Redes – Classes de endereços IP, sabe quais são?


Destaques PPLWARE

36 Respostas

  1. ruben says:

    Conhecem alguma ferramenta para ocultar um endereço IP em Portugal?

    Vocês como estão na rede sapo, apesar de independentes, podia perguntar à PT como é que vai a implementação do IPv6 e a outros se quiserem.

    • Carlos says:

      A resposta a essa pergunta julgo ser do domínio público…

      http://www.telecom.pt/ipv6

      • ruben says:

        isso eu sei, mas gostava de saber como é que vai a implementação.

        • Carlos says:

          A minha percepção é que está a avançar com passos curtos. E a expansão da rede da PT continua a fazer-se no IPv4… (último bloco obtido em Abril de 2010)

          pt.telepac
          PT Comunicacoes S.A.

          19930901 144.64/16 ALLOCATED PA
          19940413 194.65/19 ALLOCATED UNSPECIFIED
          19950929 194.65.32/19 ALLOCATED UNSPECIFIED
          19960515 194.65.128/17 ALLOCATED PA
          19960515 194.65.64/18 ALLOCATED PA
          19980602 212.55.128/18 ALLOCATED PA
          19991224 213.13/16 ALLOCATED PA
          20020806 81.193/16 ALLOCATED PA
          20031119 82.154/15 ALLOCATED PA
          20050103 85.240/13 ALLOCATED PA
          20090325 188.80/14 ALLOCATED PA
          20100429 2.80/14 ALLOCATED PA
          20020814 2001:08a0::/32

          (source=ftp://ftp.ripe.net/ripe/stats/membership/alloclist.txt)

  2. Black25 says:

    Obrigado… vou ter exame de informatica para a semana, e calha exactamente esta matéria…

    Para além disso é uma boa explicação para os interessados nestes assuntos, ou até para os que gostam de ter cultura geral…

  3. bastos says:

    Excelente artigo! Faz-me lembrar os tempos de inicio de aulas em sistemas distribuídos!! 🙂 É sempre bom relembrar e útil para aprender!!

    Desculpem o “off-topic” que segue, mas parece que a ACAPOR já começou a sua festa!
    hxxp://partidopiratapt.eu/arquivos/1101

  4. M.Manuelito says:

    Muito bem explicado. Cada vez percebo mais de redes a pala do pplware.:-)

  5. Ricardo Cruz says:

    Era mesmo disto que estava a precisar 🙂

  6. carter says:

    bom tópico sobre redes…lembrou-me algumas matérias esquecidas nas aulas de CD (Comunicação de Dados)

    offtopic hoje não há o “Update”?? Já estou com saudades do programa

  7. VLSM !!! says:

    Aaaarghhh. Isto são conceitos de 1900 e trócó-passo!
    O que está em vigor na Internet, já desde o século/milénio passado é o VLSM (Variable Length Subnet Masking).

    Em http://www.iana.org/assignments/ipv4-address-space/ipv4-address-space.xml está a prova que o espaço 0-127 não é inteiramente usado para criar redes com 16 milhões de endereços. Ou seja, os americanos desbarataram uma boa parte dele oferecendo-o a algumas das suas grandes empresas, mas o resto do mundo ainda foi a tempo de colocar algum bom senso naquele espaço, e mesmo recuperar uma (pequena) parte dessa asneira colossal.

    • Pedro Pinto says:

      ahhh pois !!! 🙂
      Devido a estas divisões “malucas”, é que se calhar actualmente o IPv4 está como está (no fim)…no entanto o IPv6 demora a assumir-se como “o protocolo principal”.

      Sim, VLSM é o que está em vigor (e ainda bem) na Internet, no entanto é importante recordar o passado.

      Abraço cf
      PPinto

      • recordar ~= deturpar says:

        Recordar é uma coisa, mas o problema é que pelos vistos ainda se *ensina*…

        Isto provoca pedidos de endereçamento do género:

        – Ah e tal, preciso de uma classe C.

        eu:
        a sério? então quantos endereços
        precisa ao certo?

        – Hmmm… não sei ao certo, mas praí uns 15 ou 20…

        eu:
        …oooOOO(mais 1 enganado por 1 mito urbano…)
        Olhe que isso agora já não funciona assim. Preencha o formulário, e o normal será vir a receber uma /27, adequada às suas necessidades.

