PplWare Mobile

Ubuntu – Unity e a grande controvérsia


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Pedro says:

    Boas, já acompanho o blog à anos mas curiosamente nunca comentei, este será o meu primeiro comentário pois é um assunto que também a mim afecta, sou utilizador gnome e ubuntu e como tal já estava a prever uma mudança de distro precisamente a prever o cenário do próximo mês.

    Estamos a enfrentar uma mudança nos sistemas operativos, não quero discutir se isso é bom ou mau, no meu caso por agora não me consigo adaptar ao unity nem ao gnome 3 e a mudança de distro será já dentro de alguns dias, irei passar a usar debian.

    Já agora pedro, de facto o método que ensinas é útil para termos um ambiente mais semelhante mas acontece que de qualquer das formas ira ser o gnome 3, o 2 não vai voltar a rodar no ubuntu por predefinição.

    Quanto a mim, ubuntu irá ser excluído, lamentavelmente, irei usar debian.

    Obrigado por mencionares este assunto Pedro, e por partilhares a tua opinião e dicas úteis, possivelmente essa solução ira agradar a vários utilizadores.

    Bom trabalho 🙂

    Os melhores cumprimentos

    • Pedro Pinto says:

      Boas Pedro

      Agrade ao Guilherme pois ele é que é o autor do texto quem tem como principal objectivo discutir (de certo ponto) o futuro do Ubuntu.

    • Daniel says:

      Se escolheste o Ubuntu pela sua relativa facilidade de configuração e instalação num PC, dá uma olhadela no Linux Mint antes de ires para o Debian. Ainda é Gnome 2, e é baseado em Ubuntu, por isso vais-te adaptar bastante depressa.

      Eu também me vi forçado a abandonar o Ubuntu pela enorme redução de produtividade que a nova interface fazia, e acabei por ir para o Linux Mint e não me arrependo até hoje.

      • GP says:

        Tal como o Daniel, eu tive Ubuntu e mudei para o Mint. Mais est]avel, simples, robusto, completo, rápido.
        Uma melhoria enorme na velocidade quer em processamento gráfico quer a nível do próprio CPU.

    • Sou usuário do Ubuntu 11.04 (natty) e não consigo sair do lugar com o Unity, minha produtividade despencou no essa nova interface.

      Estou migrando para o Debian, que eu ja usei por um tempo e me agradou muito.

      Estou triste em deixar o Ubuntu.

  2. Bruno M. says:

    Para mim isto de lançar a interface Unity é um pouco de mistério. Como já foi referido, os utilizadores Ubuntu não estão satisfeitos com esta interface e como já foi dito, está escrito por toda a Internet. ( Mas de certeza que a canonical sabe disto muito melhor que nós todos )

    Mesmo assim a Canonical contínua a insistir no Unity, por que será? Certamente eles saberão as razões e certamente terão um certo fundamento para insistirem na coisa. Alguma manobra talvez para atingirem um certo objectivo, mudar de rumo, complicações,…. a sem numero de razões, mas de certeza que isto foi pensado ao pormenor, não chega lá um individuo e diz, bota lançar o Unity por que eu é que gosto!!! 🙂

    • Mandrake says:

      As vezes acho que querem fazer uma interface similar ao MacOS e a turma da Gnome pode não ter gostado da idéia. 😀

      • pmsm1100 says:

        Barra de menu das aplicações no topo do ecrã, aplicações abertas e atalhos numa “espécie de dock”, comandos da janela do lado esquerdo…

        Não sei onde é que foste buscar essa ideia de estarem a imitar o Mac OS X.

        Bem… Está na altura de migrar para Debian…

    • Daniel says:

      Pior do que isso, é que tanto o Unity como o Gnome 3 estão a ir na mesma direção. E se por enquanto o Gnome 2 ainda serve, daqui a uns tempos não sei se isso será verdade.

      Eventualmente mais tarde, ou se arranja uma alternativa similar ao Gnome 2, ou então temos de nos conformar e ir com a maré.

  3. aver says:

    Acho que não. O problema não começou no Unity, começou no Gnome 3. Pelo menos é essa a opinião de Linus Torvalds:

    http://linux.slashdot.org/story/11/08/04/0115232/Linus-Torvalds-Ditches-GNOME-3-For-Xfce

    O Unity quis ser menos mau.

    • Daniel says:

      Como é que o Unity pode ser menos mau, se basicamente é igual ao Gnome 3?

    • @lmx says:

      sim é verdade que o problema começou no gnome…o Mark passou-se, e alguns devs da gnome ficaram a pensar que ele queria mandar no mundo!!!
      Acontece que ele como todos os outros teem a sua opinião e podem dá-la…é preciso que também a aceitem, o que não aconteceu, e …nasce o Unity.
      Mas também concordo que deveria ter dado a sua opinião mais cedo porque quando a deu ja havia muito trabalho realizado e a malta que ja tinha trabalhado “pa burro…”não queria começar novamente do zero, como é óbvio.
      Como já alguém disse tudo entra em declínio, e as melhores empresas entram em declínio, obviamente quando estão no topo…o gnome é um bom Ambiente gráfico, e quando estava a ficar no ponto…bota abaixo outra vez.
      Eu até percebo que aquilo estava a ficar uma “manta de retalhos” e que era ja dificil trabalhar naquela confusão, mas podiam arrumar a casa mantendo tudo o look&feel, em vez disso começaram algo de novo, um misto de desktop/dispositivos moveis…its a mess!!Pelo menos para mim e mais uns milhões lol

      cmps

      • licas says:

        Eu penso e logo existo o unity pode estar a precisar da opiniao dos utilizadores para melhora-lo nao para acabar com ele mas eu tambem nao gostei muitos programas escondidos e muito tempo para os ir buscar bastava so um menu mas que abrisse os icones mais pequenos acho que ja melhorava ou ajudava.

  4. Willians Rosberg says:

    As pessoas não estão acostumadas a mudanças.sempre lamentam por tudo o que é novo. Logo se adaptam e consequentemente aceitam. O UBUNTU continua forte pois a maioria dos softwares respondem bem ao sistema,coisa que não acontece nas outras distros. Só lamento para quem tem medo de novos horizontes. A vida vai continuar seguindo seu rumo, e talvez o unity logo ganhe espaço, só falta 100% de compatibilidade com o copiz. Aí o negocio ferve. Obrigado…

    • José Maria Oliveira Simões says:

      Não sei bem o que se passa. Mas o facto é que a certa altura tive que voltar ao Windows XP. O que se passou, foi que o ambiente gráfico do ubunto tinha problemas graves ao ponto de ficar sem interface. Só conseguia entrar no computador remotamente. O interface da gnome entrava em crash. Este não era um problema especifico do ubunto, mas sim de praticamente todas as distribuições que experimentei. Não sei se algum processo morria ou ficava zombie. Isso acontecia quando fazia lock à sessão e passado um bom bocado, queria entrar. Agora, que meti uma versão anterior to ubunto tenho tido um outro problema recorrente que é ficar com o monitor todo aos riscos. Só parece funcionar o cursor do rato. Acho que estou a caminho de instalar uma outra distribuição. Assim, não dá.

      • Courela says:

        Eu tinha um problema semelhante, quando “acordava” o portátil do estado de suspensão o ecrã ficava preto, só conseguia ver a dock e só quando passava o rato por cima. Depois descobri que se terminasse a sessão antes de suspender o problema já não acontecia.
        Agora o problema já não acontece, devem ter corrigido em alguma actualização.

        Dado possivelmente importante, a placa gráfica é ATI.

  5. tfae says:

    Como já tinha dito numa notícia mais atrás, acho muito bem fazerem um tópico destes.

    Agora a crítica:
    Acho que ficou um quanto incompleto.
    Esta notícia quase que se limita a constatar o que quase todos sabem: que o Unity não é “bem visto” pela maioria dos utilizadores do Ubuntu.
    Assim sendo, deveria ser explicado com mais pormenor o que realmente faz esse comando, assim como explicar a opção de iniciar o Ubuntu como Classic (sem o Unity) e até mesmo como desinstalar o Unity!

    É a minha simples opinião 😉

    • Guilherme de Sousa says:

      Remover o unity é feito como qualquer outro pacote. Não me pareceu à partida relevante, até porque instalação e desinstalação é assunto mais que discutido aqui no Pplware.

      Quanto ao pacote que referi no artigo, é para que possas iniciar um ambiente mais parecido com o gnome 2.32 ainda que baseado no terceiro. Experimenta e verás.

      cumps!

  6. maurycio says:

    Antes de mais, quero dar os parabéns ao Guilherme pelo artigo desafio aceite, sem ser utilizador utilizador do Ubuntu.
    Eu tentei várias vezes o Unity e nunca me consegui adaptar. Recorro sempre ao Gnome, não só por hábito, mas também por ser mais completo que o Unity.
    Penso que o Unity ainda está um pouco verde para aquilo que eu uso, mas acredito que em breve estará bem completo. Até lá vou continuar a usar o Gnome.
    Obrigado pela dica 😉

  7. Jose says:

    Ultima vez que vi era possível desinstalar o Unity.

    Mas a mim não afecta, só uso LTS.

