PplWare Mobile

Gnome 3.4 está disponível com muitas novidades


Autor: Pedro Pinto


  1. pmsm1100 says:

    Continua péssimo a nível de usabilidade, por enquanto continuo com o Gnome 2 (pelo projecto MATE).

    • -_-' says:

      Não sabes o que dizes rapaz…! Usa-o como deve ser, que dirás o contrário.

      • ddd says:

        Tenho notebook EEEPC e o Gnome 3 não serve. Enquanto o dois era excelente.

        Gosto do Gnome que é mais rápido que o KDE.
        Eu sei que tambem há outros.

      • pmsm1100 says:

        Não considero nada prático ter de ir ao um canto (que às vezes acciono sem querer) para mudar de janela. Já testei diversas alternativas, talvez a mais eficiente seja ter uma dock, mas ocupa espaço de ecrã desnecessariamente.

        No Gnome 2 tenho nas barras vários applets como por exemplo a meteorologia (temperatura) e a utilização do CPU. No Gnome 3 é preciso instalar plugins para conseguir fazer algo semelhante (semelhante, mas inferior).

        O Gnome 3 deve ocupar, pelo menos, dobro da RAM do Gnome 2.

        E então, quais são as vantagens do Gnome 3 sobre o Gnome 2?

    • Alverne Paiva says:

      Eu já penso ao contrário, gosto tanto do Gnome 3 que quando estou usando Windows fico arrastando o mouse pra borda superior da tela em busca dos recursos que só tem no Gnome.

  2. Mike says:

    Gosto do pormenor do papel de parede animado.

  3. Ricardo David says:

    Adoro o Gnome 3. Aqui no escritório todos acharam esse o melhor Desktop para Linux até hoje. Não vejo a hora de concluir o update!

  4. monux says:

    -Uso o Gnome3 desde seu lançamento, junto com o Linux Mint.
    -Me adaptei muito bem com ele.
    -Já estou atualizando para o 3.4. Veremos !
    -Cumps

  5. SexOnaSal says:

    Boas pessoal,
    desculpem o offtopic mas preciso de ajuda, ando aqui a tentar recuperar dados de um disco (disco interno mas tenho caixa p usar como externo).

    O disco aparentemente tem sectores danificados, e ao ligar em modo usb , bloqueia-me o pc todo, fica extremamente lento, ja meti a correr live cd ubuntu e liguei como usb, detectou 2 partiçoes (das 3).

    Eu gostariam de saber qual o linux mais leve para fazer este tipo de coisas, o mais leve e rapido, para ter mais processador e ram para ler o disco estragado.

    Outra coisa é, dá para fazer “live dual boot” num cd ?

    Exemplo,
    gravar para um cd uma versao do Slax e outra versao do Puppy linux.

    Ao inserir o CD ao arrancar, aparecer a opçao de escolher o sistema operativo que ia arrancar no cd, ter opçao para correr ou slax ou puppy linux.

    Acho que me consegue explicar, agradecia o apoio e dicas se souberem de formas melhores.

    Cumprimentos !

    • SexOnaSal says:

      *já agora, para recuperar sectores danificados tambem, zerofill ou programas desses, que se nao der para recuperar, pelo menos que dê para “contornar” esses sectores, para o resto do disco ficar operacional.

      Cumps!

      • Ricardo Ramos says:

        Boas, usa o HDD Regenerator atravéz do Hiren’s BootCD…

        Agrupa o setores danificados numa parte do disco, deixando o mesmo um pouco mais funcional…

        PS – “recuperar setores danificados”, é melhor fazer backup do disco e começar a pensar em comprar um novo…

    • Marco Silva says:

      Há um software muito bom, que se tiver recuperação, recupera de certeza.

      Chama-se Spinrite, está disponível em https://grc.com e desde que o conheci, não preciso de outra coisa para recuperar discos. Já recuperei muita coisa com ele…

      Só tem um senão: o preço. Custa USD $90,00. Apesar de ser um custo que só é pago uma vez e podermos ficar com o software para usar depois.

