Quantcast
PplWare Mobile

Facebook vai banir publicações que neguem ou distorçam o Holocausto

                                    
                                

Autor: Ana Sofia


  1. Gori says:

    Pois mas assim acabam com a livre expressao das pessoas

    • Toni da Adega says:

      Há quem diga que a ditadura e Salazar existiu em Portugal. Todos sabem que é mentira

    • Darth says:

      É uma rede social privada, não tem de ser democrática, para além que que toda a liberdade tem limites. E negar o holocausto é criminoso.

    • Hélio Musco says:

      A liberdade de expressão tem limites. Acaba quando quando começa a do outro.
      Até em Portugal tens leis que vão contra a liberdade de expressão, por exemplo, o Artigo 180.º (Difamação) ou Artigo 135.º (Incitamento ao suicídio) do código penal.

    • PGomes says:

      Uma coisa é liberdade de expressão, outra coisa muito diferente é mentira.
      Neste caso, o facebook não está a limitar em nada a liberdade de expressão, está a garantir que a memória de milhões de vitimas do regime nazi, seja mantida. Proibir uma mentira tão cruel, não limita a liberdade de expressão, apenas limita a mentira.

    • rodrigo says:

      por favor nao confundes livre expressão com Facebook ou qualquer outro Social Media.

  2. Alko says:

    E a liberdade de expressao das pessoas é atropelada pelo facebook mais uma vez.

  3. Algo says:

    Emancipação da Tecnocracia.

  4. Julio says:

    usar a desculpa da liberdade de expressão é riduculo, porque as pessoas estão a espalhar mentiras sobre um dos acontecimentos mais horriveis da humanidade. O mesmo vale para fake news. Ou tambem vão dizer que ao eliminar fake news estão a tirar a liberdade de expressão?

      • O Monstro Precisa de Amigos says:

        E depois? As mentiras combatem-se contrapondo com a verdade, não através do silenciamento. Todas as pessoas devem ter liberdade para dizer barbaridades. Mais do que a liberdade de expressão, era importante que a Constituição consagrasse, para não haver dúvidas, o direito a ser parvo, o direito a dizer asneiras, o direito a ser antipático, o direito a irritar-se e sobretudo o direito a ofender. Há um livro muito com esse título, Direito a Ofender. No dia em que os crimes de injúria, difamação e calúnia desparerecem do Código Penal, como já deasapareceram em alguns ordenamentos jurídicos, isso vai ser um enorme contributo para desocupar os tribunais de queixinhas infantis.

        • Julio says:

          não falta muito vais dizer que tambem as pessoas tem direito a matar, a roubar, a violar, a raptar, a serem pedofilos e a matar judeus em camaras de gás.

          rapaz deixa as drogas ou pelo menos quanto a ganza tiver a bater forte não venhas para a internet escrever asneiras

        • Julio says:

          “…direito a ser antipático, o direito a irritar-se e sobretudo o direito a ofender.”

          Claramente essa droga que andas a fumar anda a queimar-te o cerebro.

        • Toni da Adega says:

          Quando as pessoas puderem ofender e mentir livremente, ai sim vamos ter um mundo melhor.
          Até lá temos que nos contentar com o respeito. Enfim é o que temos.

        • Hélio Musco says:

          Sim, porque os tribunais devem estar cheios de crimes contra a honra (https://static.publico.pt/infografia/2017/portugal/evolucao-crimes-1993-2016.svg)…
          E aqui (este tópico) nem estamos a falar de injúrias, mas sim de mentiras, em que algumas podem ser bastante perigosas (e.g. DL n.º 330/90 Artigo 13.º) pois podem por em causa a saúde das pessoas.

        • RM says:

          E quando uma pessoa leu algo falso e não teve a oportunidade de saber a verdade, e por isso foi prejudicada ? As mentiras podem ter consequências graves.
          Se uma pessoa morre por causa de uma mentira, e o mentiroso foi julgado, condenado e enviado para a prisão, achas que isso serve de alguma coisa para a vítima ?
          Num tribunal vais mentir e dizer barbaridades ? Podes faze-lo, mas não o vais fazer, pois não ?
          Também achas que deviamos ignorar o civismo ?

