Quantcast
PplWare Mobile

Há menos pirataria! A culpa é do Netflix e do Spotify

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. Branets says:

    o netflix é uma copia do ratotv ?

    • Guilherme Louro says:

      não, é mais o oposto

    • Douglas Ferreira says:

      Você pode fazer a inscrição e usar durante 30 dias, se não gostar pode cancelar antes desse prazo e não será cobrado. No Brasil o catálogo está muito bom, em Portugal não sei, mas mesmo que ainda não esteja tão bom, é só questão de meses até melhorar.

      PS: ao assinar, vai pedir o cartão de crédito, mas a cobrança só é feita quando atingir o 30º dia. Para cancelar não precisa nem ligar, é só entrar na sua conta e clicar em cancelar.

    • coisinho says:

      Sim, até porque o Netflix já existe desde que a internet ainda andava a dar os primeiros passos… às vezes estando calado ganhava-se mais.

  2. Ana says:

    Eu há mais de 1 ano, que só ouço música no SPOTIFY… e todos os meus amigos que ouvem música diariamente como eu, também…

    Neste 1 ano e meio sensivelmente devo ter gasto para aí uns 5 a 10 EUR, no SPOTIFY PREMIUM, onde têm toda a música sem publicidade…

    Como?? Simples. Vâo aproveitando as promoções do SPOTIFY a 0,99 EUR por 3 meses e semelhantes… Depois é só mudarem de conta/email, e já está. São como novos para eles.

    Mas também podem ouvir toda a música GRATUITAMENTE, levam é com publicidade auditiva e visual de x em x músicas, e a qualidade é um pouco inferior à versão PREMIUM.

    Força, pra quem não sabe… e experimentem, é só o melhor serviço de música de Streaming para Portugal. Nunca mais querem outra coisa.

    • Marco B. says:

      Eu uso o spotify crackado no telemóvel e no PC, a unica coisa que nao da para fazer e sacar as musicas, de resto tenho tudo sem publicidade.

      • Darth says:

        Parabens. Fazes uma grande coisa

      • Carlos Silva says:

        se te crackassem o emprego e recebesses só metade por causa disso (ou o teu pai/mae), também ía funcionar tudo sem problemas. Excepto alguma comida na mesa que pudesse faltar, mas isso não é problemático

        • Hugo says:

          É uma forma de ver as coisas sem dúvida.
          Agora também sabemos que as editoras só não levam 100% dos louros se não puderem.
          Eu compro alguma música…e SEMPRE em formato físico, nunca digital.
          Claro que não compro tudo o que gosto como é óbvio, até porque não faço colecção e era capaz de ficar carote.
          Idas a concertos, presumo que também sobre uma boa fatia para os artistas e não é assim tão barato…e no merchandising igual. Tirando isso e pondo hipocrisias de parte saco à brava, no entanto acho que invisto razoavelmente nas bandas que gosto.

          No caso do audiovisual a coisa já muda de figura. Entendo todos esses malefícios da pirataria mas não há nada que me chame ao cinema (embora vá para fazer a vontade à patroa).
          Em cassa vejo com qualidade, sem distracções e com todos os privilégios de “administrador” 🙂
          Podia comprar os dvd’s é verdade, ou aderir à Netflix, mas havendo serviços gratuitos melhores e com muito mais conteúdo torna-se difícil querer subscrever.
          Resumindo, não sou contra, nem sou a favor.
          Obviamente que pelo bom senso todos deveríamos ser pelo menos um pouco mais contra do que a favor, mas depois ponho-me a pensar nos artistas que terminaram carreira por falta de fundos…e começo a ficar baralhado. É uma teia muito grande, e digam o que disserem é um balde sem fundo. Se a pirataria acabar amanhã NADA vai melhorar a não ser a casa de alguns CEO’S e alguns milhares de novos empregos 🙂

          No caso da Steam como já falaram acima penso que tenha um melhor negócio para o utilizador, pois quem quiser jogar online não tem outra forma que não seja comprar o jogo original…e que eu conheça loja nenhuma bate os sites que vendem key’s originais.

          Voltando qo que disse da música, se calhar afinal apoio mais os game developers do que as bandas que gosto…hum. Whatever..foi só um desabafo.

