Quantcast
PplWare Mobile

eXastum – Um sistema operativo totalmente em HTML5

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Nascosta says:

    Mas será que se pode chamar um sistema operativo?

  2. JJ says:

    Sem testar, apenas com as informações dadas, isso parece um site que abre outros sites… ou um browser dentro de um browser.

  3. guru da patagónia says:

    Temos um brwoser dentro de um browser??!!fantástico!

  4. CS says:

    Isto não é um sistema operativo e já existem projectos semelhantes (e substancialmente mais úteis como “SO”s remotos) feitos em HTML 4.

  5. guru da patagónia says:

    Pode ter algumas das funcionalidades que fazem parte dos demais sistemas operativos mas não é um sistema operativo.

  6. Joao Pinho says:

    Inception, open a web browser so i can open my browser to browse the web

  7. JM says:

    Um SO que corre num browser que por sua vez corre sobre um outro SO.
    Para que quererei uma coisa destas?

    • Nuno says:

      Concordo ctg. Se nao precisas disso, podes desinstalar o virtual box ou o vmware do pc. pra que queres executar um SO dentro de outro SO. não é? 😀

  8. Rosmaninho says:

    Instala um OS no teu PC e depois um browser, depois instala um OS no teu browser e usa o browser desse OS dentro do teu browser dentro do teu OS.

    Inception?

  9. Jose says:

    Na minha opinião é um desperdício de tempo.

    A Microsoft já tem um serviço idêntico a anos, para o Windows.

    E nunca serviu para nada sinceramente.

  10. Ze says:

    Como se já não houvesse porcaria que chegasse na Internet, agora metem pseudo sistemas operativos a correr no browser. Lindo!

    • Pedro Pinto says:

      Não podes pensar assim tão “pequenino”…pensa assim…ja viste o que é possível fazer com HTML5? O potencial desta tecnologia? Não tenho duvidas que estamos perante uma interface gráfica para qualquer dispositivo, que pode tirar o melhor partido dos recursos.

      • Filipe YaBa Polido says:

        Sistema operativo, é aquilo que te vai meter o HTML5 a funcionar no hardware, portanto, isto é quando muito um software engraçado…….
        Desde o Relvas, parece que tudo funciona por equivalências. Credo 🙂 🙂 🙂 🙂
        Tem ícones e abre janelinhas: Sistema Operativo
        Leu os mails de uma conta q já estava aberta: hacker
        Passou pela igreja: Papa
        Assistiu a umas aulas: Eng. Relvas

        ad infinitum

  11. Rui Costa says:

    Erradamente chamam a este site de Sistema Operativo!

    Deverão ter mais cuidados em futuros artigos senão arriscam-se a ter reclamações de pessoas que formataram o portátil e não conseguem instalar este “SO”

  12. Alexandre Pinto says:

    É uma excelente montra do que é possível fazer com html5, mas é só isso.
    Grande parte destes projectos do género servem para isso mesmo, testar conceitos, tecnologia e criar pontos de partida para novas ideias.
    Fora esse aspecto, isto não faz grande sentido.
    Isto não é um sistema operativo, é sim uma aplicação html5.

  13. Nunes says:

    Considerando que o software não gere o hardware, um browser é tão ou mais SO que isto!

  14. darksantacruz says:

    Sistema operativo? Não. Inception? Sim. Sem brincadeiras isto é apenas uma aplicação em html5.

    • Pedro Pinto says:

      Testa e depois diz alguma coisa. Um “só” aplicação não faz estas coisas.

      • djx says:

        o darksantacruz tem razão, isto não é um sistema operativo. É um programa que corre num sistema operativo.

      • Alexandre Pinto says:

        Pedro um SO é algo muito mais que correr algumas aplicações dentro de um browser.
        Se assim for, toda a internet é um SO, porque consigo todas essas ferramentas online, num site ou noutro.

