PplWare Mobile

Governo de Israel quer bloquear conteúdos das redes sociais

Marisa Pinto

Editora no Pplware e psicóloga de profissão. Desde cedo que a tecnologia é uma paixão, interessando-se em particular com o impacto que esta tem na nossa vida e nos comportamentos que as pessoas adotam nas redes sociais.

Destaques PPLWARE

14 Respostas

  1. Nicolas says:

    Se eles pregassem a paz e a convivência harmoniosa com os palestinos poderiam tê-los tratado bem melhor, em de se impor poderiam propor. Propor e realizar melhorias aos palestinos, construir boas escolas, bons poços artesianos nos locais mais secos, construir bons hospitais, construir ruas pavimentadas, garantir a segurança para os palestinos, enfim, são poucas e baratas melhorias – para os padrões israelenses – que teriam muito mais êxito em garantir a paz e bem estar dos israelenses do que construir assentamentos e expulsar famílias, construindo um muro para excluir. Se governassem promovendo o bem comum, até o povo palestino poderia apoiar que eles governassem a região.

  2. Miguel Real says:

    para que não estudou a formação do estado de israel vá e estude e já agora como é que estiveram tantos seculo fora da palestina, (porque será que se chama assim????), quem quer PAZ faz pela PAZ mas a historia israelita mostra que eles andaram sempre a porrada com meio-mundo e se não nasces judeu nunca serás judeu, (ou quase, ex: se for alguem muuuiiiitoooo rico).
    é pena que os nazis ao terem perdido a guerra tenham lançado as bases para os que os seguiram como os eua e israel e a urss, pois se virem com atenção são exemplos de um certo sonho e metedologia nazi com a propaganda a guerra relampago e muitos outros ensinamentos tornados realidade, (das tecnologias nazis os israelitas são dos mais avançados).

  3. Pedro Simões says:

    Se se estudar história, o espaço que dizem ser deles estiveram os Romanos, e depois os Persas que até foram mesericórdiosos com eles que até os deixaram voltar lá depois de irem para a Babilónia. Enfim os reis católicos até que os deixaram andar por cá, mas como sempre queriam ser eles a mandar e assim temos as migrações porque tudo o que é demais cheira mal. Agora acham-se mais uma vez vitimas, massacrando quem não os aceita. Talvez a gota de àgua seja agora com a ONU, revelando-se no povo que sempre foram. A história pertençe a todos e não pode ser apagada por uns que se dizem ter direito sobre os outros invocando os ter, e os outros?!

  4. MLopes says:

    quando não se pretende a todo o custo que haja liberdade, o lápis azul surge das mais variadas formas. aqui vêmo-la na forma digital. nada de novo e até com tendência a crescer.
    israel conseguiu passar do país do massacrados ao país dos carrascos com pretensões hegemónicas e tendências para o genocídio.
    enquanto fizeram o que quiseram e tiveram as resoluções da onu do seu lado, tudo estava bem e a onu era a salvaguarda da liberdade do povo de israel. à primeira contrariedade no processo de extermínio que têm levado a cabo, reagem do modo que o mundo tem visto

  5. JVC says:

    É alguém sabe o que pensam os israelitas disso. Israel vive cercado por inimigos e uma boa percentagem do povo não quer saber da palestina, querem é viver em paz. O resto é política.

  6. Carlos Fernandes says:

    Iguais aos nazis….Meios diferentes..Fins iguais….A liberdade tem a tendência de incomodar os ditadores sejam eles eleitos ou não.

  7. ricardo says:

    pior que os nazis

  8. ODAIR DA SILVA says:

    Israel como sempre continua sem respeitar outros países ,inclusive a ONU. eles podem tudo tá na hora de o mundo isolar eles.

  9. Antunes says:

    Quero lá saber disso, querem é que desocupem o território que não lhes pertence!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.