        • Joao Magalhaes says:

          O que é que uma coisa tem a ver com outra ? Só metes peças originais no teu carro? Compras tudo original? Não tens nada pirateado? Só artistas honestos. Eu tenho tudo no meu cartão de memória e algumas coisas pirateadas, mas as bandas não perdem dinheiro comigo, pois se não fosse pirateado provavelmente não ia conhecer algumas bandas e não ia a tantos concertos como vou e também não ia comprar os cds na mesma.

    • Paulo says:

      E é por isto que as editoras estão contra o Spotify!

      • Portimão says:

        Se as editoras estivessem contra o Spotify simplesmente não colocavam lá o trabalho dos artistas.
        A Adele, por exemplo, só agora colocou o seu último trabalho no Spotify, a Beyoncé não tem o seu último álbum no Spotify, apenas no Tidal, que é o serviço de streaming do seu marido (Jay-Z). Os cantores não são obrigados a colocar lá os seus trabalhos. Colocam porque de facto é mais rentável do que os ver pirateados por toda a gente.

        Inventa outra.

    • Portimão says:

      Compram smartphones de 900eur e depois não têm uma porcaria de 7eur para aderir ao Spotify, onde têm toda uma enorme biblioteca de música organizada, com capa de álbum, com todos os dados da música e do álbum e de forma legal, sabendo que não estão a infringir nenhuma lei e que estão a ouvir as músicas com o concentimento dos artistas, que acabam por ser pagos (independentemente do valor que recebem por publicarem o seu trabalho nos serviços de streaming).

      Eu não gostaria de trabalhar gratuitamente e muito menos ver os outros a usufruir do meu trabalho sem me recompensarem.

      É vergonhoso acharem que têm de ter tudo gratuitamente e ainda reclamarem por terem de pagar uma ninharia de 7eur mensais quando andam por aí de iPhone e Samsung na mão a manearem-se. Mais vergonhoso ainda é fazerem trafulhice para usarem o Spotify gratuitamente através de crack ou usufruir de promoções “eternas” criando emails e mais emails e criarem contas e mais contas para terem os 3 meses a 0.99c.

    • Diogo Pereira says:

      também utilizo o spotify, mas infelizmente muita da musica que eu ouço não se encontra la, o que me leva a usar o youtube como plataforma de musica

  3. Edu94 says:

    Da Netflix, Spotify e a Steam!

  4. João Santos says:

    La vamos nós… Pirataria há muita na Somália!! Aceder a conteúdos ilegais é facil e barato. Num país em crise é tentador ter estes conteudos à mão.
    Só que assim também se vendem mais pens usb, cartões memória, etc e compensa ter internets de banda cada vez mais larga.
    Realmente não ha dinheiro para tudo.
    Ainda bem que há estes serviços. É prova que é preferível ter conteúdos legais.

    • Portimão says:

      O país está em crise para pagarem 7eur mensais para ouvir música gratuitamente e de forma legal, mas não está em crise para comprarem iPhones e Samsungs de 800eur.
      O país está em crise, mas não está em crise quando compram sapatilhas de 100eur.
      O país está em crise, mas não está em crise quando passam a vida no McDonnalds e nos restaurantes chineses.
      O país está em crise, mas não está em crise quando passam a vida na Primark, na Bershka, na Zara.

      A sério, antes de dizerem disparates pensem. Deixem-se de fazer de vitimas!

  5. André says:

    Uma das razões é que as pessoas passaram de computadores com 500gb de disco para telemóveis com 32gb de disco.
    Ao mesmo tempo, as ligações de internet ficaram super mais baratas. A nível de rede móvel, o preço caíu quase 90% entre 2013 e 2016. Muito graças a operações de packs. Ora com um limite tão baixo no telemóvel, os clientes começaram a usar os serviços que lhes permitem fazer coisa semelhantes por um preço mais baixo.
    Ao mesmo tempo, a banca começou a fornecer serviços de crédito que toda a gente possui. (Segundo o banco de Portugal, em média, cada português com mais de 18 anos possui 5 cartões de crédito activos.)
    Em relação ao netflix, depende dos países. Na Europa eles não estão a conseguir chegar aos níveis mínimos que tinham previsto.

    • Kabuki says:

      Essa de “5 cartões de crédito ativos por pessoa” é peta, Mega peta, total hiper super peta.

      • Ana says:

        Realmente essa dos cartões é bem treta.

        Eu nunca tive um cartão de crédito, e tenho 30 anos.

        Todas as minhas amigas, só têm cartões de débito, e nunca me lembro de alguma apresentar um de crédito.