        Além disso isto não é novidade nenhuma.Há uns bons 6 anos atrás houve um projecto Espanhol muito semelhante com a diferença de não correr localmente, mas sim online. Foi o primeiro do género que vi.
        Esse talvez fizesse mais sentido porque se não me engano, qdo queríamos aceder a um site, este passava pela proxy deles, não sendo barrado nos locais de trabalho por exemplo, onde a maioria tem acesso a alguns sites barrados.
        Chamar a esta aplicação que corre num browser de SO é exagerado. Não0 deixa de ser no entanto uma excelente montra das potencialidades do HTML5.

  15. BMJ says:

    Isto bem explorado e podemos ter de volta os terminais «estúpidos»

    • Francisco says:

      Bem vindos de novo “terminais estúpidos”, se o processamento passar a maior parte para o lado do servidor e deixar o meu computador livre para ter um melhor desempenho.
      Posso chamar-lhe “terminal estúpido”, “cloud computing” ou outra coisa qualquer.
      Mas sim, concordo contigo, esse paradigma, está outra vez a entrar no mundo da informática, onde o utilizador está mais seguro e dá melhor uso às máquinas pessoais/empresariais.

  16. Nosferatu Arucard says:

    Um projecto interessante, mas que ainda nao tera´ muito uso.
    Ate´ ao momento so´ experimentei num tablet Android com o Mozilla Firefox que abre esta geringonça sem grandes problemas.
    Isto e´ mais um applet html5 que corre dentro de um browser que um sistema operativo.
    Um sistema operativo html5 seria constituido por um kernel mais um programa interpretador que corria os applets html5 por cima.
    Assim e´ que faria sentido, como o projecto JNode que criou um sistema operativo em Java, do qual a VM estava implementada sobre um nano-kernel em assembly!

  17. David Ferreira says:

    Eu estou aqui a ler as opniões e acho que praticamente ninguém viu o Eureka da review…

    já imaginaram um OS só com suporte HTML5, javascript e CSS ?
    Mais nada, sem windows sem dos….só isto

    esse é o ponto da questão, eles aqui só estão a mostrar o que é possivel fazer

  18. Francisco says:

    Não percebo qual é a estranheza.
    Ainda gostava de saber qual é a aplicação especial de corrida, da qual é impossível fazer um port para html5.
    O que podem dizer é que esses ports não existem ainda na realidade, ou ainda não estão a altura das aplicações nativas.

    Já agora olhem uma diferença importante.
    Imaginem que têm uma aplicação nativa que foi feita para a resolução padrão dos monitores ou para 2 ou 3 resoluções diferentes.

    Ao trocar de monitor com uma definição superior, tipo 2880 por 1800.
    Encontrarão na internet um conforto que não encontram na maior parte dos outros programas, porque são nativos e as empresas ainda não fizeram as versões para esta resolução.

  19. Thunbergii says:

    Gostava de saber um pouco mais acerca deste SO. O artigo é pouco extenso.
    Gostei da tradução de termos normalmente utilizados em inglês, como por exemplo, “descarregarem” e “doca”. Há que apoiar a língua portuguesa!

  20. Fábio Nunes says:

    isto é bom é para usar como máquinas virtuais, vai consumir muito menos e mais fácil de “instalar”

  21. someone says:

    A coisa mais básica que caracteriza um SO é a gestão dos recursos de hardware e disponibilizar um API (aka kernel) para que as aplicações possam fazer uso desses APIs para implementarem a sua tarefa.

    É certo que hoje em dia é normal chamar de SO não só ao kernel mas também um conjunto de aplicações, mas…

    Ora, isto do eXastum não passa de uma aplicação, nada mais, uma aplicação que tem varias camadas de abstração até chegar ao hardware…

    Eu acho isto engraçado e é bom vermos as coisas engraçadas que as tecnologias modernas juntas com pessoas criativas nos podem oferecer,mas:

    eXastum não é um SO, disso tenho a certeza.

  22. Washington Rodrigues says:

    A todos que criticaram o projeto são um bando de pessoas sem informação. Imaginem a possibilidade de instalar no pc uma distro linux bem leve, e a partir dela instalar somente um browser com suporte a html5 e a partir daí dar o boot no eXastum, sem precisar correr no linux uma interface grafica.
    Pensem nisto.

