PplWare Mobile

Ministério da Justiça…

Caixa Mágica preparam nova versão do sistema operativo Linius. O projecto anunciado no ano passado de criação de um sistema operativo open source com ferramentas específicas e integradas para o sector da Justiça está em franco desenvolvimento, sendo já utilizado em mais de 100 desktops de dois departamentos do Ministério e no Gabinete do Secretário de Estado da Justiça. Fruto de uma parceria entre a Caixa Mágica e o Ministério da Justiça, o Linius deve ter uma versão pública disponível para download brevemente e está ainda a ser preparada uma nova versão, o Linius 2006, que deverá integrar mais funcionalidades.

A apresentação do projecto foi um dos pontos fortes do IV Encontro Nacional sobre Tecnologia Aberta, que decorre hoje em Lisboa, com a organização da Caixa Mágica, Adeti e Sybase. Foi precisamente no mesmo evento, há um ano atrás, que o Secretário de Estado da Justiça, João Tiago Silveira, revelou a intenção de avançar com o Linius, contando com a parceria da Caixa Mágica em cujo software se baseia o sistema operativo criado especificamente para a Justiça.

Com provas já dadas e experiência de integração, o Linius deve continuar em 2006 a dar passos seguros e consolidados sublinhou João Tiago Silveira, durante a sua intervenção no evento. Em breve vai estar disponível online num site a partir do qual pode ser descarregado gratuitamente por todos os agentes ligados à justiça – como advogados, solicitadores, juízes – ou simplesmente curiosos, estando ainda prevista a publicação do código fonte que poderá ser usado livremente por técnicos e académicos que o desejem.

Depois da assinatura do protocolo entre a Caixa Mágica e o Instituto das Tecnologias da Informação na Justiça (ITIJ), entidade responsável pela implementação do projecto no Ministério, o projecto Linius passou por uma fase de desenvolvimento, seguindo-se a formação de mais de uma centena de funcionários do Ministério em Linius e no pacote de produtividade OpenOffice.

Numa terceira fase foram desenvolvidos dois projectos-piloto na Direcção Geral de Administração Extrajudicial (DGAE) e no Gabinete de Política Legislativa e Planeamento (GPLP). Ao todo o sistema operativo Linius foi instalado em 26 PCs da DGAE, o que corresponde a 72 por cento dos postos de trabalho, e 74 computadores do GPLP, cerca de 60 por cento dos desktops daquele gabinete, explica Mário Valente, presidente do ITIJ.

Embora o objectivo seja generalizar durante este ano o projecto a todo o Ministério e aos organismos que lhe estão ligados, Mário Valente explicou ao TeK que existe a consciência de que não se pode migrar todos os 30 mil desktops para Linius, sendo necessária uma avaliação cuidada das necessidades dos utilizadores nas várias áreas e a existência de possíveis aplicações proprietárias que obriguem à utilização do Windows.

O presidente do ITIJ admite porém que nos cerca de 12 mil PCs ligados aos Registos e Notariado deverá ser possível avançar maioritariamente com o Linius e Open Office, enquanto a situação nos Tribunais, que têm um número equivalente de postos de trabalho, a opção deverá recair pela solução mista de sistema operativo Windows e pacote de produtividade open source.

A experiência de implementação do Linius e os comentários dos utilizadores deverão enriquecer agora a próxima versão do sistema operativo, o Linius 2006, para o qual estão prometidas mais funcionalidades, nomeadamente ao nível da integração do Open Office 2.0 e da compatibilidade com um maior número de leitores de smartcards utilizados na Justiça.

Fonte: TekSapo

1 Resposta

  1. Luiz Soares says:

    Achei seu site hoje, pelo blogblogs, e gostei muito! Salvei seu site nos favoritos! Parab

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.