        E todas temos 1 ou 2 no máximo, até porque na maioria das vezes paga-se anuidades, por isso, pra quê ter mais..

        Portanto, isso é completamente mentira.

        E FUJAM DOS CARTÕES de CREDITO.

        • bola says:

          vais a ver e tens um cartão de débito Visa ou Maestro, por isso se tiveres, tens a crédito também 😉 Ou achas que a recente mudança nos terminais de pagamento para escolha foi porque sim, a SIBS sabe 🙂

          • Emagon says:

            Isso não é verdade. O meu é visa e nem sequer consigo fazer compras online (ainda bem pois existe cartões do mbnet). Isso vai depender do banco e da conta que tens.

          • bola^2 says:

            Só é crédito fora do país. Em território nacional funcionam todos como débito! A recente mudança dos terminais de pagamento em nada afecta o dia-a-dia de quem paga. As compras não ficam mais caras, nem mais baratas. Somente o comerciante irá eventualmente beneficiar com estas alterações, uma vez que pode pagar mais ou menos taxa. 😉

        • F says:

          O problema não são os cartões de crédito, mas as pessoas… eu tenho um e um apenas, com o limite de €100. Não devo um cêntimo devido ao CC. E volta e meia dá jeito. É preciso é saber usar créditos.
          O problema somos nós, apenas é sempre nós!

  6. Balearic Soul says:

    Confirmo! Deixei de fazer downloads há muito tempo. E sim, graças ao Spotify. Isto só prova que havia alternativas sem que as mesmas fossem perseguir as pessoas. Agora consumo mais música por muito menos dinheiro 😉

    • Portimão says:

      São só 7eur mensais, só 7eur.
      Nós gastamos por vezes bem mais que isso em coisas que acabamos por não usar, como roupas e outras “porcarias”.
      Com o Spotify temos as músicas todas organizadas. Não precisamos de andar a colocar a capa dos álbuns uma a uma nem temos de andar a colocar os dados da música (isto para quem é organizado). Não perdemos tempo a baixar as músicas, nem perdemos tempo a passar para os dispositivos um de cada vez.

      Temos uma conta, criamos as nossas playlists e fazemos “salvar” nos álbuns que queremos e basta abrir a nossa conta noutro gadget qualquer e temos lá tudo. É fantástico.
      Ouvimos uma música e queremos tê-la mas não estamos em casa, basta procurar no Spotify e adiciona-la a uma das nossas playlists.

      São só 7eur.

  7. Rafael Cardoso says:

    A culpa é do denuvo

  8. Filipe Cordeiro says:

    Acabar com a pirataria é impossível, mas como já tinha vindo a ser defendido a solução passa por serviços de streamming e outras soloções com base na cloud.

    A música que oiço é rádio no emprego e carro, Meo Music no smartphone e Spoify (gratuito) a jogar PS4. Quando a séries e filmes uso Netflix, embora faça o download de uma ou outra série e filmes. Até porque vou muito ao cinema, no último ano devo ter ido mais de 20 vezes, mas por vezes aqui não vem para o cinema alguns filmes e a solução passa por recorrer a alguns sites.

    Jogos já vão muitos anos que apenas compro os discos físicos, mas recentemente tenho sido obrigado por falta de lojas especificas a comprar versões digitais. E claro sempre se aproveita as Steam Sales e os descontos na PS Store.
    Também tendo em conta a mioria de jogos que gosto são quase todos multiplayer a única hipotese é comprar os jogos.

    • Portimão says:

      Mereces palmas! (Ainda que podesses usar o Spotify Premium, são só 7eur).
      Se fazes mesmo o que dizes respeitas quem canta as músicas que ouves, quem cria os jogos que jogas e quem cria, filma e atua nos filmes que vês.
      Nós gastamos muito dinheiro em coisas que não valem apena no dia a dia. O que são 7eur do Spotify ou do Netflix? Ída ao cinema, com boa companhia, um jantar pelo meio dá um serão fantástico. Além de que ver um filme no cinema é sempre superior ao ver em casa.

    • Portimão says:

      Boa! Boas atitudes, ao tentar ser o mais sensato possível (ainda que 7eur mensais pelo Spotify seria mais correto).
      Devia haver mais pessoas como tu, a usufruir de conteúdo de forma legal.
      Não há nada melhor do que sabermos que estamos a ouvir música com o consentimento dos cantores e produtores que a criam, ver filmes e saber que o dinheiro que pagamos vai para os criadores do filme, jogar jogos e saber que o que pagámos por esse jogo vai para quem os criou.