    • pedro silva says:

      como eu … 10.04.3 LTS … Não consigo andar sempre a configurara a maquina de 6 em 6 meses … mas ja testei o 11.04 em maquina virtual e não achei muito atrativo … mas vamos ver e esperara pela próxima lts 🙂

      • André Cabral says:

        Talvez a intenção da Canonical adiantar o uso da nova interface, seja exatamente para quando chegar a próxima LTS já esteja madura…

        Ou vocês acham que irá ter alguma distribuição que irá utilizar eternamente com suporte para o Gnome 2???

    • Carlos Nascimento says:

      Exactamente como eu, só uso verões Long Term Support, ainda estou no Ubuntu 10.04, a usar e produzir sem problemas.

      Sou daqueles que prefere a ética em detrimento da estética.

  8. So7t says:

    Long live to KDE and QT!! 😉

    • Pedro Pinto says:

      Ora aí está um ponto interessante. Eu pessoalmente não gosto do KDE, apesar de ser bonito e todo xpto sempre me adaptei mais ao gnome.

      • djx says:

        :O estou chocado!
        Eu tenho “fobia” ao Ubuntu porque comecei a usar gnome nele… estupido noob xD
        Agora uso sempre KDE mas continuo a não gostar de Ubuntu, estou traumatizado xD
        Mas agora a sério, porque não gostas de kde Pedro?

    • @lmx says:

      Qt é bom mas KDE não é para mim…demasiado confuso e “amaricado” para o meu gosto!
      Gosto de Ambientes mais sobrios…sim eu sei que o 3.5 salvo erro é mais sobrio, mas …continua a ser KDE.
      Mas reconheço muito valor no valor no KDE !!
      Gostos são gostos e valem o que valem…

      cmps

  9. Mandrake says:

    Realmente o Unity é uma polêmica, tem coisas que adoro nele, porém tem coisas que detesto, e o mesmo com o Gnome 3, gostaria que se voltassem a unir pra ser honesto.

    Cya.

    • @lmx says:

      Duvido…esta também é uma oportunidade para a Canonical se destacar com o seu próprio Ambiente Gráfico…no desktop e nos dispositivos móveis…
      Mas no Desktop o tiro vai sair pela Culatra!!!Já nos dispositivos móveis a coisa deve correr bem, sendo que o Unity tem alguns aspectos interessantes…
      Não foi a Asus que lançou ja um equipamento com ubuntu??

      cmps

  10. Diogo says:

    A mudança afecta muita gente de forma negativa. Na minha opinião é apenas uma questao de hábito. Acedito que se unity fosse usado a muitos anos e agora se trocasse para Gnome2 o pessoal ia-se queixar a mesma. Não estou a dizer que é só culpa dos utilizadores mas tenho a certeza de que muitos que falam mal tentaram usar a interface nova durante menos de meia hora mas como é muito diferente do que estão habituados desistiram da ideia.
    Eu uso unity e nao tenho grandes queixas como já disse é apenas uma questao de adaptação

  11. Bruno says:

    Eu detesto o Unity desde o primeiro dia que lhe pus a vista em cima… Acho-o muito parecido com os sistemas operativos da Apple, coisa com que também não consigo trabalhar. Ainda me lembro da primeira vez que mexi no unity, foi para dar suporte técnico (para configurar a rede eduroam numa faculdade) e passei uma grande vergonha pois não encontrava as definições para configurar a rede wireless! xD
    Enfim, tal como disseram outros utilizadores em comentários anteriores, creio que também irei mudar de distro, ainda não sei qual mas estou inclinado para Debian.

    • André Cabral says:

      Lamento amigo… mas é exatamente igual a configurar nas versões anteriores do Ubuntu… essa desculpa não colou…

    • Bruno says:

      exactamente igual não é… eu estava habituado a ter menus numa barra no topo do ecrã (por exemplo) e de repente colocam-me uma barra lateral com alguns programas e nada mais… não encontrava nada que disse-se definições, ou algo do género…

  12. falando de mudanças, acho estranho o pessoal se queixar, mas se falarmos das mudanças no windows todos (a maioria) gostam, porque?
    Será que só o windows é que pode ser ‘abixanado’ e pouco útil? os linux tb tem direito…

    Eu infelizmente sou utilizador de ubuntu, na altura que mudei o meu servidor caseiro o Debian não trabalhava com as minhas duas placas de rede, mas o ubuntu (muito mais actualizado) funcionada e desde então não me apeteceu ter o trabalho de migrar tudo de novo…

    • djx says:

      “Será que só o windows é que pode ser ‘abixanado’ e pouco útil? os linux tb tem direito…”
      LOOOOOOOOOOL

    • @lmx says:

      O problema é que a malta em linux é muito mais convicta em relação aquilo que quer…não usam software livre ao acaso!!!
      E isso é uma enorme diferença …o user linux é muito exigente em relação aquilo que quer!!Já o user windows se lhe puserem umas coisas diferentes no SO ele usa, pode ficar triste mas “come e não estrabuxa”!!!

      cmps

  13. Charly says:

    Sendo que sou utilizador de linux, para ai desde quase sempre, pois linux foi o meu primeiro SO, fico desapontado com a caminho previsto a percorrer, posso dizer que ja utilizei o gnome 2, gnome 3, unity 2D e unity 3D, assim como KDE… Nenhum foi tão bom como o gnome 2, facilidade de aprendizagem… personalização clara … entre muitas outras coisas … penso que mais cedo ou mais tarde a canonical vai perceber o erro e ira criar uma interface so deles, em vez de basear-se no que os outros fazem (isto e’ o que eu acho) pois a microsoft caiu no erro 2000 e a pouco tempo no vista, o proximo é para ir para debaixo do tapete e ninguem mais o ver… Aposto que a canonical nao quer o mesmo … para quem nao quer sair do ubuntu .. recomendo a dica do Pedro pois é 5***** … espero experimenta-la antes de mudar de distro

  14. João Pinto says:

    Eu gostava de saber em que dados é que foi baseada a afirmação de que os utilizadores que gostam do Unity são uma minoria, presumo que seja mera dedução pelo elevado número reacções negativas que se têm lido.
    Isto deve-se essencialmente uma questão relacionada com a resistência à mudança, especialmente entre os utilizadores com mais experiência/hábito na utilização de um determinado ambiente.
    Sim, nem toda a gente gosta do Unity, como nem todos gostam do Gnome3, como nem todos gostam do KDE, como nem todos gostam do Windows, etc.

    • Guilherme de Sousa says:

      Os dados ainda que não sejam baseados em estudos estatisticos, baseiam-se no que leio diariamente em toda a web, em artigos relaccionados com este tema e até mesmo em artigos relacionados apenas com Ubuntu (mas que a conversa acaba por vir ao de cima).

      Se duvidas, podes fazer uma media das opiniões já postadas aqui, e verás uma amostra. Se visitares outras páginas relaccionadas com tecnologia e em que se aborde Ubuntu, verás o mesmo.

      cumps

      • Gerardo says:

        O facto de muita gente dizer que não gosta, não quer dizer muito, pelo simples facto de que quem gosta não faz comentários nos fóruns do tipo:

        Gosto muito do Unity, era tudo, obrigado e boa noite.

        Ai tenho de concordar com o João Pinto. Mas isso não retira mérito ao artigo e ao teu trabalho. Continua que estás muito bem…

        • Guilherme de Sousa says:

          Compreendo o que querem dizer.. mas da mesma maneira que há quem fale mal, também quando alguém gosta, acaba por defender, ou estarei errado?

          Concordo plenamente que serão poucos os que postaram ‘Gosto muito do unity(…)’, mas certamente que ao se depararem com posts com criticas negativas, tentaram dar o ‘reverso da medalha’ e mostrar o seu ponto de vista.

          cumps

      • André Cabral says:

        Lembre-se que para falar mal… todo mundo aparece… agora para elogiar ninguem lembra… talvez a minoria seja de insatisfeitos…

        Eu revezo entre o Gnome 2 e Unity, dependendo meu humor… estou ansioso pelo lançamento final do 11.10 que pelas versões beta esta MUITO melhor…

    • Googlei ubuntu “unity rocks”: 5.950
      Googlei ubuntu “unity sucks”: 6.940

    • “I like Unity”: 121.000
      “I hate Unity”: 10.700

  15. Armando says:

    Não é apenas uma questão de estética.
    Vamos ser honestos: o Ubuntu é bonito desde quando? Nunca o foi, aquele look neoafricano, com wallpapers roxos e ícones amarelos e castanhos são de um mau gosto deplorável. Nesse aspecto, os seus derivados (Kubuntu, Lubuntu, etc.) acabam por ganhar pontos.
    Portanto, em termos de look, o Unity não é pior, se calhar, até é melhor, do que o Ubuntu clássico.
    O Unity perde, sim, em termos de funcionalidade. Venha quem vier, procurar um programa que não esteja à mão na barra lateral tornou-se uma tarefa mais complicada.
    Por vezes, os painéis que exibem os programas simplesmente desaparecem e crasham como se se tratasse de uma versão de testes de um sistema operativo inacabado.
    Também é mais difícil manejar as barras de ferramentas e a área de trabalho, para ficarem mais ao nosso gosto e responderem prontamente àquilo que pretendemos fazer.
    Ou seja, o Unity impõe-se aos gostos e preferências do próprio utilizador, quando deveria ser ao contrário.
    Mas, dito isto, a meu ver, o Unity está longe de ser o principal problema do Ubuntu.
    As questões mais graves ultrapassam o próprio Ubuntu e estão sobretudo ao nível do Kernel.
    Nomeadamente, problemas relacionados com má gestão de energia e sobreaquecimento afectam todo o universo Linux e levam milhares de pessoas, incluindo eu, a não utilizar distros Linux em computadores portáteis, para evitar uma deterioração da bateria e restante equipamento devido ao excesso de calor e consumo de energia nesses sistemas.

