Quantcast
PplWare Mobile

Twitter suspendeu contas que partilharam posts do blog de Trump

                                    
                                

Autor: Ana Sofia


  1. Miguel says:

    E assim se verifica a ditadura que vai por aqueles lados…

  2. Yrneh says:

    Não gosto do Trump mas isso é uma tentado à liberdade de expressão, parece Ditadura.

    • PGomes says:

      O Twitter é uma empresa privada e como tal, pode escolher o que aparece na sua plataforma.
      O mesmo acontece com a Fox, que apenas faz noticia das coisas más dos Democratas e das coisas boas dos Republicanos. Ou da CNN, que faz o inverso da Fox.
      O que não faltam são jornais, canais televisivos e rádio, sites na internet que apenas publicam o conteúdo politico que lhes interessa.
      O que interessa é que o governo, nem nenhuma instituição governamental, não podem limitar ou mandatar sobre o que uma pessoa pode dizer ou publicar. E isto inclui empresas.
      Podes não gostar, mas isto é a base da liberdade de expressão nos EUA.

      • José Bacalhau says:

        Opinião: o Twitter não é uma empresa privada na acepção usual do termo. Para operar como opera beneficia de isenções de responsabilidades muito superiores às da imprensa. Tal como um supermercado não pode vedar o acesso a uma pessoa particular (por exemplo, eu ou você) o Twitter também não o deveria poder. Fá-lo mas vai pagar um preço grande. Está a tornar-se rapidamente irrelevante. Falo por mim: não vou lá há quase um ano.

        • HUS says:

          Acho que alguém ficou sem resposta José =) estragaste tudo

        • WILLIAM LOPES says:

          +1

        • PGomes says:

          O Twitter é uma empresa privada, em toda a sua definição.
          A imprensa não é obrigada a publicar tudo o que os seus potenciais clientes querem. E o Twitter também não é obrigado.
          A imprensa e a TV já tiveram tanto, ou mais poder do que o Twitter tem hoje. E nunca foram obrigados a publicar o que um partido quer.

          O acesso a um supermercado, está enquadrado no direito como consumidor.
          Isto é muito diferente do direito de expressão. São coisas muito diferentes.

          Se o Twitter se tornar irrelevante ou não, por causa destas decisões é uma escolha da própria empresa, pois é privada. Qualquer empresa privada, escolhe o seu caminho.
          Nós como consumidores, votamos com as nossas escolhas. E somos livres para escolher os sites que visitamos.
          O Twitter é livre para escolher o que publica e os consumidores são livres para escolher se vão visitar o Twitter ou não.

          • Sujeito says:

            Isso são questões diferentes e falaciosas.

            As escolhas dos clientes e as escolhas da empresa são assuntos separados.

            Não se trata de não publicarem o que um partido quer mas sim de não permitirem o que quer o outro. O resultado pode parecer igual mas as motivações são distintas. Uma é de aparente livre escolha, a outra é de subversão ideológia e, portanto, de regime totalitário.

        • rodrigo says:

          Twitter esta a tornar-se rapidamente irrelevante? lol Vai ver o valor das suas acçoes que tem subido desde que expulsou o trump e que chegou ao valor histórico ha pouco tempo atras.

        • rodrigo says:

          Sem duvida que Twitter ‘e uma empresa privada. Se amanha o twitter/Facebook/instagram quiser expulsar todos os seus utentes pode fazer e nao ha nada que alguém pode fazer! Um supermercado pode banir quem quiser menos que seja por alguma razão discriminatória…alias qualquer estabelecimento tem o direito de negar serviço a quem lhes apetecer.

          Se um jornal imprimir algo falso ou algo a difamar alguém, pode ser levado a tribunal e ai o jornal tera de imprimir uma redação a corrigir o erro. Quem vai levar o twitter ao tribunal por deixar que alguém públique algo falso? O jornal ‘e responsável pelos seus escritores mas twitter nao ‘e responsável pelos seus utentes. E ambas sao empresas privadas.

          O unico que pode banir a liberdade de expressão ‘e o governo. Mais ninguém.

      • Raposão do Ártico says:

        se ela escolhe o que aparece, ela também deve ser responsabilizada pelo que aparece

      • Pedro V says:

        Que lhes interessa… Queriam. Manda quem pode!

  3. Al capone says:

    aqui em portugal estamos igual o indiano comprou tudo e todos

  4. Joao Ptt says:

    Bem que escrevi que parecia óbvio que as redes sociais iam tomar medidas para não permitirem a partilha de conteúdos/ links para a dita rede social do Trump, ou neste caso para o blog.