    • Pedro Pinto says:

      Eu tenho dito isso 1000x 🙂 O pessoal nao acredita 🙂 O sistema operativo é a “interface” entre o hardware e software…certo…mas os SO’s têm la o “kernelzinho” pelo meio.

      • Nunes says:

        kernelzinho?
        O kernel pertence ao SO, é a parte responsável por comunicar e gerir o hardware, um dos pontos que define ser SO!
        Sem isso não se pode dizer que algo é um SO!
        O que ainda não explicaram é a utilidade do eXastum, porque é que alguém vai usar uma coisa destas em vez das alternativas já estabelecidas e com melhor performance, qual a vantagem?

        • Pedro Pinto says:

          Boas Nuno,

          Pensa no Android…uma plataforma fantástica…como kernel Linux adaptado…agora pena no eXastum + Kernel

          • Nunes says:

            eXastum não tem sistema gráfico, ele usa os recursos do browser para poder funcionar. Por sua a vez o browser necessita do sistema gráfico do SO para funcionar!

          • Nunes says:

            É por isso que as pessoas dizem que não é um SO!
            Tenta imitar o ambiente gráfico dum, mas não tem o que é necessário para ser um!

    • Nunes says:

      Para correres o browser precisas de sistema gráfico no Linux. Isto em nada resolve esse problema

    • BMJ says:

      O engraçado de algumas pessoas que criticam este SO é que se calhar têm o XP/7 numa maquina virtual…
      Do meu ponto de vista este SO tanto posso olhar para ele como uma maquina para terminais estupidos ou até mesmo como um SO para virtualização, com a diferença que a maquina virtual corre num browser em vez de um virtualbox/vmware…

      Não critiquem mas olhem para as vantagens.

  23. Hugo Alves says:

    Pois, eu já testei a aplicação e posso concluir com toda a certeza que isto não se apróxima nem de perto nem de longe com um Sistema Operativo.
    Sinceramente, esta notícia chamou a minha atenção pelo simples facto de que eu trabalho em aplicações direcionadas a web e fiquei claramente curioso.
    Após análise da aplicação, posso garantir que um pessoa que trabalhe com programação faz aquela aplicação, de forma tranquila.
    Não é nada de fantástico, aliás, existem aplicações bem mais apelativas e complexas.
    Consultando o código utilizado, a aplicação usa javascript, html5 nem php usa para login ou acesso de ficheiros, nem sequer o XML.
    Portanto, a ideia de que poderá evoluir para um so móvel esta totalmente errada, e nem tão pouco de torna aplicável, porque não existem ficheiros de caracterização do “so”.

    E a ideia é simples, esta aplicação precisa de um browser, browser precisa de um SO, SO precisa de conjunto de componentes, ponto final.

    Não existe nesta aplicação, nada de extraordinário, apenas uma aplicação extensa e em html5 e javascript.
    Basta efectuar um pesquisa e verificar que nada do que está nessa aplicação que seja usado e com mais valor.

    Mas é apenas a minha opiniao.

    • Brian Millar says:

      Hi, you are totally correct. I am the developer of eXastum and can confirm that everything you say is true. I built eXastum as a demo of an OS GUI in a browser so people can run apps without opening a thousand tabs and can play music etc. while browsing. I am a beginner student and I build the system as a demo of my abilities in JavaScript and HTML. I started eXastum at 16 and I am now 18 and in college. I’m going to launch a much more advanced version shortly called 1.9 but it is still the same idea. This will always be JavaScript and HTML. I’m sorry I confused people by calling it an OS but thats the thing its is most similar to and I wanted beginners to understand the purpose. Thanks for your interest and testing everybody, have a good day,
      Brian Millar, developer of eXastum.