    • Guilherme de Sousa says:

      Problemas de sobreaquecimento e também de gestão de energia estao muitas vezes (para nao dizer quase sempre) relacionados com maus drivers. Se Linux não é melhor nessa área penso que seja mais por culpa dos fabricantes que dos devs.

      cumps!

    • Marcelo Barros says:

      Tornou-se uma tarefa complicada, entras no menu de cima, escreves uma parte do nome do programa ele sai logo e ai já podes adicionar a barra.
      Alem do mais acho que a maioria das pessoas não usa frequentemente mais de 10 programas por dia, nem precisa encher tanto a barra.

      E para quem tem 50 programas instalados, fica mais fácil, tu começando a escrever o nome do programa ele sai logo é só executar.
      Agora o típico menu similar ao do windows, que se tens 50 programas instalado, ou fixe onde esta, ou andas a procura, quando tu chegares ao programa já eu executei o meu.

      Esta parte acho que tem mais há ver com a resistência do utilizador.
      A utilizadores que odiavam Windows 7, agora não penso em voltar ao Windows XP (o vista é melhor não falar, hehe).

      • Guilherme de Sousa says:

        Concordo contigo Marcelo.

        Eu por exemplo não utilizo nenhum DesktopEnvironment (como o gnome, kde e afins), apenas um window manager (o awesomeWM).
        Neste não tenho nenhum painel com menus.. sempre que quero correr uma aplicação, basta carregar F2, e aparece-me o gmrun que é um launcher muito leve; escrevo parte do nome da aplicação que pretendo e dou ‘tab’ no teclado e ele faz autocomplete.. enter e já esta!

        Bem mais rápido que navegar por menus, em que é necessário recorrer ao rato e andar a navegar!

        cumps

      • Armando says:

        Guilherme, continuo a achar que o Windows 7 faz uma gestão mais eficaz da bateria e consegue manter o sistema mais arrefecido. Mas concordo contigo, muitas vezes o problema do sobreaquecimento está relacionado com drivers e até outro tipo de software, como o flash player, que continuarão a dar dores de cabeça a muitos utilizadores Linux…
        Mas é um facto que (pelo menos) a partir do Kernel 2.6.38 as queixas relacionadas com energia, aquecimento e bateria cresceram exponencialmente, logo uma boa parte do problema também passa por aí.

        Marcelo, nada como fazeres o teste. Clica no menu iniciar e começa a escrever o nome do programa, ele também te irá aparecer imediatamente no Windows 7… Talvez seja por falta de habituação, mas nunca achei que escrever nomes de programas fosse a forma mais prática de chegar até eles.

        • Pedro says:

          Normalmente faço isso do escrever no executar do windows, é com o calc, pbrush, notepad, cmd, msconfig, regedit… entre outros. 🙂

        • Marcelo Barros says:

          Esta parte de escrever o nome ou ir pelo menu até estou a comparar com versões anteriores do Ubuntu (sem ser unity), eu acho que o Unity esta muito cómodo é uma questão de habito.

          Para mim o Windows 7 esta muito bom, até mesmo melhor que o XP.
          Mas no Windows 7 havia muitos utilizadores ao principio que criticavam, por causa da mudança existente.
          ex: os programas ficar na barra em baixo.

          Mas com o tempo o pessoal la se habituou e a agora nem pensa em voltar ao XP.

          No meu caso estou a experimentar mudar para Linux, porque acho que ajuda a focar melhor no trabalho (ou será apenas psicológico), hehe

          • @lmx says:

            Boas…
            do meu ponto de vista talvez o Windows 8 fique melhor que o 7…
            O 7 para mim fica entre meio fracasso e fracasso completo!
            Continua a ser um sistema demasiado gastaor quer a nivel de recursos fisicos quer a nivel de processador,etc…
            Podemos até fazer uma comparação entre motor Americano e Europeu…..
            Acredito que o 8 tenha um footprint mais pequeno e seja mais enxuto.
            Para mim o XP continua na crista da Onda no que toca a SO’s da MS, e do meu ponto de vista ainda é o unico que consegue competir de alguma forma com linux…a partir daqui a M$ descambou!!

            cmps

  16. Sorath Panzer says:

    No inicio dos meus primeiros tempos de linux as minhas preferências recaíam para o Kde, mas quando saiu a versão 4.x mudei para o gnome por este ser mais directo, simples e leve que o novo Kde.
    No que diz respeito a esta nova versão do gnome (3.x) tem uma interface que além de pouco prática tem também zero de versatilidade, e o Unity na minha opinião é um Gnome com as más caracteristicas ainda mais acentuádas, penso que é uma espécie de moda agora querem copiar certas caracteristicas do Android e do Ios, resultam em Tablets mas obvio que falham completamente nos PCs e portateis convencionais.
    Felizmente existe o Xfce 4.8, na minha opinião, neste momento, destes três é sem duvida o melhor e mais leve, a minha escolha é obvia, XUBUNTU.

  17. Fernando Luís Santos says:

    Eu já estou a usar o 11.10 desde o alfa 2 e realmente o unity evoluiu (ainda tem contras, mas, bolas, além de ser beta, as versões 10 têm sido mais experimentais do que as 4).
    Eu até uso o unity e adaptei-me bem, claro que agora com o gnome3 faz-me falta algumas ferramentas (mas esse é problema do gnome3 e não específico do ubuntu).
    Ainda me lembro das discussões quando o KDE passou para 4, ou seja, daqui a um ano estaremos a discutir outra coisa…

  18. Tiago Résio Alves says:

    Pouco usei o Unity, mas sinceramente não fiquei grande fã. Para mais, quando descobri a distro PinguyOS, pouco mais liguei ao Ubuntu.
    Tudo o que é relativo ao Unity foi removido, e vem com uma data de apps, add-ons, extras ou o que lhe queiram chamar que realmente são uteis e não estão lá só para ocupar espaço.

    • Pedro Pinto says:

      Exacto. Há muitas distribuições que em muitos aspectos são superiores ao Ubuntu. O Ubuntu é popular, bonito, amigável e até funcional…mas há outras distros que também o são. Pessoalmente uso duas distribuições: Ubuntu e CentOS.

  19. Vitor says:

    Migrei para o kde e fiquei muito satisfeito. Para mim o problema está resolvido.
    Claro que para aqueles que não gostam do kde ou outros ambientes, a situação fica complicada…

  20. Arcadiy Kulchinskiy says:

    Bem, eu acho que de facto canonical fez este passo cedo de mais. É óbvio que não podemos prender-se à gnome 2.32 para sempre e as pessoas que o querem, não compreendem a evolução das coisas. Eu experimentei e considero que ubuntu 3 é bonito mas muito mal criado e pouco útil, a usabilidade é tão confusa e tão mal construída que fez-me lembrar OSX. Portanto a evolução das coisas no ubuntu 3 é discutível.

    Quando experimentei a versão ubuntu 11.04, confrontei-me com o Unity e tenho que dizer que gostei, apesar de conversas controversas, gostei do Unity pela simplicidade e organização. O menu de janelas fez-me lembrar a de OSX e isto eu admiro no Mac. Mas achei Unity bastante verde e imaturo devido a incapacidade de personalização e ausência quase total de menu.

    Eu acho que mais tarde ou mais cedo, teríamos que sair ou actualizar gnome e o fizemos. Apenas a tal mudança e actualização não é um bom trabalho da parte dos seus desenvolvedores. Eu sinceramente preferia que ubuntu antes de mudar Ambiente de Desktop, trabalhava no visual de Dolphin ou Nautilius, no próprio conteúdo visual de janelas (botões e etc) e ícones de forma a uniformizar o Sistema Operativo. É que mesmo no Gnome 2.32 temos UI toda moderna e depois abrimos uma janela e/ou pasta e aquilo parece mais um Windows 95 que outra coisa. A mudança para o novo ambiente devia ser quando problemas (neste caso) visuais seriam corrigidos no Ambiente presente e não foi. O novo ambiente só deveria substituir o antigo quando este chegasse à qualidade e funcionalidade do presente. É que por exemplo, qual é o sentido ter novo gnome ou unity se não tem metade de funcionalidades e usabilidade que este tinha?

    Acho que Canonical está com problemas existenciais.

  21. Filipe says:

    Boas

    Eu como muitos, deixei-me ficar no Ubuntu 10.10, devido a não gostar do aspecto do Unity, mas principalmente porque na 11.04 aconteciam alguns bugs gráficos no meu PC.

    Sempre fui fã do Gnome 2, devido principalmente ao seu aspecto, simplicidade e facilidade de costumização. Até gostei do Gnome 3 mas achei complicado demais para se usar. Então deixei-me ficar mais uns tempos com o Gnome 2, sem saber se deveria mudar de distro ou não.

    A uns dias resolvi dar outra hipotese ao Unity, e tal como se costuma dizer, “Primeiro estranha-se, depois entranha-se”.