      Agora é questão de ver se quer pagar esse valor e se a informação que quer recuperar vale o preço.

      No trabalho uso este software e vale cada euro pago.

      Fica a sugestão.

    • SexOnaSal says:

      os dados que queria recuperar ja recuperei, o pc nao é para mim e era para durar mais uns tempos, dai queria agrupar os badsectores para dar para funcionar normalmente

      Obrigado pelas respostas, vou testar

      Cumprimentos

  6. Shogun says:

    Pena o suporte para multiplos desktops ser pessimo.

  7. FS says:

    Para quem ja tem o gnome 3 instalado qual a melhor maneira de actualizar? Desinstalar o existente?

    • monux says:

      – Não precisa desinstalar,basta digitar no terminal :

      sudo add-apt-repository ppa:gnome3-team/gnome3
      sudo add-apt-repository ppa:ricotz/testing
      sudo apt-get update
      sudo apt-get dist-upgrade
      sudo apt-get install gnome-shell

      – E pronto está atualizado,sendo que o ultimo comando vai informar que você já está com a última versão instalada.
      – Fiz aqui e está tudo funcionando perfeitamente!

  8. Campachi says:

    Dúvida: Pq eu devo adicionar a ppa:ricotz/testing além da ppa:gnome3-team/gnome3?

    Obrigado.

  9. Santos says:

    Já está a instalar…

  10. Alexandre Amaral says:

    Entre este e o Unity qual deles o melhor? Parece-me pelas imagens que em alguns pormenores tem conceitos próximos um do outro…estarei enganado?

    • quimkaos says:

      não, não estás
      O desenvolvimento do Unity começou quase simultaneamente com o do Gnome 3, tendo os desenvolvedores do ubuntu se baseado no futuro Gnome 3 antes de ele ter sido lançado. inicialmente o Unity usava gnome 2 e depois de ter sido lançado gnome 3 o Unity passou logo a gnome 3.
      Na minha opinião o Gnome 3 é muito melhor…

  11. Dr.Estranho says:

    Qual a melhor distro para experimentar isto?

    Cumps

    • Alucard says:

      Para mim a melhor distro GNOME é o Fedora. A versão 17, que incluirá o Gnome 3.4, ainda está em fase alfa, contudo.
      Talvez para experimentar por enquanto, o melhor seja usar uma versão live que o GNOME disponibiliza aqui:
      http://ftp.gnome.org/pub/GNOME/misc/promo-cd/ (Julgo que esta imagem seja baseada no OpenSUSE e não no Fedora).

      Cá eu, vou esperar por Maio, pela versão final do Fedora.

      • jpng81 says:

        A fedora até pode estar muito á frente em incluir o gnome 3.4 mas é daquelas distros que não recomendo a ninguém. É muito incompleta e não se preocupam com pequenos detalhes que fazem toda a diferença. Se querem experimentar gnome 3.4 aconcelho a ser no ubuntu.

        • GreenTuxer says:

          Ao dizeres isso demonstras uma enorme falta de conhecimentos na matéria. Não há nada que Fedora não tenha que os outros tenham.
          É uma distribuição feita para developers e sysadmins, como tal, tem menos aplicações gráficas.
          É menos básica que Ubuntu e afins, mas é muito completa, tem repositórios com muito conteúdo, é das mais estáveis que já usei, aconselho vivamente.

          • GreenTuxer says:

            Quando digo ‘menos aplicações gráficas’, refiro-me às típicas de configurações e preferências do utilizador comum. Tem apps gráficas para configuração de sistema, como rede e tudo o resto, no entanto.

    • Rui Almeida says:

      Ubunto,Fedora, e mesmo Mint acho que são boas distros para experimentares o Gnome 3.4.

  12. eu mesmo says:

    e o suporte com os drivers proprietarios foi melhorado? antes tinha alguns problemas nesse ponto. agora nao sei.

  13. Rui Mesquita says:

    Tenho uma dependência para instalar o gnome 3.4 –> libmutter 3.4 e não consigo instalar alguma ideia?

