PplWare Mobile

Bispo italiano quer processar Pokémon Go por ser “diabólico”


Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. PCbuild is cheaper says:

    Não é por nada que pokemon vem da palavra pocket-deamon (demónio de bolso).
    Mas cada empresa chama as suas criações como quiser.
    O jogo até pode não ter nada a haver com demónios (sem ser aqueles ‘monstrinhos’) mas que existe muita gente a levar o jogo ao extremo sem nenhuma razão aparente é verdade.

  2. osxm says:

    €€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€

  3. Tevez15 says:

    Tenho achado uma enorme piada aos comentários sobre o jogo…. xD

  4. Paulo Silva says:

    Vamos usar um pouco de humor nisto… Deve ter o mesmo problema que eu, deve de ter um telefone com windows Phone, logo como não pode experimentar está descontente…

  5. Armando says:

    E também já ouvi dizer que o jogo compromete a espionagem através da CIA. #sqn

  6. carlos says:

    E pensava eu que já tinha visto tudo vindo de Roma nestes 2000 anos, continuo enganado.

  7. Nelson N says:

    Tendo em conta que há pais que abandonam os filhos para ir à pesca dos monstros – e nós não sabemos nada – é realmente um jogo inventado pelo diabo!

  8. Samuel says:

    A primeira coisa neste mundo a criar zombies fanáticos foi, e continua a ser, a religiao. O senhor bispo que esteja sossegadinho e que se preocupe com a corrupçao e males que praguejam a sua igreja, supostamente idónea. Que idiota. Que vá ler umas coisas sobre fisica de particulas, relatividade geral, biologia e química e vai ver que afinal nao é preciso recorrer a entidades divinas e “diabólicas” para explicar este mundo. Sinceramente.

  9. dajosova says:

    como em tudo na vida… quando as pessoas não estão suficientemente cientes dos perigos do mundo à nossa … é fácil sucumbir a vícios e outras ações mundanas ao invés de pôr em prática aquilo que importa e tem valor.

    • Helio says:

      Muitos parabéns, clichê é uma língua difícil de aprender e consegue falá-la na perfeição. Já agora quem vai avaliar o que “importa e tem valor ” na minha vida? O/A senhor/a ? Encontro uma imensa piada nestes comentarios. E depois usam a escrita erudita numa tentativa de credibilidade a besteira que estão a dizer. Como que se o que eu faço com o meu Telemovel e o meu tempo livre dissesse respeito a terceiros. “Ah mas não andam com atenção na estrada e atiram-se para a frente dos carros” quantos já atropelou? Quantas vezes já viu a sua segurança em risco motivada por um jogador de pokemon. Faça mas é pela vida, cuide do que lhe diz respeito é deixe a vida dos outros.

  10. Miguel says:

    Acho que estou possuido 🙂

  11. Yuri says:

    Todo mundo quer ganhar dinheiro em cima do pokémon go

  12. Ueta says:

    É tão bom ser ateu. 🙂

  13. Leonardo says:

    As pessoas não entendem que o jogo tem um valor e cada ser humano uma personalidade. A culpa não é do jogo, mas sim da entidade que o joga. Há quem jogue decentemente e quem não o faça. Há gente para tudo.

    • MLopes says:

      exato!
      a questão é que o jogo pode fazer sobressair (e pelos vistos tem feito e de que maneira) traços de personalidade que de outro modo se encontram relativamente escondidos ou “controlados” e aí…
      agora que a culpa não é do jogo, isso não é de certeza

  14. Ghost says:

    “And the haters gonna hate, hate, hate…”

  15. Rommel says:

    Se fosse o PokeAngels em que se teria que apanhar anjinhos, aparições, santinhos, milagres…. já não haveria problema…
    Provavelmente teria a bênção do bispo e da igreja porque estaria a fomentar a fé…

  16. Jorge says:

    Ve se mesmo que esses padres nao têm nada que fazer
    em vez de ajudarem as pessoas que mais necessitam agoram metem se no pokemon

  17. Rui Costa says:

    Sinceramente quando vejo este tipo de conteudos fico a pensar (“já voltamos outra vez ao século XIII?”). Tudo bem que o bispo italiano tenha a sua opinião acerca do Pokemon Go e todos somos livres de expressarmos as nossas opiniões. Quando vejo a opinião de bispo italiano vem uma coisa a cabeça(“o senhor bispo tem a sua ideia bastante conservadora ;)”. Primeiro de tudo o Pokemon Go não é um jogo diabólico e também não nenhum gerador de um grande exercito. O que acho do jogo e que muita gente acha do jogo é que é um jogo de faz sair as pessoas de casa e faz as pessoas conviverem uns com os outros, mas também é como tudo, cada coisa tem a suas coisas positivas e negativas. A parte negativa é as pessoas levarem isso a um ponto de fanatismo e por consequencia pode levar a resultados negativos. O que domina no jogo são as partes positivas senhor Bispo 🙂 . A sociedade está sempre em constante evolução e nós humanos estamos sempre em constante adaptação, mas a evolução não significa ser negativa senhor Bispo 🙂

  18. lapa says:

    Força, Bispo, os demónios não passarão !

  19. Knight says:

    Ta correto padre, faça isso, aproveita tambem e processa todos no vaticano pelas festinhas com os ‘gogo boys’ que correm pelados pelo vaticano entre outras coisinhas, ok?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.