          • O Monstro Precisa de Amigos says:

            A geração infantilizada pela disciplina de Cidadania e protegida pelo politicamente correcto, para além de não ter argumentos, é tão ignorante que não percebe que a descriminalização não significa que as situações cuja gravidade justifique deixem de ser tuteladas pelo direito civil. Um dia destes é possível que digam algo desagradável à pessoa errada e logo a seguir vão sentir a facilidade com que alguém é constituído arguido em processo penal, ou mesmo em processo disciplinar, para quem tiver o azar de pertencer a uma ordem profissional, que é para ver se finalmente crescem e acordam para a vida. Nessa altura vão chorar pela liberdade de expressão que durante estes anos todos deixaram que lhes fosse retirada, sem disso se darem conta, pelos partidos políticos e movimentos sociais que andam por aí a promover a higienização das relações sociais, sob a aparência de boas intenções. Está em curso um ataque sem precedentes à liberdade de expressão, em que tudo é considerado ofensivo, mas as mentes provincianas riem dos poucos que ainda conseguem ter visibilidade para remar contra a corrente e ir chamando a atenção das pessoas, como o professor Jordan Peterson, por exemplo.

          • Toni da Adega says:

            Segundo o discurso ele apoia tudo isso.
            Se por exemplo formos ao trabalho dele inventarmos uma história qualquer e ele for despedido. No final ele ainda te paga um copo, com sorte ainda fica teu amigo. Afinal não fizeste nada de mal, estavas só a fazer uso da tua liberdade de expressão.
            E não te esqueças de lhe pedir dinheiro e dizes que pagas para a semana, vais ter dinheiro à brava.

  5. Filipe says:

    Uma mentira “apaga-se” com factos verdadeiros e não com “eliminação de posts”. A liberdade de expressão continua a ir tempo após tempo pela sanita abaixo por causa do politicamente correcto e manipulação da mente do rebanho do costume. E são sempre os mesmos a tratar disto com a desculpa da discriminação, preconceito, racismo, etc etc. Estamos muito perto de chegar à altura em que dizemos que um político não presta e somos presos, ou pior. Tudo por culpa da mentalidade do rebanho. Praticamente ninguém pensa por si próprio agora e vai tudo atrás das ideias de lobbies e politiquices em que assenta tudo na base do politicamente correcto.

    • Toni da Adega says:

      O holocausto não existiu quais são esse “factos” verdadeiros? Documentos historicos que sao falsos? As “testemunhas” que nao passam de actores? As fotos feitas em Photoshop? Basicamente o holocausto aconteceu porque não existem provas que tenha acontecido.
      Há quem diga que existem pessoas que morreram com o Covid, mas isso foi fabricado pelos média.

    • Julio says:

      filipe na alemanha é crime negar que o holocausto existiu

      o que o facebook esta a fazer é combater fake news sobre o holocausto, parem de usar sempre como escudo a liberdade de expressão, porque dizer mentiras e enganar as pessoas, não te da direito a proteção so porque dizes que estas a exercer o teu direito de liberdade de expressão.

      Se amanha eu chamar nomes e maltratar uma pessoa so porque me apteceu achas que não devo ser punido?

      • José Orlando says:

        Holocausto significa genocídio de judeus. A palavra genocídio já existia antes logo nao era necessário criar uma outra específica para uma população que segue uma ideologia religiosa. A Alemanha não tentou o genocídio de Judeus, mesmo que tenham sido 6 milhões, porque teria de fazê-lo no planeta todo. A Alemanha não pediu aos outros paises para exterminar os judeus. Logo negar o Holocausto está correto. A igreja católica apostólica romana tentou fazer o genocídio dos judeus porque andou atrás deles em todas as terras conhecidas na altura, incluindo em Portugal, cuja referência pode ser encontrada perto da Igreja de São Domingos em Lisboa. A Alemanha, ao meu ver, tentou imitar o comportamento do império otomano quando este tentou exterminar o povo que controlava economicamente e financeiramente o império: arménios.