    Tenho a versão 12.04 LTS

    PS: Quando actualizei o sistema o gnome que tinha deixou de funcionar :s

  14. Arlindo says:

    Acabei de actualizar para este gnome. Tinha a versão 3.2.1 ag ficou a 3.3.92.
    Nota-se que é + brilhante, mas surgiu um problema, ñ carrrega flash… quando acedo a sites em flash a tela fica branca.
    Tenho instalado este plugin: adobe flash player plugin version 11. Antes de instalar jogava no come2play qualquer jogo, ag ñ joga nenhum.
    Será que há algum plugin adicional para resolver este problema, ou tenho de voltar ao gnome anterior…?
    E se voltar para o gnome anterior como faço??
    Se o pplware ou alguém aqui no site puder ajudar, desde já agradeço.
    Abraço a todos…

  15. Rui Mesquita says:

    Já está resolvido.

    Para quem tiver o mesmo problema que instale as despendencias à mão usando o dpkg que estão neste site : https://launchpad.net/ubuntu/+source/mutter/3.4.0-0ubuntu1/+build/3321165

    depois que instalem o gnome pelo synaptics package manager

  16. Serva says:

    Boa tarde ,

    Detesto a actual Distro Fedora , e então com Gnome , para mim ficou uma bosta , experimentem o BIG LINUX 11.10 , e depois digam-me alguma coisa , ou mesmo o Ultimate edition 3.2 , ou o Pear Os , estas são as distribuições que começam a traçar um novo futuro em Linux , e são sem dúvida a maior prova que esta comunidade está viva .

    Na minha opinião nem o Unity nem o Gnome estão maduros , não sei se já repararam mas já deveria ter saído o beta 2 do Ubuntu no dia 22.3 , nos foruns oficias existem muitas e zero respostas , algo de muito errado se está a passar , já não é a primeira vez que existem atrasos mas que me lembre desde a 7 anos nunca um atraso tão grande .
    Penso que a interface mais madura neste momento é o KDE ou o XFC ou o LXDE , por questões de estética e também de funcionalidades optei pelo KDE e vai ser muito difícil abandonar , a não ser que façam uma borrada como a Gnome decidiu fazer , reescrever tudo de novo , quando existia uma comunidade extremamente activa a programar para essa interface que era altamente personalizavel .

    Cumprimentos

    Serva

    • Rui Mesquita says:

      Se tens S.O. pagos, que têm mais responsabilidade e estes se atrasam na mesma, penso que seja mais grave, embora comparar uma coisa com outra que também está errada não seja viável.

      Em termos de dias não sei, mas sei que a versão .04 e .10 saem em Abril e Outubro respectivamente, desde que não se atrasem nisso 🙂

      Quanto ao Gnome, sou fã tenho o 3.4 e adoro a simplicidade e interactividade que este proporciona, embora seja um pouco pesado para maquinas mais antigas, estou de tal modo viciado que quando não o uso estou-me sempre a enganar a ir ao canto com o rato! Quanto à personalização se instalares as extensões e o gnome-tweek-tool também acho que tens bastantes opções 😉

      Se falarmos em termos de maturidade e embora eu tenha o Ubuntu, acho que Debian deva ser o mais maduro e estável de todas a releases, até porque é de onde quase todas derivam.

      Cumprimentos

    • jv says:

      A borrada que dizes que o Gnome fez, foi a mesma que o KDE fez quando lançou a versão 4. Com uma diferença: o KDE reescreveu de facto tudo, sendo que as primeiras versões do KDE eram muito dificilmente utilizáveis devido à falta de estabilidade e aos muitos bugs.

      Já agora, dizer que uma distribuição (seja ela qual for) traça um novo rumo no linux, é muito discutível.

      Outra coisa que não existe é A MELHOR DISTRIBUIÇÃO. A maior parte das distribuições são distintas e adequam-se a contextos diferentes e a perfis de utilizador diferentes. É muito menos importante decidir qual é a melhor distribuição e muito mais importante discutir as características de cada uma e os seus pontos fortes e fracos.

