AI da Amazon pretende substituir estilistas e designers

Por Tomás Santiago para Pplware.com

Destaques PPLWARE

15 Respostas

  1. Danny says:

    O futuro é negro. Toca a inventar formas de destruir o ser humano. E cada vez mais este será dependente a tudo. Até para levar o comer a boca.

    • Belmiro says:

      Isso é se o deixarmos, eu pelo menos faço tudo possível para não comprar ou apoiar tais iniciativas. AI para evitar acidentes ou robôs para trabalhos indesejados ou perigosos ok. Tudo o resto lixo.

  2. Alexandre says:

    Qualquer dia não servimos para nada….

  3. coiso says:

    “Só o tempo o dirá mas, possivelmente estamos a caminhar em direção a um lugar onde o trabalho humano dará lugar a novas máquinas inteligentes.”
    ou seja a Amazon é a pioneira em reduzir custos mesmo sabendo que as máquinas não vão ter ordenado para poder comprar os seus produtos.
    Amazon=fail

  4. jAugusto says:

    … googlar: “ai creates music”, lá se vão os músicos tb!!

  5. Belmiro says:

    Eu posso ser da escola antiga mas robôs ou AI só mesmo para auxiliar o ser humano, nunca para substituir. Posso não ter êxito, mas árvore que houver alguma proposta ou empresa a usar tais coisas para substituir o ser humano e ganhar mais com isso, não vai ver nenhum cêntimo meu.

  6. Janito says:

    É o que eu digo, a única profissão que daqui a pouco fica de pé é a dos gajos que desenham e implementam algoritmos, o resto faz-se a partir disso, e vamos lá ver por quanto tempo é que essas funções também não são ultrapassadas pela IA
    E o que mais assusta é que faz mais, melhor e em menos tempo o que uma pessoa faz quase seja o que for

  7. Jona says:

    tanto “medricas” da evolução. credo.
    Se as maquinas fazem, mais, melhor e mais rápido. deixem-as fazer.
    diziam o mesmo quando apareceu a TV que o rádio ia acabar….quando apareceu a internet que a TV ia acabar…quando apareceu o napster que a música ia acabar….
    se tiverem que acabar é porque o povo deixou de as usar ponto…chama-se evolução.
    o paradigma do ensino é que tem que mudar para esta nova realidade irreversivel. existem grupos universitarios ja com solucoes…agora algum governo com tomates adota-lo..isso ja e outra coisa…quando for tarde demais..choram…como voces estao a chorar….

    voces podem ver um futuro negro, mas posso-vos dar um exemplo de como poderia ser o futuro com esta nova realidade:
    os humanos passariam deixar de trabalhar, ou a trabalhar muitas menos horas por dia. as empresas continuariam a produzir e a pagar impostos sobre a venda dos seus produtos.
    o estado daria um “ordenado” a cada pessoa, pelo que contribui para a sociedade.
    como as empresas iriam ter muito menos custos os seus produtos poderiam ser muito mais baratos…ou seja os custos do estado tambem seriam pequenos. todos teriamos acesso a mais produtos e todos poderiam escolher quais os que nos interessavam.
    podia dar mais 500 alternativas positivas ao futuro. mas fiquem la com a visao apocaliptica e ja agora facam como aquela ceita russa que quando chegou o ano 2000 tomaram todos uma bebida que nunca mais acordaram que pensavam que o mundo ia acabar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.