  24. Diogo Lamego says:

    Também já experimentei e como já foi dito acho que o importante de salientar é o resultado e ver as infinitas possibilidades que o html5 permite.
    Também já foi dito que o html4 tem projectos idênticos mas nunca conseguiriam criar tudo em HTML, não fosse por exemplo os jogos até poderem ser em HTML.
    Aqui o importante é ver as potencialidades e ver que isto dá para diversas coisas.
    Eu por exemplo acho isto algo bastante interessante para aplicar como aplicação interna de uma empresa. Ter um conjunto de ferramentas, dentro de um sistema, bem mais leves e fluidas e que permitem por exemplo acesso em toda a rede.
    Por exemplo ter a possibilidade de abrir em qualquer PC ou em qualquer lado este chamado browser com as nossas coisas… Isto é só uma idea claro 😉

    • Hugo alves says:

      Exactamente, para uma aplicacao acho muita boa a sua ideia . Agora de aplicacao a so vai muita distancia!
      Dai eu referir que a esencia da construcao desta aplicacao nao e nada de novo.

  25. O meu anti-virus, detectou malware ao descompactar, pode ser um falso aviso, mas…….

  26. Anónimo says:

    Muito boa noite PplWare,

    Antes de mais comecei por ler o título do tópico, e achei-o logo interessante, até que o começo a ler e por momentos começo a me aperceber de algo que não estava lá muito bem inserido na lógica do assunto em questão.
    Sem ofensa, mas sabendo eu e muita gente como se constitui um Website, e principalmente como o código é estruturado, etc, rapidamente me deparo com o código do próprio à minha frente (maravilhosas ferramentas do google chrome), no qual poderia visualizar o código do suposto Sistema Operativo, bem como efetuar alterações no próprio, isto, como por exemplo, com um simples apagar de uma “div” mais crítica, ou de um ficheiro .css.

    No meu ver, isto trata-se claramente de um website, todo xpto, com vários estilos, janelas em javascript, entre outros, não deixando ainda de ser apenas um Website.
    Aliás eu até gostava de saber, como é que o hardware que tenho iria me abrir isto sem ter um verdadeiro SO junto de um Browser, para o acesso a este.

    Bem, sem mais assunto, apenas tenho a dizer que devem refletir um pouco antes de colocarem tópicos sem serem bem analisados.

    Cumprimentos,
    Anónimo (xD)

  27. Rui Chaves says:

    Grande projecto sim senhor.
    Agora é só imaginar as possibilidades ao instalar este tipo de OS em equipamentos de pequeno porte, por exemplo telemóveis.
    É só uma questão de tempo até termos deste tipo de OS desenvolvidos em HTML5 com capacidade para reconhecer hardware, até lá não tem usabilidade nenhuma a não ser para incentivar a imaginação.

    Cumps.

  28. André Vieira says:

    Isto é o futuro! quando tivermos ligações de internet tao rapidas que ja nao é preciso instalar jogos, mas sim apenas corre-los atraves de um link ou atalho no browser. Vai ser o que esta para acontecer 🙂 apenas temos que deixar abrir a nossa mente e pensar um pouco além daquilo que temos neste momento… não se deixem limitar por opiniões ou pelo que ouvem aqui ou ali.
    Estão aqui tantos comentários negativos que realmente não consigo perceber.. enfim.
    Venha o Futuro! Os que agora comentam negativo irão ser os que mais defendem depois este ou outro sitema inovador. Mas só quando for mainstream… haha
    Obrigado PPLWARE 🙂

  29. Fernando Pereira says:

    Boas!
    Estive atentamente a ler todos vossos comentários e pareceu-me que a dicotomia entre sistema operativo e aplicação comum tem sido o prato do dia desta notícia. Sendo assim, fiz uma pesquisa no Wikipedia (mesmo sabendo que nem sempre a referida fonte é fiável) e verifiquei que, segundo o conceituado Prof. Silberschatz da Univ. Yale, existem duas visões para definir um S.O, que passo a citar:

    «visão top-down pela perspectiva do utilizador ou programador: é uma abstracção do hardware, fazendo o papel de intermediário entre o software e os componentes físicos do computador;

    visão bottom-up, de baixo para cima: é um gestor de recursos, que controla quais aplicações podem ser executadas, quando devem ser executadas e quais recursos podem ser utilizados.»

