Quantcast
PplWare Mobile

Carro autónomo da Google sofre primeiro acidente com culpa!

                                    
                                

Autor: Andreia de Almeida


  1. Robert Soares says:

    Enquanto existir “mão humana” misturada haverá sempre acidentes… O ideal era serem todos autónomos assim provavelmente não haveria nenhum

  2. LG says:

    “our test driver believed the bus was going to slow or stop” estou confuso… quem tomou a decisõ errada? foi o carro autónomo em si ou o test-driver que estava a controlar o carro manualmente?

    Fiquei sem entender se o acidende simplesmente envolveu um carro autonomo da Google mas a ser conduzido pelo test-driver ou se o acidente foi mesmo causado pelo carrou em autonomia…

    • Se bem entendo como funcionam estes testes dos carros autónomos, o carro está 100% autónomo na estrada. No entanto, está sempre um condutor no lugar preparado para assumir o controlo do veículo em qualquer momento.

      O que aconteceu (parece-me) é que o condutor não considerou que existisse um erro por parte do veículo até ser tarde demais, não conseguindo então prevenir o choque.
      Se assim for, mais uma razão pela qual estes veículos são seguros: a única situação reportada em que o “sistema” teve um acidente com culpa, pelos vistos nem um humano poderia ter evitado. Juntando isso à imensidão de km já realizados por estes veículos, estamos quase a entrar na era dos carros autónomos para qualquer pessoa!

      Vamos ver quando haverá mais informação.

    • Bruno M. says:

      Os carros autónomos da google têm sempre um humano dentro deles para poder parar em certas ocasiões.
      Neste caso o humano pensou que o autocarro iria parar ou abrandar e que o software iria agir em conformidade portanto nada fez para parar o carro autónomo.

    • Victor says:

      Os carros da google nao tem controlos manuais, ou seja, nao da para fazer nada quando ha acidentes.

  3. jokam says:

    Isso não é bem assim.
    Se a companhia de seguros tomasse conta da ocorrência, era dividida a responsabilidade 50/50 para cada um e estava resolvido!
    C*br$%”# só me sabem lixar a vida, e por duas vezes, sem culpa, resolveram dividir responsabilidades! E companhias diferentes!!!!

    • Me and me says:

      O 50/50 é a forma das seguradoras não querem pagar….
      Existe sempre culpado, dai existir código da estrada…

      Faz queixa aos seguros de portugal

      • Il Capo says:

        50/50 acabam as duas por pagar, mas apenas 50% dos danos do outro interveniente e vice-versa. Isto aplica-se quando não é clara de quem é a responsabilidade.

        • HB says:

          Não há vice-versa. Nesses casos o que não é culpado tem que pagar 50% dos estragos do seu bolso a menos que tenha seguro contra todos.
          É uma maneira das seguradores lixarem os segurados.

          • Il Capo says:

            O que quis dizer com vice-versa é que a sua seguradora paga ao outro interveniente 50% dos danos deste, e a outra seguradora paga 50% dos seus danos. O restante dos danos na nossa viatura fica isso sim a nosso encargo.
            Vou dar um exemplo… Vai descansado da vida e passa nos semáforos no verde, e na rua perpendicular outra pessoa passa também os semáforos e embate consigo. Você diz que passou no verde, ele diz que passou no verde… ninguém se entende, não há como provar quem tinha razão pois não houve testemunhas…. vai a tribunal… em quem o juiz vai acreditar? Ambos dizem que passam pelo verde… não há como provar… 50/50… e se calhar há uma pessoa que diz a verdade e fica prejudicado… mas não houve como provar! Se como dizem o objectivo das seguradoras é não pagar, então porque se sujeitam a pagar 50% quando podem pagar 0%? é porque não conseguem provar que a culpa é do outro interveniente.

    • Madalena says:

      Um carro autonomo tem sempre de assumir toda a responsabilidade em caso de acidente para termos de seguro.

      A regra por norma é que quem bate por trás tem a culpa, mas em choques em cadeia a culpa fica dividida pagando cada carro os seus proprios estragos (pagos pela respectiva companhia)

      • Bruno M. says:

        Não se esqueçam que isto foi noutro país que não portugal.
        Não pensem como se tivesse sido em Portugal, pois os métodos de funcionamento são diferentes.

      • APereira says:

        Nop, depende da situacao…

        Imagina que vem um camiao e bate na traseira do carro que esta atras de ti, o qual e projectado contra ti e tu contra o que esta a tua frente…

        Quem paga tudo e a seguradora do camiao…
        Tudo depende da situacao em si e nao vale a pena ser peritos de acidentes de bancada e inventar historias.

    • Mylittlelife says:

      As companhias de seguro fazem tudo o que lhes sai mais em conta na medida do possível. O intuito é sempre fazer dinheiro à custa do cliente.