      Desde há muitos anos que uso linux como sistema operativo principal e já experimentei uma enormidade de distribuições apenas porque nunca fiquei satisfeito com nenhuma delas.
      Gosto do Debian, mas o software dos seus repositórios é muito pouco actualizado (comparado com outras distribuições) para uma utilização em desktop. Por outro lado, esse facto faz com que os packages também sejam mais estáveis, sendo eventualmente uma solução interessante para servidores ou outros sistemas onde a estabilidade seja importante (embora neste ponto não tenho grande experiência).

      Usei o Ubuntu porque não altura oferecia o melhor suporte de hardware e era extremamente amigável para o utilizador. Na minha opinião, não faz sentido usar uma distribuição de linux para depois ter que andar a configurar ficheiros e a compilar packages. Neste caso (e indo ao extremo), mais valia compilar os pacotes que me interessavam em vez de andar a utilizar os packages de distribuições.
      No entanto, o Ubuntu piorou muito em estabilidade, reapareciam constantemente bugs que já tinham sido resolvidos anteriormente, e comecei a não gostar do rumo que levava.

      Actualmente uso Fedora e, embora esteja muito longe de a considerar perfeita, é neste momento a distribuição que uso. Comparada com a generalidade das distribuições, é aquela que tem nos seus repositórios as versões mais recentes do software, acho-a minimamente estável, tem uma ligação mais directa ao desenvolvimento de base de cada aplicação, e modifica muito pouco o software de origem (o que faz com que não lhes introduza bugs, ao contrário do que faz o ubuntu).

      Entre estas, experimentei muitas outras: linux mint, linux mint debian edition, pclinuxos, foresight linux, mandriva, suse, arch linux, etc.

      Quase todas elas têm pontos fortes, mas também pontos fracos que não me permitiram usá-las mais que duas semanas.
      Tanto o ultimate edition como o pear linux que referes são distribuições baseadas no ubuntu (que por si só já é baseado no debian, embora os repositórios não sejam compatíveis). Existem um número absurdo de distribuições baseadas no ubuntu, e na generalidade acrescentam pouco. Aquilo que acrescentam são normalmente ambientes gráficos mais personalizados ou “bonitos”, suporte para software proprietário, ou coisas do género.
      O próprio linux mint é baseado no ubuntu, com a excepção do linux mint debian edition que é baseado no debian.

      Das distribuições baseadas no ubuntu, a que me parece mais digna de nota é o elementary OS porque estão a tentar mais que disponibilizar uma distribuição nova. Estão a tentar fazer um sistema operativo integrado, em vez de aplicações que têm pouco a ver umas com as outras. De qualquer forma, o desenvolvimento tem sido um pouco lento.

      Outra característica que aprecio são as rolling distributions, distribuições que não são desenvolvidas em versões. Simplesmente instala-se e vai actualizando continuamente.
      Uma das mais conhecidas é o arch linux, que no entanto necessita de conhecimentos um pouco maiores sobre linux. Esta distribuição não é nada amigável, mas é muito completa, tem um suporte incrivel da comunidade, e permite que instalemos apenas o que precisemos e que continuemos a actualizar o sistemas sem instalação de novas versões a cada dois meses (como é o caso do fedora ou do ubuntu).
      O linux mint debian edition ou pclinuxos são outros exemplos de rolling distributions.

      Por último, instalem uma distribuição linux, usem-na no vosso dia a dia, se estiverem insatisfeitos, experimentem outra e continuem assim.
      Não vale a pena é andar a dizer qual é a melhor distribuição porque ela simplesmente não existe. Cada utilizador tem as suas necessidades.

      P.S. – Nem sequer me vou meter nas discussões se o melhor é gnome ou kde. Isso é completamente ridículo. Começamos por discutir qual é melhor, pc ou mac? Dentro do pc discutimos qual é melhor, windows ou linux? Dentro do linux, discutimos qual é melhor, gnome ou kde? Isto é ridículo.

