PplWare Mobile

Portugal: Saber andar de bicicleta vai passar a ser “obrigatório”


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Paulo says:

    Acho bem, a medida perca por tardia.

    • Paulo says:

      Acho bem, a medida peca por tardia.

      • 123 says:

        E para aqueles com eu que tenho paralisia dos membros inferiores, não tenho equilíbrio na bicicleta só consigo conduzir o meu carro automático como é que vai ser?

        • Mateus Pinto says:

          compras uma elétrica com 3 rodas, botao e dás gás. Se perguntasses como será com pessoas com limitacoes visuais ainda entendia.

          • fak says:

            Mateus pinto
            isso vai dar ao mesmo, a coisa toda de andar de bicicleta é pedalar para fazer cardio… se ele vai usar um botão para “pedalar”, não lhe serve de nada a bicicleta, mais vale ir de carro que a nivel do cardio é o mesmo…

        • Sergio says:

          leu a noticia? lamento se sofre desse problema.. mas a noticia fala so sobre uma medida do governo para melhorar a educação e a cidadania das crianças

  2. Gonçalo Oliveira says:

    Vão “obrigar” a minha avó de 95 anos a aprender a andar de bicicleta?
    Não me parece…

    • Castigador da Parvoíce. says:

      Bom dia Gonçalo, gostaria de executa-se um auto-exame silencioso à sua resposta.
      Lendo calmamente o texto, e depois o seu comentário, não lhe parece que é uma resposta,…. tipo…. como direi….. humm…. “PARVA”?
      Temos de mandar chamar estes para vir salvar a situação:
      https://www.youtube.com/watch?v=mNIXnmsLXbs

      • Nuno says:

        Bom dia, Castigador. A sua resposta ao Gonçalo seria mais hilariante, se porventura respeitasse algumas regras básicas da língua que escreve, como por exemplo reconhecer e aplicar correctamente o sinal de pontuação das reticências, que não são 4 ou 5 pontos seguidos, são exactamente 3. A conjugação do verbo executar também deveria ser alvo de reflexão. “Executa-se” é diferente de “executasse” um pouco como “comamos” é diferente de “coma-mos”. É tudo muito giro, mas no caso, a conjugação do pretérito imperfeito do conjuntivo não tem hífen nenhum.

        Posto isso, a resposta do Gonçalo é mais uma daquelas pérolas a ser alvo de printscreen e despejar em tudo o que é canto 🙂

  3. Marco says:

    Excelente iniciativa mas propunha ainda melhor. Quem tem passe de metro usar bicicleta gratuita ate 60mins como na Polonia, Austria, Alemanha etc, Cobrar portagem e aumentar o preco dos parques para quem traz carro para a cidade em 10x. Estacionamento em Lisboa e Porto a 15euros/hora

    • Bruno says:

      Isso não é solução, olha o meu exemplo, trabalho no centro do Porto, e levo o meo carro todos os dias e nao tenciono deixar de o fazer, simplesmente porque os transportes públicos para mim não são solução. Primeiro apesar de ter paragem a porta de casa, no porto a paragem mais perto do meu emprego fica a 50 minutos a andar basicamente a correr… Somando isto ao tempo que teria de esperar pelo transporte, perderia muito tempo da minha vida , tempo esse que posso facilmente usar para fazer coisas úteis para mim em casa, estar com a familia ou simplesmente descansar pois tambem é preciso…

    • Rufer says:

      E eu proponho que as bicicletas passem a pagar IUC, IA, IVA sobre o IA e um qualquer imposto sucedâneo do Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos… é que alguém tem que pagar o “alcatrão” para os ciclistas, “trotinetistas” e afins se poderem passear a seu bel prazer. Já agora, proponho que o senhor tenha juízo e não meça tudo pela mesma bitola. Porventura, nem toda a gente terá a sua boa vida e desprendimento, para poder pedalar até ao emprego no dia-a-dia. Fique bem.