        • Nuno V says:

          Exceto que a palavra genocídio foi primeiro usada por Raphael Lemkin, um advogado judeu, aquando os últimos anos da segunda guerra mundial. Ele inventou esta precisamente para descrever a matança sistemática que decorria. A palavra holocausto é substancialmente mais antiga, vêm do grego antigo. A palavra holocausto começou a ser associada a assassínios em massa ainda nem sequer a segunda guerra mundial tinha começado. Não é um inicio promissor quando as tuas primeiras frases estão redondamente erradas.

          “A Alemanha não tentou o genocídio de Judeus, mesmo que tenham sido 6 milhões, porque teria de fazê-lo no planeta todo.”
          Mau caro, lê a porcaria da definição da palavra genocídio, será que é assim tão difícil? Como por exemplo o priberam diz: “Destruição metódica de um grupo étnico ou religioso pela exterminação dos seus indivíduos.” Em parte alguma diz que o extermínio têm que ser total ou global. Imagina que amanhã Portugal decidia começar a matar os membros de um grupo étnico qualquer existente no seu território. Neste caso, Portugal estaria a praticar um genocídio, mesmo que houvesse membros deste grupo étnico noutras partes do globo. Simplesmente não há pachorra para argumentos desta qualidade.

    • Nuno V says:

      Outro que pensa que a liberdade dá lhe direito de fazer tudo o que lhe apetece. O que tu queres é libertinagem de expressão e não liberdade de expressão.

  6. João says:

    eu so tenho a dizer que a terra é plana….

  7. Dani Silva says:

    É uma pena quando uma rede social pensa que é dona da verdade…

    • rodrigo says:

      ‘E uma pena quando alguém atribui uma rede social mais valor do que realmente tem. Uma Rede social nao ‘e equivalente ‘e liberdade de expressão!!

  8. AlexX says:

    Podem banir o que quiserem. Em Portugal também é crime negar o holocausto. Infelizmente para muitos, os alemães documentaram de forma exímia a II guerra. E David Irving escreveu um excelente livro onde constam cópias de muitos desses documentos, Hitler’s War.

  9. Luis says:

    Liberdade de expressão sim, sem qualquer dúvida! Mas sem mentira !,Sempre que se saiba que uma afirmação qualquer é mentira ela não deve ser publicada !

    • AlexX says:

      E que seria depois dos jornais e revistas de informação? E dos telejornais? E dos programas de Governo? A verdade é que não pode ser publicada. Sempre foi assim.

  10. iFernando says:

    Líderes na linha do tempo:
    Chefe da tribo; Imperador; Rei; Presidente; Facebook

  11. Reihard pankowski says:

    isto nada mais é que, a influência sionista “obrigando” o facebook a agir dessa forma, zuckerberger é sionista, qual é o problema se um não acredita que esse tal de holocausto aconteceu tal qual os sionista dizem? há muitos dados dos quais se podem duvidar, 100%, sabemos que os sionistas aproveitam qualquer oportunidade para posar de vítimas e assim ganhar benesses, tanto da alemanha como de outros países, e ainda “esconder” como podem, o holocausto que praticam todos os dias contra um povo desarmando, os Palestinianos

    • Nuno V says:

      Que o holocausto aconteceu é inegável, não tem nada a ver com propaganda sionista. Isto porque no holocausto não foram apenas os judeus a sofrer, mas também outros grupos étnicos. Aliás, se formos a ver por percentagem de população, os ciganos foram os mais fustigados por este evento. E não misture este com o que se passa com os palestinianos. O que se passa nesta zona também é um crime hediondo, mas isto não nega de forma alguma o holocausto.

  12. Carlos Carvalho says:

    Quem pensa “diferente” está tramado! As teorias de Lenin e Gramisci imperam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.