      No caso concreto quando misturas software e humanos, ha que contar que os humanos fazem sempre coisas inesperadas e fora das regras, daí que se até o humano dentro do carro não ficou em alerta, quanto mais uma máquina …

      Quem é que conduz que já não viu um acidente ter lugar porque o sr condutor do autocarro e táxi se mandou para a “nossa” frente e não houve tempo para travar a tempo e houve colisão? A mim nunca me aconteceu mas já presenciei vários assim …

      • jokam says:

        Eu, de bicicleta, já fui abalroado por um autocarro a sair de uma paragem. Como era de dia, o condutor alega que não me viu…
        Simplesmente saiu da paragem com o pisca ligado e siga!

      • N'uno says:

        Não se esqueçam de que os autocarros têm sempre prioridade nas saídas das paragens, desde, claro, sinalizem a mesma convenientemente. Para além disso, diz o bom senso que não devemos ultrapassar autocarros em paragens, porque podem sempre aparecer peões a atravessar na frente do mesmo. Agora, é um facto que há alguns abusos, mas eu diria que são mais dos lados dos automóveis do que dos autocarros…

        • APereira says:

          Autocarros tem prioridade ao sair das paragens?
          Onde?

          Se nem os veiculos prioritarios tem como haverao os autocarros de ter?
          Se disseres que as regras do bom senso dizem para deixar passar se tiveres oportunidade para tal concordo, da mesma forma que o dizem nas ambulancias e afins…agora legalmente terem prioridade era uma festa.
          Era ver os motoristas a atirarem-se para o meio da rua sem olhar nem sinalizar e depois virem dizer que ja estavam a sinalizar a muito a manobra.

          • N'uno says:

            Ok. Eu ia jurar que já tiveram essa prioridade, mas de facto verifico que os automobilistas apenas têm o dever, e não obrigação, de ceder a passagem…

        • João MS says:

          Errado. Os autocarros não têm prioridade. O código da estrada diz que devemos ceder a passagem mas não diz que têm prioridade. Em caso de acidente a culpa vai ser sempre do autorcarro. Se assim fosse era uma festa…

          • BS says:

            O dever de ceder a passagem de um não é a prioridade do outro?

          • N'uno says:

            Certo. Já lá vão quase 30 anos, mas juraria que já tiveram essa prioridade.

          • Marco says:

            Errado. O verbo “dever” no código da estrada é, em termos leigos, uma obrigação! O código diz que se deve ceder a prioridade aos autocarros nas saídas das paragens dentro das localidades, o que se traduz em que os autocarros têm prioridade.

            Outros exemplos: deves circular pela direita, deves ultrapassar pela esquerda, deves parar num stop, etc., o dever é levado à exaustão no código e este não é um “pode ser”, é um dever mesmo!

          • João MS says:

            Marco, há sim uma diferença entre o dever e a obrigação no que ao código da estrada diz respeito. O melhor exemplo disso é a circulação em rotundas. Outro exemplo: deves circular pela direita mas não te podem multar por ires na faixa da esquerda assim como não te podem multar por contornar uma rotunda pela faixa exterior e sair na ultima saída. Já no que diz respeito aos stop’s, é uma obrigação. És obrigado a parar num stop e podes ser multado por não o fazer.

          • Marco says:

            No código não há indicação alguma da distinção do dever e de obrigação. No código é sempre usado o verbo “dever” e não está subjectivo à interpretação da pessoa para tirar a conclusão se é uma obrigatoriedade ou não. Contudo, deixo aqui o significado da palavra “dever”: http://www.priberam.pt/dlpo/dever

            Deve-se circular pela direita e podem sim multar-te por ires na via de trânsito da esquerda, excepto nas situações referidas no código à qual circular na(s) via(s) de trânsito da esquerda não constituem uma contra ordenação grave.

            O melhor, e sem querer ser agressivo ou ofender, será leres o código ou até leres as indicações no site do IMTT – que se baseiam no código, claro está – em que contém um Português menos formal e mais perceptível caso haja duvidas. Digo isto porque não sabes a diferença entre “faixa” e “via”, por achares que circular à esquerda não dá direito a multa (é uma contra ordenação grave, dá direito a ficar sem carta de 1 mês a 1 ano) assim como circular numa rotunda irregularmente e não como manda o código. Assim, para se evitar troca de argumentos sem necessidade, basta ler com calma o código (ou pesquisar termos como “rotundas imtt”, “ultrapassagens imtt”, etc., no google) que se encontrará toda a informação actualizada necessária.

        • Vaibuskar says:

          “autocarros urbanos têm prioridade ao iniciarem a sua marcha”.

          http://www.circulaseguro.pt/instituicoes-e-legislacao/incongruencias-rodoviarias

    • rand says:

      Em Portugal o veiculo que tem o obstaculo à sua frente (neste caso o carro da google) seria o culpado pelo acidente pois o seu dever seria esperar que fosse possivel contornar o obstaculo em segurança.

