PplWare Mobile

Facebook: mais 3.000 pessoas para evitar a divulgação de crimes


Autor: Marisa Pinto


  1. Hugo says:

    Não acho que o Facebook seja uma plataforma perigosa,assim como não acho que as armas sejam perigosas.
    O verdadeiro perigo somos “nós”.

    • MLopes says:

      concordo e acrescento que acho muito bem a atitude da empresa. tudo o que puderem fazer para travar esse tipo de práticas (ou nem que seja só a sua divulgação evitando fenómenos de copycat) é bem vindo

  2. Isabel Costa says:

    Talvez bloquear e excluir as partilhas de actos violentos, ajude a não divulgação dos mesmos .E entregar as imagens ás autoridades para que sejam analisadas e começarem a punir quem os pratica ,tanto os actos violentos contra pessoas como a animais .Essas pessoas não merecem ter acesso há comunicação social para divulgarem o lado mais negro que o ser humano tem .

    • APereira says:

      O principal problema é que existem países (tal como Portugal) em que essas mesmas imagens de nada servem e acabam por dar em absolutamente nada.

  3. Joel says:

    Isso aí, o mundo é lindo, tudo são flores, não vamos deixar que o povo fique sabendo do lado negro não é!? Vamos deixar a violência crescer sem nem saber que ela existe, afinal, é isso que a mídia em geral quer não é! Principalmente se for para esconder as decapitações promovidas pelo Estado Islâmico, afinal, eles tem que se espalhar pelo mundo junto com os imigrantes! Por que atrapalhar isso mostrando a realidade!?

    • Hugo says:

      Ninguém está a esconder nada…apenas a não permitir a sua divulgação assim de qualquer maneira. Ou achas bem abrir o facebook e assistir a um suicídio em directo para começar o dia?
      De qualquer forma…grande parte das notícias sobre o estados islâmico, refujiados, etc…etc…ou são mentira ou descontextualizadas..apenas para promover o ódio e, acima de tudo, gerar receita/likes.

    • MLopes says:

      mas como é que se consegue extrapolar uma teoria de conspiração do facto de se tentar evitar a divulgação de violência e, por consequência talvez, também os fenómenos de copycat, etc(?) (a pergunta é retórica e, por isso, não procura qualquer resposta, pretendendo apenas suscitar a reflexão)

    • Jonas says:

      O mundo não é apenas preto e branco, como sua postagem leva a crer.
      Também não divide-se em pessoas extremamente más e pessoas extremamente boas.
      Há matizes infinitos tanto nas cores, como no caráter dos indivíduos.
      O fato de impedir a divulgação de atos de crueldade em redes sociais não pretende ser a única solução para todos os problemas, mas há de ser mais um ato a minimizar a “espetacularização” horrenda e desnecessária da violência que, não raro, tem gerado apatia, conformismo, insensibilidade, como se fosse algo absolutamente normal.

  4. Amilcar Alho says:

    “Bem sabemos que o Facebook, assim como outras redes sociais, são formas fantásticas de comunicação e divulgação de conteúdos. ”
    É mesmo… Agora correm atrás do estrago.

  5. David Guerreiro says:

    O problema é que no meio disso vai existir censura política. Já se sabe que esse “Marx Zuckerberg” é um apoiante do comunismo, e que tudo o que seja contrário às suas ideias, tem ordem para calar. Nesses 3000 novos funcionários, existirá lugar para censura de ideias contrárias aos ideais políticos do Facebook.

  6. Nuno says:

    Sugiro a leitura destes 2 artigos da Wired
    https://www.wired.com/2014/10/content-moderation/
    https://www.wired.com/2017/04/watch-people-learn-filter-awfulness-dating-sites/

    Acho que a maior parte de nós não tem noção do que implica a moderação em social media, principalmente de sites com conteúdo e utilizadores em grande número como Facebook e Youtube.
    E reparem que a maior parte das companhias/trabalhadores são na Ásia/América do Sul. Basicamente estamos a “vender” os nossos possíveis traumas aos países mais pobres (estamos a trocá-los pelo serviço da moderação). Nada de novo portanto. Depois quando um desses vídeos violentos passa, está disponível durante 10 minutos e se torna viral cá estamos nós para nos insurgir.

  7. RM says:

    Desde o primeiro dia!

  8. marco says:

    olá. o título não devia ser um bocado diferente? penso eu de que…

  9. falcaobranco says:

    Se ele fosse inteligente, não contratava o pessoal, poupava guito fazendo apenas uma coisa…acabar com o Facebook Live…

    Simples e eficaz!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.