Quantcast
PplWare Mobile

Facebook: Molduras antivacina continuam espalhadas pela rede social

PUB

                                    
                                

Autor: Ana Sofia


  1. Joao says:

    Qual é a utilidade desta rede social? O que é que realmente produz de útil para o planeta? O que se poderia já ter feito no planete com a energia e o dinheiro gasto com esta plataforma?

    • Riko says:

      Conhecer pessoas, expandir e criar negocios, tanta coisa boa. O que fez o Joao de util?

      • Joao says:

        Conhecer pessoas? Ah Ah Ah – essa é boa. Criar e expandir negócios? Existem formas mais fiáveis e seguras

        O que eu fiz de útil em relação ao Facebook? Nunca usei, não tem utilidade.

        Não existem serviços gratuitos. O produto nas redes sociais são os próprios utilizadores e os eus dados. A quantidade de falhas e vulnerabilidades existem, propositadas ou não, são por demais.

        • FJ says:

          Não tem rede social, mas tem uma foto sua no site pplware…nem é preciso dizer mais nada, certo?

          • Luis says:

            Vamos aprofundar ainda mais. Qual a utilidade do ser humano neste lindo planeta? Na verdade o ser humano não produz nada de útil, só produz lixo, esburaca o planeta todo à procura de recursos, polui o ar e a água. Na verdade só a natureza é útil para o planeta.

        • José says:

          Bom para ti João, ninguem quer saber…

        • FreakOnALeash says:

          E o merd@bol…isso é que é um negócio, então lavagem nem se fala, corrupção privada e estatal e papalvos a aplaudir (e a agredirem-se) por causa de 20 e tal marretas a correr atrás de uma bola. Que alegria…upa upa melhor que uma plataforma que potencia bastantes pequenos negócios, tem servido para revoluções democráticas, atenção que quase nem a uso, só mesmo messenger para marcar os convívios possíveis neste tempo com os amigos e familiares distantes!

      • PORTUGAL says:

        O que fez o riko de util?

    • PGomes says:

      Se banissemos o Facebook, o mundo seria um local melhor.

    • FJ says:

      “Qual é a utilidade do Joao? O que é que realmente produz de útil para o planeta? O que se poderia já ter feito no planete com a energia e o dinheiro gasto com este Joao?”

      Pelo Joao ainda vivíamos nas cavernas.

      • Joao says:

        O Sr. deve ter um problema, e a solução é sair mais de casa.

        Eu sempre me referi a um serviço, e nunca a uma pessoa especifica. De qualquer forma ainda ninguém conseguiu responder as minhas perguntas. Apenas respondem com perguntas sem nexo, retorica barata e simples.

        • FJ says:

          Se o senhor nunca viu nenhuma utilidade no facebook é porque primeiro de tudo não deve ter amigos, até porque hoje em dia quem usa mais o facebook são as pessoas de mais idade, e não me venha cá com essas histórias de “ahh…mas para isso saio de casa e vou ter com os meus amigos”, tenho família e amigos no Canadá, no Brasil, na Alemanha, na Inglaterra, na Itália…imagine só uma plataforma útil para nos mantermos em contacto, Facebook.

          Quando passam férias em Portugal como combinamos uma saída? Facebook.

          Quando estamos juntos ninguém mexe no telemóvel a não ser que seja mesmo importante.

          Queria que ainda andássemos com cartinhas? Isso já lá vai meu caro.

          Depois também há muitas empresas que se dão a conhecer pelo Facebook, fácil para os clientes encontrarem e entrarem em contacto com a empresa e a empresa deste modo não necessita de estar a pagar por um alojamento.

          Existe muito potencial nesta plataforma, só não vê quem não tem olho, de resto é como tudo na vida, tem coisas boas e coisas más.

          Por isso lhe digo, saia das cavernas meu caro.

        • Vasco says:

          João posso-lhe eu tentar responder. As redes sociais têm produzido muitas coisas boas, como permitir a familiares e a amigos o acompanhamento à distância daquelas partes das nossas vidas que queremos partilhar, ultrapassando barreiras geográficas e temporais. Economicamente, são hoje em dia incontornáveis para a divulgação de bens e produtos e até de informação noticiosa da mais diversa índole. O problema das redes sociais surge quando elas são mal utilizadas -como aliás sucede em todas as restantes áreas da vida -, e deixam de ser instrumentos de comunicação para se tornarem em veículos de mera exibição pessoal e de divulgação de notícias falsas (o problema mencionado nesta notícia é exemplo do ponto a que algumas pessoas chegam para promover a negação da ciência). Se pensarmos também numa perspectiva de racionalização do uso de recursos energéticos e de preocupação pelo meio ambiente, também podemos considerar a imensa utilidade das redes sociais, que permitem reduzir deslocações desnecessárias e conviver à distância, logo reduzir a nossa pegada ecológica. Para mim, que cresci numa década em que os primeiros computadores pessoais chegaram à casa dos cidadãos normais, quando a Internet era apenas uma rede que interligava universidades e os simples modems telefónicos com acoplador acústico hoje obsoletos, apenas faziam parte dos enredos de filmes de Hollywood, parece-me quase incrível o quão vazia era a nossa vida em termos de acesso à informação global. A liberdade de podermos manifestar a nossa opinião em público é das coisas mais sagradas que existe, e não foi por terem surgido as chamadas redes sociais, que ela deixou de ser exercida, pelo menos nesta parte do mundo a que chamamos “mundo livre”. É claro que a média, a qualidade geral da informação tem vindo a diminuir, precisamente pelos mesmos motivos que tornaram as séries de televisão e as telenovelas bastante populares: São actividades de fácil compreensão, que não exigem esforço de aprendizagem, e logo alcançam um número muito maior de pessoas do que temas mais sérios. Mas é assim em todas as dimensões sociais da vida… Qual é a razão de um desporto como o futebol ter a popularidade que tem, por exemplo? Porque é que a música popular e a música pimba são tão escutadas? As redes sociais são apenas o reflexo daquilo que nós todos somos, tomados em conjunto.

    • SSD says:

      Pessoas como o João fazem me lembrar o meu avô de 92 anos. Ele é que sabe e a opinião dele é que importa, por mais argumentos que se use.
      Já lhe deram bons exemplos, aos quais o João respondeu com ironia e desvalorizando. Porquê? Porque obviamente o caro é que sabe e a sua opinião é que importa claro!
      Respondendo a ultima questão posso-lhe dizer que podia fazer o melhor discurso do mundo que mesmo assim 99.99% dos investidores iam por o dinheiro no Instagram, no WhatsApp, no Twitter, na Apple, Google, Microsoft, etc, etc. Quem investe nestas empresas não é por estar interessado em salvar o planeta (ou apenas pelo menos). Agora uma coisa não invalida a outra e se o mal do mundo fosse a energia gasta pelas empresas online andava o mundo bem.

  2. Jonny says:

    Não consigo deixar de realçar de novo a cara deste gajo. É surreal a face dele!

  3. ToFerreira says:

    Não há mal nenhum em permitir a livre expressão de cada um, mesmo que seja contra a vacina. O problema está em que o faz recorrendo a falsos factos, mentiras e desinformação, por ignorância ou interesses obscuros.

  4. Koso says:

    Só cocós. Levei a minha no sábado e não custou nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.