Quantcast
PplWare Mobile

Projeto de lei da Califórnia pretende que pais possam processar empresas por vício dos filhos

                                    
                                

Autor: Ana Sofia Neto


  1. Luís Silva says:

    Estes gajos são mesmo burros!
    Os responsáveis pelos vícios dos filhos são os pais!

  2. IKAROS says:

    Claro que não concordo.
    Não controlam ou educam os filhos, e depois os culpados por serem maus pais são as empresas de jogos?

  3. AlexS says:

    Qual definição de vício?
    Isto é politica pura e dura e a construção de um mecanismo legal para aumentar o poder de censura e controlo total do Partido Democrata.

    É preciso perceber que são os procuradores que dizem a quem a lei deve ser aplicada. Ou seja uma empresa incomoda para o poder leva com a lei – nem interessa se depois o caso vai sequer a julgamento basta a acusação- e a amiga do poder não ou leva uma multa menor.

    Isto são instrumentos legais que se constroem para punir quem não segue a linha do poder.
    “Para os amigos tudo, para os outros a lei”.

  4. R says:

    Estamos numa sociedade (Portugal Incluído) em que é só direitos e não há deveres nenhum. São todos uns coitadinhos de vítimas de alguma coisa. Este é mais um exemplo

    • Aí aí ai says:

      Nem mais, disseste muito bem que é só direitos e deveres nada.

      Eu cresci num bairro bastante pesado em Portugal e hoje tenho um trabalho muitíssimo bom, duas casas no Algarve e uma em Londres isto porque a minha mãe me educou e querer ser melhor que eu mesmo é que para ter o que sonho tenho de trabalhar e não roubar.

      Educação vem de casa, dos pais e não das ruas, escola ou internets

  5. SANDOKAN 1513 says:

    Acho que o problema está é no lado dos pais.Mas que culpa têm as empresas que a canalhada passe horas a fio por dia em redes sociais,videojogos,e por aí fora ?? Os pais que os controlem,ora essa.É obrigação deles. ಠ_ಠ

  6. Pedro says:

    falta adicionar a possibilidade de processar os professores pelo insucesso profissional dos filhos, fica a sugestão

    • AlexX says:

      Os professores não têm culpa, é-lhes dado um programa que têm que transmitir aos alunos e não podem fugir desse programa ou ensinar matéria que não conste nele para não correrem eles o risco de ser processados. O mesmo acontece cá. É o programa em si que é uma real bosta, quem define o programa escolar é que devia ser processado. Como tal é difícil de acontecer, tem felizmente aumentado a quantidade de pais tirando os filhos da escola e leccionando-os em casa (o que chamam homeschooling), e cá tem acontecido o mesmo.

  7. Blockd says:

    Quando os pais não são capazes de dizer não, impor limites, estabelecerem regras nem serem exemplo (fazem pior), processa-se tudo e todos. Assumam as responsabilidades pelo que os filhos fazem! Que mentalidade! Não os vejo a processarem traficantes ou produtores de droga, de álcool ou medicamentos…

  8. Paulo Cruz says:

    A ver se entendo: também vão legislar para culpar as empresas que fabricam armas, utilizadas por cidadãos insanos para matarem indiscriminadamente crianças inocentes, como aconteceu hoje nos desenvolvidíssimos EUA? Os valores da sociedade (na qual nos integramos) estão tão perversamente trocados…

  9. deepturtle says:

    não, o problema não está só do lado dos pais.
    as empresas fazem-no propositadamente e têm também de ser responsabilizadas.
    quem não tem culpa são as crianças!
    é isso e a imposição de ideologias… aceitem tudo de leve ânimo e depois não se queixem!

  10. Vrael says:

    E quando é que se vai começar a processar ou a responsabilizar os pais pelas ações e vícios dos filhos em vez de culpar os outros?! É fácil culpar os professores e empresas e jogos e filmes pelas ações dos filhos em vez de responsabilizar os pais… porque raio os professores têm de ser pais dos filhos dos outros?! A sua profissão é ensinar matérias escolares nao babysinting… os jogos e filmes sao violentos, sempre joguei a vida toda e nao sou violento…

    • Paulo Cruz says:

      “No meu tempo” de aluno se chegasse a casa com uma má nota estava tramado… Hoje se o menino chega a casa com uma má nota, o professor está tramado… Passamos do 8 para o 80…

    • says:

      Nem mais. O primeiro jogo que joguei forte e feio foi o Renegade do ZX Spectrum. E não é por isso que ando à paulada o dia todo.
      Há alguns problemas de vício nos jogos, é verdade. Como as micro compras, o casino dos packs de fifas e afins, entre outras coisas. Pode-se fazer alguma coisa por aqui. Mas também muito recai do lado dos pais. Cá em casa pc e xbox só quando o pai diz que sim. Aliás, tudo tem código para não haver tentação. Nem a minha miúda tem cartão de crédito para gastar em apps. Tem um frasco de vidro com algum dinheiro que assim ela pode “ver” bem o que tem.
      Mas depressa íam na malta dos desafios do tik tok do que nos jogos.
      Eu uma vez caí de skate e parti 2 dentes. Posso processar o Tony Hawk?
      Isto faz-me lembrar a lei das piscinas. Houveram alguns casos de crianças afogadas em casa porque os pais não tiveram atenção. Sai uma lei que obriga todas as piscinas a ter uma rede à volta. Tuga no seu melhor!

    • Amilcar Alho says:

      Estes 3 comentários acima, isto!

  11. Tonheco says:

    Estamos a falar da califórnia, a pior desgraça dos EUA devido ás politicas de esquerda.

    Estamos a falar da califórnia, local que as empresas abandonam, ladrões podem roubar legalmente até 900 dóllars por dia, e onde defecar nas ruas é coisa banal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.