Quantcast
PplWare Mobile

App STAYAWAY COVID custou perto de 400 mil euros

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Miguel says:

    Só?
    Mas então uma boa parte do código já não estava feito pelas APIs da Google e Apple?

    Não sei se é o caso mas a pandemia serviu para muito negócio que só daqui a uns anos vamos saber…

  2. Limp says:

    sempre a roubar o Estado

  3. TS says:

    Que lavagem, eu fazia por 5k

  4. pois says:

    Os programadores em Portugal ganham muito melhor do que eu tinha conhecimento. Ou isso, ou assumindo 100.000€ em custos diversos, contraram perto de 70 programadores a ganhar 1500€ mês durante os últimos 3 meses:

    (400.000-100.000) / (1500*3) = 66,6. 😉

    • pois says:

      Principalmente para uma App Android extremamente simples, dado que só o envólucro da API de contact tracing tinha de ser programado, e isso é básicamente um GUI, algo que um aluno universitário consegue fazer.

    • Rui says:

      Concordo que foi “caro” o desenvolvimento da app, mas um programador não custa 1500€. Isto não é a India caríssimo!

        • pois says:

          Gostaria de concordar contigo @Rui, mas a realidade não o confirma. Vivemos numa quinta comunista que explora uma grande parte das pessoas.

          Aquelas que tem currículo para ganhar mais, por norma, não trabalham para/em Portugal.

          • José Fonseca Amadeu says:

            Que grande falácia, é mesmo de quem não está por dentro da área.
            Em Lisboa e Porto esses ordenados são para pessoas sem experiência, facilmente um programador com 15 anos de experiência chega aos 5000€ brutos mensais.
            Precisar de 70 programadores para uma app destas também é falta de noção, nem se quisessem fazer gestão completa da app e serviço com lifecycle management, suporte, servidores, etc iriam precisar de 70 pessoas.
            Acho que algo está de muito errado nesta informação fornecida e apenas acredito nos 400k já já tiver servidores cloud incluídos assim como segurança necessária.

          • Miguel says:

            @Pois, ainda bem que existe quem recebe mais… mas tb não é o meu caso e de longe não é a realidade portuguesa como dizes

        • pois says:

          E também tenho noção que o que as empresas pagam para ter um programador via agências de recrutamento excede as 3-4x este valor, mas, por norma, os valores da Indeed são os ordenados baixo-médios de um programador.

        • eu2 says:

          Isso é a média do salário de 9 pessoas, não me parece realista como média de todos os programadores

        • rui says:

          independentemente de ser caro ou barato, um trabalhador que leve para casa 1500€ custa cerca do dobro 3000€ ao empregador em segurança social, seguros, etc. e sendo um trabalho não precário recebem 14 meses e trabalham 11, ou seja mais quase 30% aos cálculos feitos acima dá +/- 25,6 e não 66,6 (bem menos de metade) o que não quer dizer que seja pouco

          • Hélio Musco says:

            Alguém com conhecimento nesta secção. No artigo também refere que existe uma parte que foi gasta na divulgação da app, por isso não será tudo em programadores.
            Para além disso, gostava de saber se a app tivesse custado metade para ver a reação das pessoas: “Tão pouco!? Deve estar cheio de inseguranças!”

            O povo só está bem é a reclamar.

    • Paulo Martins says:

      O valor de 400 mil não foi apenas para pagar os programadores mas toda a infraestrutura, marketing e divulgação, e não digo que não ande aqui muita gente a ganhar dinheiro mas se fores comparar com as apps na Europa tens Espanha pagou 375 mil só pelo teste piloto nas Canárias, o Reino Unido pagou 12.8 milhões de euros, a Alemanha 20 milhões e a de França só encontrei informação de junho mas indicava que a app estava a ter um custo para o governo entre 80 e 120 mil euros por semana.