        • Pedro Pinto says:

          sim, ensina-se em todas as Universidades/Politécnicos/CCNAs…e faz parte dos livros e afins.

          Para se chegar ao que temos hoje foi preciso passar por lá, daí a sua importância…nem que não seja para saber que foi uma coisa mal feita!

          • L33trz says:

            yah pelo que sei antigamente era do género olhe preciso 3 ou 4 endereços públicos
            “então tome la uns 30, /27 chega ou precisa de mais? se precisar e só dizer”

            agora é mais
            olhe preciso de 3 endereços públicos “para que? quando ? mas porque? mas tem mesmo a certeza? hein? precisa mesmo disso?”
            já é um recurso escasso mas ainda assim acho que o grande problema do IPV6 que ai vem vai ser o DNS
            e talvez por isso ainda não o estamos a usar

  8. Filipe Dias says:

    Um pequeno OFF-TOPIC:

    Não seria interessante o pessoal do pplware fazer uma TOP-List com as melhores apps para Android? 😀

  9. Redin says:

    Com a vinda o IPV6 deixa de haver motivos para classificar tipos de redes. Eles vão ser tantos que deixamos de ter motivos para pensar qual vamos escolher.

    • Bruno Antunes says:

      Também se pensou o mesmo aquando da implementação do IPv4 e olha onde foi dar!!

      Neste momento o IPv6 vem para colmatar a falta de organização que ocorreu quando surgiu o IPv4, todavia, se não organizarem este novo protocolo vai acabar igual ao IPv4.

      Venham daí tópicos sobre este assunto que são sempre bem vindos para serem debatidos..bom trabalho Pedro

  10. Passal says:

    Como frequentador desta excelente comunidade, embora não seja muito participativo como desejaria ( falta de conhecimentos). No entanto gostaria de fazer um reparo na Classe A vai de 1.0.0.1 até 126.255.255.254

    A Gama ou Range 127.x.x.x está reservada para testes de loopback. Como é o exemplo de 127.0.0.1 que é o comum endereço de teste para loopback. E a Gama ou Range 255.255.255.255 faz um broadcast para todos os clientes da rede local.

    Se algo estiver errado, agradeço a correcção. Estamos aqui para partilhar conhecimentos 🙂

  11. Samuel Vieira says:

    Boa noite a todos,

    como visitante assíduo do pplware, espero que não seja mal interpretador mas as criticas servem para melhorar-mos certos aspectos que estão menos correctos.

    Não consigo dar valores precisos porque também não me dei ao trabalho de pesquisar, mas penso que sobre este assunto já foram redigidos diversos artigos, as diferenças estão na escrita e alguns abordam outros temas, mas andam todos em torno do mesmo (IPV4).
    Uma vez que estamos num momento de transição para IPV6 a informação existente sobre este nova versão de IPs é reduzida e para muitas pessoas bastante confusa. Na minha opinião um portal como este deveria aprofundar mais o funcionamento do IPV6 e começar a deixar de parte o IPV4.

    Para finalizar só me resta dizer que a equipa do pplware tem feito um excelente trabalho. Bom ano a todos.

    • Pedro Pinto says:

      Viva Samuel,

      Foram já vários os artigos que escrevemos sobre IPv6 e sempre que há novidades sobre o mesmo (e que se justifiquem para os nossos leitores), elas serão trazidas até aqui ao pplware.

      Esperamos pelo “boom” do IPv6 🙂

  12. Bruno Dinis says:

    eu gostaria de saber era que software é que é usado para fazer o gráfico que foi usado para ilustrar este post.

    se alguém souber agradecia.

  13. Alfredo paulo moreira says:

    tenho dificuldade de Calculo de suB;rede
    classe C =255.255.255.0#192.0.0.0 até 223.355.255.0/24

  14. Alfredo paulo moreira says:

    tenho dificuldade de Calculo de suB;rede
    classe C =255.255.255.0#192.0.0.0 até 223.355.255.0/24

  15. António Oliveira says:

    Whoa o pplware está com cada vez mais com muita informação
    Continuem assim

  16. Julya says:

    Voce poderia me explicar mais sobre a classe E ? como calcular.. e etc

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.