    É algo diferente do que estamos habituados, mas depois de nos habituar é porreiro. Só não gosto de cada vez mais estar mais parecido com o MacOS 😛

  22. Daniel Oliveira says:

    Respeito este tipo de discussões e opiniões e até sou a favor que assim seja pois vivemos numa democracia (ou pensamos que sim xD )
    Como Engenheiro e aficionado de redes e afins, sou utilizador de Linux, pessoalmente julgo não existir melhor ambiente para um servidor do que um Debian com fluxbox à mistura, pois sendo servidor pouco ou nada se vai mexer graficamente.

    Pessoalmente utilizo imenso, saliento imenso, Linux para programação e afins, e até hoje ainda não encontrei ambiente mais produtivo para mim que Gnome3 ou Unity, ao contrario do que muitos dizem julgo serem ambos bastante intuitivos de trabalhar.

    Agora também compreendo que nem toda a gente tem facilidade ou vontade de se adaptar a maneiras diferentes de fazer algo que se torna simples porque já o temos mecanizado nas nossas mentes. Digo isto pois acredito que se puseram um leigo na informática que nunca tenha utilizado um computador, principalmente uma criança, certamente esta vai ter mais facilidade e gosto por um ambiente Gnome3 ou Unity em vez dos restantes.

    Bom artigo 😉

  23. Rui says:

    Isto quase parece a história do “velho do Restêlo” não é?. Em casa só utilizo Ubuntu e, depois de instalados os “restricted extras” e mais uma série de “pacotes”, o sistema fica uma maravilha. Reconhece o Bamboo Pen, consigo instalar o joystick para os miúdos, editores de som, imagem e vídeo de borla, jogos, impressoras, algumas aplicações windows através do playonlinux etc… e estão a queixar-se de um problema perfeitamnte ultrapassável, basta adaptarem-se…é só isso, nada mais.

  24. Miguel Barbosa says:

    Viva a todos. Na minha opinião acho que o grande problema é a existência de um “vicio” na maneira de como um ambiente de trabalho é.

    O Unity e o Gnome3 são uma evolução dos ambientes de trabalho comuns, muito à moda do Windows.

    Tenho a ligeira impressão, que quando a Microsoft lançar um novo sistema operativo, iremos realmente verificar qual será a tendência evolutiva de um ambiente de trabalho e muito provavelmente iremos comprovar que o Unity e o Gnome3 evoluirão corretamente.

  25. MSantos says:

    naaa.. Ubuntu a mim não me convence. Linux Mint sim! 😀

  26. says:

    Quando se provoca a mudança como o que o pessoal do Ubuntu fez , deveriam ter em mente que a facilidade sobrepoê-se sempre à dita inovação.

    Fiquei completamente decepcionado com a saida do gnome 2 e a entrada do Unity em jogo , pois tenho vindo a usar o ubuntu faz algum tempo e o que gosto da simplicidade do gnome foi quebrada na ultima distro.

    Não gostei dos sistemas unity nem gnome 3 ou sequer do kde, mas sim do gnome simples mas funcional , sempre gostei de todo o meu hardware ser detetado , (gostei da versão 7 do windows que apesar de ter inovações e ser bonito não bate o ubuntu em detecção de hardware).

    Estou a fazer compasso de espera na distro mais recente (apesar de ser possivel arrancar em modo clássico).

    • @lmx says:

      Pois…
      Eu acho o Unity uma grande interface sem duvida, mas para dispositivos móveis…também tenho um netbook para brincar nas férias…
      Agora para Desktop, trabalho…realmente é como dizes, houve uma quebra muito grande.
      A M$ por ter passado do XP para 7 perdeu uma quantidade considerável de utilizadores, o mesmo irá acontecer inevitavelmente com o Ubuntu, e é pena, ha já uns 6/7 anos que uso Ubuntu, e a isso acontecer e continuar que é o mais certo lá terei eu que mudar.
      É verdade que podia viver instalando posteriormente gnome 2.3 mas não seria certamente a mesma coisa que vir de base com costumizações(integração), etc para a distro.
      Quem usa kubuntu também pode instalar o gnome 2.3, mas quem usa gnome, não vai sacar kubuntu e depois colocar gnome 2.3…normalmente saca ubuntu com gnome 2.3…só que este não existe para sacar??Logo…a Canonical vai sofrer(e metade da culpa nem é deles mas sim da equipa do projecto gnome que também assassinou o projecto todo com o gnome 3)!!!
      Vamos entrar outra vez na idade das trevas, na historia mundial tem sido assim também, de tempos a tempos, anarquia por todo o lado… 🙁

      cmps

  27. ozie says:

    viva

    o unity na versäo 11,10 estä muito melhor, do que a de 11,04

  28. Allan Robs says:

    Ola pessoal.
    Comente vai ser longo, o resumo é saia da sona de conforto.

    Anos atrás tinha uma lan, nao foi eu que a montei, as maquinas nao eram ruins, so o XP que não colaborava, formatava uma maquina todo os dias, sempre inconformado com o péssimo desempenho, uns usuários também concordavam mas falava q mesmo ruim ainda era a melhor da região principalmente depois q adquiri a lan, mas queria melhor, um amigo falou quer estabilidade use Linux, sabe como se todos fossem iguais, “estável, seguro porem difícil!” Afinal o que é fácil? Testei vários distros, um me chamou atenção quando fui ouvir um mp3, não me lembro bem, porem o fato é depois que o arquivo nao rodou apareceu uma caixa de dialogo perguntando se eu nao queria instalar os codcs necessários para rodar o arquivo, dissê sim, e digitei a senha, segundos depois o arquivo estava rodando, cara como fiquei contente. E depois quando aprendi a fazer fogo na tela. e trocar de papel de parede automaticamente, fiquei ainda mais apaixonado. hj anos depois, muitas menos formatações e uns amigos usando Ubuntu, esse era o Linux educado e cheio de coisas boas.
    neste meio tempo. baixei uma .iso pra not, que tinha o Unit, gostei até certo ponto nao tinha os efeitos, na epoca pensei que por causa da baixa configuração do not, um quando saio o 11.04, tinha comprado este pc. zero, rsrs, e tentei o 64bit 11.04 nao ficou legal, sem efeitos dos que mais gostava. tirei e coloquei o 10.10 mas queria por o 10.04 lts, por erro foi o 10.10 que estava muito bom. a tres dias meu hd com 10 meses de uso parou de funciomar resolvi instalar o 11.04 pra ver no que ia dar, tirando que nao tem efeitos, o 64 esta rodando muito bem.
    entao pessoal.
    poder mudar! podermos.
    enfrentar o novo podemos.
    ficar no velho e confortável podemos
    ou… ou..

    valeu turma;)

    • joao says:

      deverias perder um pouco mais de tempo a fazer frases coerentes e uma linha de pensamento definida
      e a escrever na lingua do blog e nao numa tentativa de portugues / mongol

  29. p. says:

    Posso falar por experiencia propria que ao inicio o Unity pareceu-me um disparate. Detestei.
    Mas como a maior parte das coisas boas da vida, primeiro estranha-se e depois entranha-se.
    O facto é que aumenta a produtividade e há ganhos substanciais de usabilidade assim que se consiga despender dos menus gnome.

  30. No Desktop do trabalho com o Unity. No meu notebook, o KDE 4.6/Fedora. Windows no VirtualBox (alguém ainda se atreve a entrar na Internet com o Windows??? Afff…).

    Acho simplesmente maravilhoso o momento atual do Linux. Esse dois Desktops são incríveis, cada um com seu potencial. E eu posso desfrutar de tudo isso sem dever nada a ninguém!

  31. Jonas says:

    sudo badidea -l unity

  32. Marcelo Barros says:

    Eu instalei esta versão de Ubuntu (11.94), como já referi e como uso o computador para trabalho ( mais para programar), ir a Internet, ver uns filmes e ouvir musica, parece-me bem.
    Alem do mais acho esta versão espectacular para trabalhar, deixa-te focado no trabalho que tens de fazer.

    Cumprimentos.

    • @lmx says:

      pois mas tu tens uma versão especial 11.94, ou seja és um sortudo, para nos todos que apenas vamos ter o 11.10, estamos tramados 🙁 …!!
      É que o unity parte a cabecita toda a malta e quem está sempre a “bombar” em configurações menus ,etc, passado uma hora já esta a tentar decidir se só ha-de partir o PC, se a mesa também e já agora o colega que está ao lado!!!
      O Unity é cheio de distrações, retira por completo o feeling de como o File System Funciona, é disruptivo…e isso é mau!!
      Se já existe um sistema de menus fantástico, em que pode ainda melhorar mas a base é a perfeita, porque “arrasar” com ele…só porque uma cambada de gajos sem ideias não se consegue organizar e para fingir algo de novo, em vez de evoluir a coisa fazem um retrocesso gigantesco?!!
      Enfim…

      cmps

  33. Alguem says:

    Para quando um questionário aqui no pplware para sabermos a distro mais popular entre os leitores?

  34. ricardo says:

    Pois, eu sou daqueles que decidi mudar para debian.

    Agora com o inicio do semestre à porta, não me posso dar ao luxo de “testar” a nova versão do ubuntu. A 11.04 pareceu-me bastante pesada, alias uma das falhas que (na minha opinião) a Canonical esta a cometer é o facto de cada vez as versões serem significativamente mais pesadas.

    Instalei debian com ambiente XFCE 4.8 e estou deliciado 🙂 Para mim é exactamente o que um ambiente gráfico deve ser: leve e funcional.