      Simplificares o custo ao preço/hora dos programadores é simplificar em demasiada o caso, novamente não digo que os contribuintes não estejam a ser roubados, mas pelo menos não parece que os nossos ladrões sejam muito gananciosos.
      E a menos que haja indícios de desvios de verbas ou que os contratos estão acima do preço normal de mercado não vejo motivo para criticar, claro que podemos discutir se realmente a app vale a pena, mas não acho que seja um mau investimento desde que as pessoas realmente a usem, se não houver adesão aí sim é dinheiro deitado ao lixo.

      • pois says:

        Talvez, o problema seja mesmo esse.

        Se a App é válida, não é necessaŕio contratar o programador, a secretária, o jardineiro e o motorista deste. Paguem mais a quem trabalha, e deixem rolar.

        • pois says:

          Amenda:
          “o programador, a secretária, o jardineiro e o motorista deste. ”
          deve-se ler
          “o programador; e a secretária, o jardineiro e o motorista do chulo. “

    • Nuno says:

      1500 limpos ou brutos? Nao se esqueçam dos impostos que as empresas têm de pagar.

  5. Antonio Ferreira says:

    400 mil euros por algo que é facultativa a instalação, ou por exemplo, como no meu caso nem posso instalar pois o meu iphone 6 não permite a instalação por ter ios 12, e mais ainda, até o próprio código fornecido pelo médico caso a pessoa esteja positiva, até a introdução desse código é facultativa. Para quê uma APP com tantas limitações ?

    • Paulo Martins says:

      Infelizmente eu acho que esta app realmente seria muito mais útil se fosse de utilização obrigatória, mas isso só seria possível numa situação de estado de emergência com a suspensão de alguns dos artigos da constituição por caso contrário claramente seria ilegal, a app vai o mais longe que é possível sem ir contra a constituição.
      Relativamente ao iPhone 6 infelizmente a Apple não disponibilizou a API para o iOS 12, é possível criar uma app que não use as API da Apple/Google mas têm um impacto significativo na bateria o que faz que mesmo que desenvolvida seria inútil porque ou ninguém instalava ou quem instalava ficaria sem bateria a meio do dia.

  6. mc says:

    No Banco onde trabalhei alterar um campo de input numèrico para alfabético custou 40.000 €. É claro que a BD em IBM DB2 tb teve que ser alterada bem como os uis da rede de balcões. … Envolve programadores estrangeiros…

    • José Carlos da Silva says:

      Típico… Nunca se fazem as coisas bem feitas à primeira, nem com tecnologias decentes. Investem-se milhões em desenvolvimento e manutenção de tecnologia obsoleta e depois temos o que se vê. Em bancos e não só.

      E como já se gastou o dinheiro antes, agora tem de se justificar o investimento e manter o arcaico a mexer.

    • Ricardo Santos says:

      Um parceiro nosso queria-nos cobrar $25k para limitar o resultado de uma query (só tinham de mudar o WHERE da query), não queriamos tantos resultados (no final aquilo gera ficheiros, portanto ia gerar menos ficheiros, ou seja menos espaço em disco e menos trafego pela rede), por isso #ÉoQueÉ.

  7. Miguel says:

    Começou com a máfia italiana e as suas lavandarias, depois os tempos mudaram e passou-se para postos de combustível e stands de automóveis. Outros houve que preferiram negócios de multidões e de pouco controlo como clubes noturnos e restaurantes.
    Como o “fuel” era amigo do governo a coisa durou pouco e o esquema avançou para algo mais intelectual, os livros.
    Hoje, na época da tecnologia nada melhor que uma App…ou startup da vida!.

  8. Julio says:

    400 mil por uma app?! hahahahahahhahahahahah que lavagem de dinheiro

  9. Luis says:

    Para quem trabalha na área sabe perfeitamente que esse preço é pornográfico.

    Já agora pq não contratam uma “Quinta de Clicks” na Índia para assegurar que 6 milhões já a instalaram?

    Sabendo que se pode auditar quantas instalações estão ativas pq nunca o é referido em artigos na CS?

  10. Euu says:

    Mas quantas pessoas tem a appa funcionar mesmo???
    Alguns médicos, provavelmente, e pouco mais ne??