  4. João says:

    Os airbags matam pessoas todos os anos . Mas salvam milhões. A tecnologia seguirá sempre o melhor caminho e não o caminho perfeito. Pois este não existe .

  5. Hugo says:

    Acidente com um autocarro, está explicado… esses gajos acham que são os donos da estrada e têm prioridade sobre tudo e todos…

    • Mylittlelife says:

      Os autocarros em certas ocasiões tem prioridade, assim como os peões na passadeira, mas a culpa é de ambos: o condutor que não antevê e do “autocarro”/peão que se mandam à maluco não dando tempo de reagir.

      • Filipe Serra says:

        Ter prioridade não significa que se metam à toa na via. Metem pisca, nós paramos e eles entram. Como o Hugo disse e bem, eles pensam que mandam na estrada!

        • N'uno says:

          Apesar de concordar que alguns motoristas de autocarros agem de forma menos correcta, não deixo de pensar que pensamentos destes são perigosamente preconceituosos. Os automobilistas também terão a sua quota parte de responsabilidade no assunto.

      • João MS says:

        Não há nenhuma situação em que um autocarro tenha prioridade por ser um autocarro.

  6. Miguel says:

    Eu sou dos antigos… eu não gosto de dar o controlo da minha viatura a um CPU. Se for um comboio/metro não há problema, agora um carro esquece.

  7. Nuno says:

    Houve um acidente com carro autonomo depois de quantos milhares de Km? Gostava de saber quantos acidentes houve mediante mão humana com os mesmos Km percorridos…

    • Mylittlelife says:

      Eu já tive nos EUA várias vezes e o transito em várias cidades é impossível. Este modelo autómato já teve por Km percorrido menos acidentes que o melhor condutor humano do mundo…

  8. PJM says:

    Algo não deve tar bem explicado… como é que um objecto que vai a 3 km/h vai bater noutro que vai a 24km/h?

  9. g0tH1c.X says:

    É experimentarem ir para a zona de Odivelas e outras, onde o pessoal tem a mania de fazer as rotundas a direito, por exemplo…LoL
    Nunca vi algo semelhante em outros locais…as pessoas dali devem pensar que as rotundas só estão lá para empatar…e a distância mais curta entre 2 pontos…é uma linha reta…claro…:P
    E os outros carros, que estão a circular e a fazer aa rotunda, da forma correta, que se lixem…xD
    Ali um carro da Google não teria muita sorte…

    • Davide Ferreira says:

      Pelo relatório do acidente podemos concluir o seguinte:

      O Google Car foi cauteloso, em que tendo um obstaculo pela frente, faz o pisca e muda de faixa, após vários carros passarem e devagarinho (3k/h).

      O autocarro vinha mais atras e mais depressa, que quando o Google Car está a fazer a manobra de mudança de faixa, já o autocarro estava ao seu lado.

      Como em qualquer código quem muda de faixa tem a culpa. Claro que se o conductor fosse mais devagar poderia ter evitado o acidente.

      Em Portugal, o mais provavel seria o condutor do Google Car em modo “manual”, sair a abrir duma mão para a outra, e nesse caso o autocarro iria chocar na traseira, ou iria travar e buzinar.

      Se o autocarro tambem fosse autonomo o choque provavelmente não iria acontecer.

      • Marco says:

        Verdade. E o mais certo é que sendo em Portugal o autocarro é que seria o culpado por bater na traseira e o outro condutor não teria culpa alguma. Mas também admito que há sempre aquele exacto momento em que dum lado o carro está a mudar de via e portanto, perde a prioridade; do outro lado, o carro já mudou de via e o outro que vinha atrás (sendo o autocarro) não teve uma condução defensiva – reduzindo a velocidade se necessário – e dessa forma chocou com o carro da frente.

        Claro que este exemplo é um preto no branco, segundo o relatório, parece que foi algo cinzento, isto é, um misto entre os 2 e apenas houve a tal pequena colisão entre ambos.

        No final, o certo é que se o autocarro fosse também autónomo tal não aconteceria (e ainda menos caso haja “comunicação” entre veículos autónomos).

  10. glitmaker says:

    Só para pensar um pouco. Nos mesmos milhares (milhões?) de quilómetros efectuados em testes por esta tecnologia quantos acidentes houve, e comparemos com os veículos não autónomos e digam se não há vantagem…

  11. José Moura says:

    aahhahah riso! Está tudo perdido.

  12. tiago says:

    Carros autonomos é pior porcaria á face da terra… querem fazer de tudo para que as pessoas não tenham controlo sobre os carros, que eles andem sozinhos e tal… mas só vai dar asneira… e o dia que isso acontecer, prefiro andar de bicicleta!

    • Vitolas says:

      Suponho portanto que ai por casa não se use microondas,maquina de lavar roupa e louça,telemóveis entre outros.
      Todas essas coisas inúteis que fazem com que não se tenha “controlo” das tarefas.

  13. bruh says:

    Neste tipo de casos, a questão não é se irá acontecer, é quando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.