      E vamos ver uma coisa, ir ao cinema com uma boa companhia, com um jantar pelo meio, não é um bom serão? Além de que ver um filme nada tem a ver com ver em casa. É muito bom.

  9. Saca says:

    Quanto ao conteúdo musical, zero pirataria aqui, já o conteúdo séries/filmes é 100% pirata, sorry!

    • Portimão says:

      Poderias fazer um esforço e aceder aos filmes/séries de forma legal.

      • Vale says:

        Uns bons 50% das séries que eu vejos não estão disponiveis no Netflix ou qualquer outro serviço legal que esteja disponível em Portugal. Ou então demoram meses (ou anos) a ficarem disponíveis. Como eu, de certeza que há mais gente nesta situação. Acho que o Netflix é um óptimo modelo, mas enquanto não tivermos acesso mais geral a conteúdos, não vou passar a aceder de forma legal exclusivamente. Não é uma questão de “fazer um esforço”, como dizes.

    • what says:

      Usas o popcorn ou mega filmes hd

  10. Nuno F. Demion says:

    É simples entender porquê, acesso à internet ficou mais barato. Recuso-me no entanto a pagar por DVD’s e afins quando os preços rondam um bilhete de cinema. Prefiro usufruir de uma única ida ao cinema e ver o filme com o melhor impacto possível (a preços cada vez mais acessíveis, n pago mais de 4 euros por filme alguns até de oferta) do que pagar por 1 DVD que dificilmente verei mais de uma vez com qualidade e impacto inferior. (Nada contra quem coleciona DVD’s, mas todos sabemos que essas coleções acabam por ser vendidas ou dadas mais tarde, valerá a pena o trabalho e dinheiro investido?)
    Quanto à musica… além de acesso a milhares de apps o youtube tem cada vez melhor qualidade e deixa-te criar livremente playlists… Nos jogos… nas plataformas digitais as promoções são cada vez maiores, um jogo que fisicamente pode ascender aos 40 euros facilmente se encontra em promoção numa qualquer distribuidora digital e pode ser adquirido legalmente por menos de metade desse mesmo valor.
    A pirataria morre porque o acesso e os preços dos conteúdos legais são cada vez mais apelativos.

    • Portimão says:

      Achas que o Youtube substitui um leitor de música a sério ou um serviço de streaming?
      Esse estereótipo que criaste de que quem compra DVDs os vende mais tarde é engraçado. Isso não corresponde à realidade.
      Eu tenho muito orgulho nos CDs que compro dos meus artistas preferidos.
      Não compras DVDs, mas pelo que transpareceste vais pelo menos ao cinema, já não é mau, acabas por pagar a quem faz os filmes.

  11. MJSantosLx says:

    Spotify, YouTube e MEO Music. E já há muito tempo que não me preocupo em sacar musica.

    • Portimão says:

      Nem há necessidade disso.
      O MEO Music é gratuito para clientes MEO (e sendo um serviço de streaming, obviamente paga os direitos de autor aos respetivos artistas), o Spotify são 7eur mensais, apenas 7eur.
      Compensa perder tempo a baixar músicas, perder tempo a colocar as capas dos álbuns, a organizar as informações das músicas e a passa-las para todos os dispositivos um de cada vez?
      Com o Spotify crio as minhas playlists na app do smartphone, vou à app no meu portátil , no meu tablet e no meu iPod e lá está tudo organizadinho, tal como está no smartphone.
      É fácil, rápido e agradável.
      Além de que quando quero ouvir uma música nova ou alguém me pede que ouça música X, seja em que sítio estiver basta procurar no Spotify e ouvir na hora. Nada de “quando chegar a casa logo saco” nem ir ao google à procura de sites onde tenham a música para baixar.

  12. Paulo says:

    Há menos pirataria! A culpa é do Netflix e do Spotify Eu ajo que por falta de qualidade, quantos cds com mais que duas musicas que gostem ?

