo, mas é uma simples máquina. Quantas manobras verdadeiramente criminosas vemos por essas estradas com uma viatura?
          O tablet com que escrevo este post pode salvar uma vida ou, se acertar bem de quina, pode matar alguém.

        • Merchan says:

          “Ninguém tem o direito de premir o gatilho ao peito ou cabeça de alguém…”
          Aí esta você falou bem…e quando alguém atira, ou tem intenção disso, sobre nos? não podemos ter maneira de nos defender?
          A Utilização de armas de fogo devia ser permitida, para pessoas capazes, treinadas e avaliadas psicologicamente…
          Claro está que em Portugal isso é impensável, até um policia para combater o crime se dispara é preso, seja qual for a circunstancia, até mesmo para se defenderem…
          Você fala assim porque nunca teve uma arma apontada a si, senão mudaria rapidamente esse pensamento.
          País de pessoas com medo, sem experiência, e acima de tudo ignorantes nunca vamos a lado nenhum.

      • Rui says:

        Nos States qualquer um pode ter uma arma, graças à constituição, e o resultado é o que se vê.

        • Carlos Nascimento says:

          Lê algumas estatísticas dos States, nas áreas onde a população está fortemente armada há menos assaltos e invasões de propriedade.
          E depois comparar os Estados Unidos não liga com nada, eles têm uns 200 anos de história e aquilo foi erigido à lei da bala.
          Existe é uma diferença, e que lá existe o conceito de autodefesa, coisa que aqui nem por isso.
          Se alguém te agride e tu te defendes, e caso tenhas o azar de fazer mossa, tas tramado, o tipo faz queixa de ti e és chamado a tribunal como arguido, se não tiveres testemunhas arranjas uma dor de cabeça para uns anos.

          • Rui says:

            Na minha opinião, o direito a possuir arma é apenas um de alguns exemplos que não deveríamos importar dos states. Foram poucas a vitimas nesse país, mortos por pessoas que tinham mais armamento em casa delas que muitas das nossas esquadras.

            Se eles tem 200 de história à lei da bala e não conseguem evoluir é problema deles, e essa evolução que não existe por lá verifica-se por exemplo no sistema jurídico que eles possuem, caindo no ridículo de o assaltante poder processar o proprietário por não ter a passadeira no local correcto.

            Os impostos que pago são para ter uma força de segurança presente e que garanta a o mínimo de crimes possível.

            Como é que é possível avaliar a 100% uma pessoa que não irá utilizar uma arma para matar alguém?

            Pessoalmente incomodaria-me muito se em Portugal cada casa, cada apartamento, tivesse armas lá dentro. Se por pequenas coisas já há a confusão que há, com armas…

            Mas cada um com a sua opinião. Felizmente vivemos aparentemente num estado democrático. Pode sempre tentar pedir a liberalização através de referendo e pode ser que existam mais de 50% com a sua perspectiva. Não se queixe depois das consequências 😉

        • Ruca says:

          Nós pagamos impostos que por sua vez paga as forças policiais, mas no entanto só vemos as forças policiais a fazerem fiscalizações e operaçoes stop e caça às multas. As forças policiais nada fazem quando assaltam a residência de alguém e se ainda se tiver suspeitas de alguém tem de se ter muito cuidado pois essa pessoa pode meter um processo em cima do acusante, enfim a lei portuguesa está boa para o ladrão, etc…

          Aprovo o uso de porte de arma, desde que as pessoas tenham consciência do que têm nas mãos e claro dentro de casa devem ter um armeiro devidamente seguro para as armas e não como se vê nos filmes dentro de uma caixa de brinquedos.

          Já agora então e facas, tacos de beisebol, espadas, arcos e flechas, bestas…..

      • Pedro says:

        Desculpe mas não lhe cabe a si fazer justiça. Isto não é a republica das bananas, está provado que quanto mais díficil é para a população em geral ter uma arma de fogo, menos é provael que um ladrão também a tenha. Portugal vs EUA é um bom exemplo.
        Aliás, você é um bom exemplo, pela foto já tem alguma idade e nunca precisou da arma para nada e é pocuo provavel que vá precisar.
        Resumo: só gastou tempo, dinheiro, e ainda tem um brinquedo perigoso para crianças ou alguém sem juizo em casa.