      • Rui says:

        Não podia concordar mais. Cada qual utiliza a distribuição que seja a mais adequada às suas necessidades. Eu também já experimentei diversas distribuições como mandriva, suse, ubuntu, debian, o próprio caixa mágica, ultimate, fedora e até red hat a alguns anos, nunca tendo ido pelos caminhos do slackware ou até mesmo gentoo. Neste momento utilizo arch linux, só agora porque como disseste e bem, são necessários alguns conhecimentos em linux para avançar para esta distribuição. Não quer dizer que os tenha adquirido, mas o suporte que é oferecido pela comunidade é incrível, a informação disponibilizado é enorme e fórum é muito activo. Tirando algumas notas e tendo a possibilidade de avançar com um backup previamente feito é possível utilizar arch sem conhecimentos muito muito avançados.

        Neste momento não me vejo alterar tão cedo a minha distribuição de uso diário, até porque para além de ter um sistema bastante rápido e eficiente em termos de energia, aprende-se muito utilizando arch ou distribuições do género. Aconselho a todos os que para além de quererem usufruir de uma plataforma livre e realmente boa, queiram adquirir conhecimentos neste área.

        Em relação à comparação entre gnome e kde, não se pode comparar, compará-los seria quase fazer a vontadinha aos senhores de silicon valley. Existem também outros ambientes de trabalhos que mereciam a atenção dos utilizadores, xfce4 e enlightenment são duas alternativas que aconselho a qualquer um que se queira aventurar por outros caminhos.

        Afinal de contas se queremos utilizar Linux, queremos ser livres, e limitar-nos a gnome e kde, vai um pouco contra a filosofia do conceito na minha opinião.

        • POliveira says:

          Neste momento também estou pelo Archlinux, depois de já ter deambulado por algumas (poucas) outras distribuíções.
          O que me impressiona realmente no Arch é a velocidade do sistema, até parece que tenho um SSD! 🙂

  17. Serva says:

    Errata ” deveria ter escrito existem muitas perguntas e zero respostas ” as minhas desculpas

    Serva

  18. superdz7 says:

    o que ja era bom, agora esta melhor!

  19. ominis says:

    Eu fiz a atualização e agora não consigo ver videos no youtube, alguém sabe dizer-me como posso resolver esta situação ou reverter o sistema para o ponto antes da atualização?

  20. Santos says:

    Porque é que o Gnome 3.4 não tem a opção de desligar o computador? Só permite suspender e terminar a sessão…

  21. Rui says:

    Na minha opinião (e respeito a de todos) o gnome 3 é um falhanço(por enquanto), tornou a utilização do computador num universo infinito de cliques no rato para realizar tarefas básicas como estar no PC a ouvir música, navegar na web, abrir um jogo, etc… Não duvido que no futuro com alguns melhoramentos o gnome 3, bem como o unity sejam excelentes para utilizar em tablets ou aparelhos do género, mas, por enquanto nao servem para o utilizador comum.

    Aconselho vivamente distribuições como o Mint com a adaptação MATE, ou até mesmo distribuições com KDE que se tem revelado um ambiente estável, maduro e sem os bugs de antigamente. Chakra Linux e Kubuntu são boas distribuições.

    Eu cá uso Arch Linux com xfce4. Acreditem, se querem aliar uma utilização regular no PC a utilizar baixos recursos, bem como um ambiente bonito e agradável, não há nada melhor. Mas claro, cada qual tem as suas preferências! experimentem ! há dezenas de óptimas distribuições linux que se moldam ao gosto de cada um! http://www.distrowatch.com

    • Santos says:

      Penso que tens razão, este Gnome 3.4 ainda está “fresco”. Instalei-o, está bonitinho, houve uma tentativa de simplificar, mas ainda é apenas uma experiência. No entanto, vou continuar a usar, porque é gratuito e acredito que vai melhorar. Grave, é com o Windows, que temos de pagar pelos erros da Microsoft…

      • Rui says:

        Concordo, em relação à microsoft são tantas as falhas e os problemas e as críticas que se podem fazer que se poderia abrir aqui um forúm especial so para apontar o dedo à microsoft e ao windows.