    • Ricardo says:

      Mais de duas músicas? De certeza que não ouves o mesmo estilo musical do que eu… Há sempre qualidade, é preciso é procurar…

      • Paulo says:

        Ou não está limitado ao teu estilo… (não sou o mesmo Paulo)

        • Hugo says:

          Há qualidade desde o metal até ao techno, digo eu.
          Muitas vezes deparo-me com pessoas que simplesmente não sabem bem do que gostam.
          Do tipo..”ah eu só gosto daquela do “ai se eu te pego” WTF? São pessoas que levam lavagem das rádios, redes sociais etc etc, mas no fundo não gostam mesmo do que ouvem, porque se gostassem seriam suficientemente humildes para fazer críticas menos favoráveis a algumas músicas, em vez de dizerem simplesmente, não gosto.

      • Paulo says:

        Diz dois álbuns sem ser colectâneas com mais de duas musicas boas

        • Hugo says:

          Gostos não se discutem.
          Eu gosto de vários estilos, mas o que mais gosto mesmo anda entre o Metal, Rock e Punk.
          Consigo em 15 minutos meter aqui algumas centenas de albuns que gosto, isto é, …consigo ouvi-los várias vezes do ínicio ao fim sem saltar uma música 🙂

          • Paulo says:

            Tenho quase 1000 álbuns vinil cd mp3 e Flac só dois consigo ouvir todas as musicas Michael Jackson – Thriller Hysteria – Def Leppard

          • Hugo says:

            Ganda colecção.
            Para mim é o grande problema do digital.
            Uma pessoa paga e apenas fica com “ficheiros”.
            Sou de uma era que gosta de ouvir os albuns com calma, ler as letras e ver todas as imagens, agradecimentos, etc etc que vêm na embalagem.
            Quem não comprou música há 20 anos atrás certamente não notará essa falta, mas sem dúvida que se perde um pouco a “ligação” com os trabalhos dos artistas.

      • Paulo says:

        Para aver menos pirataria tinha que se vender os mesmos discos Um estudo da Comissão Europeia sobre o impacto dos Spotify vem revelar que apesar do mesmo ajudar a reduzir o nível de pirataria, acaba por não ter o impacto tão benéfico que se desejaria por também contribuir para a redução das vendas de música.

    • Hugo says:

      Tudo o que compro/saco gosto de todas as músicas. Não digo que não goste mais de uma do que outras.
      Se há coisa que me irrita é a namorada saltar músicas no carro porque não gosta daquela WTF? LOL
      E para mim a definição de gostar é mesmo essa. Se gostam de UMA música de uma banda não gostam da banda. O que também não invalida muitas vezes dizermos coisas do tipo “o último álbum da minha banda favorita está uma cag***”

    • Portimão says:

      Eu adoro POP e tenho os álbuns inteiros dos cantores de que gosto.
      Britney Spears, Madonna, Jessie J, Sia, Michael Jackson, Christina Aguilera, etc.
      Se encontro apenas uma ou duas músicas de que gosto de um álbum X basta criar uma playlist de músicas variadas e colocar lá essas músicas.

      Acedam à minha playlist do Spotify: Mistura de emoções. :p

    • Joao Magalhaes says:

      Bem, até tens uma certa razão, eu gosto de Metal e existem vários exemplos disso que dizes. Os Metallica , por exemplo, os albuns a seguir ao Black só se aproveita uma ou duas músicas e existem mais. Por mais que procure bandas ao estilo da velha guarda, encontro muito poucas, ia ser um terror se tivesse que comprar todos esses albuns.

  13. Criatina says:

    recorro apenas a pirataria para arranjar determinado conteúdo que não se encontra facilmente, e que sai caro mandar vir online. Exemplo cinema Irariano, ou documentarios da deep web.

  14. JV says:

    Hulu e MEO Music. Mas continuo a fazer download de filmes e séries que não estão no Hulu

  15. NT says:

    Pois, acredito bastante que netflix e spotify sejam responsáveis, infelizmente ainda não tenho largura de banda para ter netflix em condições. Por isso tenho sacado algumas séries (que por acaso dão na televisão, mas tenho que trabalhar) tirando isso, algum software saco a versão ‘oficiosa’ porque funcionam melhor que as demos (por exemplo um jogo que só ter dá até ao fim do 1º nível…) e se gostar compro a versão oficial.
    De qualquer forma não condeno a pirataria pois nem toda a gente pode pagar para ver (e podem dar milhões de desculpas como paga a net para sacar mas não consegue pagar o netflix?). E por vezes querem ‘milhões’ por conteúdo que vale cêntimos, como alguns filmes que se tivesse gasto dinheiro para ir ao cinema já tinha deitado muito dinheiro à “Rua” porque nem para serie B serviam…

    • Portimão says:

      Se não podem pagar não veêm. Simples.
      Se não podes pagar um jantar num restaurante, vais lá?
      Isso de acharem que têm o direito de baixar conteúdo pirata é ridículo e até dá para rir.
      Essas músicas que ouves e jogos que jogas são o trabalho de outras pessoas.
      Gostarias de ver outras pessoas a usufruirem do teu trabalho sem te recompensarem?
      Gostarias de trabalhar gratuitamente?