    • @lmx says:

      Entendo e concordo…mas xfce é um bocado incompleto comparativamente ao gnome 2.3.
      O problema é que neste momento não tens nenhum DE ai que substitua bem o gnome 2.3…por isso é que a malta anda a “delirar por essa net fora”, é porque não existe muita opção de base.

      cmps

  35. CMatomic says:

    já muito tempo que utilizo sistemas GNU/Linux ao logo destes anos muita coisa mudou, a sua maneira de instalar,configurar,instalar aplicações, fiquei muito chateado quando o kde 3.5 passou para o qt4 , muita coisa mudou, agora é a vez do Gnome , que no Ubuntu passa para Unity , nas restantes distribuições para gnome3.
    A razão desta mudança no ubuntu para o Unity deve-se para o tornar utilizável por toda gente , principalmente aqueles que nunca utilizaram sistemas linux,uma coisa temos que ver a versão estável do Ubuntu é a 10.04 , portanto as seguintes variações como 10.10,11.04 e 11.10 fazem parte do desenvolvimento da próxima versão estável, neste momento estou testar a versão 10.10 beta1 e estou a gostar, mas algumas versões anteriores a esta , não gostava nada do unity , para mim esta melhor,e acho que é fácil de utilizar,ate a versão estável ainda vai muita coisa mudar, uma das principais vantagens do Unity é que pode-se tornar num excelente sistema para tablets , e para portáteis ou pcs também é uma boa opção, para quem não gosta desta interface tem sempre a opção dos outros ambientes de trabalho como o kde4,xfce ,lxde ,inclusive ainda ade aparecer em breve um fork do gnome classic.

  36. NeMewSys says:

    Pedro Pinto, não é preciso instalar isto “sudo apt-get install gnome-session-fallback”, basta fazeres logoff sem desligar o Ubuntu, e depois has-de ter uma barra lá em baixo com um combo box que terá Ubuntu qualquer coisa, carregas e escolhes Ubuntu classic ele volta a por a interface do gnome.

    • Guilherme de Sousa says:

      Isto é para a versão 11.10 em que já não vem o gnome 2.32 😉

      cumps

      • NeMewSys says:

        A serio? Eina é desta que vou pra arch 😀

        • Guilherme de Sousa says:

          Se precisares de ajuda dps diz;) arch é a distro que utilizo.

          Se não me engano andas no técnico também 😛

          cumps!

          • Pedro says:

            Guilherme, essa era uma excelente ideia para um artigo :p uma configuração do arch, muitos utilizadores como eu ate pretendem mudar para arch, mas por nunca ter usado e nao ser expert em linux a serio, fico sem saber se tenho tudo correctamente instalado ou nao, e nao me refiro apenas ao sistema isso é easy mas tudo o restante 😉

          • NeMewSys says:

            Ando sim, no da Alameda hehe 😛

          • Guilherme de Sousa says:

            @NeMewSys

            Acho que sei quem és;)

            @Pedro

            A instalação de arch, não pode ter um guia melhor que o ‘beginners guide’ que se encontra na wiki da respectiva distribuição. Esta apenas não especifica as variáveis que mudam de utilizador para utilizador..
            Tipo quanto espaço queres na partição, que DesktopEnvironment queres, etc!

            A única recomendação que tenho, é que quando instalares, para que seja um pouco mais fácil, faz o particionamento a teu gosto com um livecd de ubuntu usando o gparted que é gráfico, ou com um live cd de gparted.. de resto segue o beginners guide.

            cumps!

          • NeMewSys says:

            Então és tu o Guilherme hehe 😛

  37. Guzz says:

    Estou testando tudo o que costumo usar no Debian e devo migrar para ele.

  38. Serva says:

    Guilherme , boa noite , sempre aceitaste o desafio , os meus parabéns pelo teu artigo .

    O Unity é um quebra cabeças , pelo menos na versão 11,04 , agora segundo já li parece que melhorou na 11,10 , vou instalar no dia 13.10 , quando sair a versão final e logo verei como esta interface se comporta , quanto a Gnome shell 3 esquece lá isso até o Linus já se pronunciou e disse que era autentico lixo .

    Eu só mudarei na próxima Lts que será a 12,04 , ainda faltam 7 meses , portanto vou gerindo a situação , mas posso desde já dizer que dificilmente ficarei no Ubunto a não ser que as melhoras sejam de facto evidentes .

    Falou-se a pouco numa Fork do Mint a distro Pinguy , essa distro está fantástica , sinceramente não me preocupa muito mudar se é o que estão a pensar , e uma prova disso é que neste momento entre pc de experiências e imagens na maquina virtual do meu pc principal devo ter mais de 12 distros instaladas que vou experimentado e analisando , portanto não se trata de resistência a mudança pelo contrário no meu caso preferia que tivessem desenvolvido o projecto WAYLAND QUE SUPOSTAMENTE SUBSTITUIRIA O VELHO ”X”, era por aqui que deveriam ter começado não pelo telhado é que se trata da produtividade da maquina , já também aqui foi focado que o Unity faz lembrar um SO para Smartphones e têm toda a razão .

    Não é só a Mint que está a produzir distros com a Gnome 2.3 , já existem outras a fazê-lo e com derivantes interessantes , prova que o Gnome 2.3 poderia evoluir muito mais .

    Guilherme uma vez mais os meus agradecimentos pelo teu artigo e se foi o primeiro já tiveste casa cheia

    Um abraço

    Serva

    • Guilherme de Sousa says:

      Obrigado Serva! Não foi o primeiro, já escrevi alguns para o Pplware; os de ArchLinux por exemplo, a distro que utilizo.

      Quanto ao que referiste relativamente ao Wayland:
      Este projecto não esta abandonado, simplesmente não está a cargo da canonical.. se esta podia ter desviado alguns dos seus esforços (devs) para ajudar o projecto..acho que sim, mas não o fez! Isto porque a Canonical como muita gente sabe, é raro contribuir com alguma coisa que não o ubuntu.. patches para kernel por ex devem se contar pelos dedos! Basicamente o que não poder vir assinado com Canonical eles não tocam! O Unity é prova disso.. tentaram enaltecer o seu nome criando algo exclusivo. Não que outras distros não o possam utilizar, mas é como que uma mascote da Canonical, e fica como imagem de marca (para o bem e para o mal neste caso!).

      Tal como tu, estou muito ansioso com a chegada do Wayland, o X já precisa mesmo de reforma, mas não creio que isto esteja para breve.. talvez 1 ano e meio/ 2 anos diria eu.

      cumps

      • @lmx says:

        Boas..
        @Guilherme

        De facto a Canonical não tem contribuído da mesma forma que outras casas de Software, mas tem contribuído de uma outra forma que pode não ser a mais correcta, mas que também funciona, por exemplo doando dinheiro para determinados projectos.
        Um dos projectos onde ainda o ano passado ajudou foi o Gnome precisamente, este ficou com novos servidores, sistema de versões, etc, num valor total de custo bastante Alto…isto é preciso dizê-lo…é verdade que não contribui muito com developers dedicados a projectos externos, mas tem contribuido.
        Onde tem contribuído mais, tem sido claro, na sua distro, e de uma forma indirecta contribui para todas as outras distros, nem sei quantas distros se baseiam hoje em Ubuntu.
        Desde que este se impôs como o SO “defacto”, que começaram a surgir distros como se se trata-se de cogumelos…

        @Serva

        Concordo que o Wayland era mais importante, que o gome3 e que o Unity!!E tenho pena que não se tenha dado mais ênfase a este projecto, e se tenha canalizado recursos para outro tipo de coisas que para o desktop não eram necessarias.

        cmps

  39. Serva says:

    @NeMewSys ,

    Boa noite , esse método ainda era possível na versão 11,04 , mas na 11,10 essa alternativa já não te aparece , porque não vem instalada daí o teres que instalar através do comando que nos foi fornecido , de qualquer das formas quando na 11,04 mudava para o clássico ou seja para a gnome 2.3 o sistema não funcionava em condições , penso desde a 6,04 que uso Ubuntu esta foi a pior distribuição que a Canonical produziu pelo menos logo no incio se depis conseguio resolver parte das situações com updates isso já não posso opinar .

    Cumprimentos

    SERVA

  40. K says:

    Assim que fiquei sabendo da mudança para o Unity, decidi mudar para o Kubuntu. O KDE (atualmente na versão 4.7) evoluiu muito de um ano para cá e estou muito satisfeito com ele e com minha distribuição. Já usei o Ubuntu com Unity no Virtualbox e não me agradou. Aliás, da “família Ubuntu” já testei também o Xubuntu e o Lubuntu. Atualmente, de maneira irônica, o Ubuntu é o que menos me agrada.

