Quantcast
PplWare Mobile

Apple reduziu tempo de avaliação das aplicações da App Store

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Simões


  1. Kel Cardoso Brasil says:

    O IOS é muito limitado; fica bom só com jailbreak. Tenho um ipad está correndo a ultima versão do IOS. E sem jailbreak fica dificil…

  2. rui says:

    Uma vez tive uma aplicação 19 dias à espera para ser aprovada. Aprovaram, mas demoraram. Na Play Store ficou praticamente de imediato.

    • Zaark says:

      Daí a quantidade de apps falsas e maliciosas que chegou a haver na Play Store (creio que felizmente tem diminuído). O tempo que a Apple demora dá uma maior garantia da segurança das apps que entram na App Store. [Nota para quem vier dizer que existem apps dessas na App Store: eu disse maior garantia, não disse garantia absoluta]

    • Bacalhau says:

      Na AppStore tem verificação manual, na PlayStore não.

  3. Antwin says:

    há algumas coisas neste artigo que fazem confusão.
    É por não serem avaliadas exclusivamente de forma automática, envolvendo análise humana, que sempre se compreendeu o tempo que demorava a aprovação.
    A maior fatia de lucros e receitas vem das vendas de iPhones, não dos serviços para os quais apenas se sabe as receitas.
    Se existe um possível benefício a médio prazo por satisfazer as necessidades dos programadores, existem também muito provavelmente custos imediatos para a Apple com a loja para conseguir melhorar a avaliação. Não é certo que com isto dê mais benefícios directos na actividade da loja, mas é provável que melhore a satisfação dos programadores e clientes com todo o ecossistema da Apple, o que tem influência nas vendas de equipamentos também.

  4. Limbus says:

    Será que é desta que o Nuno Agonia vai poder publicar aplicações apesar de “ter demasiados videos sobre Android”?
    Estas políticas ridículas da Apple são no mínimo desleais.

  5. Bacalhau says:

    “A maior fatia de lucros veio dos serviços que a empresa disponibiliza aos utilizadores e onde a App Store está presente.”

    Fiquei a saber que o iPhone é um serviço…

    • Joao Peixoto says:

      Bacalhau, vai lá aprender a ler que mal não te faz.

      • Antwin says:

        deverias perceber ironia. a maior fatia de lucros da Apple não veio dos serviços mas da venda de iPhones

        • Joao Peixoto says:

          Bem afinal sou eu que precisa de aprender a ler.
          mas, não confundir lucro com receita. de facto, os iphones são o que representam maior receita e lucro para a empresa, os lucros da empresa foram de 18mil milhoes de 75.9mil milhoes de receita. A margem de lucro de cada divisão, penso que a mais alta seja a dos serviços. Mas sim a frase do autor da notícia está errada.

          • Antwin says:

            não há nada que leve a crer que a margem de lucros do segmento de Serviços seja a mais alta. A Apple tem vários custos com as lojas, entre pagar a quem produz os conteúdos, servidores, pessoal, serviços com outras empresas, etc.

          • Paulo says:

            É conhecida a marge da Apple para a música, aplicações, livros, etc.

            É 30%!

            Desses 30%, não é só lucro, têm as infraestrutura, infraestrutura de pagamentos, e o pior de tudo: impostos…

            É matematicamente impossível, mesmo!

          • Bacalhau says:

            Os valores reportados para serviços já são desses 30% apenas.

          • Antwin says:

            @ Bacalhau, os valores são uma mistura de muitas coisas. Para a loja de aplicações são só os 30% mas para outras lojas é tudo que o cliente paga. Mesmo com os 30% continua a haver outros custos para a Apple.

          • Paulo says:

            Que lojas é que é “tudo”?

          • Antwin says:

            os conteúdos no itunes

          • Joao Peixoto says:

            se 70% vai directo para os criadores das apps isso não é receita. a receita sao os 30% que recebe, e sao esses os 7mil milhoes, depois de pagar a todos e tudo fica a volta dos 50% visto que faz perto dos os custos associados aos servicos sao de 3.5 mil milhoes. a apple leva a volta dos 100 dolares todos os anos a todos os registados, coisa que a google so leva 25 uma vez na vida. e o normal é os servicos darem mais margem de lucro, muito mau era se fosse o contrario. a blackberry é o unico departamento que faz dinheiro. a unica que consegue competir nesse campo é a google

          • Paulo says:

            Que contúdos do iTunes é que a Apple leva 100%?

            Põem lá as músicas e não pagam aos autores?

            Ou é o Tim Cook a tocar violino?

          • Antwin says:

            @ Paulo, estás a confundir receitas com lucros. A Apple contabiliza nas suas receitas do iTunes 100% daquilo que é pago pelo consumidor, fora impostos. Depois desses 100% terá custos a pagar a quem licenciou os conteúdos, tal como numa loja da esquina contabiliza os pagamentos feitos pelos clientes e depois tem os custos com o pagamento aos fornecedores.
            A loja de aplicações é que tem contabilidade diferente, pois o modelo de negócio é diferente. Funciona mais como um intermediário, com a Apple a receber uma comissão pela venda.

        • Antwin says:

          @ Joao Peixoto, estás enganado. Os 6mil milhões e não 7, são uma mistura de muitas coisas. A loja de aplicações contabiliza só a comissão da Apple, mas as outras contabilizam tudo o que a pessoa paga, com a Apple a ter que pagar à volta de 70% a quem fornece os conteúdos. As receitas da loja de aplicações devem ser cerca de 30% do segmento de serviços da Apple, de modo que muito dificilmente tem margens de 50%

  6. LG says:

    Lembro me dá Pebble teve atualizações rápidas (semanais) mas quando o Apple Watch foi lançado, começaram a esperar umas 3 semanas… That’s weird

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.