        • Carlos Nascimento says:

          Para já está desculpado. Aqui cada um tem todo o direito de se expressar, nem tinha que pedir desculpa.
          Idade, 48
          Cabe-me fazer justiça caso esteja a ser injustiçado ao ponto de me tirarem a vida.
          Aqui por casa tudo tem juízo, neste ponto peço-lhe eu desculpa, não fale do que não sabe.

          Tempo e dinheiro é relativo e subjectivo, ambos são meus. Apenas me dá mais uma razão para ter armas: tanto o tempo como o dinheiro podem ser-me tirados instantaneamente, se eu puder prevenir isso… melhor

          • ervilhoid says:

            Em parte percebo o Carlos, p.ex aqui alguém que entra em nossa casa sem autorização tem quase tanta proteção como se fosse o dono da casa, se lhe bateres ou atirares tens que pagar por isso.

            Mas isso não justifica ter armas para toda a gente, para mim a solução passa por re educar a sociedade e uma maior fiscalização.

            Quantos às armas inteligentes até podem ter um aspecto positivo mas la controverso é, actualmente quase toda a tecnologia no mercado é contornavel em questão de segurança..

        • Raí says:

          Você conhece o Brasil? Temos a campanha de desarmamento, população não pode ter porte d e arma, agora TODOS os bandidos tem, eles fazem o que quiser com o povo, invadem qualquer lugar pois sabem que não existe ninguém contra eles.

          • Carlos Nascimento says:

            Conheço sim, esse maldito governo do PT vai fazer tudo para conseguir manter as armas nas mãos dos criminosos e tira-las das mãos do cidadão comum, é que a Dilma foi terrorista, é do conhecimento publico. Aconcelho te a procurar por Olavo de Carvalho e é ver/ouvir/ler o que ele denúncia sobre essa gente (se escrevo c o r j a o comentário não passa)

      • Nuno Vieira says:

        Esse teu pensamento explica a razão pela qual a América é um país onde quase não há homicídios usando armas. Dar armas para toda a gente não é a solução. Muitos crimes, mas mesmo muitos crimes são perpetuados utilizando armas legais.

      • Nelson says:

        Você diz isso, mas se um dia acertar num, reze bem para que este não tenha amigos mais perigosos que ele…

  4. Mário Silva says:

    Falo apenas por mim. Quem já manuseou todo o tipo de armas (Forças Armadas), desde ligeiras a pesadas, não tem qualquer problema sobre possuir ou não possuir uma arma para defesa pessoal já que a sociedade actual virou selva e quem utilizou uma arma para se defender (guerra) por vezes e em certas situações, sente a falta dela… Mas para quem nunca manuseou uma arma, nem teve treinos específicos de armas, munições, carreira de tiro, etc., claro que terá de ser avaliado técnica e psicologicamente sobre o porte da mesma, senão e às tantas isto vira Farwest…

    • Carlos Nascimento says:

      Apesar do que escrevi acima concordo plenamente.

    • NãoDigo says:

      Ter manuseado muitas armas não quer dizer que esta capacitado para ter uma, ou se esta capacitado que não vai deixar de estar.

      Veja os casos recentes na América que militares que entraram no quartel a matar colegas.

      Queremos uma arma para nos defender dos outros? Mas se os outros também tem essa autorização, acho que ainda ficamos é mais inseguros, tudo de arma na mão. A mínima coisa tiroteio.

      • krull says:

        O ponto é, armas trazem sensação de poder, Freud explica.

        • Carlos Nascimento says:

          Sigmund Freud explica que o sonho do filho/a era matar o pai/mãe para tomar o poder, por si só já dava para ver que o homem fumava tudo menos tabaco.

          • ervilhoid says:

            pelo que sei desse homem ele tinha problema com cocaina, bem diferente de erva, embora as notícias dos ultimos dias apontam o contrário e digam que é mais perigosa…

            É o que faz o pessoal não ter a tranquilidade de plantar em casa e depois apanha com tudo o que lhe aparece..