  11. RM says:

    Estou a ver que o estado ‘caiu’ mais uma vez num esquema qualquer!
    Já não é a primeira vez que alguém pede dinheiro ao estado e ele vai para os bolsos de alguém!

    • Wishmaster says:

      @RM

      É… O Estado é sempre a tetinha. Vai lá quem pode chupar todos os dias.
      É por esta razão que Portugal nunca vai avançar devidamente, enquanto não se mudar esta mentalidade.

    • Jorge says:

      O estado nunca “cai” em esquemas. Vamos dar nome aos “bois”.
      Os políticos e funcionários públicos de carreira, é que participam activamente em esquemas, aliás é esse o motivo para estarem onde estão.

  12. Hélder says:

    Fdx… outra vez a roubarem os contribuintes à descarada, quem foi que encheu os bolsos desta vez sem fazer nada?

  13. Abílio Portas says:

    Esta App foi feita para a campanha do António Costas para as próximas legislativas …

  14. eu says:

    Pelas minhas contas, não custou na “realidade” mais de 15000 € !

    Uma coisa é quanto vale e a outra é quanto quero mamar.
    3 programadores e 3 meses para desenvolver (ainda com muita pausa para o café), seria mais do que o suficiente para se desenvolver o “sistema” (App + backend).
    A receber 1500 € base pelo desenvolvimento para programadores “plenos” = 1500 * 3 programadores * 3 meses = 13500 € para se desenvolver esta App (vá arredondamos para 15000 €).

    • rui says:

      por acaso fica mais caro em termos de custos (contas no outro post com contas idênticas acima) esse “tempo” “pessoas” devia ir para os 35k
      depois despediram os programadores e foi necessário 1 alteração eles pediram 370k € para a fazer está aí o resto do dinheiro, afinal não foi para a empresa foi para o bolso dos “chulos” dos programadores… ou então não

  15. Pedro says:

    400k e nem um nome decente em português para evitar dumping de outras apps da Store principalmente na da Google. Melhor que sair o 2º prémio no euromilhões

  16. Rodrigo says:

    400k por uma App em que o design usado é de um template que custa $40,é caso para dizer que foi um grande negócio. 200k para mim que te arranjei o trabalho, 195k para o tipo que aprova e tu pseudo-programador ficas com 5k para comprares gomas.

  17. Samuel MG says:

    Se a app não usou dinheiros públicos então a app é privada. Se a app é privada por que raios anda o governo a publicitar uma app privada?

  18. Pedro says:

    400 mim para os bolsos de alguns à boa maneira portuguesa, porque os benefícios para os cidadãos em geral devem de andar próximos de zero. Disso NÃO tenho absolutamente dúvidas.

  19. Hugo Sá says:

    Foi-se gastar este dinheiro para fazer uma app que chegou meses atrasada e que já estava feita.
    Aqquem e que isto vai custar?

  20. Art says:

    Não devia ter orçamento para divulgação… Tiveram o PR e o PM a fazer publicidade gratuita…. O resto é dar dinheiro a empresas amigas

  21. Miguel says:

    O iOs já tem esta funcionalidade nativa sem ser preciso recurso à app.
    Pelo que sei o Android também.
    Porque tanto insistem que instalemos?

  22. Pipocas says:

    Claramente que vocês não têm noção do quanto custa um projeto de ID. Certamente que estão incluídas centenas de pessoas*horas gastas a discutir tudo e mais alguma coisa. Acham mesmo que é só uma questão de programadores? Isso é quase como dizer que fazer um carro novo é só copiar o do vizinho e programar as máquinas para o fazer…fácil!

    Curioso como se fala de uma pequena quantia (sim pequena e eu tb sou contribuinte) para bem de todos, e do raio da TAP que vai custar 1200M€ nada… somos tão pequeninos.. Cá para mim a instituição aqui em causa vai-se arrepender de ter avançado com o esforço da equipa por este projeto. Enfim…Portugal no seu melhor.

  23. Carlos says:

    Eu quero lá saber dos custos. A pergunta que deviam todos fazer é, isto funciona mesmo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.