Quantcast
PplWare Mobile

5G: Vodafone Portugal interpõe providência cautelar contra novas regras

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Benedito Clair says:

    No mínimo é estranha a resistência dos operadores em terminar o leilão. Desde a MEO que começou por dizer que o 5G não era preciso até a estas manobras que só servem para atrasar o processo. Vá-se lá saber.

  2. Miguel says:

    E continua a piada dos operadores tugas que queriam comprar as licenças a preço de amigos como no passado, mas desta vez a ANACOM quer as coisas direitas e dar vez a outras empresas, logo os 3 grandes operadores estão a fazer de tudo para o governo demitir o presidente da ANACOM.

    • AJ says:

      com sorte, o presidente da ANACOM tem as costas quentes como o Cabrita.

    • Miguel Ferreira Pinto says:

      Ainda não percebeste que o que eles pagarem a mais vais acabar tu a pagar na factura pois não?

      • Watcher says:

        Entendo o seu argumento, mas custa-me a querer que mesmo que as bandas fossem a custo zero os preços do 5G não fossem estupidamente caros.

        Vejam a diferença de preços/largura de banda na Vodafone Itália por exemplo.

        Vejam se faz sentido essa diferença

        • Alberto Carola says:

          Em Portugal desde sempre pagámos das comunicações na Europa, com clara cartelização entre operadores. É como dizia o outro: “Ai aguenta, aguenta…”

      • Manuel Costa says:

        Das 17 frequências a leilão, só 2 tem mais do que 1 operadora interessadas nelas… Por isso, é que os leilões chegaram a subir 1 euro, quando a oferta já era de 102 milhões de euros para a frequência.
        Em 2011, o leilão “igual” demorou 18 dias. Sendo que só 4 frequências passaram do 5 dia de leilão, porque as operadoras apresentaram a sua proposta e colocaram o valor na mesa. Entretanto, foi encontrado um acordo entre a Zon-Optimus e a PT, para não licitarem 3 das frequências, obtendo preços inferiores. Foram multas de 93 milhões de euros… daí a vingança actual com todas as operadoras a oferecer para todas as frequências.

      • PML says:

        No passado (3G) não houve leilão. A Anacom disse que haveria preços mais baixos de forma a garantir melhores preços ao utilizador final. A verdade é que isso não aconteceu. Acham que uma Vodafone vai fazer mais barato em Portugal do que noutro país só porque cá pagou menos pela licença? Isto só ocorreia se houvesse concorrência a sério, mas os preços das telecomuncações parecem aqueles das diversas gasolineiras em Portugal…

    • Jone says:

      O meu amigo informe-se antes de dizer disparates, já estamos com preços mais caros que grande parte dos paises da europa.

  3. paulo says:

    eles é que deviam pagar uma parte durante o servico activo para o cidadao que vai estar exposto a radiocao a antena!

  4. Zé Fonseca A. says:

    Acabou-se a mama, agora choram.
    Fizessem o mesmo com a EDP e as suas rendas e o país explodia.

  5. Watcher says:

    Cada vez concordo mais com a ANACOM, um leilão não deixa de ser um leilão, ou seja enquanto houver licitações, melhor para quem vende.

    Também entendo que as operadoras queiram pagar o menos possível mas se querem sempre licitar à base do mínimo, é normal que as coisas demorem.

    Eu começo a achar que as operadoras estão a engonhar isto de propósito e criar agitação social à volta do tema para haver pressão na ANACOM para acabar o leilão mais cedo e as operadoras ficarem com o espectro a preço de saldo.

    Tendo em conta a diferença de serviço entre o que é oferecido cá e no estrangeiro, não tenho pena nenhuma das operadoras, se nos tratassem melhor e com preços justos podia ser que ficasse do lado delas.

    • Manuel Costa says:

      As operadoras estão a ver os péssimos resultados dos EUA, Inglaterra e França, onde, mais de, 7 em cada 10 clientes, voltaram para tarifários 4G, por não terem utilidade para o 5G e ficar mais barato usar 4G.
      A MEO tem quase 100 antenas 5G guardadas e não as coloca, mesmo porque não está interessada, pois tem estado a comprar antenas 3G, à Altice França, que estão a ser montadas em vários pontos do país. A NOS tem umas dúzias e não as montou ainda. A Vodafone montou meia dúzia e parou. Daí que não se interessam…
      Quanto mais tempo o leilão decorrer, mais as operadoras se podem queixar e dizer que não é culpa delas.

  6. Loltrue says:

    A ANAC que carregue neles, eles (Operadoras) que vão para o caralh*!

  7. JL says:

    E quando a novela 5G chegar ao fim, vamos ter nova novela 6G. Portugal no seu melhor.

  8. RatazanaDoPunjab says:

    Quando isto chegar ao fim vão ter que fazer outro leilão novamente, mas para o 10 G…

  9. João says:

    Por mais que se odeie as operadoras o que a ANACOM está a fazer neste processo desde o início é vergonhoso.
    Desde a atribuição do software do leilão, a regras do mesmo notoriamente mal elaboradas até ao ponto de alterar regras a meio de concursos desta natureza é uma vergonha absoluta. Sem esquecer que ofereceu uma subvenção a novos operadores à custa das existentes.

    Quem tem de assegurar os procedimentos é a ANACOM. Os operadores fazem o que lhes compete dentro das regras.

    Mais uma.vez o regulador tem zero interesse em proteger o consumidor preocupando-se antes em andar em guerrinhas de treta com os operadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.