      • Hugo says:

        No fundo, é roubar.
        Mas regra geral as pessoas não andam a roubar porque existem consequências.
        Acho que é essa a grande diferença. Os downloads não trazem consequências, ou muito raramente.
        No entanto não deixo de concordar no caso dos jogos. Se fores a uma loja corres o risco de investir 60€ e passadas 5-6horas é um pisa papéis. Eu tenho muitos jogos originais (versoes digitais) que comprei com base em jogos sacados.
        Os filmes igual, vês uma vez e arruma. Se fossem mais baratos haveria mais procura.
        A música ainda consegue ser o investimento mais rentável aos olhos de quem paga, pois ouvimos vezes e vezes sem conta 😛

      • NT says:

        Eu disse que tenho direito a baixar conteúdo pirata? Não!

        E tenho consciência que uma música (por exemplo) por vezes têm anos de trabalho por trás, infelizmente só cêntimos é que vão para os artistas porque grande parte fica “pelo meio” e isso tira mais comida da mesa de um autor do que ter um gajo no meio de nenhures que sacou 3 ou 4 músicas.

        E essa do “Se não podem pagar não veêm. ” deve ser porque nasceste com uma conta bancárias recheada e em berço de ouro. Nem todos têm a hipótese de gastar 20€ para ter um “CD” original e ter de gastar mais um tanto para ter um leitor e no final ter o azar de riscar o CD e como não pode copiar porque está ‘protegido’ terá que comprar mais um… Será que temos que ser elitistas e só porque uma pessoa não tem uns trocos fique privado de ter acesso à cultura/conhecimento?

        “Se não podes pagar um jantar num restaurante, vais lá?” Infelizmente existem muitos restaurantes que mesmo a comida que deitam para o lixo metem lixívia para ninguém (E já vi ‘engravatados’ a esgravatar no lixo) comer os restos. Será que tem tanto impacto alguém comer o que supostamente ia para o lixo, ainda estava bom mas que foi inutilizado porque “não queres pagar”?

        “Gostarias de ver outras pessoas a usufruirem do teu trabalho sem te recompensarem?”
        Toda a gente gosta de ver o seu trabalho valorizado, mas faz aí uma pesquisa sobre creative commons no google e vais descobrir algo que te dão e que se tiver valor para ti, tens a obrigação moral (não é necessária nenhuma lei) de contribuir para que a pessoa continue a trabalhar.

        Gostarias de trabalhar gratuitamente?
        Sim, já fiz e provavelmente vou voltar a fazer(por exemplo traduções de software livre) agora não poderia era tolerar pegarem nas traduções, meterem como suas e cobrarem por. Como também não estou de acordo com tirarem um filme da net e venderem o mesmo.

        Penso ter respondido às tuas dúvidas…

  16. Amadeu says:

    Encerramento de vários sites?
    O http://moovk.tv ainda continua online quem não souber pesquise pelo Google noticias o nome

  17. Tiago Ferreira says:

    Na minha opinião acho o serviço Spotify, Apple Music e Netflix, caros em Portugal, fase ao que se ganha. Os valores praticados a nível europeu deveriam ser ajustados ao nível de vida de cada país.

  18. Fulld says:

    Pirateado so mesmo o Windows, porque penso que seja um abuso.
    Música uso o MEO Music
    Jogos compro na steam em tempos de promos e ou quando sai algo espetacular
    Filmes no cinema e quando não há no cinema saco Pirateado
    Series saco porque não tenho paciência para ligar a Fox.

  19. Douglas Ferreira says:

    Ainda acho que a pirataria poderia ser bem mais reduzida se os títulos fossem incluídos na Netflix no mesmo momento em que fosse lançado o Bluray.

    Eu mesmo, dificilmente baixo algum filme para ver, e quando quero ver e não tem no catálogo de streaming eu espero pelo lançamento em Bluray para só então baixar dos torrents da vida.