        O público em geral não está bem informado em relação às alternativas open-source que existem. Estamos “todos” dependentes do monopólio mundial exercido pela microsoft. Hoje, é perfeitamente possível utilizar um desktop comum exclusivamente com software livre. Em relação a jogos e outros programas de relevo como Autocads, macromedias poderia existir um esforço maior para lançar versoes instalaveis para Linux e outros sistemas.

        Já me estou a desviar do tema do gnome 3.4, mas de qualquer forma, apesar de não estar ainda “no ponto” não deixa de ser um óptimo Desktop environment e só espero que a comunidade portuguesa do open-source continue a crescer!

        • Santos says:

          Por falar na comunidade portuguesa de opensource, penso que o Ppware devia dar mais ênfase ao Caixa Mágica do que ao Ubuntu . Já que falei, vou experimentar o Caixa Mágica.

  22. Catarino says:

    Acho as ultimas versões do gnome uma autentica aberração.
    1º não existem icons no desktop por defeito.
    2º o funcionamento dos multidesktops são uma porcaria.
    3º a barra superior do desktop não dá para alterar
    4º para procurar uma aplicação instalada temos que percorrer 3 ou 4 passos
    5 na distribuição que uso as janelas não tem a opção minimizar

    para quem usa o gnome aconselho a instalar o cairodock e a desbloquear os icons do desktop
    Cumps!

    • jv says:

      É preciso primeiro perceber a lógica por trás. O gnome shell mudou ligeiramente a lógica de utilização do desktop. Podemos gostar ou não. Mas o erro está em tentarmos usar o gnome shell como se fosse o ambiente gráfico do gnome 2.

      1 – Não existem ícones no desktop segundo o pretexto de que um desktop funcional teria as janelas maximizadas (mais uma vez, pode ser discutível, mas houve uma lógica). De qualquer forma, isto pode ser desactivado.

      2 – Pessoalmente, acho que agora os desktops variáveis são muito mais fáceis de usar. De qualquer forma, é possível criar um ícone com os vários desktops.

      3 – Existem muitas extensões para adicionar ícones e funcionalidade à barra.

      4 – Para procurar uma distribuição instalada, clico na tecla ao lado do alt esquerdo e escrevo parte do nome da aplicação. Não existe mais rápido. No gnome 2, tinha que instalar aplicações como o gnome-do ou o synapse para ter esta funcionalidade, actualmente vem integrada. E funciona para aplicações, documentos, etc.
      Se de qualquer forma, quisermos usar o rato, acho muito semelhante ao número de acções usada no gnome 2. Vejamos, para abrir o firefox:
      – clico em activities (ou na tecla ao lado do alt, ou desloco o rato para o canto)
      – clico em applications ou uso as teclas direccionais (este é o único passo a mais)
      – posso escolher directamente o firefox na lista de aplicações e assim poupar um passo em relação ao gnome 2
      – ou posso clicar na categoria Internet (igual ao gnome 2)
      – clico em Firefox

      5 – a omissão da opção para minimizar vem precisamente do facto de não haver ícones no desktop e da razão que motivou isso. De qualquer forma, é muito simples activar os botões de minimar.

      Já agora, em relação ao artigo, tenho que dizer que a funcionalidade que permitia procurar directamente documentos no sistema, já existia. O que foi feito nesta versão foi o desenvolvimento da aplicação Documents.

  23. Quer testar a melhor distro que esta de aplaudir em pé, experimenta o LUBUNTU 12.04 Beta 2.

    O desempenho dele é muito rapido, leve, simples e facil de manusear.

    O Lubuntu esta me supreendendo a cada atualização que fazem.

  24. Santos says:

    Com algumas dicas vossas, já estou a apanhar-lhe o jeito. Estou a gostar deste novo Gnome!
    Outra coisa, reparei que tiraram os icones de maximizar e minimizar as janelas, além de fazer o mesmo através do menu com o botão direito do rato, será que há mais algum truque?

  25. Rúben Lopes [Lopesmaio] says:

    Muitas novidades, mas nem se lembraram de adicionar os malditos botões de maximizar e minimizar janelas… neste momento estou num desktop GNOME 3, mas é com o Fallback, que é bem mais produtivo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.