    • 123 says:

      Porra pá e eu E para aqueles com eu que tenho paralisia dos membros inferiores, não tenho equilíbrio na bicicleta só consigo conduzir o meu carro automático como é que vai ser?

    • Mateus Pinto says:

      Marco: nesses países que dizes a criminalidade é muito inferior à portuguesa e os terrenos muito mais planos. Em Portugal (norte) o terreno é muito acidentado e no Grande Porto e Lisboa a criminalidade é alta, metade das bicicletas desapareceríam nas primeiras semanas (ou a maioria das pecas). Há coisas que em portugal sao difíceis de implementar.

      Bruno: Portugal é um país com a cultura de “preguica”, logo cada um tem que ter carro, ir sozinho para o trabalho/faculdade e andar de transportes públicos é “para pobre”. Nesta cultura os políticos (também portugueses) investem muito pouco nos transportes públicos e se nao fosse pela UE / turistas, transportes públicos (especialmente no norte e interior do país) seriam uma miragem…

      Enquanto os portugueses nao exigirem transportes públicos massificados, “verdes”, novos, seguros e na maioria das cidades portugueses (inclui interior do país!!!), entao os políticos nao tem razao para investir nos transportes e sempre podem cobrar altos impostos com os carros

      • Daniel says:

        Eu ia contra argumentar ponto a ponto, mas depois de ler tamanha ignorância (ponto a ponto) eu simplesmente desisti… deixo somente uns pontos:

        Terreno montanhoso/acidentado:
        1) Bicicletas electricas;
        2) Lausanne.

        Ponto.

        Criminalidade ligada ao furto de bicicletas: não há pior que Holanda, um dos países com maior número de bicicletas per capita e em que o uso de bicicleta é um dos principais meios de locumoção.

        Quanto à questão da criminalidade… vives em que mundo? Já te deste ao trabalho de ver os relatórios da OCDE, da ONU, da Eurostat?! (ou simplesmente prestares atenção às notícias quando afirmam Portugal como um dos mais seguros países do mundo).

        Da próxima vez pára para respirar antes de responder… pode ser que nessa breve pausa também comeces a pensar sobre o que escreves.

  4. André says:

    Obrigar a aprender a andar de bicicleta? Concordo, mas para isso devem criar essas infra-estruturas nas escolas e fornecer as bicicletas, pois as escolas não têm dinheiro para suportar esses custos.

  5. Pedro Ramos says:

    Quem é que vai pagar as bicicletas para os alunos?

  6. hsff says:

    A comodidade no transporte vai passar a ser um privilégio da classe média alta e das classes acima. Viva o socialismo!

    • Toni da Adega says:

      Estranho sou considerado classe media ou acima ou algo do gênero, e ando de bicicleta diariamente, inclusive para ir trabalhar.
      É tudo uma questão de opção e sensibilização

    • fak says:

      não é socialismo, se vivesses no socialismo não haveriam propriedades privadas, a tua liberdade seria condicionada pela idealogia do estado, entre outras coisas… isto talvez te lembre da china, coreia do norte, cuba, etc… são todos socialistas, embora muito do socialismo não seja praticado, como por exemplo no socialismo o lucro é dividido entre os trabalhadores por igual, mas obviamente que isso não acontece e torna-se um “Socialista acapitalizado”.

      já o capitalismo é no que vives, os trabalhadores são pagos como força de trabalho, o trabalho é um direito, a economia é eficiente, à crescimento economico mas também há monopolios e desemprego. o que te lembra isto? todos os outros países além dos países socialistas e “socialistas acapitalizados”, como a koreia do norte. o maior exemplo de capitalismo são os USA.

      O socialismo tem vários problemas, sendo que o principal deles é de que ao final das contas, o socialismo acaba por se tornar uma especie de capitalismo mas por um meio diferente e com objetivos diferentes, ou seja, não é capitalismo, é apenas algo muito parecido.

    • fak says:

      ah e outra coisa, no socialismo não existem classes, as classes deixam de existir e em vez de classes passam haver distinções politicas, não sei qual delas é a pior sinceramente….

      classe média, alta, baixa e pobre são classes sociais que provêm do capitalismo.