    Ao considerar esta teoria como válida, então a discussão não vai levar a lado algum, pois todos têm a razão (ou então ninguém a tem…), mediante a visão escolhida.

    A margem desta “pseudo-polémica”, gostaria é de ver uma simples review das funcionalidades desta… hummm… “coisa” 😛

    • Alexandre Pinto says:

      Nao é bem assim. Na visão top-down está claramente excluido porque nao comunica com o hardware. Comunica com o browser e nada mais.

      Na visão bottom-up é a mesma coisa. Até pode fazer essa gestão de recursos executados, mas sempre dentro da aplicação. Sobe um nível acima, ao browser, e aí já não manda nada. A gestão que esta aplicação faz sobre os seus processos é tão simples como a calculadora do windows não permitir a introdução de letras e apenas e só números. Isto é, aplica regras de lógica dentro a aplicação. Sinceramente, chamar isto de SO é uma baboseira tremenda.

      • Vítor M. says:

        Uma baboseira? Acho que a tua falta de visão é que é uma baboseira, estás peso a conceitos cada vez mais ultrapassados. Repara bem no teu discurso retrogrado.

        Podes até, à luz dos conceitos od passado, ter alguma razão, sim, é verdade, mas os conceitos estão a modernizar-se, juntamente com a tecnologia. Isso é indiscutível.

        Não achas?

        • Nunes says:

          isso não tem lá muita lógica! É o mesmo que chamar retrógrado a quem diz que um homem não é uma planta, porque no futuro os nomes podem mudar!
          O conceito de SO não vai deixar de ser o responsável por gerir os recursos, mesmo que virtuais! E este software não gere recursos, apenas imita um ambiente gráfico usando os recursos disponibilizados pelo browser

        • Alexandre Pinto says:

          Não acho. Um SO é um SO. O conceito não mudou. Se corre num browser, é porque existe um SO por trás a suporta-lo.
          Isto é simplesmente uma aplicação em HTML5. Nem percebo qual é a dificuldade em perceber isso.

          • Rui Chaves says:

            Boy, tens que perceber que o interessante no meio disto tudo não é o OS em si que foi mostrado neste post, mas o novo conceito que poderá vir a ser desenvolvido.
            Isto se não o estiver a ser de momento, solta a imaginação amigo.

            Cumps

  30. Carlos says:

    eh….. Joli OS?

  31. Alberto says:

    Isto faz-me lembrar o projecto EyeoS baseando a ideia do sistema operativo a correr dentro de um browser. O conceito até que não está mal pensado se pensarmos por exemplo em termos de usarmos sistemas virtualizados. Poderá ser muito útil por exemplo se estivermos a correr o nosso S.O. preferido e ter que usar por obrigação uma aplicação que só é compatível com aquele outro S.O. mas que seja possível com esta tecnologia não requerer tanta memória e processamento como já acontece com qualquer sistema virtualizado que usemos profissionalmente (vmare por ex.)

    É o que penso.

  32. DansVC says:

    boas, eu proprio estou a desenvolver um “sistema operativo” usando HTML, JS( maoritariamente JQuery e JQuery UI) e CSS. Com este projeto pretendo aprender um pouco mais sobre as linguagens webs, tenho apenas 15 anos e claro q n levo isto para o lado comercial, consolidar, divertir-me e encantar ma friends. este os tem um design simples com uma mistura entre o w7 e o w8. ficou engracado e funcional. vou lancar em breve e espero que gostem ;D

  33. Interessante, tem ainda muitos “bugs”, vou continuar testando…

  34. Douglas says:

    Seu projeto é muito bacana. Um portal de entrada que demonstra o que o HTML 5 é capaz de fazer. Parabéns. Vou usa-lo como exemplo educacional para os meus alunos que estão estudando para se tornarem tecnólogos em sistemas voltados para Internet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.