    Pouca gente compra os discos em comparação com o número de usuários que assinam Netflix.

  20. David Ramos says:

    Este é o único caminho que devem seguir contra a pirataria. Se baixassem o preço do Netflix e concorrência ainda baixava mais. Os jogos ainda estão muito caros por isso não deve ter descido o download pirata nesse caso.

    • Hugo says:

      Enganas-te David.
      Os jogos comprados online custam menos de metade do valor deles numa Worten ou Fnac. Jogos de 40-50€ chegam-se a arranjar por 10-20€.
      Para além disso, já lá vão alguns meses desde que não é possível ultrapassar a protecção dos jogos para pc.

      • Joao Magalhaes says:

        Depende do que tu queres, se quiseres jogar online talvez seja dificil ultrapassar a pirataria, se só quiseres jogar “contra” o pc acho que quases todos dão. Eu continuo a achar que a pirataria também faz falta, eu se não conseguir sacar um jogo , azar, não jogo, não compro o original, não me faz falta nenhuma, musica é igual, apesar de gostar de Metal da velha guarda e nestes dias pouca coisa boa aparece, tenho tudo no meu SD do telemovel,é verdade que não gasto nos cds que compro mas gasto nos concertos que vou, camisolas originais que compro, coisa que sem a pirataria nunca ia comprar pois não ia conhecer.

        • Hugo says:

          Mesmo jogar offline desde o final do ano passado que não é possível nos jogos que têm aquela protecção.
          Mas sim, sem duvida que a pirataria ajuda, e muito, na divulgação de artistas e jogos. Mas esse estudo já não interessa :P.
          O ideal para os “tubarões” deste meio era usar a interneta pra nos empurrar publicidade gratuita pela goela abaixo e depois cobrar forte pelas compras efectuadas.

          • Joao Magalhaes says:

            Sem dúvida Hugo e acredita que a publicidade faz milagres, ajuda a vender e muito e quem a paga é sempre o consumidor final, também tenho muita coisa original mas honestamente começou tudo com pirataria e se não tivesse sacado ilegalmente provavelmente hoje não conhecia nem iria comprar.

  21. Tony das Couves says:

    Afinal, digam o que disserem os “entendidos” na matéria (ou os gananciosos na matéria), parece que o preço elevado demais a que os produtos multimédia chegam às prateleiras das lojas é mesmo a principal razão de existir pirataria.

  22. Tony says:

    O Netflix deveria ter uma versão gratuita como o Spotify, e entre outros colocar filmes, como os clássicos de Hollywood e de World cinema que estão a ganhar pó.
    Quanto ao preço não acho caro, relativamente ao que um cinéfilo ou musicómano gastaria. Um mensalidade Spotify é menos que o preço de um CD. Uma mensalidade Netflix é o preço de um bilhete de cinema + balde de pipocas

  23. Tony says:

    Quanto ao preço não acho caro, relativamente ao que um cinéfilo ou musicómano gastaria. Um mensalidade Spotify é menos que o preço de um CD. Uma mensalidade Netflix é o preço de um bilhete de cinema + balde de pipocas

  24. Tony says:

    Quanto ao preço não acho caro, relativamente ao que um cinéfilo ou musicómano gastaria. Um mensalidade Spotify é menos que o preço de um CD. Uma mensalidade Netflix é o preço de um bilhete de cinema e balde de pipocas

  25. BM says:

    A nivel da musica pelo menos com o tráfego da net móvel a aumentar nas “ofertas” dos pacotes dos operadores (wifi em tudo quanto é sitio)só tem tendência para a pirataria decrescer…porque passamos a ouvir on-line.

  26. says:

    O que eu acho que é que as pessoas estão dispostas a pagar, se for um valor aceitável. Somos Portugal… não temos os salários da Inglaterra ou Alemanha, logo não podemos pagar balúrdios por musica e filmes!
    Assim, penso que o Spotify e o netflix têm valores aceitáveis, logo o pessoal paga.

  27. Pinho says:

    Pagar 6,99 € por Mês (Apple Music) com todo o Conteudo que dispõe, e ouvir toda a música em qualquer lugar, a qualquer hora, criando playlists etc…etc..etc… é realamente muito caro.
    A maioria do Pessoal que critica, depois gasta mais de 5 € em Tabaco, cervejas e afins…….
    Nunca nem niguém está contente com nada, enfim!