  41. PSG says:

    E que tal o Linux Mint (que já uso há masi de dois anos) que continua, cada vez mais, no seu próprio caminho. Continua a apostar no Gnome.
    A questão será com o Gnome 3, mas logo se verá. Talvez nessa altura mude para o LMDE. É que o meu PC já é velhinho, eh eh

  42. Luis AKA Deckard says:

    Bom Dia
    Realmente o Unity tem muito caminho pela frente.
    Mas se bem recordo-me, antes do Ubuntu, ser Ubuntu, inúmeros flavours eram de base Débian puro. o próprio Ubuntu funciona na base unstable.
    O ubuntu tem ganho a utilizadores devido à simplicidade da integração do sistema, no que tornou mais user friendly.
    Aliás foi graças ao Ubuntu que o Gnome cresceu, pois até ai quem ia evoluindo o Gnome era a Red Hat. Todas as outras distribuições de renome na altura usavam o KDE 2 ou 3. Mesmo assim lembro-me porque escolhia o Gnome em vez do KDE=Windows gui.
    Neste momento è prematuro fazer previsões, Unity é uma tentativa de melhorar o Gnome 3, ou talvez não. Hoje Quantas distros são com base Ubuntu? Eu proprio passei a usar o Caixa Mágica unity 2d e sinceramente não estou descontente pelo contrário. Mas ando ultimamente a experimentar o Enlightment, e acho que ai sim seria uma grande aposta da canonical com esse gestor gráfico que daria muita margem de manobra. De resto é bom ver que a comunidade está ao rubro, mas gostava de ver a mesma comunidade com este empenho todo, a pedir ao fabricantes de hardware para criarem hardware em condições e drivers para o linux, etc. Os fabricantes deveriam olhar para o open souce da mesma maneira que fazem para SO proprietários, afinal de contas cada vez mais vai haver utilizadores de open souce.
    cmprimentos

  43. Fernando says:

    Não sei porque tantas discussões, mantenham o ubuntu 10.04 que tem atualização até 2013, e até lá esperem o que irá acontecer. Se preocupem quando for a hora de trocar. Ou então usem o Mint, que é tão bonito e funcional quanto.

  44. Kadu20es says:

    Não vejo problemas com o Unity.
    Existem “N” distros por aí usando o GNOME 2 e 3, KDE e XFCE.

    A Canonical optou por fazer uma shell nova para o Ubuntu, e, considerando que eles não têm vergonha de testar no usuário suas novas tecnologias, muitos usuários não estão “prontos para evoluir” com o sistema. É o mesmo tipo de usuário de Windows que, depois de mais de dois anos de Windows 7 no mercado, continua querendo sempre usar o Windows XP por saber onde está tal ícone.

    Para quem ainda acha o Unity “bugado”, lento, diferente, existe o Ubuntu 10.04, que é LTS, ou o 10.10, que, embora não seja LTS, é tão bom e estável quanto. Ao final do atual LTS, um novo estará aí, com o Unity amadurecido e um GNOME 3 melhorado.

    Aos corajosos que estão conhecendo o que o Unity oferece hoje, tem e terão muito mais facilidade de dar suporte a qualquer pessoa que precise no futuro.

    E viva o Ubuntu e o Unity. Ao menos um Linux que se difere dos “demais”.

  45. José Carlos says:

    Minha simples opinião…quem não gosta do Unity, não mude de distribuição, apenas instale o gnome-session-fallback e seja feliz com o Ubuntu. Já para mim..Unity na cabeça…Sem medo do novo!

  46. bruno oliveira says:

    Um abraço de Salvador, Bahia, Brasil pra vocês! Bom, de vez em quando uso o note de minha irmã com windows 7 piratex, e quando ligo meu desk (sem placa de video offboard) com ubuntu 11.04 com o gnome classico sem efeitos chega dá alegria. Com o 11.10 será o unity 2d (até comprar uma placa de video, e não pretendo comprar tão cedo), e só mudaria para o arch (que já instalei numa maquina virtual e gostei). Vida longa ao ubuntu e que venha o unity 2d!

  47. Olly says:

    Nos meus antigos tempos de informático, o meu primeiro contacto foi com o Fedora, mais tarde mudei para ubuntu (com gnome) e notei que a produtividade aumentou – gostei e passei a recomendar Ubuntu a tudo e todos. Com o aparecimento do Unity primeiro gostei mas com o uso comecei a notar que me limitava demasiado e obrigava a passos desnecessários para chegar a algum lado. Com a “ameaça” de exclusão do gnome na versão 11.10 decidi rumar por mares nunca antes navegados e experimentei Mint (gostei mas faltava qualquer coisa), descobri que o Caixa Mágica tinha mudado e se baseava, agora, no Ubuntu… era português e era-me familiar; adorei e uso desde então.
    Não posso dizer que tenha colocado o Ubuntu de parte (com ou sem Unity) mas esta mudança fez-me, pelo menos, descobrir novas distros e, em consciência plena e conhecimento de causa, optar pela que mais satisfaz as minhas necessidades.

  48. Serva says:

    Guilherme não sabia que já tinhas escrito para o Pplware , de qualquer das formas é sinal que temos uma comunidade viva e que aqui nesta comunidade a muita gente a usar Linux, o que me entusiasma ainda mais participar nela com as minhas modestas contribuições através dos meus posts .

    Quanto ao WAYLAND eu sabia que o projecto não tinha morrido , mas como dizes está numa fase algo estagnado , quando a Canonical informou que provavelmente a versão 11,10 já teria algo do projecto e que neste preciso momento a dias do lançamento da versão final da distro o projecto Wayland quase que nem mexeu 1 Cm , e já li posts que existe só uma única pessoa a desenvolver um projecto tão importante quanto o controlador gráfico que é fundamental para que o Linux se torne mais moderno , é no mínimo questionável o que é que a Canonical anda a fazer e as opções que toma nas suas prioridades .

    Fica bem

    Cumprimentos a todos os que postaram , foi um post interessante de seguir , com muitas opiniões e muito rico em ideias .

    Serva

  49. hm says:

    Concordo plenamente, mas, porque como dizes e bem se tratam de opiniões vou pegar num pedaço de uma das tuas frases que me faz pensar mais um pouco:
    “…se escolheram esta distribuição, não foi certamente só pela sua aparência (ou pelo menos não deveria ter sido!), mas sim por terem visto nela uma grande facilidade de utilização…”
    É precisamente este para mim o problema, e que esta questão da alteração da “aparência” implica um decréscimo na “facilidade de utilização” nada, como aliás também dizes, que o hábito não ultrapasse, e nada de tão restritivo que não se possa alterar com o comando que apresentas et voilá, já há gnome… desde que continue a ser possível ter gnome.

    Cumps

  50. Bruno Filipe says:

    Eu utilizo há alguns anos ubuntu e no meu netbook é/era o único sistema operativo lá presente.
    Comecei por experimentar o teste do unity forçado que se bem me lembro foi no 10.10 netbook remix e mesmo em netbook eu compreendi o unity, só não gostei dele pelo que passei a gnome novamente (sim mesmo num netbook me agrada mais o simples gnome 2.x)
    O meu protesto contra o unity que defendo que deveria sempre ser opcional foi deixar o ubuntu depois do 11.04 não porque não soubesse retomar o classico gnome que no 11.04 não é imperativo há a opção no inicio de sessão para escolher o gnome, mas porque sempre gostei de linux mint e o unity foi a desculpa para me mudar definitivamente.

  51. Serva says:

    Bom dia ,

    Reparei nos meus posts que poderia ter ficado a ideia que um anti Ubuntu , mas de facto( lá estou a dar um pontapé no acordo ortográfico , há coisas que eu não consigo me convencer , para respeitar o acordo ortográfico tinha de escrever fato e isso para os portugueses tem outro significado , para os brasileiros penso que se diz terno , fato para nós é uma peça de vestuário bom polémicas a parte …..) não é isso que se trata eu uso Ubuntu e reconheço que a Canonical tem potencializado o Linux , agora não posso é ficar indiferente a mudanças que foram tomadas de cabeça quente quando o ppl da Gnome se incompatibilizou com a Canonical ou vice versa e que deram na minha opinião em 2 projectos que saíram furados para ambas as partes , o que eu espero é que ambos pela importância que têm neste mundo do Open source encontrem de novo o caminho que até a pouco tempo trilhavam .

    Depois existem outras considerações que eu gostaria de fazer em relação a outras Distros que aqui foram muito faladas como é o caso do Mint , é preciso não esquecer que o Mint é baseado em Ubuntu e depois leva um polimento e vem incluído com mais uns codecs e coisa e tal , se porventura a Canonical parasse com o seu ciclo de distribuições todas as outras que estão directamente ligadas iriam se ressentir e de facto o mundo do Linux ficaria mais pobre .

    Aceitem os meus sinceros cumprimentos

    Serva

  52. Ryan says:

    Unity para que te quero? Tem sido controverso sim. A maior parte dos amigos que usam Ubuntu ou ficaram-se pelo gnome ou entao mudaram de distro. Eu tentei mudar mas nao gostei la muito. Voltei instalei o Unity mas para ser sincero nao gosto. Realmente parece o MacOS dos pobres, digamos assim. Se o Mark quer fazer uma interface bonita que tenha mais garra porque o Unity fica a anos luz daquilo que se pede. O Linux sempre foi conhecido pela simplicidade e nao pela beleza etc das suas interfaces. Obviamente que cada sabe o que fazer a sua maquina mas ter o 11.10 com o Unity por defeito… por favor eles que vao dar uma volta. O Ubuntu perdeu terreno com esta infame GUI mas ha maneira de escolher outra coisa. Eu por acaso nao gosto do KDE mesmo depois de varias tentativas. Voltei sempre ao gnome. Mas tambem nao gosto da forma como o gnome 3 esta… ou seja outra Unity.

  53. Serva says:

    Errata deve-se ler ” que eu sou um anti Ubuntu ”

    As minhas desculpas

    Serva

  54. Serva says:

    Ryan , concordo contigo plenamente .