  7. carlos de aveiro says:

    Pode ser que se acabe com as filas de automóveis (mal estacionados) à porta das escolas para levar os meninos para casa… “no meu tempo” ia a pé… mesmo se estivesse a chover… porque o pai andava a trabalhar longe e só havia um carro…

  8. Panter says:

    Tretas!… Mais alguém que quer vender bicicletas. Deveria ser obrigatório, era aprender a nadar isso sim!.. Faziam desporto saudável aliada à segurança e haveria menos mortes por afogamento, do que trombas esmurradas… Condução defensiva, são com as escolas de condução mais capazes e rigorosas, assim como melhorias nas condições do piso das vias (perco mais tempo a olhar para os buracos de que olhar para a frente)…

    • Toni da Adega says:

      +1
      Natação é uma das melhores alternativas que existem na área da mobilidade. por isso é que o pessoal nos paises nórdicos vai tudo a nadar para o trabalho deve ser por causa da chuva.

  9. jaugusto says:

    Isto é apenas click bait para fazer propaganda a milhentos autocarros e barcos no fim da noticia!!! Triste aldrabice de quem vai ficar á espera não sei quantos anos mas o que vale é que as eleições são já ali ao virar da esquina…

    • Pedro Pinto says:

      Acho que não devia haver apenas formações para pedalar 🙂

      • jaugusto says:

        O sr dr , mestre e tal de certeza que vai de metro ou anda de autocarro na Guarda … a formação deveria ser dada aos politicos que fizeram a vida de quem trabalha nestes ultimos 20 anos um inferno de crise em crise, por isso não tenho paciência para propaganda encapotada, existem muitos ecos noutros sitios.

  10. BlackFerdyPT says:

    Pudera… Com a classe média a ser propositadamente destruída pela classe política, não irão as novas gerações alguma vez ter dinheiro para possuir um carro. E, por isso, toca a criar já o hábito de andar de bicicleta, para que não sintam os futuros pobres de amanhã a falta de um carro.

    • Toni da Adega says:

      Não consigo compreender essa do andar de carro é para os ricos e.andar de bicicleta é coisa de pobre.

      Ou vais dizer que eu sou pobre porque vou para o trabalho de bicicleta.

      E nao esquecer dos pobres todos que vivem na Europa. Holanda por exemplo deve ser o país mais pobre da Europa

      • hsff says:

        A sua incapacidade é notória, nem consegue perceber a diferença entra andar de bicicleta porque se quer ou porque não se tem alternativa ou ainda porque um toni da adega qualquer acha que os outros devem ser como ele.

  11. Luis Silva says:

    Acho uma boa iniciativa

  12. So7t says:

    Proponho cotas de utilização semanais e coimas para os incrumpridores!
    Já agora obrigatório deverá também ser obrigatório a integração de um GPS de fábrica para que a Autoridade Tributária possa fazer a devida colecta automaticamente!!

  13. Al Cid says:

    Assim é que é… ensinar de pequenos a “dar ao pedal” para ver se isto avança ainda melhor 😉

  14. João Pratas says:

    Que iniciativa mais estúpida. Querem obrigar a saber andar de bicicleta quando o que deviam fazer era criar novas e melhorar as estruturas precárias de forma a incentivar o uso de bicicleta (mas criar essas estruturas não dá dinheiro ao estado como cobrar algumas multas).

  15. Manuel capela says:

    Seria tao mais fácil , se todos se respeitarem
    Quem quer andar de carro andava de carro , quem quer andar de bicicleta andava , todos com os mesmos direitos e obrigações.
    Imposições só mesmo de países terceiro mundiças

  16. Milagre says:

    Este título é “falso”

  17. djo says:

    cheira-m a situação tipo compelled speech

  18. ze says:

    ao estado a que isto chegou… é preciso obrigar os putos a brincar a sério e a mexerem-se!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.