  28. Luigi says:

    Boas,
    Uso o spotify e o netflix. Quanto ao netflix, só gostava de ter acesso a mais conteúdos, mas vai melhorar… Em resumo, muito contente com estes serviços!

    Pretendo, no entanto, fazer um “comment” acerca da pirataria que tanto se fala acima:
    Será que se pode falar de pirataria hoje em dia quando a Lei agora cobra, por cada aparelho de armazenamento de dados (independentemente do seu destino/fim), uma percentagem para compensar os autores e afins? Palpita-me que se passar a sacar aquilo que vocês apelidam como ilegal e armazenar num disco comprado com tal taxa deixará de ser pirataria, porque já terei pago a taxa que a Lei prevê….

  29. anonimus says:

    já a muito tempo que deixei de perder tempo com download’s hoje consigo seguir as series e filmes via stream tudo legalmente por uma pequena subscrição mensal, até mesmo a netfix também aderi a uns meses não me posso queixar, pois em Portugal ainda está agora a começar a desenvolver-se logo os conteúdos ainda não são muitos, mas tem vindo a crescer aos poucos…

    quanto a Portugal por barrarem sites se a pirataria diminuiu , duvido muito, pois infelizmente há muitas maneiras de matar pulgas e consegues-se facilmente contornar esse barramento e continuar a aceder aos sites..

    simplesmente mudam-se os tempos mudam-se as tendências, e simplesmente os velhos do Restelo tem de se adaptar as novas tendências a preços baixos do que andar a gastar milhares em contra medidas para evitar pirataria e manter modelos de negocio obsoletos…

    ainda não acordaram para a vida que a mama se anda a acabar com as novas tendências…

  30. Paulo S. says:

    Cliente de Steam, Spotify e Netflix e muito satisfeito com os 3 serviços.
    Depois disto, pirataria, é mais nas séries e é aquelas que eu não tenho acesso no Netflix, mas quando lá caem, desisto logo de as sacar na net.
    Agora só fazia falta um serviço desses que incluísse comic books, com as editoras todas num só serviço e para mim, estava 5 estrelas.

  31. Pedro says:

    7 euros por mês no Spotify e acham que é barato? Num país em que se paga quase o ordenado mínimo a engenheiros? Tá tudo maluco…é por isso que a DECO não tem mãos para famílias endividadas…parece tudo barato, mas no fim do mês, junta-se todos os baratos e o dinheiro não chega.

  32. Kabindas says:

    E o Kodi (ex XBMC)?
    O aumento brutal do uso deste software “semi-pirata” de streaming está na base do decrescimo acentuado de ir “sacar” series ou filmes a fontes torrent ou outras.

    • Hugo says:

      O software não tem nada de pirata 😛
      Mas sim, hoje em dia já nem é preciso perder tempo a procurar ou sacar. Como já disse anteriormente existem serviços gratuitos melhores que os pagos.
      Penso que o combate a estas frentes só será possível através da redução do valor dos serviços, já que o extreminio da pirataria está loooonge.

  33. Ze says:

    Só recorro a pirataria para pornografia 😀

  34. Rodrigo Graça says:

    Concordo completamente com a noticia, o pessoal não se importa de pagar se for acessível como na Netflix, o problema depois é que não tem tudo o que se quer ver, e então já temos de pagar Netfilx, e mais 5 iguais… Aí já fica caro e é muito mais fácil baixar o popcorn e poder qualquer serie/filme que me apeteça…

  35. Inês says:

    Desde que apareceu um computador aqui em casa que era só pirataria. Eu seguia os passos do meu pai, porque eram jogos e filmes grátis.
    Hoje trabalho e já tenho poder de escolha, uso o Spotify, Steam e Netflix. Ainda recorro à utilização de serviços de streaming gratuitos porque falta bom conteudo ao Netflix.
    Gosto de contribuir para o desenvolvimento dos artistas e game developers, e a verdade é que o conteudo pirateado nem sempre tem boa qualidade.

  36. R!cardo says:

    Filmes e séries: Netflix, dividir uma conta com 3 amigos, 3€ por mês a cada.
    Música: Meo Music, grátis para a maior parte dos clientes Meo. Nas outras operadoras deve haver serviço semelhante.
    Jogos: PS4, dividir uma conta de um jogo com amigos ou desconhecidos, ou então partilha de contas (de cada um) entre dois amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.