Sabia que tem ajudado na digitalização de livros antigos?


Destaques PPLWARE

56 Respostas

  1. Blizard says:

    É uma ideia altamente eficiente, obviamente!
    Ajudar sem esforço extra.

  2. Pedro Pinho says:

    Num mar de banalidades, trivialidades e consumismo que a internet consegue ser, é bom vermos algo realmente construtivo e de valor ser feito…
    O pessoal do reCAPTCHA está de parabéns!…

  3. João Canudo says:

    E com isto estamos mais uma vez a fazer com que a google predomine no mercado da internet, sem o nosso conhecimento.

  4. Cris. says:

    Impressive ! 😀

  5. Pedro says:

    Realmente a ideia é fantástica!

    Mas para deitar achas para a fogueira…

    Quanto vou pagar por um livro que ajudei a digitalizar?

    🙂

    • André Meireles says:

      Bem, pelo que está numa das imagens acima, leio que “Google Acquires reCAPTCHA”.

      Sendo assim, creio que o valor que vais pagar quando o livro estiver digitalizado e no repositório da google é.. 0!;)

  6. Bruno says:

    Nunca mais vou reclamar dos Captchas xD

  7. Pedro says:

    Não sabia, muito bom.
    Mas deixo uma crítica ao facto de, pelo menos que me lembre, ser só palavras em inglês. Muito conhecimento, principalmente livros antigos estão escritos nas mais variadas línguas.

  8. rafael says:

    Ideia genial!! nunca tinha pensado nisto!

  9. nuno says:

    E esta hein….

  10. Pedro says:

    Genial!!!!!!!!

  11. Sergio says:

    Inicialmente colocava as duas palavras, depois descobri que não era necessário e passei só para uma. Mas aqui há uns meses atras li este assunto num blog de tecnologia qq e voltei a colocar as duas palavras e dar o meu contributo

  12. paulex says:

    Hum ideia fantástica, mas à imagem dos Captchas não está já associado a um respectivo código/texto dactilografado? Ou seja, o conteúdo da imagem, não está já digitado sob a forma de texto que permite a comparação entre o que digitamos e o arquivo associado à imagem? Desculpem a ignorância de estiver a dizer uma barbaridade.

    • Pedro says:

      Uma das palavras sim uma das palavras é conhecida… o que permite confirmar se és humadno 😛

      Mas a outra é desconhecida… esta ate a podes errar que o sistema n tem capacidade para perceber…
      😉

      • paulex says:

        Ah já percebi obrigado pela partilha 😉 Agora já faz sentido.

        • Duarte alves says:

          É por isso que a palavra só fica OK para ser digitalizada após varias validações corretas por parte dos utilizadores, como diz no artigo:
          “Se repetirmos este processo, por exemplo, por 10 pessoas diferentes, e se todas as pessoas concordarem sobre qual é a nova palavra, então temos mais uma palavra digitalizada correctamente.”

    • paulex says:

      correcção: “…Desculpem a ignorância se estiver a dizer uma barbaridade.”

  13. Francisco Monteiro says:

    Mais uma ideia impressionante que o google implementa. Também conheci este projecto há pouco tempo, acredito que se houver bastante adesão no projecto Duolingo, podemos vir a ter acesso ao (Eu sei português e quero aprender alemão). Actualmente para aprender alemão, tem que se saber inglês ou espanhol neste site. Mas isso será matéria, como o Pedro disse para um próximo artigo.

    Parabéns pelo artigo Pedro.

  14. Marisa Pinto says:

    Muito bom este artigo! Eu desconhecia por completo, e como devoradora de livros (infelizmente tenho lido menos), acho que estas ideias são as que fazem falta no mundo.
    Ainda agora para o soundcloud as palavras que surgiram foram:
    ntradth e 51.2
    Penso que para o livro seja entao a 51.2 a não ser se seja um livro ucraniano 😀

    Cumprimentos 😉

  15. Abílio says:

    Excelente, parabéns pelo artigo Pedro.

  16. Joao says:

    Por acaso já sabia que ajudava na digitalização de livros à muito tempo.

    Acho é incrédulo como é que tanta gente que por aqui comenta e que está obviamente ligado ao mundo das TI’s não saber o que estava a fazer ao introduzir um CAPTCHA. Ainda por cima isto é algo que fazemos provavelmente todas as semanas, como é que nunca vos despertou curiosidade para pesquisar sobre o assunto?

    De qualquer das formas o artigo é muito bom. Parabéns.

    • TI&TI says:

      Eu faço todos os dias e nunca soube dessa “2ª finalidade”.
      E também posso por a questão de outra forma, não haverá coisas mais importantes que se deva saber “no mundo das TI” ?
      E quem já o sabia, tem mais competências no “mundo das TI” que os restantes?
      Quantas ideias relacionadas com as TI são postas em prática diaramente? Alguém as conhece todas?

      Em nome dos ignorantes, agradeço a informação.

      • Joao says:

        Claro que há coisas mais importantes, concordo plenamente. No entanto acho estranho porque já surgiram inúmeros artigos sobre isto no passado (não em português) pelo que pensei que a maioria sabia o que estava a fazer ao digitar um captcha.