    Cumprimentos

    Serva

  55. Diego says:

    O Unity foi feito pra TABLET. Infelismente o mundo caminha pra esse rumo. O Ubuntu está se tornando uma Windows da vida…..

  56. Notliz says:

    Belo artigo.
    Não vejo tantos problemas como os relatados.
    É apenas uma questão de adaptação.
    Ainda bem que o Linux nos permite tais adaptações.
    É assim mesmo, toda mudança gera impacto!

    Show Pplware!!!

  57. kekes says:

    Eu odeio Unity, ja disse bye bye a ubuntu a muito tempo, não me consigo entender com aquilo… A productividade é pessima.

  58. Serva says:

    @kekes

    Sabes que mais eu tenho quase uma obsessão por experimentar quase todas as releases em Linux , ontem instalei o Bodhi 1.2 baseado em Debian , estou rendido a Iso tem cerca de 350 Mb , é minimalista , reconheceu-me num p4 a minha placa wireless da Gigabyte a placa de som Xfi da Creative e até têm um repositório próprio extremamente simples de instalar depois tens o Synaptic e a consola para instalares tudo o que quiseres , e sabes que mais tem um look bem nice , não paro de me surpreender com este mundo de Linux .

    P.S primeiro instalei na maquina virtual pareceu-me interessante , então queimei o cd e lá foi para a maquina das experiências e não é que ainda é melhor instalado em Hdd , fantástico mesmo .

    Cumprimentos

    Serva

    • Bruno Filipe says:

      Não estás de todo errado mas o Bodhi tem por base Ubuntu LTS e não debian (pelo menos não directamene dai não estares errado)

    • Armando says:

      Ao contrário de ti, cada vez me surpreendo menos… acaba por ser tudo a mesma coisa. Pega-se no Debian, instalam-se os programas preferidos e ’tá feito: saia cá para fora mais uma distro. Aliás, qualquer um de nós pode fazer isso e criar, por exemplo, uma pen com o sistema já equipado com os nossos programas favoritos e pronto para arrancar como live cd ou instalar no HD. Mais vale.

  59. Laggunna says:

    Olá a todos!

    Vi o post e alguns comentários interessantes.

    Pessoalmente, enquanto consumidor não sou adverso a mudanças mas, tenho para mim um princípio que não abro mão e que aplico em geral.

    Se sou cliente dum serviço que me agrada não aceito que o mudem porque assim o entendem. Se, após várias reclamações/sugestões a empresa não repõe a situação, isso significa que não respeita os clientes/utilizadores.

    Quem não me respeita não me merece como cliente e aí mudo para quem me ofereça um serviço ao meu gosto e não ao gosto da empresa.

    É claro que duma forma ou doutra sempre estamos limitados às opções mas, das existentes sou eu enquanto utilizador que tenho o direito de escolher e como tal não admito que me imponham nada a não ser que não tenha opções e mesmo assim reclamo!

    Ora, se uma empresa/associação etc, ainda que gratuita disponibiliza um serviço/aplicação seja ele qual for e começa a receber queixas e não muda, então mudemos nós, utilizadores/consumidores.

    Vão ver que mais tarde ou mais cedo as coisas mudam!

    Apesar da evolução do mundo, os cidãdãos em geral ainda não ganharam a noção da sua importância e força neste mercado global.

    Não usem, desinstalem, não acedam, não comprem e vão ver que as coisas mudam!

    Esta crise é um bom exemplo (infelizmente), é ver os preços a baixar e as lojas a fechar. Mas isso levava-nos a outro tema.

    Bem hajam

    • Bruno Filipe says:

      Felizmente embora se trate de uma empresa, o ubuntu não é pago pelo que não perdemos dinheiro.

      Mais uma visão do Unity é que o Unity foi criado porque os devs do ubuntu não concordam com o rumo do projecto Gnome 3 e algumas coisas da sua interface pelo que decidiram criar uma interface na ideia deles melhor que a do gnome 3 mas sobre gnome 2, ora eu não acho mal existir o Unity apenas pronto não gosto e felizmente em linux quando não se gosta há mais escolhas enquanto que em windows e mac é a norma do “mamar e calar”. Ora se o ubuntu se vai mantendo com o gnome 2 como fundo não compreendo porquê forçar em vez de sugerir o Unity. Com gnome 3 mais distribuições vão migrar para ele pelo que este estilo de interface seja gnome ou unity vai tornar-se comum e a esperança da canonical é que com o tempo e aperfeiçoamento do unity, mesmo quem não gosta agora mude de ideias mais tarde e provavelmente têm razão como disseram acima é questão de nos acostumarmos. Como há muita escolha no mundo nix por agora quem assim entende e muito bem, mantém-se com o que quer mesmo que seja noutra distro.

      • Guilherme de Sousa says:

        @Bruno Filipe

        O Unity neste momento(falando da versão 11.10) não tem como base o gnome2, até porque o que se encontra nos repos desta versão é apenas o gnome3. Na versão 11.04 é que se aplica o que referes dai eles permitirem utilizar o gnome2 como alternativa.. se não o fazem no 11.10 é porque não dá mesmo!

        Agora instalando o gnome-session-fallback como referi no artigo, ultrapassas em parte esse problema, pois ficas com o gnome3 mas configurado ‘a la gnome2’.

        @Laggunna

        A Canonical em nada te *OBRIGA* a utilizar o Unity.. podes perfeitamente instalar outra UI a teu gosto, simplesmente é a que veio por default!
        E como já alguns referiram em posts a cima, muito pode mudar até à próxima LTS; e esta sim é a versão definitiva!
        Ora se a Canonical investiu no Unity, e ainda só saiu uma versão com este (a 11.04), compreendo que queira continuar com ele.. não iria alternar apenas por uma versão e por fim voltar ao gnome.

        São poucas as alterações radicais que são bem recebidas, logo é normal que queiram ter um período experimental maior.. e se no fim (leia-se lts) os utilizadores continuarem sem gostar.. então será então melhor reavaliar a situaçao!

        Com isto não fiques a pensar que sou defensor do Unity, ou que o utilizo sequer.. nem utilizador de Ubuntu sou. Apenas tento compreender o movimento estratégico da Canonical.

        cumps

        • @lmx says:

          Concordo contigo Guilherme!

          Ter uma opinião, ou outra, é mesmo esse o objectivo :).
          Cada um deve ter uma opinião sobre algo, e tem o direito de a expressar, os outros a obrigação de respeitar essa opinião.
          Convém é quando damos a nossa opinião sobre algo explicar o porquê do nosso ponto de vista!
          Não estou a criticar a forma como terminas-te acima, mas acho que te defendes-te de uma forma a evitar dar a tu opinião, o que disse aqui vem nesse sentido…
          É apenas uma opinião.

          cmps

  60. pedro says:

    Sou utilizador de Windows e Unix há vários anos. Recentemente abandonei o windows em definitivo e estou com o Ubuntu.

    Para o meu uso diário acho o Unity fantástico. É brutal a simplicidade para aceder aos ficheiros e aplicações. Talvez um pouco lento para os mais nervosos mas quem tem pc’s rápidos pode não sentir o mesmo delay… Não vou trocar para gnome3 ou kde pois penso que o Unity vai rapidamente ficar polido e cada vez mais perto da usabilidade.

  61. wolf says:

    Eu recomendo café para quem muda de sistema operativo apenas porque não encontra uma função relativa ao aspecto gráfico, pois está lá bem visível quando o computador é ligado e escolhemos a conta a iniciar, basta mudar a opção na barra inferior e assim fica de imediato ou então ir a sitema, administração, configurações do ecrã de autenticação, seleccionar sessão por omissão. Boas escolhas.

  62. Álvaro says:

    Continuo com o ubuntu 10.10,,,,, a interface gráfica e as aplicações que utilizo é graças ao Compiz, consigo ser mais produtivo com este ambiente. Tenho instalado o 11.04 com o Unity para os amigos que querem experimentar e noto que a recepção realmente não é muito favorável. Isto após verem o meu sistema operativo, e como ele funciona. Considero o Unity algo estático. É simplesmente uma opinião, não crítica, pois a habituação ao novo interface pode agradar a muita gente que começa com ubuntu…ou não.

    • Marcelo Barros says:

      Eu para mim acho que ainda é a resistência a mudança.

      Na licenciatura que tirei, umas das coisas que nos diziam era sobre o facto de chegar a uma empresa onde vamos melhorar as aplicações e a maioria das mudanças o utilizador vai oferecer resistência nem que seja para melhor.

      Hoje estamos a criticar unity, quem sabe a grande maioria que daqui a uns anos usar unity e se aparecer algo diferente, vai dizer que unity era o melhor do mundo e o que vem aí não vale nada.

  63. phixie says:

    Já há algum tempo que o sistema operativo que uso com mais frequência é Linux. No trabalho tem que ser Windows mas em casa é Linux (apesar de ter dual-boot porque pura e simplesmente há algumas coisas que só em Windows).
    Já passei pelo Ubuntu, a seguir o Mint e agora estou com o Fedora. Como já estou com o Fedora há algum tempo (versão 14), começo a pensar em actualizar o sistema. Estou indeciso entre actualizar para o Fedora 15 (acho o Fedora o sistema mais estável que já usei) ou voltar o Ubuntu (pela sua facilidade de utilização e pelo seu gestor de pacotes).
    Recentemente instalei o Ubunto no netbook (dual-boot com Windows porque tem que ser) e sinceramente não me estou a habituar ao Unity. Esta interface faz todo o sentido, ainda mais num netbook, mas continuo a estranhar.
    Não me parece fácil a habituação ao Unity por muito que ache que é o mais indicado para netbooks. Para desktops (e portáteis) já nao me parece fazer tanto sentido.