            Mas é isso, é na comida, medicamentos, radiações por equipamentos eletrónicos.. é a vida

          • Nuno Vieira says:

            Ainda existem muitos psicanalistas que não põem de parte o síndrome de Edipo. Também é preciso ter atenção que Freud postulou esta teoria ainda no século 19. Muita coisa mudou desde essa altura.

  5. krull says:

    Pela matéria mesmos vemos que esses grupos pro-armamentistas não passam de bandidos.

  6. Fábio says:

    Se a arma fosse inteligente jamais ficaria a mercê de um ente que mata os seus iguais por motivos banais.

  7. Nuno Gonçalves says:

    Finalmente chegamos ao futuro do Judge Dredd – http://en.wikipedia.org/wiki/Lawgiver_(Judge_Dredd)

    • Artur Matias says:

      É o costume. Não sei se quem teve essa ideia na altura era visionário, ou se quem desenvolve neste momento está condicionado por aquilo que já viu e caminha nesse sentido. Talvez um pouco de ambos.

  8. QualquerUm says:

    Por exemplo, uma arma que só dispare em horas de expediente…

  9. Rato says:

    Acho que estamos melhor assim num país em que a maior parte das pessoas não tem armas, há menos mortes por todos os motivos acima descritos, o continente americano e não só nos EUA é exatamente ao contrário da Europa porque toda a gente tem arma assim o queira e o respeito pela vida é zero, o resultado é assassinatos todos os dias e a toda a hora. Depois de ler tantas considerações sobre este assunto, acho que deve ser pessoal a escolha de ter ou não ter armas para defesa pessoal, e quem diz que é facil obter uma arma em portugal de certeza que nunca se dedicou á procura, não é assim tão fácil como dizem.

    • Carlos Nascimento says:

      Quando quiseres uma avisa, calibre 45, e olha que não sou eu quem as vende. A minha é legal.
      Chega a ser mais difícil encontrar um sítio onde comer kebab (que adoro) do que um sítio onde se venda ou te informem onde comprar uma arma.
      Mas é um pouco como as impressoras, são baratas e fáceis de encontrar, os tinteiros é que lhes dão lucro. Com as armas acontece o mesmo, as munições é que são caras.

      PS: lá por gostar de kebab não sou terrorista 🙂

  10. pmf says:

    E uma colher de pedreiro ou uma chave inglesa? Não podem ser consideradas armas?
    Claro que ninguém compra uma arma (pistola) para fazer de bibelot, mas a arma está na forma de utilizar qualquer utensílio.
    Com este sistema (e eu não sou defensor do porte de arma, até porque não tenho nem nunca tive alguma) no mínimo, pela balística (que se vê nos filmes) saberíamos quem disparou.

  11. Benchmark do iPhone 5 says:

    Um cão. “Quem tem medo compra um cão”. É bem certo e passo a explicar porquê.
    Quem tem filhos sabe que há uma altura em que eles começam a passar bastante tempo em casa sem os pais. Pode acontecer aos 7 anos, aos 10, aos 12, mas inevitavelmente acontece.
    Arranjem-lhes um cão. Um de tamanho médio de 20 e poucos quilos serve, não precisa de ser um bisonte nem uma fera.
    Uma arma em casa não lhe serve para nada. Um cão proteje. E faz bastante companhia.

  12. João Ramos says:

    Com o passar dos anos, a informática tem vindo a crescer muito depressa que chega a ser dificil acompanhar este crescimento. Com este crescimento a informática pode ser muito boa, mas tambem pode vir a causar grandes problemas, e neste momento a guerra no mundo cibernáutico tem vindo a ser uma das mais perigosas, pois devido a avanço da tecnologia, é-nos permitido fazer N coisas a distância, (activar uma bomba remotamente, com um simples clique podemos desactivar diversos serviços que a população usa) na minha opinião a legalização das armas inteligentes, vai ser mais uma maneira de poder haver mais guerras, porque até mesmo o sistema mais seguro pode ser invadido.

    Neste momento acho que existem mais coisas com que se preocupar do que com a Legalização de Armas Inteligentes.

  13. halnaweb says:

    Engraçado como os filmes inspiram a vida real. Recordam-se daquele filme com o stallone em que faz de juíz e executador? O sujeito tinha uma pistola ainda mais sofisticada – reconhecia o ADN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.