        Como já referi, apenas demonstrei estranheza por verificar que a maioria desconhecia, esta “2ª finalidade”. Não queria ofender ninguém.

        Cumps.

      • eu says:

        de acordo ctg,o mundo infelizmente está cheio de pessoas q se julgam os maiores. como é o caso do joão

  17. António Pereira says:

    A ideia é excelente, mas serei só eu que não suporto os CAPTCHA? Por vezes há alguns que são simplesmente impossíveis de ser compreendidos e só prejudicam o utilizador.

  18. Goncalo Alves says:

    eu escrevo sempre a palavra q e precisa e a outra e sempre nigga
    trolololol

  19. Pedro Domingues says:

    Tenho uma questão. Se nós estamos a ajudar na digitalização de duas palavras em cada captcha, como é que ele sabe que escrevi o que está realmente lá se supostamente sou eu que as vou digitalizar?

    • TI&TI says:

      A resposta está no artigo.

    • IR says:

      “Por isso, da próxima vez que escrevem um CAPTCHA, as palavras que escreverem, são de facto palavras que saem de livros que estão a ser digitalizados e que o computador não consegue reconhecer. A razão por hoje em dia existirem duas palavras no CAPTCHA é porque uma das palavras é do livro, a qual o sistema não sabe qual é, e depois uma segunda palavra para o qual o sistema conhece a resposta. O sistema não diz qual das palavras é a do livro e por isso, caso acertem na palavra que ele valida, então ele assume que a palavra foi escrita por um humano.

      Se repetirmos este processo, por exemplo, por 10 pessoas diferentes, e se todas as pessoas concordarem sobre qual é a nova palavra, então temos mais uma palavra digitalizada correctamente. É assim que o nosso sistema funciona !!!”

    • Gil says:

      Não são as duas é apenas uma e só é aceite a nova palavra quando um determinado número de pessoas escreve a mesma palavra.

      São apresentadas duas palavras, uma o computador conhece, a outra é desconhecida e é essa que é a contribuição para a digitalização do livro.

    • Joel Henriques says:

      como diz no artigo um o pc não tem como saber se é veridica ou não a outra sim ele tem a imagem associada a uma palavra se errares essa ele recusa o pedido que fizeres
      mas saber qual é a que o pc sabe podes falhar pelo menos 50% das vezes
      mais vale dar uma pequena ajudita e fazer bem as coisas

  20. Ruaben says:

    ajudei a mudar o mundo! sinto-me mais util. 😛
    não fazia a minima, muito bom

  21. AC says:

    Fantástico! sem dúvida… mas há tanta gente em todo mundo a precisar de trabalhar para comer… E com tanto dinheiro que o mundo digital dá… não sei se não considero isto uma exploração sem autorização

  22. guy says:

    Já sabia disto. Acho a ideia muito boa e tenho colaborado desde que descobri para que servia a 2ª palavra, mas agora a dificuldade da palavra de verificação está terrível. Acho que estão a abusar bué. Quando se tem de escrever o captcha 3-4 vezes pa acertar perde-se a boa vontade. As queixas de exploração tb têm alguma razão mas ao menos é trabalho útil.

  23. Scheldon says:

    Isso soa como uma desculpa para as pessoas pararem de reclamar desses tumores que tanto irritam.

  24. sergio says:

    a meio do vídeo pensei: então se o computador não sabe o que a palavra quer dizer como é que vai saber que os utilizadores estão a dizer a verdade?

    depois vi que era tão simples com 2 palavras e pensei sou mesmo burro lol

    • POliveira says:

      Tal como eu e provavelmente 98% das pessoas 🙂
      Dos restantes, 1% são iluminados que perceberam logo como fazer a “despistagem” e os outros 1% são os que nem estavam a entender nada, portanto nem tiveram essa dúvida xD

  25. Os capchas tem sido uma das maiores barreiras á acessibilidade e usabilidade de um site.

    Eu abomino Capchas

    Cumprimentos
    César Oliveira
    http://www.profissionalweb.net

  26. Angelo Brito says:

    Estive ainda com mais atenção quando falaram do duolingo, realmente é uma solução muito boa mas… o portugues (uma das linguas pouco traduzidas na internet) continua a ser posta de lado… no site apenas surge Ingles, Alemão, Espanhol e Francês…

  27. Normalmente os CAPTCHAs dão para escrever sem acentos, nos livros digitais, também irá ficar sem acentos??

  28. POliveira says:

    Impressionante como ideias geniais podem ser tão simples!
    O projecto duolingo mencionado no vídeo também é bastante promissor!

  29. Paulo says:

    Pois é, eu não quero ser crítico pq tenho até tendência de ser fã de todas as ideias inteligentes. Então sou fã de mais esta, como o marketing consegue pegar numa coca cola, integrá-la num marketing da felicidade q leva até a esquecer o quão mal esta faz à saúde.

    Aqui é igual, um marketing muito bonitinho para a tecnologia mais irritante da internet!

    Mas, está muito boa a ideia e claro, o marketing também!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.