  64. Marcelo Barros says:

    Uma pergunta a uns tempos tinha existido um processo por os utilizadores serem obrigados a comprar um portátil com windows.

    É possível chegar a uma loja ver o preço de um portátil e dizer que quero sem windows e a esse preço eles tem de tirar o valor do Windows OEM.
    Ou estas lojas podem dizer que a versão do mesmo portátil tem que ser pedida e pode ser outro preço (tipo ao fim dizerem que até é mais caro, porque a versão windows é um pack xpto).
    Estou a pensar comprar um portátil novo futuramente e não penso comprar windows.

    • Joao Henriques says:

      Boa questão. Já tinha pensado nisso antes, mas como bom Português sempre “comi e calei”. A alternativa passa por mandar construir um PC numa loja especializada em que explicitamente traga o disco “virgem”. O problema é que é sempre mais fácil comprar algo já feito e não ter chatices. Mandar construir implica fazer pesquisa prévia dos componentes e compatibilidades, e isso ainda dá trabalho (sou bastante preguiçoso).

      • Guilherme de Sousa says:

        Mas olha que compensa! Se for para comprar um desktop ganhas tanto no bolso, como em performance! Fazes uma melhor máquina com menos €, e tudo com material de confiança sem apanhar as ditas banhadas!

        cumps

  65. Axys says:

    Eu gostei da nova interface do Ubuntu. Talvez por eu ser um usuário novo, mas a questão é que eu gostei, apesar de algumas falhas que ainda tem que eu creio que serão corrigidas na versão 11.10.
    Mas acho que “exorcizar” o GNOME do Ubuntu de maneira à deixar apenas Unity e Unity2D é algo meio arriscado, Muitos usuários estão acostumados com o GNOME e não querem se desfazer dele, apesar de eu achar que a maioria desses usuários nem tentou uma experiência mais “aprofundada” no novo visual pra saber mesmo se vai ou não gostar, já saem falando mal.

    Mas é sempre assim. A mesma coisa aconteceu com o Windows Vista quando mudou de visual (em relação ao XP), e ao Windows 7. São os poprios usuários que não gostam de mudanças, e isso é um problema. Porque se muda, reclamam! Se não mudam, reclamam do mesmo jeito!

  66. Joao Henriques says:

    Honestamente quando saiu o 11.04, fiquei completamente “passado” com o Unity (e pela negativa). Odiei assim que comecei a usar. No entanto, e passado algum tempo de utilização do mesmo, tenho que admitir que já me adaptei muito bem e até não desgosto. Obviamente que ainda tem “flaws” e “bugs” enormes, mas com o tempo pode vir a ser algo importante. Nos dias que correm tenho muito mais chatices com o GNOME3 do que com o Unity. O GNOME3 está atulhado de erros. Uso Ubuntu 11.04 e Fedora 15 todos os dias (casa e trabalho, respectivamente), por tanto não falo só por falar. Mas para ser honesto, como passo o dia todo com um terminal à frente, este tipo de coisa não me afecta assim tanto. Tendo um terminal, tenho tudo. Qualquer coisa existe o fluxbox. Não queria chegar a este extremo, mas se tiver que ser…

  67. Antonio Antunes says:

    Não gosto do Unity e sou utilizador do ubuntu há anos em dual boot. Aprecio o gnome porque é simples e rápido e eu tentei..juro..Felizmente há opcções. Não experimente i ainda o gnome 3. Gostava da vossa opinião.Obrigado

  68. TrasMontano says:

    Quando saiu o 11.04 com Unity, simplesmente não gostei. Talvez porque sempre estive habituado ao Gnome e à interface do Windows.
    Mas achei que não tinha dado uma verdadeira oportunidade ao Unity.
    Até ao mês de Agosto sempre usei Windows e Ubuntu em dualboot.
    Hoje deixou aqui a minha humilde opinião: para já só tenho Ubuntu 11.04 instalado no meu pc e portatil a funcionar, cada um, a 100%.
    E estou contente e adaptei-me ao Unity. Como? primeiro já não preciso do GnomeDo; e em vez de te a barra de atalho no fundo do ecrã, tenho-o do lado esquerdo.
    O Unity que vem instalado no 11.04 não está perfeito. Precisa de mais trabalho e afinações, assim como aconteceu com o Gnome e qualquer outro gestor de ambiente.

  69. João says:

    Eu sou grande fã do gnome 2 e não estou satisfeito com o Unity. O problema é que ainda gosto menos do gnome 3 e não me está a apetecer muito mudar para uma distro que depois vá evoluir o Gnome 3…

  70. Lm says:

    Estamos a falar de linux, nao estamos?
    Em que o “ambiente grafico” ‘e apenas mais um conjunto de aplicacoes, certo?

    Nao gostam de unity, de kde, de gnome, ou o que for… troquem o “ambiente grafico” – nao precisam de trocar de distribuicao.

    Esta confusao vem do Windows em que quase tudo ‘e grafico (ate nos servidores, o que ‘e muito, mas muito grave!)

  71. Leo says:

    Participei de uma apresentação do Unity com multi touch, acho q é nesse ponto que é a grande sacada da canonical.
    Abraços

  72. Pedro says:

    Já experimentei várias Distros, mas me identifiquei com a Ubuntu.

    Se eu disser que não estranhei a Unity, estarei mentindo. Mas gosto de experimentar novidades e hoje, já totalmente adaptado, estou ansioso para utilizá-la na versão da Distro 10.10, após o lançamento.

    Este problema da Unity me faz pensar quando chegou a janelas aos Sistemas no lugar dos terminais, o mouse aos PCs. Muita gente torceu o nariz. Tem gente que até hoje detesta-os. 🙂

    Então, acho que é válido o risco, na tentativa de inovação da Cannonical, assim como o Gnome. Ou quantas décadas a mais vamos continuar gravitando na órbita das interfaces convencionais dos SOs tradicionais? Até o Windows ou o OSx lançarem algo parecido e o mundo dos usuários ironicamente acharem isso maravilhoso? (já pensaram nesta hipótese?)

    Se alguém tem que arriscar um passo a frente, que a iniciativa seja do lado de cá… Sempre! 😀

    Um abraço a todos.

  73. Felipe Rocha says:

    Pessoal, usem o FEDORA 15 tem uma interface muito bela e intuitiva.

    Sempre utilizei o ubuntu, mas tive que abandoná-lo depois dessas últimas versões.

    Acredito que não devemos ficar removendo pacotes e adaptando a distro ao nosso uso e sim ela se adaptar a nós. Lembrando que o marketing “Linux para Humanos” deveria permanecer latente.

  74. Hugo Santos says:

    Eu ca tambem acabei por abandonar o linux e mudei para o mint.Em casa inda uso o 10.04 e nao vou retiralo ate que seja mesmo descontinuado:(
    De qualquer forma Debian tambem é uma boa opçao pois ubuntu tem toda a base debian:)

  75. Sempre usei ubuntu devido ao seu ambiente gráfico simples e bem organizado. Instalei a versão 11.04 mas não gostei. Para o usuário final é muito complicado. Então, coloquei o Ubuntu 10.10 de volta e vou usá-lo até o mesmo ser descontinuado. Se o ubuntu perder sua principal característica eu vou mudar de distro, infelizmente.

  76. Gramathur says:

    Na minha opinião a Canonical pode e tem até mesmo o direito de mudar ou de estragar o Ubuntu o quanto ela quiser, já que ela é dona da distribuição.
    O mesmo é para o KDE e o Gnome que em dado momento se perderam e estragaram aquilo que tinham de melhor que era a liberdade do usuário poder customizar à vontade.
    Eu nem reclamo.
    Quando o KDE foi destruído na versão 4, mudei para o Gnome 2. E agora que o Gnome 2 foi destruído na versão 3, estou já aprendendo o funcionamento do XFCE para logo mudar para ele.
    E no caso do Ubuntu já desinstalei, pois a opinião dos usuários de pouco valem para eles. Caso contrário não teriam imposto esta porcaria de Unity.
    No momento estou trabalhando com o Linux Mint e no caso deles se perderem como ocorreu no Ubuntu, mudo de distribuição. Sem problemas.
    Interfaces há de monte: XFCE, Blackbox, e por aí vai.. E distribuições também.

  77. Josemar Maciel (Brasil) says:

    Senhores,
    Sou mais um usuário que usa o Linux por respeito à ideia de software livre, e trocou o Ubuntu por ter se sentido desrespeitado com a troca forçada para o Unity. A Microsoft faz experiências usando os seus usuários como cobaias. A Canonical, mutatis mutandis, está trilhando o mesmo caminho. Isso, para piorar, dentro da tradição Debian, distro que se orgulha de ser concebida e gerida comunitariamente. Pena. Enquanto isso, passei para o Mint. Engrossei a estatística mas, juro que se tivesse tempo, saía para o Gentoo ou Arch.

  78. darkgx says:

    USEM O LUBUNTU,o mais leves dos *buntus.
    eu uso,acho bem mais leve que o ubuntu,e roda em 54 mb de ram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.