  5. Administra Dor says:

    Não percebo chorarem “atentado a liberdade de expressão”. Imaginem que uma rádio permite a qualquer pessoa ir lá falar durante 20 segundos. E que todas as semanas vai la um marmanjo e usa os 20 segundos dele para dizer coisas ridículas que prejudicam muita gente. Ora a rádio pode dizer “o que esta pessoa esta a dizer não representa os valores da nossa estação por isso vai deixar de ter tempo de antena”. O twitter não é publico, não passa de uma empresa privada que pode banir quem quiser por qualquer razão. Para além disso tem os termos de utilização.

    • José Bacalhau says:

      Há rádios que fazem isso. Não percebo o paralelismo nem vejo o que haja de errado em que eu ou você queira ouvir que me ou lhe apetecer. À cautela fui já registar-me no tal site do Trump, uma personagem de que não gosto particularmente. Só porque detesto estas pulsões dirigistas. E já agora o Twitter não pode fazer o que lhe apetece. Se lhe barrarem a porta de entrada de um supermercado sem uma razão atendível e pré-determinada, estão a cometer uma ilegalidade.

      • AdN says:

        E se lhe barrarem a entrada no supermercado por você anteriormente ter lá andado a incitar á violência?

        • rodrigo says:

          sim os supermercados fazem isso e sempre fizeram.

          • AdN says:

            Não o fazem porque nunca tiveram razões para isso. Também nunca antes houve um presidente deposto a incitar à violência contra o resultado das eleições não lhe ter agradado. Acho que é fácil de perceber que não é limitar a liberdade de expressão. Num estado de direito, a liberdade de uns acaba quando começa a dos outros, e nunca pode haver direito à violência excepto em circusntancias muito especiais, como o caso de se instalar um tirano no poder e a população necessitar de recorrer a essa violência para o depor, mas nunca o contrário. O exemplo disso é a segunda emenda americana, e quem perceber de constituição é direitos, entende perfeitamente a diferença.

    • HUS says:

      O BTC vai resolver isso =)

  6. robin says:

    Mas o Twitter também não é de confiança promove a censura e é contra a liberdade de expressão , são plataformas dignas de regimes totalitários.

  7. JS says:

    Viva a democracia e a liberdade …

  8. jorge costa says:

    Antes de escreverem deveriam se informar sobre as regras / leis em vigor nos EUA:

    Por exemplo:
    Section 230 (o Trump cria revoga-la, mas não conseguiu):
    “Section 230 is a piece of Internet legislation in the United States, passed into law as part of the Communications Decency Act (CDA) of 1996 (a common name for Title V of the Telecommunications Act of 1996), formally codified as Section 230 of the Communications Act of 1934 at 47 U.S.C. § 230.[a] Section 230 generally provides immunity for website platforms from third-party content. At its core, Section 230(c)(1) provides immunity from liability for providers and users of an “interactive computer service” who publish information provided by third-party users…” in https://en.wikipedia.org/wiki/Section_230

    Mais as empresas privadas são regidas pelos seus “Terms of Service”. Qualquer utilizador dessas plataformas que violem esses termos podem ser punidos (suspensos / banidos).

    A primeira emenda da constituição americana …
    “The First Amendment protects individuals from government censorship. Social media platforms are private companies, and can censor what people post on their websites as they see fitAntes de escreverem deveriam se informar sobre as regras / leis em vigor nos EUA:
    Por exemplo:
    Section 230 (o Trump cria revoga-la, mas não conseguiu):
    “Section 230 is a piece of Internet legislation in the United States, passed into law as part of the Communications Decency Act (CDA) of 1996 (a common name for Title V of the Telecommunications Act of 1996), formally codified as Section 230 of the Communications Act of 1934 at 47 U.S.C. § 230.[a] Section 230 generally provides immunity for website platforms from third-party content. At its core, Section 230(c)(1) provides immunity from liability for providers and users of an “interactive computer service” who publish information provided by third-party users…” in https://en.wikipedia.org/wiki/Section_230

    Mais as empresas privadas são regidas pelos seus “Terms of Service”. Qualquer utilizador dessas plataformas que violem esses termos podem ser punidos (suspensos / banidos).

    A primeira emenda da constituição americana …
    “The First Amendment protects individuals from government censorship. Social media platforms are private companies, and can censor what people post on their websites as they see fit.”

  9. Ben Hur says:

    Mas alguém ainda usa essa plataforma obsoleta?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.